João Pessoa: como ficou o pôr do sol na Praia do Jacaré, agora sem bares

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Pôr do sol na praia do Jacaré

Em 2001, o músico Jurandy do Sax teve uma idéia para aumentar o movimento do seu bar, à beira do rio Paraíba, em Cabedelo, vizinha a João Pessoa. Na hora do pôr do sol, passou a subir numa canoa e acompanhar o espetáculo tocando o Bolero de Ravel, ziguezagueando pra lá e pra cá da linha desenhada no rio pelo holofote natural do sol.

Não parou mais: já são quase 6.000 apresentações. O sax é tocado ao vivo, sobre uma base pré-gravada. Nos momentos finais do entardecer, o sol parece dançar na cadência do Bolero, caindo um pouquinho mais a cada tchã-tchã-tchã-tchã/tchã-tchã da marcação -- e perdendo a força a cada floreado da melodia, como se Jurandy tocasse uma canção de ninar astros incandescentes. Muitas vezes (eu já presenciei isso em pelo menos três ocasiões), Jurandy consegue sincronizar o último acorde com o derradeiro suspiro do sol antes de se esconder atrás da mata na margem oeste do rio.

Pôr do sol na Praia do Jacaré: como era

Pôr do sol na praia do Jacaré: como era

O sucesso do show bolado por Jurandy foi tamanho, que passou a ser transmitido por alto-falantes para todos os bares da orla -- que foram crescendo, com píers supergostosos, onde se passava o melhor fim de tarde da região de João Pessoa. Depois do pôr do sol, Jurandy desembarcava em algum dos bares para continuar o show (com direito à Ave Maria de Gounod às 6 em ponto). Quando você chegava no Jacaré -- lá pelas 4 da tarde, para pegar uma mesa boa -- já ia perguntando em que bar o Jurandy estava se apresentando.

Quem não quisesse entrar num dos bares, porém, podia assistir ao espetáculo da orla, nos vãos entre os bares, ouvindo o mesmo som de quem estava sentado nos píers. E também começaram a aparecer passeios de barco, para quem quisesse assistir ao show do Jurandy de outro ângulo.

Pôr do sol no Jacaré: feirinha

Com apresentações 7 dias por semana, o pôr do sol na praia do Jacaré se tornou a principal atração turística de João Pessoa. O fluxo de turistas fez surgir uma vila de lojinhas de artesanato, souvenirs e moda praia. A cada vez que eu voltava, eu pensava -- caramba, e tudo isso começou porque um cara inventou de subir numa canoa para tocar sax.

Até que...

  • A demolição dos bares da praia do Jacaré

Depois de anos de recursos se arrastando nos tribunais, em julho de 2015 o Ministério Público finalmente conseguiu que a Justiça mandasse demolir todos os bares da orla da praia do Jacaré, por ocupação irregular de terras do Patrimônio da União.

Essa situação se repete Brasil afora. Onde quiser, e tiver disposição para se contrapor a todos os recursos, o Ministério Público derrubará qualquer estrutura erguida em praias, por mais tradicional que seja. A lei não dá espaço para que se licite, regularize, imponham regras estritas de controle sanitário e ambiental: nada. A legislação atual manda pôr abaixo, para júbilo de estraga-prazeres de norte a sul. Oba! Vagabundo não vem mais beber nas sagradas terras da Marinha e da União.

Pôr do sol na Praia do Jacaré: bares demolidos

A demolição

Passei por João Pessoa em 2015 exatamente durante a execução da demolição. Deu dó. Naquela tarde, os operários não desligaram as máquinas nem durante o show: assisti ao Bolero da mureta, com percussão de britadeira.

Não acredito que o Patrimônio da União tenha ganho alguma coisa ao ser executada a demolição dos bares. A União só perdeu: perdeu dezenas de emprego de garçons, cozinheiros, auxiliares de cozinha, faxineiros e funcionários administrativos; perdeu impostos gerados pelo consumo nos bares. O Brasil perdeu uma agradabilíssima orla de bares sobre palafitas à beira-rio. Do meu ponto de vista, o Patrimônio da União não foi defendido: ficou mais pobre, isso sim.

  • O show tem que continuar

Quer dizer que não tem mais pôr do sol com Jurandy do Sax na praia do Jacaré? Calma: tem, sim!

O show continua acontecendo, de maneira diferente. Não existem mais os bares, mas as duas outras maneiras de assistir continuam valendo: dá para ver de pé, da mureta, e também dá para pegar um dos passeios de barco que zarpam diariamente a partir das 16h.

Pôr do sol na Praia do Jacaré

A coisa foi rapidamente reorganizada, e funciona muito bem. Os barcos -- grandes, de dois andares -- substituíram os bares como melhores camarotes para ver o pôr do sol. O primeiro deles zarpa perto das 16h.

Pôr do sol na Praia do Jacaré

Comparado à experiência de assistir sentado num dos bares, o programa fluvial é bem mais dinâmico. Começa com um passeio ao longo da orla, com um narrador (no meu barco, fantasiado de jacaré...) que conta curiosidades históricas sobre a praia e sobre Jurandy.

Pôr do sol na Praia do Jacaré

Além do pôr do sol -- quando o barco pára para que todos acompanhem a coreografia do barquinho do Jurandy e a descida final do sol -- o passeio tem mais dois momentos: uma canja do Jurandy e uma sessão de forró. Jurandy sobe para tocar por 10 minutos em cada um dos barcos: em alguns, sobe antes do pôr do sol; em outros, sobe depois.

Pôr do sol na praia do Jacaré

O momento forró tem música gravada e animação de um casal de Lampião e Maria Bonita.

Se Jurandy subir no barco antes do pôr do sol, o forró acontece depois do pôr do sol; caso Jurandy dê sua canja depois do pôr do sol, então o forró acontece antes.

Pôr do sol na Praia do Jacaré

É um passeio muito bem bolado -- e que, acredito, deve agradar até mais à maioria dos turistas do que a experiência estática no bar.

Mas para outro tipo de turista (e certamente para os moradores de João Pessoa e Cabedelo), o relax de um happy-hour sobre palafitas à beira-rio infelizmente não encontra substituto num passeio barulhento de grupo.

jacare-por-do-sol-600300

Em terra firme, só existe um único restaurante, instalado na mesma calçada das lojinhas, para quem quiser comer na volta do passeio. Ah, sim: o centrinho de artesanato continua como era.

O passeio dura 90 minutos e pode ser contratado no local por R$ 35. Se não tiver comprado seu passeio com antecedência, apareça cedo, porque os barcos podem lotar (às vezes, têm sua lotação inteira vendida antecipadamente para agências de turismo receptivo).

A praia do Jacaré fica em Cabedelo, à altura da praia de Intermares. Está a 14 km do centrinho de Tambaú. De táxi, espere gastar entre R$ 35 e R$ 40 do centrinho de Tambaú até lá (e outro tanto para voltar; outubro/2016). Querendo vir de ônibus, pegue o 513/Tambaú-Bessa em Tambaú, faça transbordo no terminal de integração do Bessa (fim da linha) e prossiga no 5104/Cabedelo; a passagem, que inclui o transbordo, sai R$ 3 (outubro/2016). Você vai parar na BR 230, a pouco menos de 10 minutos de caminhada da orla, por uma rua sem movimento de pedestres. Para voltar, há táxis esperando na orla.

 

Leia mais:

37 comentários

Deborah
DeborahPermalinkResponder

Oi Bóia!
Vou passar o réveillon em João Pessoa, mas não sei onde passar a virada exatamente. Chego em JP dia 29/12 e fico até dia 02/12.
Então? Qual o melhor réveillon de João Pessoa?
Vamos em dois casais jovens. E gostaríamos de uma praia aconchegante, mas não deserta!
Nos dê dicas =]

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Deborah! Vamos compartilhar sua pergunta no Perguntódromo. Havendo resposta, aparecerá aqui.

Pedro C.
Pedro C.PermalinkResponder

Olá Deborah, respondendo a sua questão, há o Réveillon tradicional na praia de Tambaú, com shows e queima de fogos, que é aberto e gratuito. Nas praias do litoral sul existem diversos hotéis que também fazem as suas festas privativas. Se for optar pelo de Tambaú, é aquele esquema normal de festa em praia, muita gente, mas é seguro. Se quer algo mais reservado ou tranquilo sugiro o reveillon da Pousada Aruanã, que fica sobre uma falésia em uma das praias mais bonitas do litoral sul, espero ter lhe ajudado

Lyvia
LyviaPermalinkResponder

Oi Déborah! Se vc quiser algum lugar privativo e animado pertinho cidade, procure o Lovina, é um barzinho super legal na beira mar em Cabedelo (que é ao lado de JP, vc com certeza vai pra alguma praia lá). Dá uma olhada no Instagram deles!
Não deixe de visitar o Bar do Golfinho (super tradicional e movimentado no bairro do Bessa) e fazer o passeio de Areia Vermelha! Boa sorte!

Pedro
PedroPermalinkResponder

Interessante, mas fiquei curioso para saber quem paga o Jurandy...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Pedro! Não sabemos o acordo comercial, mas ele certamente é remunerado pelas agências que operam os barcos -- inclusive porque até se apresenta neles.

Pedro C.
Pedro C.PermalinkResponder

Antes dessa trágica medida pedida pelo MPF, havia a cobrança de um couvert nos bares de 5 reais por pessoa.

Cátia Susane
Cátia SusanePermalinkResponder

Eu fui em out/14. Foi simplesmente incrível.

Múcio Paixão de Araújo

Excelente trabalho!

MARIA PONTE
MARIA PONTEPermalinkResponder

Tive a oportunidade de assistir a esse show quando ainda existiam os bares. Era muito bom. Ainda bem que o povo é criativo e criou uma solução.

Angelo Pavan
Angelo PavanPermalinkResponder

Lendo a matéria, alguns pensamentos me passaram pela cabeça, nesta ordem:

1- "Que bom que MP está cuidado do patrimônio natural que pertence a todos moradores e turistas, independentemente se estes têm dinheiro para gastar num bar".
Explico: sabemos de inúmeros casos pelo Brasil afora que o espaço público foi indevidamente apropriado por quem já tem muito dinheiro ou por quem tem amigos influentes...

2-"Mas será que não existe um meio-termo?"
Explico: O poder público no Brasil costuma ser 8 ou 80: ou fecha os olhos para os "amigos dos amigos" tomem conta de tudo ou proíbe tudo de todos, por mais que gere emprego e não seja destrutivo a nada e nem a ninguém.

3-"Ah.. Por mais que tenha sido exagerado, o turismo local não vai acabar... o pessoal vai dar um jeito...". Então leio em seguida que novos passeios foram criados, a feira de artesanato continua funcionando, o Jurandy continua dando show, que tudo foi rapidamente bem reoganizado e bem b

Angelo Pavan
Angelo PavanPermalinkResponder

(continuando, porque enviei o texto acima sem querer grin)

... e bem bolado!

Ou seja, embora o poder público seja lento e muitas vezes desmedido, prefiro que pequem por excesso quando o assunto é proteger e liberar a natureza (a orla e a faixa de areia, neste caso) para uso de todos que ali morem ou por lá passeiem!
Senão é capaz de as crianças do futuro não conhecerem praia sem bar em cima da mesma forma que muitas já acham que ovo de galinha é feito em fábrica... sad

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Angelo, o problema é o item 2, ou tudo ou nada. No caso específico do uso recreativo de praias e orlas, existe um claro descompasso entre a lei e o interesse do público. Dá para ocupar sem destruir. No caso do Jacaré, os bares já funcionavam sobre palafitas. A derrubada dos bares não muda a configuração da mureta de contenção: este trecho da orla não é mais natural, e uma marina continua existindo (marina pode; bar em píer não pode). No Brasil inteiro estão impedindo o funcionamento de estruturas que são úteis à comunidade e ao turismo; na orla norte de Salvador as barracas (que eram um lixo, mas que poderiam melhorar muito, se regulamentadas) deram lugar a ambulantes (que são um lixo, e não vão melhorar nunca, porque estão imunes a qualquer tentativa de controle ou regularização).

O problema é de legislação. Estou acompanhando esse problma há um tempinho, já falei aqui:

https://www.viajenaviagem.com/2015/08/barracas-de-praia-derrubar-nao-e-solucao

ANA ROSA
ANA ROSAPermalinkResponder

Estive na praia do Jacaré e tive o prazer de assistir ao musical oferecido do barquinho pelo Jurandir. Realmente é imperdível. Valeu a pena ter ido e recomendo.

Angelo Pavan
Angelo PavanPermalinkResponder

Olá Ricardo.
Completei meu comentário inicial mas concordo plenamente contigo!
Com estas informações complementares, realmente não faz sentido.
Até porque, por outro lado, se houver um "excesso de proteção" (que nunca ocorre onde deveria, aliás), para quem sobrará usufruir (não "destruir") do patrimônio natural, não é?

Mônica
MônicaPermalinkResponder

Pois vou te dizer uma coisa: ainda bem que desmontaram aquelas barracas ! Fui em janeiro e passei foi raiva ! Não conseguiu ver nada, uma multidão de pessoas se apertando e empurrando, garçons não servindo nada no meio da confusão. Um horror ! Deste novo jeito parece que pelo menos é mais organizado.

Inácio
InácioPermalinkResponder

Estive aí na Sexta-feira Santa esse ano e vi o por do sol de um dos barcos, comprei o passeio em uma agência e foi bem divertido. Recomendo a todos.
Vale também fazer um passeio pelas lojinhas que vendem de tudo um pouco.

Silvia
SilviaPermalinkResponder

Tive a oportunidade de assistir ao show do Jurandy ainda na época dos bares. Fantástico!! Engrandece ainda mais o momento mágico do Por do Sol. Realmente um privilégio.
Que bom que tenham se reinventado mantendo o show e turismo.
E que todos nós tenhamos essa capacidade, buscando equilíbrio entre o turismo e a natureza. Isso é respeito wink

Lucia Souza
Lucia SouzaPermalinkResponder

Eu aplaudi o Por do Sol do Jacaré em 2011, um espetáculo inesquecível.
Aplaudi na mureta mesmo e curti bastante a feirinha.
Muito oportuno esse post pois sempre falo para meus amigos dos barzinhos...atualizando minhas informações.

Nick
NickPermalinkResponder

Oi Ricardo, quem sou eu para questionar qualquer informação sua, mas estive na Praia do Jacaré bem antes de 2001 e acompanhei o show do Jurandy do Sax sentado em uma mesa desse píer que aparece na foto. Se não me engano foi no ano de 1991 ou 1992...

Sônia Maria de Oliveira

Tive a oportunidade de assistir ao show do Jurandy do Sax em janeiro/2012. Realmente, muita "muvuca" por lá. Mas só quero registrar que eu e minha amiga pegamos o trem na Estação Ferroviária, próxima ao Centro Histórico de JP, e descemos na estação Cabedelo. Foi um passeio diferente. Retornamos de van para Manaíra, onde estávamos hospedadas.

Pedro C.
Pedro C.PermalinkResponder

O imbróglio entre o MPF e os bares durou anos e anos, parte da população era a favor, mas a parte maior era contra a derrubada deles, uma vez que proporcionavam um lugar confortável para as pessoas admirarem o por do sol. Também existiam lugares abertos em que quem não queria pagar o couvert dos bares poderia assistir ao espetáculo sem gastar nada, era bastante democrático. Na minha opinião como paraibano, os que mais saíram prejudicados foram os empregados dos bares e o município de Cabedelo (que perdeu uma fonte de arrecadação de imposto). Para as pessoas restou apenas acompanhar o por do sol do calçadão.

Netto
NettoPermalinkResponder

Terão 2 festas grandes de frente pra praia fora da orla do Cabo Branco onde tem a queima de fogos. Reveillon Paradiso e o reveilon do bar de praia Lovina. Dá uma olhada no instagran deles. Na praia de frente pra orla do cabo branco onde vc poderá ver a queima de fogos tem o reveillon do bar do cuscuz além de outros bares. Mas não espere nada cinematográfico.

Netto
NettoPermalinkResponder

Quanto aos bares... parece que tudo que está dando certo o poder publico aqui na PB dá um jeito de atrapalhar. Não vejo o mesmo rigor quanto as milhares de casas que existem na região sem saneamento básico. Onde vão parar seus dejetos? O pôr so sol era o protagonista mas ele fazia parte de um enredo que envolvia almoço e diversão com vista para o rio.Desde que os bares foram retirados que assim como eu a maioria absoluta da população de JP não frequenta mais o local. Vale a pena ir? Pra quem nunca viu sim mas certamente pra quem já foi vai se decepcionar.

vanessa
vanessaPermalinkResponder

Isso mesmo Netto, pra quem conheceu, não vale a pena ir agora. Lamentável.

Ana
AnaPermalinkResponder

Jurandyr toca só para o povo que está nos catamarãs. Os que ficam amontoados na mureta não são presenteados nem com um olhar do músico. Decepcionante!

Ana
AnaPermalinkResponder

Para Débora que está na dúvida de onde passar a virada , minha dica é ficar no show em Tambaú. Fui no revellon 2016 e assisti Um super show da Elba sem tumulto, e muita segurança. Adorei !

Erika Lopes
Erika LopesPermalinkResponder

Vou para João Pessoa pela primeira vez agora no Natal de 2016 com minha família e estou em dúvida se vou ou não assistir o por do sol da praia do Jacaré. Fiquei sabendo por aqui sobre a derrubada dos bares. Acho uma pena e tenho dó das pessoas que perderam seus empregos.

Miranda Queiroz Costa

Querendo saber como estava a situação por lá, me guiei por aqui, vou hoje lá conferir. Valeu.

vanessa
vanessaPermalinkResponder

Posso dizer que uns dos melhores momentos de minha vida passava nesse pedacinho do Brasil. Eu sentia um enorme prazer ir à Praia do Jacaré, ouvir o Jurandi ou até mesmo os outros músicos, como o Arnaud do Sax, me transmitia paz, tranquilidade. Tinha a maior satisfação em receber meus amigos turistas e mostrá-los quão belo era aquele nosso lugar, quão prazeroso era sentar naquelas mesas e degustar um bom cardápio, ouvir uma boa música e admirar aquele belo pôr-do-sol. Vim morar no sul e voltando alguns anos depois, tive o desprazer de saber que os restaurantes haviam sido demolidos, para mim foi um choque, saber que um lugar o qual era o ponto turístico principal da cidade, havia sido em partes destruído. Praia do Jacaré, pra quem conheceu como antes era, é um lugar que não sai da nossa memória, pode ser comentado com orgulho como um pedacinho gostoso do nosso Nordeste. Saudades do meu Nordeste, saudade da minha João Pessoa, de ouvir daquele jeitinho o famoso Bolero de Ravel.

Cleia
CleiaPermalinkResponder

Uma pena terem acabado com os restaurantes. E as lojinhas, continuam?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cleia! Continuam.

Joana longo
Joana longoPermalinkResponder

A primeira vez q fui pra Cabedelo, acho que em1984 já tocava o bolero de Ravel numa vitrolinha, no por do sol, a praia era deserta é só quem morava lá conhecia esse bar. Como paulistana fiquei encantada e impactada com aquela paz. Muito lindo.

Jovina
JovinaPermalinkResponder

Sou do Pará
Assisti sábado o por do sol mais inesquecível da minha vida
Levarei essa lembrança pra sempre?

Carmem
CarmemPermalinkResponder

Eu achei bem mais bonito,sou de João pessoa mas moro em BSB ,está organizando ,mas arrumando,limpo e continua cheio de turistas como sempre foi ou até mais #amojampa

Romilda
RomildaPermalinkResponder

Quais os dias que tem o boleto de Ravel?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Romilda! 365 dias por ano.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar