Airbnb hospeda 80 mil na Rio 2016; brasileiros já podem usar Airbnb em Cuba

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Airnb Rio 2016

Semana passada fui convidado para um almoço na simpatiquésima Casa Airbnb, um 'live site' da Rio 2016 aberto a anfitriões, hóspedes, fãs e curiosos até o próximo dia 21 (não precisa convite: é só aparecer, entre 11h e 20h). O anfitrião era ninguém menos que o diretor-geral do Airbnb no Brasil, Leo Tristão, que preparou uma apresentação sobre os números da companhia nos Jogos e no Brasil.

A Rio 2016 é um momento auspicioso, institucionalmente, para o Airbnb. Enquanto enfrenta pendengas com cidades poderosas como Nova York e San Francisco, a pioneira da economia compartilhada foi alçada ao seletíssimo grupo de fornecedores oficiais de uma Olimpíada, o evento mais importante do mundo. É como um selo oficial de reconhecimento à utilidade dos seus serviços.

Até o início dos Jogos, 81 mil hóspedes tinham reservas confirmadas pelo Airbnb para o Rio de Janeiro entre 3 e 25 de agosto. A média era de 3 hóspedes por reserva, para uma permanência de 6 dias. Os números devem mudar até o fim da Rio 2016.

Casa Airbnb
Na Casa Airbnb: deixe sua dica carioca no mural

A origem dos hóspedes da Olimpíada está dividida: 50% de brasileiros, 50% de estrangeiros -- uma mudança grande desde a Copa, há dois anos, quando os brazucas eram apenas 6%. (Pitaco meu: acredito que, além de uma maior penetração do Airbnb entre os brasileiros, aí também deve ser levado em conta o fato de que houve muito pouca viagem doméstica durante a Copa; relativamente pouca gente saiu de sua cidade para ver partidas.)

O dado mais interessante de todos é o número de bairros do Rio com reservas confirmadas durante a Olimpíada: 54 -- incluindo comunidades e bairros da Zona Norte e do subúrbio desprovidos de hotéis (mas perto de locais de competição).

Hoje o Brasil como um todo tem 95 mil anúncios (de casas inteiras ou quartos) publicados no Airbnb. O Rio de Janeiro lidera com 38 mil anúncios; São Paulo tem 10 mil; Florianópolis vem em terceiro, com 4 mil anúncios. O anfitrião brasileiro médio tem 42 anos (51% são mulheres, 49% homens) e aluga sua propriedade por 20 dias por ano, com uma receita média anual de R$ 5.500. 60% das propriedades brasileiras anunciadas são alugadas por menos de 30 dias por ano. Ou seja: enquanto muitos proprietários migraram da imobiliária de apartamentos de temporada para o site, um contingente ainda maior está anunciando suas propriedades de maneira pontual.

Casa Airbnb

  • R. Barão de Jaguaripe, 141 (entre Joana Angélica e Maria Quitéria), Ipanema | Até 21 de agosto das 11h às 20h | Entrada gratuita

    Airbnb em Cuba: brasileiro já pode reservar

Airbnb em Cuba

Em abril do ano passado, quando o Airbnb foi a primeira grande cia. com sede nos Estados Unidos a anunciar sua entrada em Cuba depois do fim do embargo, eu saí correndo para dar o post com a notícia. Quando os primeiros leitores tentaram reservar, fuén! -- o serviço estava disponível apenas para hóspedes americanos.

Um ano depois, eu estava distraído quando o Airbnb anunciou que não-americanos já podem reservar casas particulares em Cuba pelo site. Está valendo desde 2 de abril de 2016, quando o Airbnb completou 1 ano de atividade na terra dos Castro Brothers.

A plataforma do Airbnb dá mais fluidez e segurança (resenhas!) para reservar casas particulares, que desde o fim dos anos 90 são a grande pedida para uma viagem a Cuba que não deixe você confinado em resorts all-inclusive.

Leia mais:

6 comentários

Carla
CarlaPermalinkResponder

Usei o Airbnb em Havana e foi super prático. Recomendo!

Raquek
RaquekPermalinkResponder

Que ótima noticia! Usei o Airbnb no Brasil e em Buenos Aires e foram experiências muito boas. Pretendo viajar a Cuba próximo ano e aproveito para perguntar: qual o melhor itinerário de voos e os dias de saída destes? Rio ou SP? Abs Ricardo e equipe

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Raquek! Leia sobre Cuba:

https://www.viajenaviagem.com/destino/cuba

Marcela Sousa
Marcela SousaPermalinkResponder

Usei o Airbnb pela primeira vez nessas Olimpíadas e adorei a experiência! Não tinha condições de alugar hotel e conseguimos um quarto na Barra para o primeiro final de semana dos jogos. Foi ótimo, fácil acesso ao Parque Olímpico e a oportunidade de conviver com um casal local. Deu vontade de alugar mais vezes!

smile

Marcio Augusto S

Minha vinda para as Olimpiadas só foi possivel graças ao Airbnb, paguei em uma semana em Ipanema o que os hoteis estavam cobrando por apenas 1 dia

Dan
DanPermalinkResponder

Modo barato e bacana de ficar em algum lugar.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar