Enquete | Milhas: como você tem usado?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Milhas Rio de Janeiro
Sabe gente velha, que não sabe falar de nada sem começar a frase com "No meu tempo...". Eu sou assim com milhas. No meu tempo (também conhecido como anos 90), milhas eram como golfe -- um esporte com pouco apelo popular. Os cartões de crédito, principais ferramentas para turbinar as milhagens, só começaram a ter utilidade no dia a dia depois da estabilização da moeda, em 1994. Quando escrevi o Viaje na Viagem de papel, em 1998, ainda dava para contar nos dedos os cartões que creditavam milhas.

Naquela época (no meu tempo!) eu usava milhas basicamente para pegar upgrade de executiva em vôo internacional. Bastava comprar uma passagem econômica qualquer (inclusive a mais promocional), acrescentar 12.500 milhas e pronto: garantia um trecho business tanto na Varig quanto na American.

Essa foi a primeira de uma série de mamatas que foram sendo cortadas. A última das mamatas -- que era boa demais, e por isso mesmo, insustentável -- era poder emitir passagem doméstica na TAM por 10.000 pontos em qualquer vôo com assentos disponíveis (valia no avião inteiro, não era só para um lote de assentos, não). Passei muito Réveillon em Alagoas voando a 10.000 pontos em vôos que custavam R$ 1.200 ou R$ 1.400.

O estágio atual dos vários programas de milhagem acabou com essa discrepância de valores entre as passagens compradas com dinheiro e as compradas com milhas. Hoje em dia, os dois preços costumam ser equivalentes. Passagens baratas em dinheiro, reservadas com antecedência ou em promoções, tendem a ser baratas em milhas, também. Da mesma maneira, passagens compradas de última hora serão caríssimas tanto com reais quanto com milhas.

Nos últimos meses, os programas de milhagem das cias. aéreas brasileiras apresentaram várias novidades. O Fidelidade TAM passou a emitir passagens apenas pelo site da Multiplus. A Avianca entrou para a Star Alliance, conectando o programa Amigo à maior aliança mundial. O Smiles da Gol criou um acelerador de milhas, o Club Smiles, que injeta 1.000 milhas por mês e oferece algumas outras vantagens por uma mensalidade de R$ 35; além disso, a Gol expandiu o seu leque de parcerias, a ponto de parecer que faz parte de uma aliança. Já a Azul também tem seu acelerador de milhas, o Clube TudoAzul.

Com a maior número de assentos ociosos nos vôos internacionais, parece que está mais fácil emitir passagens com milhas para o exterior. Digo "parece" porque não tenho experiência própria: desde há muito tempo uso minhas milhas só para vôos domésticos (sempre aproveitando tarifas de milhas reduzidas). Ao mesmo tempo, a alta do dólar faz com que menos milhas sejam creditadas via cartão de crédito.

Por isso que gostaria que você contasse pra gente como tem feito com suas milhas. Você junta para fazer vôos internacionais ou tem usado para vôos domésticos? Tem conseguido fazer as viagens que planejou com milhas ou na hora de emitir só tem se frustrado? Já experimentou trocar suas milhas por outros produtos dos catálogos dos programas, como diárias de hotéis e carros?

Milhas pra que te quero! À caixa de comentários, puvafô!

Mais enquetes:

132 comentários

Danilo
DaniloPermalinkResponder

De um ano para cá tenho aprendido MUITO sobre milhas, e principalmente, sobre como fazer elas "valerem mais", lendo alguns ótimos blogs sobre o assunto.
Eu costumava usá-las de forma pouco inteligente (p.ex. usando smiles para emitir econômica para a europa, e não usando um número mto melhor de milhas para emitir uma first do oriente médio para a asia). Agora pesquiso bastante, sempre de olho em promoções, para emitir trechos com início fora do Brasil.
Para emissão de internacional desde o Brasil eu uso o, ótimo, sistema do Bradesco cartões, que tem o preço em milhas equivalente ao valor em reais, e é muito fácil de emitir.
Mas de uns 6 meses para cá os programas de milhagem das cias. pioraram muito, e se tornaram interessante apenas para quem voa muito pagando tarifa cheia sad

César "Cezão"

Minha experiência com blogs sobre milhas me ensinou duas coisas:
1) no Brasil não tem atalho nem milagre: é preciso consumir muito ($) para poder ganhar muito. A estratégia principal dos especialistas americanos é fazer vários cartões de crédito que bonificam, mas aqui não tem isso.
2) Não há consenso sobre o melhor uso para milhas. Há várias possibilidades que podem ser boas: viajar nacionalmente ou internacionalmente, fazer upgrade ou trocar pela passagem inteira em econômica, "milha boa é milha gasta" ou juntar para emergência ou um momento especial, ficar muito em hotel econômico e trocar por uns dias em hotel top ou ficar em hotel top quando der e trocar por semanas nos econômicos...

Hugo
HugoPermalinkResponder

Eu junto minhas milhas e normalmente troco por passagens internacionais.

Utilizo muito o SMILES, e toda vez é aquela luta, tanto para achar os trechos como para emitir. Pelo menos agora dá para fazer (tentar) pelo site, pois pelo telefone pode separar uma hora, no mínimo, para concluir o processo.

O problema é que as passagens tem ficado cada mais vez caras (exigem mais pontos) e os pontos são cada vez mais difíceis de serem obtidos.

Hoje em dia os programas de fidelidade têm se tornado cada vez menos atrativo.

Paulo
PauloPermalinkResponder

Tenho juntado para fazer voos internacionais. Fui para os Estados Unidos em janeiro, pela Azul, com milhas. Quando as mesmas estão próximas de expirar, troco por outros produtos de pequeno valor

Marlon
MarlonPermalinkResponder

Aqui no Canadá onde eu moro, os cartões de crédito são mais generosos com relação às milhas, sendo que alguns que eu tenho creditam 2 milhas por dólar dependendo do tipo de estabelecimento. Os bônus iniciais também costumam ser ótimos, chegando a 70 mil milhas em alguns casos. A diferença para o Brasil é que não é comum ser possível transferir pontos de um cartão pra vários programas de milhagem, normalmente o cartão (ou o banco) está associado a um programa de milhagem, dois no máximo, com exceção de alguns cartões Amex.

Normalmente uso as milhas na Aeroplan, da Air Canada e todo ano acabo juntando o suficiente para uma viagem internacional, graças a esses bonus e o fato de receber 2 milhas por dólar em alguns casos.

No Brasil tenho Smiles (e clube Smiles) e TAM, porém não acumulo tanto, por motivos óbvios, acabo acumulando quando o voo não é da Star Alliance (aeroplan). As milhas Smiles e Tam acabam ajudando nos voos domésticos quando estou no Brasil e até mesmo em aluguel de carros em algumas oportunidades, embora este último não valha tanto a pena.

Daniela
DanielaPermalinkResponder

Uso as milhas para emitir passagem nacional. Viajamos duas vezes por ano, quase sempre viagens internas, e uso para comprar todas as passagens (somos 3) ou a ida ou a volta, o que for suficiente. Por causa do dólar, antes eu conseguia emitir todos bilhetes, ultimamente tem dado só para uma perna da viagem.
A maior parte das compras que faço no cartão não dá desconto para pagamento em dinheiro, e eu concentro todas despesas nele.

Nathalia
NathaliaPermalinkResponder

Resgatei pelo Mileage Plus, após muitos e muitos voos, uma viagem à Colômbia.
Já fui de milhas TAM pra Buenos Aires e Atacama.
Agora usei também para viagens nacionais.
Não consigo juntar muitos pontos. Quando sei que tenho o suficiente, uso logo.

Francisco Mogadouro da Cunha

Como moro em Campinas e viajo muito pela Azul, optei pelo cartão de crédito Itaucard TudoAzul assim que ele foi lançado (outubro/2014). Faço todas as minhas compras com ele, o que garante um acúmulo de milhas em taxa razoável (1,5/dólar na compras em geral e 2,5/dólar nas compras de passagens Azul), com a vantagem de que a transferência acontece automaticamente todos os meses, sem precisar atingir um saldo mínimo).

Também me inscrevi no recém-lançado Clube TudoAzul (semelhante ao Club Smiles), que não foi mencionado no post. Por R$ 30 mensais recebo 1.000 milhas e supostamente tenho acesso prévio às promoções da companhia.

Costumo usar minhas milhas somente para vôos domésticos, quando avalio que a relação pontos/tarifa vale a pena. Há algumas semanas consegui comprar por 11.000 milhas uma passagem Campinas-Curitiba que estava por absurdos 1.000 reais!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Francisco! Vamos acrescentar, obrigada!

Erika - blog Próxima Trip

Eu tenho o Smiles (que nao movimento há um tempo), o Fidelidade Tam e o Miles & More da Lufthansa( e parceiros da Star alliance).
Tenho usado o fidelidade para emissao de trechos nacionais e tambem transferido para o Le Clubd da Accor, onde troco por vouchers de hotel da rede.
O Miles & More é bem fácil de emitir pelo site passagens premio lufthansa, swiss, adria, croatian, enfim, para quem faz muitos voos internos pela Europa sempre tem trechos promo. Emiti recentemente copenhague-zurique por 10mil pts data livre (tarifa irrestrita). Tb uso esses pts miles & more para emitir vouchers dos hoteis Best Western quando estou com poucos pontos perto de expirar.
Esse programa tb permite usar os pts para upgrade, pode ser bom negócio. Na verdade não me estresso muito não, antes queria usar do modo mais vantajoso, mas agora vou gastando os pontos assim que posso, por falta de tempo de fuçar mais.

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

Na Copa do Mundo de 2014, quando fiz alguns voos nacionais caros (Fortaleza Recife, Manaus) fiz bom uso das minhas milhas, graças às dicas aqui do VnV.
Pretendo repetir essa estratégia. Como viajo pro exterior só em datas muito concorridas, usar as milhas para voos nacionais mais longos parece ser a melhor opção para mim.

regina vieira
regina vieiraPermalinkResponder

Tenho o Santander Master Free, não sei se o melhor cartão para acumular milhas (acredito que não!), mas gosto dele por não ter anuidade (tenho birra de pagar anuidade para cartão de crédito, meu $$ é muito suado, então qualquer $$ gasto a mais conta muito!! rsrrss). Nesse cartão concentro todas as minhas compras, de pão a qualquer valor mais alto no orçamento. Vou acumulando os pontos lá, sem muita paranoia, rsrs, já fui mais atenta a contagem e acumulo de pontos, hoje em dia, deixo rolar, ops, ou melhor, deixo juntar, rsrs. As ultimas retiradas foram para voos domésticos, dou preferência para a opção que possa retirar ida/volta, não acho que vale a pena gastar comprar só ida ou só volta. Também procuro opções que possa comprar a minha passagem e do meu marido. Agora, por exemplo, estou muito tentada a emitir Maceió > Santiago (depois do post sobre o Atacama postado aqui). Faltam poucos pontos para conseguir ida e volta dos dois. Ou seja, estou de dedos cruzados para dar tempo de acumular os pontos e a milhagem não ter aumentado. E por fim, ultimamente tenho acumulado mais porque diminui o ritmo de viagens (não por falta de vontade, rsrs), mas como estou trabalhando/estudando, o tempo disponível para viajar diminuiu, então estou deixando acumular mais (antes qualquer ponto acumulado já ficava de olho em passagens) e coincidentemente, as facilidades de emissão diminuíram sad

regina vieira
regina vieiraPermalinkResponder

Fui elogiar meu cartão (MasterCard Santander Free) e hoje recebi uma cartinha comunicando mudanças, entre elas, que não será mais possível transferir para programas de fidelidades, apenas retirar pontos no programa deles, o Bonus Esfera Santander. Não curti! sad
Alguma sugestão de cartão de crédito bom para acumular milhas, pessoal? Aliás fica a sugestão de post aqui no VnV, se ainda não tiver ou se estiver desatualizado (essas coisas tem mudado tanto ultimamente).

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Regina! Procure manter um cartão junto ao seu banco para ter acesso ao sistema Verified by Visa ou MasterCard SecureCode, que só funciona com cartões que têm internet banking. Se você tem algum programa de milhagem favorito, faça um cartão de crédito vinculado ao próprio cartão -- cada programa tem os seus.

Sabrina Barreira

Oi Regina, eu uso o cartão de crédito Smiles Platinum do Bradesco. Ele é bom porque dá 2 milhas por dólar que eu gasto, uma conversão equivalente de cartão black mas com anuidade bem menor. E gosto também que ele me dá um carro com motorista pra ir e voltar do aeroporto, o que é ótimo quando vou por Guarulhos, que é longe e caro. Só com essa economia eu já pago a anuidade. ;p
As milhas caem direto no Smiles. Uso com as empresas aéreas internacionais deles, como a Air France.

Renata
RenataPermalinkResponder

Eu já consegui emitir algumas passagens internacionais. Mas pra isso sempre fico atenta às promoções dos programas de milhas em quanto a oferta de bônus. Em 2014, consegui trocar 2 assentos na executiva da TAP pra Europa por conta de uma promoção do Victoria que dava 50% de bônus na transferência.
Ano passado fui a Nova York com pontos da Multiplus por 25000 o trecho na econômica.
Esse ano vou novamente a NY com pontos da Multiplus por 30000 o trecho.

Dinael Carvalho junior

Acúmulo mais pontos geralmente por cartão de crédito, com um prazo de 2 anos para expirar, só transfiro para algum programa de milhagem quando recebo pontos extras, recentemente transferi pontos dos cartões bradesco para o tudo azul, que no período estavam dobrando pontos, nessa ocasião aproveitei uma promoção da azul para Florida que as tarifas com milhas estavam praticamente a metade dos pontos exigidos, resultado peguei passagens para 3 adultos ida e volta, com pontuação que seria para apenas um. Mas sempre busco o mais vantajoso, voos domésticos, aluguéis de carro, não vejo vantagem as vezes, mesmo com pontos sobrando de usá-los, já fiz viagens que compensou pagar em dinheiro e reservar os pontos para alguma promoção específica!

Dri
DriPermalinkResponder

Uso pra fazer upgrade (na United costumam aparecer boas pechinchas pre voo) e passagens nacionais. O que sobra tenho usado para comprar eletroportáteis na multiplus. Comprei mini processador, panela eletrica, forno eletrico, maquina de fazer pipoca etc. Tudo muito mais barato do que se estivesse usando reais. Ah sim, todas as minhas milhas do Brasil são Multiplus, não gosto de voar Gol e tive uma experiência muito ruim transferindo milhas voadas com a KLM para o smiles, de 30.000 milhas originais a Gol aproveitou 1500 e disse que era isso mesmo...

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Uso sempre o Latampass, antigo Lanpass, e concentro meus vôos só nesse programa (Lan, Tam, American, Iberia, British, Qantas, etc...), a menos que consiga um preço muito bom com outra empresa.
No passado sempre foi muito difícil conseguir vôos disponíveis com poucos kms, havia que reservar com muita antecedência. Atualmente está muito fácil conseguir essas passagens, sobram vagas com a crise. Vôos Santiago-Rio por 26 mil kms em qualquer data (ida e volta), menos férias de julho. Santiago-Lima por 20 mil ou Buenos Aires por 18.
Dentro do Chile há vôos à Calama (San Pedro de Atacama) por 8 mil, Punta Arenas por 10 mil, e até Ilha da Páscua por 40 mil, em promoções.
Acabo de ir à Austrália com a American Airlines, e ganhei mais de 60 mil kms. São três passagens à Lima, mas acho que vou deixar para conhecer a terra dos Moais...

Fernanda izidia Flaviano Maria

Tenho minhas milhas, as oriundas do cartão de crédito, somente em programa de milhagem. Não sei se faço certo ou não. Mas como voo em diversas companhia acabo acumulando milhas em outros programas tb, e só uso pra voos domésticos.

JB
JBPermalinkResponder

Tb uso milhas primordialmente para viagens nacionais, mas venho observando alguns absurdos no número de milhas necessárias, principalmente no Smiles. Em contrapartida, ainda existem promoções muito boas como a de Vitoria por 7000 ida e volta que consegui junto ao Banco do Brasil. Como tenho flexibilidade e posso fazer pequenas viagens nos fins de semana, é apenas questão de ter paciência e esperar a promoção. Participo também do Club Smiles (além da opção de 1000 milhas, tem o de 3000 e de 5000 mensais, que, na ocasião, dava 90mil milhas em bônus se vc fosse "fiel" e aguentasse um ano). Só estou esperando o prazo findar e as milhas serem creditadas para sair do programa. Acho que a Smiles está oferecendo o pior cardápio de utilização de milhas existente.

Marcus Barrocas

O grande segredo das milhas, seja qual programa for é uma palavra: emitir com antecedência. As cotas promocionais são lançadas para cada voo e quando acabar, acabou. Eu uso o programa da TAM, que ficou muito mais limitado desde que eles trocaram para Oneworld. Hoje por exemplo não posso trocar Pontos Multiplus na American para um vôo que não tenha origem ou destino no Brasil ou não seja compartilhado com a TAM.
Também uso muito os pontos do Posto de Gasolina associado ao Multiplus para completar milhas que faltam, pagando uma quantia dependendo da quantidade de pontos trocados. Mas atenção, isso só vale a pena para completar milhas, se for trocar todas as milhas sai quase o mesmo valor de pagar a passagem e vc não credita pontos, portanto acho furada. Comprar os pontos Múltiplus direto, aí é que não vale a pena mesmo, mas pra completar milhas faltantes, pode ser uma opção.

Deborah
DeborahPermalinkResponder

Utilizo o programa Multiplus. Transfiro pontos do cartão de crédito mais perto do vencimento e acumulo pelo TAM Fidelidade sempre que viajo comprando a passagem. Esse ano ganhei um bônus de 40% na transferência, uma promoção conjunta com o BB. Utilizei agora nas férias em março para 2 pessoas ida e volta em 2 destinos nacionais. Achei bem em conta e troquei com menos de 2 meses de antecedência. Mas é a 1a vez que consigo "casar" o destino escolhido, com a data de férias e a quantidade de milhas que possuo. Ano passado tinha milhas a vencer e como não poderia viajar, troquei por produtos também pelo Multiplus, muito simples de trocar, recebi o produto no prazo e correto. Agora ficarei mais atenta aos parceiros Multiplus para acumular mais pontos como por ex o KM de vantagens do Posto Ipiranga.

Mayara
MayaraPermalinkResponder

Já usei bastante o Smiles pra emitir trechos internacionais, no passado. Emiti Punta Cana 15k o trecho, Paris-NY de executiva por 22k. Atualmente, o Smiles só aumenta a tabela. Um trecho SP-Dublin está 70k agora, na econômica. Sem condições! Estou queimando minhas milhas Smiles com voos domésticos, que tb estão bem inflacionados. Daqui pra frente só transfiro pra Multiplus, que tem feito ótimas promoções.

Erika - blog Próxima Trip

Ah e quanto ao cartão de crédito para acúmulo, eu e o marido usamos o mastercard black do BB

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

No meu tempo (hihi) eu usava milhas pra viagens nacionais, especialmente pela TAM. Já emiti passagem com milhas pra destinos à época caros (como ir pra São Francisco, que custa as mesmas milhas de uma viagem pra Miami, e é bem mais caro em dinheiro).
Concentro todas as minhas compras no cartão de crédito - pra ganhar milhas e pra controle meu (odeio coisas pingando na minha conta o mês inteiro).
Mas hoje ando mais relaxada e não controlo muito não. Só tenho o cuidado de passar milhas do banco para algum plano quando estão pra vencer, pra durarem mais (o prazo de validade do banco + o do plano de milhas).
Ultimamente, aproveitei uma promoção da TAM que dava 40% de bônus na transferência de milhas do banco e comprei as passagens pra levar a meninada pra Disney em novembro (e quase chorei depois com as imensas promoções pro trecho - mas milha boa é milha gasta).
Meu plano agora é acumular milhas no programa Victoria da TAP - que tem o único vôo direto a partir de BH pra Europa, que pra mim o luxo máximo é evitar Guarulhos...

Lena
LenaPermalinkResponder

Riq, eu tenho notado uma grande diferença na quantidade de milhas para emissão de bilhetes para os EUA entre as companhias nacionais (TAM e GOL) e a American Airlines. Para o caso de emissão com menos antecedência (às vezes até menos de uma semana), já consegui várias vezes emitir pela AA, com 25 mil milhas o trecho, que é o mínimo, enquanto com a TAM estava por 70 mil ou 100mil.
No caso nacional, tive a experiência no mês passado para emissão da ponte aérea. Precisei emitir as passagens de ida com uma semana de antecedência e o bilhete estava super caro (mais de mil reais o trecho). Usei 7 mil milhas. Ok, pode ser caro pra ponte aérea, mas se considerarmos que o mínimo normal para nacional seriam 10mil, então foi mais barato do que a compra com dinheiro.
Mesma coisa para a volta. Como houve uma mudança nos planos de viagem, acabei emitindo a volta com dois dias de antecedência e usei 8mil milhas. O preço também ultrapassava bem os mil reais.

Rodrigo Montes

Uso exclusivamente para voos domésticos, em viagens para as quais não tenha me preparado com antecedência ou em períodos de alta temporada ou feriados. Nesses casos, na maioria das vezes, utilizo a opção smiles e money.

ana
anaPermalinkResponder

minha intenção inicial era usar as milhas para uma viagem internacional, mas quando precisei comprar passagens nacionais de última hora (que estavam caríssimas), acabei usando parte das milhas, e acho agora que foi um bom negócio.
procuro sempre os horários promocionais, e já embarquei com 5 e 6 mil milhas em voos que custavam 700, 900 reais, o trecho .
pago tudo com cartão de crédito, até cafezinho, e deixo para transferir os pontos do cartão para os programas de fidelidade quando estes estão em promoção (como no dia da mulher, em que a TAM deu 50% a mais de pontos).
claro que o uso do cartão pra tudo, como no meu caso, só serve para quem é disciplinada.

Débora
DéboraPermalinkResponder

Olá, eu e meu marido já usamos as milhas tanto para viagens nacionais para destinos como Rio de Janeiro, Fortaleza e Sao Paulo e também internacionais como Santiago e Lima. Agora estamos fazendo um bem bolado para viajar de novo em outubro com milhas. Faremos a rota Florianopolis x Santiago x Cartagena x Florianopolis e deveremos gastar cerca de 100.000 milhas para isso. Acumulamos atraves dos cartoes de credito e dos km de vantagens. Esse negocio de milhas é viciante.

Ronaldo Giusti

Não tenho uma estratégia, mas sigo o conselho de que "milha boa é milha gasta". Dificilmente consigo os trechos que quero com milhas, mas ano passado emiti Fortaleza-Ushuaia-Fortaleza por 20 mil milhas Smiles (impossível ser mais barato em dinheiro).

O problema é que o Smiles não disponibiliza mais nem um mísero trechinho com a parceira Aerolíneas Argentinas, apesar de continuarem dizendo que a parceria existe. sad

ROGERIO MACRI
ROGERIO MACRIPermalinkResponder

Ricardo Freire, realmente os tempos mudaram e mudaram muito, mas posso dizer que é possível economizar em média 80% com preços de viagem.
Uso muito o programa Multiplus da TAM e da ACCOR Hotels, o Le Club onde estou na categoria platinun, que lhe permite fazer check in antes do meio dia e check out após o meio dia sem pagar nada por isso. Além disso você tem prioridade de entrada e saída, evitando longas filas. Tenho usado o programa de fidelidade TAM para emissão nacional como internacional. Minha última viagem internacional foi para Roma na Itália passando por Londres, me hospedei no Mercure Eur (excelente) e em Nápoles no Ibis próximo a estação de trem. Existem várias técnicas legais para se turbinar as milhas que pouca gente conhece e por achar que já sabem usar milhas pagam caro para viajar. Quem quiser conhecer meu trabalho tem a página no Face "Dr.Milhas Rogério Macri". Custo bastante acessível

Rhaabibe Facundes

Uso milhas a vários anos, centralizo a maioria dos meus pontos no Multiplus Fidelidade TAM, e tenho alguns no Smiles e Azul, já usei várias vezes para ir para o exterior, tanto para Argentina, EUA, e mais recentemente emiti passagens executiva para Paris, em uma promoção da TAM, além claro de emitir dentro do Brasil, como mês passado viajei para Bahia com minha família usando meus pontos no Multiplus e no Smiles. Eu sempre prefiro olhar com antecedência, mas muitas vezes encontrei passagens com ótimo preço em milhas com 1 mês de antecedência ou pouco menos.
Quando me casei comprei fogão, forno, entre outras coisas, usando pontos do Multiplus, na Ponto Frio, mas não faço isso mais, compro somente passagens e as vezes reservo hotel pelo Le Club, da Accor.
Éu consigo juntar muitos pontos mas porque faço tudo, compro tudo, de forma que eu ganhe o máximo de milhas, como esperar uma promoção em alguma loja online que dê 8 ou 10 pontos por real gasto, uma vez comprando uma geladeira e outros itens ganhei 50k pontos Multiplus, abasteço sempre no mesmo posto para ganhar pontos e assim vou indo, e claro fico sempre ligado em promoções de passagens e pontos/milhas para ganhar o máximo e gastar o mínimo.

Joana
JoanaPermalinkResponder

Sempre usei para viagens nacionais, para emitir passagens caras de última hora. Como ultimamente tá bem difícil achar barbadas, o meu uso mais constante é milhas+dinheiro da Smiles, e milhas reduzidas da Azul. Dificilmente uso pra viagens internacionais, as últimas foram pela TAM, 20 mil cada trecho pro México e EUA, e 30 mil pra Europa. Usei tb Smiles para Montevidéu, ano passado, 6 mil cada trecho, saindo de BH. Pelo que tenho olhado esse ano, essas promoções não existem mais. Realmente tá difícil usar milhas. Para reserva de hoteis, uso meus pontos fidelidade Accor, muito bom o programa deles, inclusive os descontos de até 50% no fim-de-semana.

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Tem sido mais difícil acumular milhas em tempos de dólar alto. E como normalmente viajo com a família (somos 4), só vôo nacional mesmo (ou no máximo América do Sul).
Tenho tentado acumular pontos também com os parceiros, já que só o cartão não tem siso muito "produtivo". rs
Problema é quando você tenta juntar um pouco mais de pontos e na hora de emitir encara burocracia e mais burocracia... Chato.
Essa história de pontos + dinheiro da Gol e Tam é um disparate. Sem chance!!! A pessoa tem que gastar suas milha e o valor fica praticamente o mesmo que se não usar. Na minha cabeça isso não faz sentido nenhum.

César "Cezão"

Procuro juntar para voos internacionais, sempre, mas demora. Por isso, não esquento. O que vier, é lucro. Nunca compro passagem mais cara só para ganhar mais milhas. Já troquei por produto mas é menos vantajoso ainda do que trocar por passagem em preço normal. A estratégia de juntar programa de hotel, milhas voadas e pontos do cartão em um mesmo programa é a melhor, me parece, já que no Brasil não temos cartões que bonificam como nos EUA.

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Apesar de já ter usado para emissão de passagens internacionais (Buenos Aires, Orlando e Lisboa, pra citar algumas) hoje tenho usado somente para passagens domésticas... Costumo acumular pontos pelos cartões de crédito, que uso para TODAS as minhas compras, e no km de vantages do Ipiranga. Concentro no Multiplus quando estão pra vencer.

Maryanne
MaryannePermalinkResponder

Sei que a minha experiência talvez não seja válida pra essa enquete, mas continuo achando o programa de milhagem da United imbatível.Sempre consigo emitir passagens sem muita antecedência e o número de milhas só fica absurdo em períodos como Thanksgiving e Natal. Mas uma regra que vale pra todos os programas é nunca,nunquinha trocar suas milhas por aquele monte de produtos do catálogo. Acho o pior uso possível.

Dalva Luiza Pinto Souza

Tenho o programa smiles e qdo quero viajar, mesmo procurando com antecedência , trechos nacionais que antes custavam 4, 6 8 mil milhas, agora custam 30, 40 70 mil milhas ou mais.

Jessica
JessicaPermalinkResponder

Ano passado para Buenos Aires com Smiles mais money. Esse ano estou trocando para a rede accor, pois vou para a Alemanha e consegui vários hotéis 0800 com o voucher da accor.

Izabella Zava
Izabella ZavaPermalinkResponder

Meu marido e eu adotamos a filosofia Geoge Clooney (no mal traduzido Amor Sem Escalas): só compro se a compra render milhas. Até esmalte de unha e casquinha do McDonald's compro no cartão. E quando vamos comprar passagem se estivermos entre duas companhias (preço e tempo de vôo semelhantes) compramos da que for do smiles. Temos programas da tam e united também, mas no geral preferimos a smiles porque oferece mais empresas de nosso interesse. Antes usamos milhas em vôos nacionais e América do Sul, mas como não temos planos para esses destinos tão cedo agora começamos a usar pra mais longe. Usamos pra Miami. E também não ficamos acumulando. Se já temos o suficiente pra próxima viagem, já usamos.
Mas confesso que ainda acho os programas cheios de problemas e pegadinhas. No carnaval fomos pra Roma de Alitália e como era passagem promocional o smiles recusou pontuar. E mesmo com antecedência a tam barra compra por pontos pra voar british se você quiser comprar pra dois. Também olhei passagem pra Aruba e mesmo com antecedência a smiles só oferece os piores vôos (conexões super longas) da Copa e ainda cobra 70000 o trecho.
Tá melhor que no seu tempo, mas ainda tá longe de ser realmente eficiente pros usuários.

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Há muitos anos pago tudo com cartão de crédito, desde o pãozinho às passagens aéreas, e vou juntando milhas. Uso , quase sempre, só para vôos domésticos (sempre aproveitando tarifas de milhas reduzidas). Já fiz muitas viagens assim. A última foi Rio/Caldas Novas/Rio pela Azul no período de Carnaval. Peguei uma boa promoção, indo 1 dia antes e voltando 1 dia depois do período crítico. Não demoro muito para transferir as milhas. Uso logo que ´possível. Milha boa é milha gasta.

Tha
ThaPermalinkResponder

Em janeiro desse ano fui para Nova York utilizando o programa de milhas da TAM
Não tive nenhum problema nem com a troca das milhas e nem com a qualidade do acento. Inclusive fui naquelas poltronas com mais espaço para as pernas
E já estou juntando mais milhas planejando uma nova viagem aos Estados Unidos o ano que vem

Fabiola Xavier

Estou viajando esta semana para EUA com milhas pela primeira vez e me sinto feliz. Apesar da pouca experiência, creio que fiz bom negócio. Não tenho interesse na troca por produtos, exceto se há pontos a expirar. Tenho estado bastante ligada nos meios de acumular milhas mais rápido e viajar mais, principalmente dentro do Brasil.

Cris
CrisPermalinkResponder

Até hoje, eu só usei milhas para emitir bilhetes de voo intrenacional. Apesar de eu ser associada a praticamente todos os programas milhagens das companhias brasileiras e europeias, eu pontou ou transfiro apenas para o Programa Victoria da TAP ou Miles and More da Lufthansa.

O Victoria parace ser mais fácil de acumular e creio que a tabela para uso de milhas seja menos salgada do que a da Miles and More. E a TAP às vezes tem pormoções bem interessantes, como emissão de bilhete com metade das milhas necessárisas, por exemplo. Eu já emiti passagem para os trechos Porto Alegre - Viena - Barcelona - Porto Alegre (com conexões em Lisboa, portanto, 4 voos) por apenas 40 mil milhas em 2015. E pelo menos no ano passado, foi excluída aquela taxa de combustível absurda para a emissão do bilhete, pelo menos para passagens com origem no Brasil. A emissão de todos os trechos custou 85,00 Euros.

Aliás, as milhas do Victoria me salvaram também em 2015 quando eu precisei alterar um roteiro de última hora já no meio da viagem. Consegui emitir passagem de Praga a Barcelona por 12.500 milhas apenas 3 dias antes do embarque (estava em Berlim e tive de descartar uma estadia logo a seguir em Paris depois do 07/01/2015 e mudar o itinerário às pressas para Praga e continuar depois direto para Barcelona). Compar tal passagem de última hora era uma facada na carteira, mesmo pesquisando inúmeras possibilidades no Skyscanner. Então me lembrei que tinha as milhas Victoria e deu certo! smile

Também nunca tive problema para fazer a emissão dos bilhetes com milhas do Victoria. Sempre bastou eu procurar os trechos nas datas pretendidas, inserir meus dados e em 15 segundos receber o e-ticket no e-mail. Inclusive, nessa viagem Porto Alegre - Viena - Barcelona - Porto Alegre, eu havia selecionado todos os trechos na econômica, e voilá, ao receber o e-ticket, percebi que houve um free upgrade automático para a executiva no trecho do voo de conexão entre Lisboa e Viena, o que me possibilitou usar o Lounge da TAP no aeroporto de Lisboa smile.

O programa Miles and More exige mais milhas para os mesmos trechos, mas pelo menos cobre também as taxas de embarque e até mesmo alguns serviços (internet a bordo) e produtos do Duty Free aéreo com as milhas (por uma tabela meio absurda, mas vá lá!). Até hoje eu não consegui usá-lo para coisa alguma, hehe, até porque eu dou prioridade para o Victoria. Um dia, quem sabe, eu chego lá.

O que eu sempre quis fazer com as milhas, mas nunca consegui (exceto no exemplo citado acima no trecho Lisboa - Viena e talvez porque não viajava naqueles áureos tempos aos quais se refere o Ricardo Freire no post) é usar as milhas para um upgrade para a executiva em voo internacional. Em diversas oportunidades eu tinha mais que o dobro das milhas necessárias para tanto, mas com a passagem sempre comprada pela tarifa promocional (classe tarifária W ou mesmo K), não é possível o upgrade com milhas. Basicamente, para fazer o upgrade, é preciso comprar a passagem com uma tarifa quase próxima ao preço da executiva, e assim, hoje e dia o upgrade com milhas parece ser um grande desperdício, pois é mais fácil juntar um pouco mais e emitir um bilhete prêmio.

Abs,

Cris

Cristiane Pereira

Tenho guardado as minhas milhas para voos internacionais, daqueles que são mais caros, tipo Asia! Ano passado gastei as minhas em uma viagem pela Asia, chegando nos Emirados Arabes, indo para Tailandia e voltando de Singapura. Sempre pesquiso o preço e comparo com a quantidade de milhas.

Sarine Aguiar
Sarine AguiarPermalinkResponder

Ano passado consegui viajar de milhas em todos os feriados nacionais e regionais. 95% emitidas pelo smiles. Mas me programei logo no início do ano. Até março estava com tudo emitido. Para o sul do Brasil os valores eram mais vantajosos. Soh um feriado consegui ir ao nordeste, Porto Seguro. Além disso, no final de 2014 consegui emitir as passagens de férias em jun/15 para NY e Chicago + trechos internos, com facilidade. acho que 30 ou 35mil o trecho interna + trecho interno nos eua por 12.500.
Depois que a Gol mudou as regras, acho que em outubro, ficou um pouco mais difícil. Mas vejo que sendo com bastante antecedência consegue-se algo bom. No momento vejo que o fidelidade tam está com melhores opções nacionais. Não pesquisei o internacional. E a gol com suas parcerias compensam para voos internacionais.
Este ano irei ao México ainda com milhas emitidas em setembro/2015, ainda tive sucesso com os parceiros do smiles. Esse ano emiti só um trecho nacional com promoção, sendo em dias fora de fds/pico e com uns 2 meses e meio de antecedência.

Michele de Oliveira Capiotti

Também acho que com o passar dos anos está mais complicado emitir, está mais demorado encontrar algo que valha a pena e é exigido um maior numero de pontos/milhas do que exigido anteriormente.

Imagino que isso seja devido ao aumento expressivo do número de empresas que entraram como parceiras nesses tipos de programa. Não é a toa que Multiplus e Smiles são empresas enormes hoje em dia. Devido a essas parcerias imagino que as pessoas também acumulem mais milhas então na minha cabeça até faz algum sentido. O meu problema é que continuo acumulando milhas basicamente com uso dos meus cartões de crédito, as únicas exceções hoje em dia são os app de taxi e as vezes com o TripAdvisor. Não consigo ver muita atração em algumas parcerias e também acho que se você não tomar cuidado acaba comprando algumas milhas.

Mesmo com todas essas mudanças ainda acho que consegui boas oportunidades. Vim para Europa recentemente com 35k pontos Multiplus (voei Gurarulhos-Frankfurt direto). Achei bom mas até então sempre tinha conseguido por 30k. Nos feriados de final de ano de 2015 consegui emitir passagens premio tanto com a Avianca quanto com a Gol, como acumulo pouco nessas cias com eles até hoje só emiti trechos nacionais.

Acho muito interessante a proposta do Club Smiles porém os trechos ofertados pela Gol não tinham muito meu perfil de voo e sendo assim prefiri não fazê-lo. Também acho que a TAM (ao menos pra mim) ficou menos atrativa depois da saída da Star Alliance. Sempre que sobra pouca milha, ao invés de deixá-las expirar costumo doar para alguma entidades assistenciais.

No momento raspei o tacho e agora estou avaliando em qual programa será melhorar concentrar minhas milhas. Obrigada pelo post e pelos comentários estão sendo super úteis.

RABUGENTO
RABUGENTOPermalinkResponder

Aqui em família juntamos todas as milhas nos cartões Infiniti e Black do BB. Os débitos são individuais mas as compras a crédito, que são feitas em maior quantidade, vão todas para a mesma fatura.
Como temos inscrição no Smiles, TAM/Multiplus e AZUL, além de alguns programas de redes de hotéis, deixamos os pontos lá no BB até aparecer alguma boa oportunidade ou necessidade para uso de nossos pontos.

Eduardo Barros Leal

Em 2014 tinha 100.000 milhas e adquiri um pacote para Santiago, ano passado, tinha novamente 100.000 milhas e decidi vende-las para a Hot MIlhas, com o dinheiro, comprei as passagens para BARILOCHE, então saiu uma coisa pela outra, este ano, (novembro), viajarei para Turquia, Israel e Emirados Aárabes, passarei 17 dias fora e devo vender umas 120.000 milhas com o que deverei comprar dolares, pois o pacote, desta viagem fechei em uma agencia, ou seja, até hoje, é a melhor maneira de utilizar minhas milhas.

Lu
LuPermalinkResponder

Tenho TAP e American, além do cartão do Itaú. Ultimamente, c is bilhetes intnais a preço de banana, tenho usado ad milhas o upgrade na ida, q é qdo + sinto os efeitos do vôo. Geralmente consigo srm problemas, mas às x só vou saber no aeroporto.
Mas, no meu tempo (rsrsrs), tinha pelo menos 1 x ano uma promoção c a TAPvdr trocar os ptos em dobro, ou voar c metade das milhas. Aí q sdds...

Glenner
GlennerPermalinkResponder

Tenho usado minhas milhas para emitir passagens internacionais pela Smiles. Como sou clube Smiles tenho acesso antecipado as promoções, e de um tempo pra cá tem saído muita coisa com as parceiras internacionais... consegui emitir para os EUA por 25mil milhas o trecho smile

Denise Leorte
Denise LeortePermalinkResponder

Sempre uso para viagens internacionais. Acho a melhor forma de voar na classe executiva! Pesquisar bastante e aproveitar promoções, além de comprar qualquer coisa pagando no cartão de crédito são as dicas para aproveitar melhor os programas.

Marcelo Brito Cardoso

Utilizei 58 mil milhas para fazer Uruguai ida e volta para dois a partir de SSA.
Vale muito acumular pontos nos cartões para pelo menos uma vez ao ano viajar.
Ficar de olho nas promoções, muitas vezes se encontra trechos na América do Sul por 7mil milhas... Uma pechincha!

Cinthia
CinthiaPermalinkResponder

Desde 2010 viajamos (somos 3) com milhas. Nesse período, só pagamos uma viagem à Disney na mega promo da United de 2013.
Já viajamos para a Europa (7 vezes), EUA (6 vezes), Caribe (1 vez) e Ásia (1 vez). Fizemos uma viagem de 71 dias em 2014 e pagamos apenas 2 voos em dinheiros dos 22 voos que fizemos no total. Detalhe: os voos longos, acima de 6 horas, fora, todos em Executiva.
Isso foi na época boa em que era possível usar o Pague Contas.
Atualmente, está infinitamente mais difícil acumular milhas. Ainda temos um bom saldo guardado, principalmente nos programas de fidelidade internacionais, que não prescrevem, desde que se tenha uma movimentação na conta em determinado período. Como sempre temos, não prescrevem mesmo.
Nessa viagem de 71 dias, também paguei 40 dias só em hotéis da rede Accor, com transferência de pontos via Multiplus.
Já ficamos 8 dias no Hampton Inn, em NY, por 120 mil milhas Multiplus, na época em que o Multiplus possuía parceria com o Hilton e a taxa de transferência era boa! Detalhe: na época, o custo para fazer 10000 milhas era de apenas R$ 75,00. Ou seja, pagamos 8 diárias com apenas 900 reais. Fantástico! Isso, atualmente, é surreal!
Ainda tenho uma viagem em julho para os Balcãs, cujos bilhetes, todos em Business, para os 3, tb fora, emitidos com milhas.
Gasto absolutamente tudo no cartão de crédito, até estacionamento do shopping! Compro muito no Ponto Frio quando há promoções dando de 8 a 10 milhas por real gasto. Enfim, assim vou turbinando minhas milhas!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Cancelar