Marajó: praias, búfalos, aves e ruínas, nas dicas da Miriam

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Marajó dicas

O detalhismo da Miriam K. quando descreve suas viagens pros leitores do VnV é digno de aplausos. Acha que a gente está exagerando? Então dê uma olhadinha nos textos que ela já dividiu com a gente do Japão, da Serra da Capivara de avião, do Transamérica Comandatuba, da Patagônia, de São Bento do Sapucaí, de Aparados da Serra e da Colômbia. São muitas informações e dicas redondinhas, prontas pra aproveitar.

Em setembro de 2016, a Miriam fez uma viagem pela Amazônia que começou em Belém, seguindo depois para a Ilha do Marajó, voltando à capital do Pará, passando por Alter do Chão (em Santarém) e indo depois para Anavilhanas e Manaus. O passeio foi tão legal que ela decidiu repetir parte do trajeto em novembro, mas isso é assunto para os próximos posts. wink

Neste texto, a Miriam conta como foi a passagem dela pela Ilha do Marajó. Viaje com ela!

Texto e fotos | Miriam K

A partir de Belém, fizemos uma parada de dois dias na Ilha de Marajó como parte da nossa viagem pela Amazônia. Para facilitar, levamos só a mala de mão e deixamos o restante no hotel da capital do Pará.

Tivemos a sorte de conseguir fazer a travessia pelo catamarã da Tapajós Expresso, que ia do centro de Belém (Galpão 9 das Docas) diretamente a Soure em duas horas e operou até o fim de 2016. Infelizmente o serviço foi descontinuado em janeiro de 2017.

Marajó dicas

Interior do terminal hidrovia Luiz Rebelo Neto

marajo-terminal-Popovaca

Hoje a única cia. que faz a rota ao Marajó saindo do (renovado) Terminal Hidroviário de Belém é a Banav, que vai somente até o porto de Camará. Lá é preciso pegar uma van a Salvaterra (meia hora) e depois fazer a travessia de Salvaterra a Soure num barquinho chamado rabeta (10 minutos).

marajo-dentro-do-barco-polronas

Marajó dicas

Catamarã da Tapajós Expresso

A Banav alterna dois tipos de embarcação: um 'navio' (embarcação grande e lenta, que leva 3 horas até Camará) e um catamarã parecido com o da Tapajós Expresso em que viajei (e cujas fotos estão acima), que faz a viagem em 1h15. Consulte os horários aqui (a saída pode ser pela manhã ou à tarde, de acordo com a maré) e programe a ida e a volta para dias em que o catamarã operar. A passagem pode ser comprada online.

(É possível também viajar com a Henvil, que opera navios e também balsas que carregam carros, saindo do porto de Icoaraci, a 20 km do centro. Mas só é recomendável para quem vai atravessar com carro ou para quem precisa viajar de manhã num dia em que a Banav só tenha embarcação à tarde.)

O Terminal localiza-se no num galpão que faz parte do mesmo conjunto que, mais adiante, abriga a Estação das Docas. É super-organizado, limpo e não houve nenhum problema no meu embarque. Na entrada do catamarã deixamos as bagagens com a tripulação, que depois cobriu tudo com uma lona. Não foi dado nenhum tipo de tíquete de bagagem, mas no fim deu tudo certo.

marajo-Vista-de-dentro-da-cabine-barco

marajo-Catamara--visto-de-frente

A travessia da parte fluvial é tranquila na sua maior parte, mas na popa balança bem menos. O barco vai margeando a costa na baía do Guajará até a ilha do Mosqueiro e quando ele realmente faz a travessia da baía de Marajó pegamos umas ondas bem grandes, mas na minha viagem isso durou somente uns poucos minutos.

marajo-Vista-de-Belem-barco

Eu desembarquei direto em Soure, mas quando você for, vai ter que pegar a van de Camará a Salvaterra e então fazer a travessia a Soure de rabeta.

Bem-vindos-a-Marajo

No porto das barcas de Soure pegamos o táxi para a pousada. No Marajó, para qualquer lugar que formos o táxi custa no mínimo 20 reais e ninguém se arrisca a andar nem que sejam pequenas distâncias, porque o sol é escaldante e o calor que reflete do chão é de derreter.

marajo-Soure-casas

marajo-Bufalos-soure-cidade

A cidade de Soure é a capital do Marajó, mas a parte urbana está bem abandonada, com ruas esburacadas e poeirentas. Andando pela cidade vemos até casas de madeiras prestes a ruir. Nas ruas também vemos búfalos pastando ou descansando calmamente nas sombras das árvores como se fossem cachorros.

marajo-soure-hospedagem

Ficamos na Pousada o Canto do Francês, que foi uma decepção do começo ao fim. No site, ela parece simples, mas boa. Quando chegamos lá, a pessoa na recepção estava resolvendo algum problema e nos deixou esperando por mais de meia hora sem demonstrar nenhum interesse. Depois de nos entregar a chave, queríamos algumas dicas do que fazer, mas ela estava ocupada demais e não saía do telefone. No fim veio alguém da cozinha para mostrar alguns folders de passeios. O quarto em que ficamos era muito pequeno, a cama tinha lençóis velhos, curtos e com bolinhas, toalhas igualmente desgastadas e tivemos que pedir para trocar os travesseiros que cheiravam azedo. A parte elétrica era uma gambiarra de primeira, com fios pendurados entre a geladeira, o roteador e a TV. O café da manhã era simples, tinha suco, frutas, pães pouco apetitosos, tapioca com manteiga e bebidas quentes, mas senti falta de algum bolo.

marajo-soure-Meio-de-transporte

marajo-soure-Barco-Escolar
Resolvemos sublimar tudo isso e pegamos um táxi até o píer para passar o resto do dia em Salvaterra, do outro lado do rio. O taxista do lado de cá falou que ia avisar um amigo do lado de lá para nos pegar. Para atravessar o rio temos que usar o píer da cooperativa que faz a travessia do rio Paracauari por R$ 2. Os barcos são chamados de rabetas e saem sempre que há passageiros e carregam de tudo: gente indo trabalhar do outro lado, motos, pneus, combustível e turistas. O rio funciona como uma rua e existe até barco escolar.

A travessia dura alguns minutos e, chegando a Salvaterra, havia uns 20 mototaxistas esperando uma corrida, mas nenhum táxi. Depois de uns 10 minutos chegou o Ismael (WhatsApp 91/982-270-618) que, além de taxista, é pastor de uma igreja local, líder da comunidade, e no fim das contas era o amigo do taxista de Soure -- mas não tinha recebido a mensagem porque estava passando por uma área sem sinal de celular.

marajo-cuia-trabalhada-fruta

marajo-artesanato-marajoara

Combinamos então que ele nos levaria por 120 reais para a vila histórica de Joanes, que fica distante uns 30 minutos ao sul, cerca de 18 km. Por lá, visitamos o centro de Artesanato de Joanes para ver a produção local com os materiais disponíveis na região. Foi interessante ver o que eles fazem com a 'fruta' cuia, que vira vários itens de artesanato e até a cuia de tomar o tacacá. Vimos também um pouco da cerâmica marajoara.

ruinas-joanes-marajo

marajo-soure-Igreja

A seguir, ele nos levou até as ruínas da vila histórica, que fica no alto de um morro, com vista para a praia. Em 1716 os jesuítas construíram a Igreja Nossa Senhora do Rosário, mas o que temos atualmente são somente pedras das fundações e uma única parede de pedra, que foi recentemente escorada, bem ao lado da nova igreja de paredes brancas e contornos azuis. Essa visita só vale a pena se você tiver interesse histórico e algum tempo sobrando.

marajo-soure-Praia-de-Joanes-barco

marajo-soure-Peixaria-do-Sales

marajo-soure-Peixada-de-Filhote

A próxima parada foi na Praia de Joanes, que é plana, tem águas mornas, com ondas suaves e sem arraias. Ficamos abrigados sob as árvores da Peixaria do Sr. Sales (tel. 91/3646-2172) que, além de ter um ótimo papo, serve uma comida maravilhosa. Comemos um filé de búfalo à cavalo e um filé de peixe filhote com tucupi e jambu que estavam maravilhosos.

Depois de um banho de rio e um descanso sob as sombras, o Ismael nos levou de volta para o píer, de onde por mais R$ 2 chegamos a Soure. Apesar do calor, tentamos andar até a pousada, que parecia bem perto, mas quando começou uma tromba d'água acabamos chamando um táxi -- e, novamente lá se foram 20 reais para rodar três minutos. Para completar o cenário da pousada, por ser época de eleição, no final da tarde e início da noite tocaram os jingles dos candidatos da cidade por mais de duas horas em algum comitê próximo, e depois foram os vizinhos barulhentos que tocaram música até tarde.

marajo-soure-Curtume-fachada

marajo-soure-Bufalos-tipos

marajo-bufalos-murrah-jafarabadi

marajo-soure-Mediterraneo

Na manhã seguinte fizemos um passeio pelo rio Paracauari. Após uma curta caminhada até a beira do rio, fomos num barquinho até o Curtume Art Couro Marajó para conhecermos o trabalho de chinelos e bolsas feitas de couro cru de búfalo. Nas paredes havia as cabeças dos quatro tipos de búfalos existentes que são diferenciados pelo tipo de chifres que possuem, mas disseram que no Marajó, o tipo mais frequente é o Murrah com seus chifres enrolados.

Curtume Art Couro Marajó

  • Primeira Rua, 450 | Tel. 95/981-566-818 | Abre de 2ª a sábado das 8h às 12h e das 15h às 19h; domingo das 8h às 12h

marajo-soure-Casas-ao-longo-do-Rio

marajo-soure-Rio-Paracauari-mais-casas

marajo-soure-Rio-Paracauari-casa-barco

Dependendo da disponibilidade de tempo, pode-se pular esta visita ao curtume, pois ele fica para o lado oposto ao do passeio ao mangue que vem a seguir. Navegar ao longo do rio nos dá a oportunidade de ver uma pouco como vivem as pessoas: vimos mulheres lavando louça nas janelas, roupas penduradas no varal e barcos estacionados como meio de transporte.

marajo-passeio-mangue

marajo-soure-Casa-no-Mangue

Navegamos por alguns minutos ao longo do Rio Paracauari até entrar num braço de rio por pouco mais de 500 metros até chegar aos manguezais, com suas árvores que têm raízes aéreas e cipós. Quando o motor do barco foi desligado pudemos apreciar melhor a natureza que nos cercava. Não vimos animais, pois em geral eles têm hábitos noturnos, mas pudemos ver e ouvir muitos pássaros.

marajo-soure-Praia-de-Rio

marajo-soure-Praia-de-Rio-vista-aberta

O final do passeio é um banho de rio numa praia que na realidade é um banco de areia que aparece na época da vazante, e de novo as águas são calmas e mornas. Este passeio é bem contemplativo e, dentro do mangue, por ser sombreado, não tem aquele sol escaldante -- mas de qualquer forma, óculos, protetor solar e chapéu são fundamentais. Custou R$ 80 por pessoa.

marajo-delicias-nalva

marajo-soure-Frito-do-Vaqueiro

Almoçamos no Delicias da Nalva (Quarta Rua, 1051 - entre travessa 20 e 21; tel. 91/983-040-003), que fica na avenida principal da cidade. O restaurante ficou fechado por cerca de seis meses depois que a dona Nalva faleceu, mas desde o final de 2015 suas duas filhas estão tocando o negócio. O ambiente é simples, com ventiladores e wi-fi. O frito do vaqueiro e o bolo de macaxeira com doce de banana que experimentamos estavam maravilhosos.

marajo-fazenda-bom-jesus-lanchinho

marajo-soure-Bufalos-Murrah-fazenda-bom-jesus

Depois de uma siesta fundamental, fomos fazer um passeio de final de tarde pela Fazenda Bom Jesus (PA-154 - acesso pela Quarta Rua; tel. 95/3741-1243; R$ 100 por pessoa). O motorista veio nos pegar na pousada e após uns 10 km, chegamos a uma das sedes da fazenda. Logo na entrada conhecemos um búfalo que é praticamente um animal de estimação que permite montaria e fotos.

marajo-soure-Fazenda-Bom-Jesus-bufalos-lago

marajo-soure-Paisagem-do-Marajo

marajo-soure-Capivaras-fazenda-bom-jesus

marajo-soure-Fazenda-Bom-Jesus--aves

marajo-soure-Fazenda-Bom-Jesus-Guaras

marajo-soure-Aves-fazenda-bom-jesus

De lá, o guia Cesar nos levou para uma caminhada tranquila de cerca de duas horas por uma área plana. Passamos por búfalos, cabras, capivaras, jacarés, todos em seu habitat natural e convivendo pacificamente. Na época da cheia, nos disseram que parte do percurso pode ser feito de voadeira, mas no nosso caso, como só havia as lagoas perenes, tivemos que caminhar, mas não há necessidade de nenhum calçado especial. Por ser final de tarde, já não estava tão quente e foi nesse horário que pudemos observar a revoada dos guarás e de muitos outros pássaros. Se puder levar um binóculo, garanto que vai ter muita coisa para observar, já que os animais são bastante ariscos e não permitem aproximação demasiada. Vale também a pena passar repelente, pois no final da tarde os insetos são mais ativos. Ao final da caminhada chegamos à outra sede onde é servido um lanchinho e refrescos e de lá o motorista nos leva de volta à pousada.

marajo-praia-pesqueiro

No último dia, fizemos o check out logo cedo, deixamos nossas bagagens na recepção e passamos a manhã na Praia do Pesqueiro. Havia a opção da Praia de Barra Grande que é mais perto do centro, mas como disseram que lá as arraias são mais frequentes, não quisemos nos arriscar. Ficamos abrigados no Restaurante Recanto dos Guarás (tel. 91/981-998-054), que possui mesas e malocas na areia. Mas como as águas estavam muito baixas, acho que tivemos que caminhar uns 200 metros para chegar ao rio, pois as águas que estavam em frente às mesas eram de uma lagoa remanescente devido ao banco de areia que se ergueu por causa da vazante. A estrutura de banheiro é um pouco precária, pois aparentemente não há água encanada. Saindo das águas do rio é necessário passar repelente pois numa questão de segundos ganhei uma dúzia de picadas do maruim, que é um inseto minúsculo do tamanho de uma pulga, que segundo nos disseram, aparece quando a maré sobe. Almoçamos o peixe frito do dia e depois ficamos numa maloca que é como são chamadas as palafitas cobertas de palha com duas redes dentro, que no sol escaldante do Marajó, são os únicos locais que se pode ficar com o sol a pino. O passeio foi acertado direto com o taxista que cobrou R$ 120 e depois nos levou até o píer por mais R$ 20.

Resumindo, nossa estada na Ilha do Marajó foi bastante proveitosa e pudemos ver um pouco de Soure e de Salvaterra como praias, ruínas, mangues e fazenda. Duas noites são suficientes.

A viagem da Miriam continua em mais dois posts. smile 

Leia mais:

9 comentários

Rafael Machado

Maravilha de relato, como sempre. tenho muita vontade de me aprofundar mais pela Amazônia. Só conheço as capitais Manaus e Belém.

Richard
RichardPermalinkResponder

Um pedacinho do Brasil esquecido na imensidão da Amazônia

Paulo Baptista

Por acaso venho tendo lembranças dos bons dias em que estive junto com minha esposa, em Soure, no Marajó. Foi a um ano atrás quando ainda funcionava o Catamarã que ia direto à cidade. Apesar de toda falta de infraestrutura, falta de bons hotéis, falta de restaurantes, falta de trabalhar o turismo mesmo, tivemos dias maravilhosos apreciando aquela beleza das florestas, do magnífico Rio Paracauari que é uma energia incrível. Da mesma forma de Salvaterra. É um lugar muito diferente!

Sátiko Fujihara

Adorei tudo descrito ba Ilha. Acredito que vou aproveitar muito das narrativas da Miriam.

Waléria Onoe
Waléria OnoePermalinkResponder

Ótimos relatos! Sempre com muitas dicas e riqueza de detalhes! As fotos são maravilhosas! Sem dúvida eu viajo nas viagens da Miriam!!!

Lucilene
LucilenePermalinkResponder

Estive em julho de 2017 na Ilha do Marajó. Tenho pouca coisa a acrescentar, mas gostaria de atualizar as informações sobre transporte: de Belém a Camará os bilhetes de catamarã pela Banav estavam esgotados. Por navio estavam disponíveis. Quem quiser fazer o trajeto mais curto, de catamarã, compre com antecedência online. Chegando em Camará, Pagamos 8 reais por pessoa para ir até Salvaterra e depois mais 4 reais para atravessar até o Soure. No Soure, há lanchas ( catamarã) que fazem o trajeto até Belém. Vi uma lancha da empresa Golfinhos atracada, mas infelizmente já havia comprado o bilhete de volta pelo navio ...

Indira Vulcão

Amigo, não seu qual a sua realidade financeira, mas você gastou dinheiro sem necessidade na sua viagem de dois dias apenas. Não é obrigatório andar de táxi pra todo lado aqui em Sobre/Salvaterra você pagou 120,00 mas poderia ter pago apenas 15 de Sobre para Joanes e depois ter pego um moto táxi por lá.

É bom deixar claro que a ilha do Marajó é um arquipélago (o maior do Brasil) e que em apenas uma viagem de dois dias você não tem como conhecer tudo, já que nem todas as cidades são turísticas.

A empresa que opera Catamarãs direto pra Soure voltou a funcionar.

Lia
LiaPermalinkResponder

Desde julho/2017 a empresa Masters Motors está fazendo o trecho Terminal Hidroviario Belém / Salvaterra / Soure em lancha rapida (Golfinho Express) - 2:15h.
Fomos com eles no sábado, domingo não estava funcionando, por isso tivemos que voltar com o Catamarã da Banav saindo de Camará.
O trecho Soure - Camará foi feito em onibus com a empresa TransOceanica.
Só conseguimos comprar on line a passagem da Banav.
O contato da Master Motors é (91)8166-8297, podem informar os horários, mas a compra precisa ser feita diretamente no terminal. Sugiro comprar com antecedencia, pois costuma lotar.
O contato da TransOceanica é (91) 8385-1388, eles pegam na pousada e também fazem a venda da passagem do “navio”. Esse serviço também é feito em van pelo Sr. Edgar (Tel fixo 91 3741-1441. TIM 91 8100-5222), mas estavam lotados.

Sancler
SanclerPermalinkResponder

Ótima dica! Irei em março de 2018 e essa é a informação mais atualizada!
Obrigado!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar