#Linkódromo | 4 dias em New Orleans, seguindo os passos da Viajoteca

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Roteiro New Orleans

Fotos | Mirella Mathiessen, Viajoteca

Estive em New Orleans praticamente numa vida passada: já faz 25 anos que fui pela última vez. Apesar de não ter voltado, foi uma das cidades que mais me marcaram. Encontrei ali a fronteira norte da "nossa" América, a América Afro-Latina -- um continente que começa na Louisiana, desce pelo Haiti e por Cuba, abrange o Caribe até a Colômbia, então escapole para o lado de cá dos Andes pela Amazônia até chegar ao Atlântico.

Estou há muitíssimos anos atrasado nos meus planos de revisitar New Orleans, então o jeito é viajar na viagem dos colegas. E passando em revista os posts que a Natalie seleciona para a seção /#Linkódromo da home, deparei com esse roteiro bárbaro de 4 dias em New Orleans da Mirella da Viajoteca.

Os 4 dias em New Orleans estão convenientemente divididos em dois dias para explorar a cidade e dois dias de bate-voltas aos arredores. Num dia, ela e o Kiko visitaram duas 'plantation houses', as casas-grandes da Louisiana, construídas antes da Guerra Civil Americana (e por isso muitas vezes referidas como "antebellum houses", casas pré-guerra). Noutro dia, foram passear pelos pântanos (swamps) tão característicos da topografia da Louisiana.

Dê um pulinho lá na Viajoteca e veja por que New Orleans vale um desvio da sua viagem à Flórida.

Roteiro New Orleans na Viajoteca:

5 comentários

Margareth Portela

Ótimas dicas.
New Orleans é um destino que me interessa muito conhecer.
Obrigada.

Mirella Matthiesen

Uia ... passando para agradecer o link e enfatizar que essa viagem foi realmente muito legal!!!!
bjks

Oscar
OscarPermalinkResponder

Muito legal ver os post da Mirella aqui no VnV.. Eu AMEI New Orleans.. Além desse Mix de culturas, o que mais me cativou na cidade foi a comida.. NoLa foi sem duvida a cidade onde tive a melhor experiências gastronômica nos EUA. Não vejo a hora de um dia voltar grin

andre
andrePermalinkResponder

Meu próximo destino. Coincidentemente sonhei que estava lá na noite passada.

Davian
DavianPermalinkResponder

Estive em New Orleans em maio com familiares e compartilho algumas impressões e dicas. Sempre q chego em uma cidade turística pela primeira vez, gosto de fazer um tour pelas principais atrações, seja de ônibus turístico ou com guia privado. Metade do nosso grupo não falava inglês e para tirar o máximo proveito da visita queríamos um tour em português. Fiz contato com varias empresas que faziam em espanhol, porém ao custo aproximado de 100 USD por pessoa (éramos 6). Nos pareceu caro, pois o tour com o ônibus turístico sairia a 42 USD, podendo subir e descer em várias paradas por dois dias. Fomos então para o ponto de partida dos ônibus turísticos, a Basin Station (501 Basin Street) que também é centro de informações turísticas (além de ser colado no French Quarter, onde ficamos hospedados). Chegando lá descobrimos que o audio com as informações ao longo do trajeto era somente em inglês... Vendo nossa decepção, uma simpática voluntária disse conhecer um guia credenciado mexicano. Ligamos para o senhor Javier que - sorte!!! - chegou em 10 min em uma van que comportava até 12 pessoas. Um parêntese, sobre a Basin Station: é um ótimo ponto de partida para passeios, pois tem um pequeno museu com informações sobre as principais atrações turísticas, filminhos introdutórios etc. Voltando ao guia, o Sr. Javier nos proporcionou um tour impecável em "portunhol" que valeu muito a pena! Pagamos 400 USD por um tour que durou 5 horas com muita informação e histórias interessantes, paradas estratégicas e almoço delicioso no restaurante Landry's Sea Food na margem do lago Pontchartrain (recomendo!!!). Uma das paradas mais interessantes foi no jardim de esculturas do parque da cidade (The Sydney and Walda Besthoff Sculpture Garden). Dá para ver em 20 min de caminhada, mas vale reservar uma hora para curtir o lugar, um dos mais interessantes que já conheci do gênero! Deixo o contato do guia: Dixie Tours tel 504-5229422 email: franciscojavier.cuellar@yahoo.com. Pontos altos da viagem: show de jazz no Preservation Hall (com ingressos comprados com antecedência e lugares marcados, fica em conta e nos livra da fila); bares com bandas ao longo da Bourbon Street q adoramos: My Bar (tem um duo de pianos super animado q toca de tudo) e Fritzel's European Jazz Pub (bar em atividade mais antigo de New Orleans, com banda própria, considerada tão boa quanto a do Preservation. E é!); Museu da Segunda Guerra, uma viagem no tempo que nos fez perder noção das horas! Ficamos de 10 às 17 e almoçamos no restaurante da ala The American Sector, que tem um ótimo serviço à la carte e bons vinhos (30 USD/pessoa com vinho). Ponto baixo: Plantation Oak Alley. Esperávamos mais da visita... Fomos em uma hora, de carro alugado, mas há ônibus regulares saindo da estação central da cidade. Paga-se 20 USD/pessoa para entrar na propriedade. A visita guiada é só pelo interior da casa, que, por sinal é linda, restaurada e mobiliada e só perde para a magnífica alameda de carvalhos que levam às margens do Mississipi. Há outras construções de madeira reproduzindo casas de escravos e outras instalações da fazenda, mas são réplicas (estalando de novas) que retratam a vida de quem lá habitava, com utensílios e objetos (originais) muita informação escrita e belos jardins. Mas não passa a atmosfera que vemos em fazendas históricas no Brasil, por exemplo. Nessa propriedade, vá se tiver tempo.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar