Estrada Paraty-Cunha ganha novo calçamento e pode ser usada durante o dia

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Estrada Paraty-Cunha: Pedra da Macela

Excelente notícia que acabou de chegar no email da Redação: a estrada Paraty-Cunha, que liga a cidade serrana paulista ao vilarejo colonial fluminense, foi reaberta ao tráfego nesta sexta, 1º de julho, com a entrega do trecho da RJ 165 que estava em obras há anos.

Antes da construção da Rio-Santos, em 1972, este era o único acesso possível a Paraty, num traçado inalterado desde os tempos da Estrada Real.

Dos 46 km entre Paraty e Cunha, 10 km atravessam o Parque Nacional da Serra da Bocaina, e por isso não são asfaltados. Este trecho ganhou calçamento de paralelepípedos modernos (os bloquetes) e uma série de restrições de uso: a velocidade máxima é de 20 km/h, e o tráfego está liberado apenas entre 7h e 17h.

A idéia não é economizar tempo, mas usar a estrada como quem faz um passeio. A parada mais bonita é ainda no lado paulista da estrada (SP 171), no km 66: ali, uma caminhada de 2 km morro acima leva a esta vista da Pedra da Macela que você vê no alto do post (enviada pelo pessoal da divulgação). A 1.840 metros acima do mar, é possível avistar Paraty, a baía de Ilha Grande e até Angra dos Reis.

Leia mais:

14 comentários

Renato Silva
Renato SilvaPermalinkResponder

Passei por esta estrada no dia 24 junho. As informações em placas na estrada ainda são de que o trecho pode ser interrompido devido a trabalhos. Difícil encontrar junto aos locais em Cunha uma informação precisa sobre eventual fechamento da estrada após uma certa hora. Passei após as 17 horas, neblina intensa em alguns trechos e já tendo anoitecido. De fato não há mais trechos de terra e no trecho com bloquetes a qualidade da pavimentação é boa, mas quando acaba tal piso , já no Estado do Rio, há pouca sinalização dos limites laterais da estrada, asfalto precário , alguns buracos e estrada estreita, portanto muito cuidado principalmente à noite. Acredito que durante o dia com claridade a impressão muda para melhor. Boa viagem!!!

Maria stela Nogueira de sousa

Estou muito interessada em conhecer Cunha mas não sei qual linha de ônibus faz o percurso Rio/Cunha, tb gostaria de saber o tempo do percurso. Agradeço as informações. SteladeSousq

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Estela! Vá pela viação Sampaio a Guarantinguetá, e lá pegue a viação São José a Cunha.

Marcela Sousa
Marcela SousaPermalinkResponder

Eu passei por ali em janeiro, quando as obras ainda estavam acontecendo. A estrada ficou muito boa e, respeitando os limites de velocidade, é um lugar muito bonito para passar! Ainda quero parar para subir na Pedra da Macela!

Paty Poletto
Paty PolettoPermalinkResponder

Passei la sexta, dia 01/7, e achei a estrada ainda bem problematica, principalmente qdo se aproxima de Paraty. Paramos no O Lavandario e gostei muito da vista de la!

Elizangela
ElizangelaPermalinkResponder

Q excelente notícia! Mas pelo visto essa estrada continua uma incógnita... Rs
Temos muita vontade de ir a Paraty por ela, pois o trecho até Cunha é já é espetacular. Três dicas para curtir em Cunha: o Lavandário, a Pedra da Macela e o restaurante de massas artesanais Villa Favorita.

Saulo
SauloPermalinkResponder

Espetacular e fascinante! !

Eliana Fonseca

Acho uma temeridade dizer que estrada está pronta. Pois não está!
Saí de Parati e peguei essa estrada, pasmem!
Sem sinalização, início buracos que não acabam mais. A subida (íngreme) é um risco de vida, matagal, sem acostamento...
ALERTA! Só siga nessa estrada quem tiver um carro 2.0 em bom estado, com freios bons e pneus novos. Pois depois que começar a subir... Não tem mais volta!!!!!!!! É isso! Pra quem gosta de aventura/risco de vida. É um prato cheio.

Carlos
CarlosPermalinkResponder

Passei dia 30/06 no período da manhã e já estava liberada a estrada, achei que as obras ficaram satisfatórias, apesar de, como dito em post acima, o início da subida no trecho em que a pista é de asfalto e não bloquetes, perigosa por conta do estreitamento da pista e várias pontes, o que inviabiliza a sua utilização no período noturno. Contudo, a subida achei mais tranquila que a Oswaldo Cruz.

Gui Batista
Gui BatistaPermalinkResponder

Olá aqui quem fala é o Gui, eu peguei a estrada em outubro e achei bem tranquila pra subir, poderia ter um pouco mais de sinalização e uns olhos de gato na faixa amarela pra orientação do motorista em momentos de muita neblina.
Subi de Paraty para Cunha com um Fiesta 1.0 e estava com o carro cheio, então digo que não é necessário você ter um carro 2.0 como falaram em outros comentários acima, basta saber encarar subida e descida ingrime.
O caminho vale muito a pena durante por conta do visual durante o dia.

Gostaria de saber se a pista está ou não liberada a noite???

É isso pessoal!!

E se você quiser viajar, mas não está muito afim de dirigir, vá DE CARONA COM O GUI..

Curta a Página e fique por dentro de nossas histórias:
https://www.facebook.com/decaronacomogui/?ref=bookmarks

Julio Cesar Corrêa

No início deste mês, fiz o percurso Paraty ao Rio, mas passando por Cunha, a Serra da Bocaina e a Serra do Piloto. Acredito que seja o jeito mais original de se voltar de Paraty para a capital fluminense.
Se interessar: http://jccbalaperdida.blogspot.com.br/2017/01/da-praia-serra-do-piloto-via-serra-da.html#links
Abraço

Maik
MaikPermalinkResponder

Boa tarde,
Passei pela estrada do Cunha dia 29/04/17 e gostaria de dizer q vale muito a pena conhecer pois o visual eh fantástico.
A estrada requer sim atenção pois eh bem estreita.

Aluisio Consolação santo

Amei a estrada nova,valeu,sucesso a empresa...

Yara Ribeiro
Yara RibeiroPermalinkResponder

Oi trecho que sai de Para tu para Cunha está péssimo, só melhora no lodo que vai para São Paulo. Antes o lado de a Paraty está péssimo.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar