Genebra no inverno: esqui, compras, gastronomia e... relógios, claro! #ad

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Inverno em Genebra

Escolha a definição que mais te agrada – 'berço da relojoaria', 'paraíso das compras de luxo', 'capital gourmet' ou 'porta de entrada para os Alpes'. Todas elas se referem a Genebra, a cidade suíça que oferece inúmeras opções para uma viagem de inverno com temperaturas mais amenas.

Situada no coração da Europa, Genebra está a distâncias muito convenientes das principais capitais do continente. De avião, fica a apenas 1h10 de Paris, 1h35 de Londres e 1h45 de Berlim. Mas não se engane. A cidade tem muito mais a oferecer do que apenas um destino bate-volta ou um ponto central para fazer conexões de voo.

Genebra no inverno: Lago Léman

Passeios no Lago Léman

O destino é indicadíssimo para quem busca proximidade com estações de esqui, quer fazer compras, experimentar gastronomia premiada e aproveitar atrações culturais.

  • Esquiar ou curtir a neve

Genebra no inverno: Chamonix

Ao lado dos Alpes franceses e suíços, Genebra está próxima de 300 – isso mesmo, 300 – estações de esqui. Algumas podem ser alcançadas em apenas 1 hora – La Clusaz (50 km), Megève (70 km) e Chamonix Mont-Blanc (82 km). As três ficam na França, mas como Genebra faz parte do espaço Schengen, transitar entre a cidade e as estações francesas é como circular dentro de um mesmo país. A cerca de uma hora e meia estão Morzine (70 km, na França) e Villars (110 km, na Suíça). Um pouco mais distantes, mas ainda viáveis para um passeio de 1 dia estão as suiças Verbier (150 km) e Zermatt (230 km). Todas cabem numa programação do tipo 'esqui de dia e jantar gourmet à noite na volta'.

Genebra no inverno: Chamonix

Quer apenas curtir um passeio que inclua os Alpes nevados e o Mont-Blanc, pico mais alto da Europa? A dica é embarcar em um passeio de helicóptero. O voo faz uma aproximação do Argentière Glacier e pousa no heliponto da região para que os viajantes possam seguir de van até Chamonix, para 2 horas de compras.

  • Experimentar a gastronomia

Genebra no inverno: fondue

Uma cidade com 59 restaurantes premiados pelos guias Michelin e Gault Millau… hum… Como escolher a qual (ou quais) deles ir? Veja abaixo uma seleção de estrelados. Não deixe de reservar.

Duas estrelas

Domaine de Châteauvieux

  • Entre paredes do século 16, o chef Philippe Chevrier apresenta cardápios com ingredientes da mais alta qualidade e pratos que variam de acordo com a estação. Há mais do que gastronomia para se admirar: o restaurante está localizado em um vinhedo e faz parte de um conjunto charmoso que inclui ainda 13 quartos com vista para o rio Reno e as montanhas.

Genebra no inverno: gastronomia

Uma estrela

Bayview

  • Funciona no hotel 5 estrelas Presidente Wilson, às margens do Lago Leman. Oferece cozinha francesa reinterpretada pelas mãos de Michel Roth. Além do chef premiadíssimo, o Bayview abriga uma carta de vinho especialmente interessante.

Le Cigalon

  • Encontra-se ao final de uma estrada rural, a cerca de 20 minutos de Genebra. No cardápio do chef Jean-Marc Bessire estão peixes, ostras, lagostas e outros frutos do mar.

La Bottega

  • O La Bottega combina tradição da cozinha italiana com uma interpretação contemporânea. Os chefs Paulo Airaudo e Francesco Gasbarro recebem em ambiente aconchegante e descontraído.

Le Jardin

  • Fascinado pela culinária mediterrânea, o chef Philippe Bourrel oferece pratos clássicos, com ingredientes locais e sazonais frescos. É o endereço para quem busca uma refeição requintada.

Le Tsé Fung

  • A cozinha do Le Tsé Fung, situado no hotel La Réserve, é reconhecida por revisitar a culinária chinesa, especialmente cantonesa. Destacam-se os pratos picantes e de precisão aromática. Mas a estrela do cardápio é o Pato à Pequim, servido em duas etapas. À frente do restaurante está o renomado Frank Xu.

Le Chat Botté

  • Comandado por Dominique Gauthier, o Le Chat Botté, no Hotel Beau Rivage, desfila moderna culinária francesa. O sommelier Vincent Debergé responde pela carta de vinhos. O trabalho dos dois pode ser melhor apreciado pedindo a 'Chef’s Table', um menu com pratos harmonizados com diferentes vinhos.
  • Às compras

A Rue du Rhone é o endereço para quem busca as marcas mais famosas do mundo. No trecho entre a Place du Molard e a Rue du Prince estão Dior, Hermès, Chanel, Versace, Gucci, Prada e outros nomes do luxo. Além das compras e de namorar as vitrines, vale aproveitar o ambiente charmoso e agradável de estar à beira do Lago Léman. Inclua no roteiro um passeio no Jardin Anglais, onde fica o Relógio das Flores, feito de 6.500 flores e plantas e ponteiros de 2,5 metros controlados por satélite, disponibilizando as horas em tempo real.

Um roteiro de compras em Genebra deve passar também pela Rue de Rive. Ali estão a Apple Store, Michael Kors, Zara Home e Lush, entre outras. Duas lojas de departamentos que merecem estar na programação são a Bongenié, de moda de luxo, e a Globus, que oferece também itens para casa e perfumaria.

Genebra no inverno

  • Tour dos Relógios

O título de 'Berço da Relojoaria' não é à toa. A história da fabricação de relógios na Suíça se confunde com a história da Reforma Protestante, a partir do século 16. De um lado, a rigidez do teólogo João Calvino, fundador do Calvinismo, levou à proibição de qualquer ostentação por seus seguidores. De outro, a chegada de refugiados protestantes a Genebra trouxe para a cidade a fabricação dos relógios portáteis. Os ourives locais trocaram a produção de jóias pela relojoaria. A partir daí, novas técnicas foram desenvolvidas e se espalharam pela Suíça.

Fazer um tour sobre relógios é perfeito para quem quer saber mais sobre a história da relojoaria e também sobre o funcionamento desses objetos de luxo e precisão. Experimente o genevawatchtour.com ou faça uma aula de relojoaria na Initium.

Genebra dos relógios

Atrações em torno do tema não faltam na cidade. Coloque no roteiro:

  • Cité du Temps, onde se pode visitar uma exposição permanente de relógios Swatch fabricados desde 1983
  • O encantador Relógio da Galeria Malbuisson, em que a cada hora cheia oferece um pequeno desfile de figuras de bronze e música de 16 sinos de bronze
  • Relógio das Flores, no Jardin Anglais, à beira do Lago Leman, construído em 1955, exibe conjuntos florais diferentes a cada estação e informa as horas por transmissão da hora por satélite
  • Museu Patek Phillipe, que reúne peças criadas pelos mestres relojoeiros da marca, além de uma coleção de autômatos musicais e miniaturas de esmalte dos séculos 16 a 19

Para comprar relógios das marcas famosas suíças, como Patek Phillipe, TAG Heuer, Breitling ou Rolex, percorra a região da Rue du Rhône. Ali estão lojas próprias das grifes ou multimarcas como a Bucherer, revendedora oficial de Rolex.

Genebra no inverno

Para saber mais sobre Genebra e encontrar sugestões de passeios no inverno entre em www.geneve.com

*Posts patrocinados são publieditoriais cujo conteúdo é avaliado como útil e vantajoso para os leitores do Viaje na Viagem. As informações são de responsabilidade do anunciante.

1 comentário

Marina Sardinha

Estive por quatro dias inteiros em Genebra em junho/2016. A cidade vale a pena. É muito agradável e a possibilidade de passeios em volta do Leman é boa demais. Almoçar em Yvoire. Jantar em Lausanne. Que delícia! Transporte público de primeiríssima. Lindos jardins, cafés, lojas. A parte velha de Genebra é linda, e perder-se pelas ruazinhas estreitas é tudo de bom! E casar Genebra, com um TGV pra Paris em duas horas e pouco... Ah, não tem igual!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar