Viajante: vacine-se contra febre amarela (ou emita o seu certificado de isenção)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Vacina contra febre amarela para viagem

Vacina contra febre amarela para viajantes

Entre 2017 e 2018, vários países da América do Sul, América Central e Caribe passaram a exigir certificado de vacinação contra febre amarela de brasileiros. Outros mais podem passar a exigir a qualquer momento.

Atualmente, para brasileiros, ter um certificado internacional de vacinação contra febre amarela é tão fundamental quanto ter um passaporte válido.

Atenção: dose fracionada NÃO dá direito a certificado

Em janeiro de 2018 o Ministério da Saúde deflagrou uma campanha de vacinação contra febre amarela nos estados de São Paulo e Rio usando doses fracionadas. Essas doses imunizam por até 8 anos, mas não são suficientes para emitir o certificado internacional de vacinação.

Se você vai se vacinar em São Paulo ou no Rio, para receber a dose-padrão vai precisar mostrar passagem comprada.

Caso você more em outro lugar, aproveite enquanto não fracionam (nem racionam) a dose no seu estado, vacine-se, emita o certificado internacional e tire essa preocupação da cabeça por todas as suas viagens.

Se possível, vacine-se mesmo sem viagem marcada

Você vai ver que as informações mudam a todo momento. E são desencontradas. A cia. aérea vai dizer uma coisa. O consulado vai dizer outra. A internet vai dizer umas 10 outras coisas. A Anvisa talvez seja vaga. É um inferno.

A lógica da exigência da vacina é a seguinte. Todo país situado em latitude tropical ou subtropical, que tenha área de floresta onde proliferem mosquitos transmissores, corre o risco de ver surgir um surto de febre amarela. Todos querem se defender disso. Como o Brasil viveu recentemente um surto de febre amarela entre o Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, o sinal de alerta acendeu em vários países tropicais.

Só entre 2017 e 2018, Panamá, Colômbia, República Dominicana e Cuba, entre os destinos mais importantes, passaram a exigir a vacina. No Caribe, Aruba, Curaçao, Bonaire, Bahamas, St. Maarten e Barbados passaram a pedir também. Na América do Sul, também Bolívia, Equador, Venezuela e Paraguai agora também exigem.

Dos destinos latino-americanos mais procurados pelos brasileiros, só México, Peru, Argentina, Uruguai e Chile não exigem a vacina. (Mas se houver mais um surto no Sudeste ou no Sul, essa lista vai diminuir.)

Além disso, boa parte dos países da África, da Ásia e da Oceania exige a certificação. Só mesmo Europa, Canadá e Estados Unidos nunca exigirão a vacina. (Se bem que, no caso dos Estados Unidos, 'nunca' pode ser uma palavra muito forte, já que a Flórida tem florestas subtropicais.)

Caso no seu estado não estejam exigindo a passagem internacional para vacinação com dose integral, aproveite. Quando a emergência chegar, vai ser mais difícil e mais trabalhoso obter tanto a vacina quanto o certificado.

Depois de 10 dias, a vacina vale por toda a vida

O maior problema de deixar para se vacinar na última hora é que, quando um país passa a exigir a vacina, a última hora não funciona. Só são aceitos certificados internacionais emitidos até pelo menos 10 dias antes do embarque.

Muitos brasileiros foram barrados ainda no check-in quando a Colômbia, Cuba e Panamá passaram a exigir a vacina, de uma hora para a outra.

Além disso, sempre fica a dúvida quanto à conexão. Normalmente, se você apenas faz conexão num país (Panamá ou Colômbia, por exemplo), sem sair do aeroporto, a cia. aérea não exige a vacina. Mas se você ligar para o consulado, vão dizer que você precisa. Informação preto no branco, garantida por alguma fonte oficial, você não vai encontrar em lugar nenhum.

Ou seja: vacine-se. Vacine-se já. Vacine-se sem viagem marcada. Viagens aparecerão, e com elas virão a necessidade da vacina -- ou pelo menos a necessidade de informação garantida sobre a necessidade ou não da vacina. Não queira estar nessa incerteza.

Caso você não possa se vacinar por questões de idade ou de condição de saúde, providencie o seu certificado de isenção. É simples (veja aqui).

A boa notícia é que aparentemente todos os países já concordam com a resolução da Organização Mundial de Saúde que dispensa novas doses da vacina. Até 2013 a recomendação era de renovar a vacina a cada 10 anos. Agora, toda vacina, mesmo a que já tenha 'vencido' no certificado, é considerada válida por toda a vida.

Que países exigem a vacina contra febre amarela?

Como essa lista só faz aumentar, a partir deste post o Viaje na Viagem deixa de publicar listas atualizadas de países que exigem ou não exigem a vacina.

A maneira mais garantida de ver a lista atualizada é consultar esta página do site da Anvisa.

Veja o tela a tela para consultar o site da Anvisa

Site Anvisa febre amarela

Ao acessar esta página do site da Anvisa, clique em "Verifique as orientações para o país de destino".

Febre amarela Anvisa lista

Quando carregar a página seguinte, clique no campo: País [Selecione]. Vai aparecer um menu de países em ordem alfabética.

Selecione o país desejado.

Vacina febre amarela República Dominicana

Ao selecionar um pais, a página seguinte carrega um quadro com as vacinas correspondentes. Preste atenção na última linha, onde está escrito "Recomendação ou Exigência". Se estiver escrito "Exigência", é porque você precisa se vacinar para poder viajar. Se estiver escrito "Recomendação", é porque dá para viajar sem a vacina.

No quadro da República Dominicana está escrito "Exigência". Ou seja, você precisa se vacinar e emitir o certificado para viajar.

Anvisa febre amarela Peru

Já o quadro do Peru informava, em 9 de abril de 2018, "Recomendação". Ou seja, não era necessário se vacinar.

Atenção: confirme a exigência/recomendação de vacinação pelo menos 10 dias antes de viajar

Meu certificado venceu, e agora?

Se você tirou seu certificado antes de 2015, está anotada a validade de 10 anos. A Organização Mundial de Saúde já orientou os países para que aceitem certificados 'vencidos', já que a validade agora é para a vida toda.

Mas se você não quer levar um lero com um agente de imigração em Barbados ou na Tailândia, vá até o posto certificador da Anvisa mais próximo e peça uma segunda via do certificado. Nele já constará a validade 'LIFE', para a vida inteira.

Onde me vacinar e fazer o certificado internacional?

  • Tome sua vacina num posto do SUS; você receberá seu certificado nacional
  • Com a vacina tomada, faça pré-cadastro para o certificado internacional no site da Anvisa (funciona melhor em Explorer)
  • Com o pré-cadastro feito, procure um Centro de Orientação ao Viajante da Anvisa (veja lista aqui) para emitir seu certificado internacional

Mostramos o passo a passo neste post.

Como emitir o certificado de isenção?

A vacina contra febre amarela não pode ser aplicada em:

  • Mulheres grávidas
  • Bebês com idade inferior a 6 meses
  • Maiores de 60 anos
  • Pessoas em tratamento com corticóides, quimioterapia ou radioterapia
  • Portadores do vírus HIV
  • Pessoas alérgicas a componentes da vacina

Caso você se enquadre num desses casos, nem é necessário ir à Anvisa.

Anvisa certificado isenção

Leia mais:

101 comentários

Maíra S.
Maíra S.PermalinkResponder

Olá! Estou indo para a África do Sul daqui três dias e me atentei que meu Certificado Internacional (ainda válido) menciona meu nome e meu passaporte anterior. Vocês sabem se eu devo levar o passaporte já vencido ou se tenho que emitir outro certificado? Temo não ter tempo hábil para isso.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maíra! No seu lugar, eu levaria.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar