Japão, parte 2: Takayama, Shirakawa-go e Kanazawa (a viagem do Diego)

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Roteiro Japão: Takayama

Takayama

Texto e fotos | Diego Sapia Maia

A semana em Tóquio foi intensa, mas conseguimos ver praticamente tudo o que queríamos com calma. Agora era hora de ir para as montanhas, relaxar em cidades e vilas pequenas, e curtir o frio que ainda fazia na região. Tivemos a sorte de pegar neve, cerejeiras em flor e visitar o jardim mais encantador do Japão.

Leia os dois primeiros posts

  • Dia 8: Takayama

Roteiro Japão: trem-bala

O shinkansen que nos levou até Nagóia

No nosso oitavo dia no Japão, acordamos cedo e saímos do hotel Grand Fresa Akasaka em direção à Estação Tóquio, usando o metrô. Carregávamos apenas uma mochila e uma mala M cada um, então a viagem de pouco menos de 30 minutos até a estação foi tranquila, mesmo com algumas escadas pelo caminho.

Na estação Tokyo (Tokyo Station no Google Maps) utilizamos o JR Pass para passarmos pelas catracas. Toda estação de trem tem uma área por onde os portadores do JR Pass devem entrar, e elas normalmente estão localizadas do lado das catracas, no posto da guarda. É só mostrar o seu JR Pass para o guarda do local e pronto. Se você não tiver reservado assentos, é bom chegar na plataforma do seu trem com uns 30 minutos de antecedência para formar fila para os vagões que não têm lugares marcados. Como já tínhamos reservado lugares no escritório da Japan Railways de Shinjuku, tivemos mais tempo para andar pela estação e comprar algumas comidas para a viagem.

Leia sobre o JR Pass aqui

Roteiro Japão: Monte Fuji

Sente no lado direito para ver o Monte Fuji

Pegaríamos dois trens naquela manhã de domingo: um shinkansen (trem-bala) até Nagóia (1h30 de Tóquio) e de lá um trem mais lento até Takayama. A primeira parte da viagem foi tranquila e rápida. No caminho até Nagóia você pode observar o Monte Fuji do lado direito do trem, se o dia estiver claro. Demos sorte, e vimos a montanha com mais clareza do que quando fomos até o Lago Kawaguchiko.

Roteiro Japão: trem a Takayama

Vales e florestas no caminho até Takayama

A segunda parte da viagem levou 2h30, mas o visual compensou: o trem sai de Nagóia e sobe as montanhas até Takayama, beirando vales esculpidos por rios e atravessando florestas. Era abril, mas a neve ainda caía nesse pedaço do país. Talvez tenha sido a viagem de trem mais bonita que já fiz na vida, batendo a viagem de Cusco a Machu Picchu.

Roteiro Japão: Takayama

Nosso hotel, o Takayama Ouan

Chegamos em Takayama na hora do almoço. Nosso hotel, a 5 minutos a pé da estação de trem, era o Takayama Ouan, um hotelão que se diferencia bastante da hotelaria ocidental que predomina em Tóquio. Adoramos ter que remover os tênis e sapatos antes de entrar nos elevadores (há armários com chave para guardar) e andar pelo hotel apenas com os chinelinhos fornecidos por eles. Quem quisesse podia também circular pelo hotel usando os samue (vestimentas similares a kimonos) deixados para os hóspedes nos quartos. As camas na verdade eram colchões bastante confortáveis e espessos colocados sobre os tatames. O café da manhã tinha opções ocidentais (pães, frutas, ovos), mas predominava a comida japonesa (peixes, verduras e legumes, arroz). O que mais curtimos, no entanto, foi o onsen (banho termal japonês) disponível no último andar do hotel. A água era geotérmica de verdade, bombeada até lá por máquinas, e o lugar tinha um espaço a céu aberto e uma vista bonita da cidade. O onsen é separado em áreas para homens e mulheres, e há diversas regras de etiqueta que você deve seguir (as regras estão todas explicadas num folheto que o hotel deixa no quarto).

Deixamos nossas malas no hotel, porque o check-in ainda não estava disponível, e andamos cerca de 15 minutos até o centro histórico de Takayama (Takayama Old Town no Google Maps), onde almoçaríamos e passaríamos o resto da tarde. Comemos no excelente restaurante Le Midi, de culinária francesa e italiana. Tudo o que pedimos estava ótimo, em especial uma lasanha de carne hida (a carne wagyu típica da região). Não há culinária que os japoneses não dominem, e experimentar uma lasanha e um tiramisu espetaculares no meio de uma cidadezinha nas montanhas japonesas foi a prova definitiva disso. Enquanto almoçávamos, a neve voltou a cair (fininha, sem se acumular).

Roteiro Japão: Takayama

As casas do período Edo no centro histórico de Takayama

Ao atravessar a ponte sobre o rio Miyagawa do lado do Le Midi você dá de cara com um maravilhoso conjunto de casas bem-preservadas que datam do período Edo (1600-1868). Dispostas em ruas fechadas para pedestres, as casinhas (que abrigam lojas de objetos de madeira, artigos de viagem e destilarias de sakê) são a principal atração da cidade, e dá para ficar ali por algumas horas andando pelas poucas quadras, curtindo cada detalhe do conjunto histórico.

Roteiro Japão: Takayama

Essa bola de galhos de cedro identifica as destilarias de saquê

Entramos em algumas das destilarias de saquê existentes na área, facilmente identificáveis pelas sugidama (grandes bolas de galhos de cedro penduradas na frente das casas). Em algumas é possível fazer uma degustação rápida de saquê por cerca de 1.500 yens.

Roteiro Japão: Takayama

Vimos as cerejeiras mais bonitas da viagem em Takayama

À beira do rio Miyagawa encontramos as cerejeiras mais lindas de toda a viagem. Se em Tóquio pegamos a floração já no fim, demos a sorte de chegar em Takayama na melhor semana para ver as árvores floridas (por estar numa região mais fria, as cerejeiras florescem mais tarde ali). Ficamos um bom tempo fotografando e admirando as árvores com os outros turistas (poucos, comparados a Tóquio).

Roteiro Japão: Takayama

O Yatai Kaikan, com os carros alegóricos do Festival de Takayama

De lá fomos a pé até a região norte da cidade, visitar o Yatai Kaikan (coloque Takayama Yatai Kaikan no Google Maps), o galpão que abriga os carros alegóricos que desfilam pela cidade durante o Takayama Matsuri (Festival de Takayama), que ocorre durante dois dias da primavera e dois do outono. O festival da cidade é considerado um dos três mais bonitos do país, e atrai multidões. Chegamos na cidade uma semana antes do festival começar, então visitar o Yatai Kaikan foi a única oportunidade de vermos os belos carros alegóricos históricos de perto.

Roteiro Japão: Takayama

O Santuário Sakurayama Hachiman-go, em Takayama

A entrada custa 900 yens, e a visita ao Yatai Kaikan pode ser combinada com uma parada no incrível (e pequeno) santuário Sakurayama Hachiman-go, localizado ali do lado, ao pé das montanhas, e que ainda tinha muita neve acumulada nos seus pátios. A entrada para o santuário é gratuita.

Voltando para o centro histórico, ao sul, andamos à beira do canal que o separa da área norte da cidade, e novamente paramos para admirar as dezenas de cerejeiras floridas da região. Não importa quantas delas você veja na viagem: você sempre vai querer parar para admirar mais de perto.

Chegamos ao hotel quando já anoitecia, para finalmente fazer o check-in e tomar um banho de onsen (se não quiser experimentar o onsen, os quartos do hotel têm banheiros ocidentais tradicionais).

Roteiro Japão: Takayama

O hambúrger de hida beef e Takayama à noite

Saímos do hotel por volta das 20h, quanto a temperatura batia quase zero grau, e voltamos a caminhar em direção ao centro histórico, que estava vazio e silencioso, mas iluminado por algumas poucas lanternas (uma cena única). Jantamos no Center4 Hamburgers, que ganhou fama por ter sido escolhido o segundo melhor restaurante do Japão por usuários do TripAdvisor. Exageros à parte, o hamburguer de hida beef do local vale a caminhada na noite fria (acho que por causa das baixas temperaturas não havia muita gente no restaurante). Conversando com o dono, descobrimos que ele fala português, porque viveu no Brasil por alguns anos jogando futebol. Voltamos para o hotel por volta das 22h.

  • Dia 9: de Takayama a Shirakawa-go

Roteiro Japão: mercado de Takayama

O mercado matutino de Takayama, à beira do Rio Miyagawa

Acordamos por volta das 6h da manhã, com uma nevasca caindo sobre a cidade. Foi a oportunidade única para voltarmos ao onsen do hotel, e tomar banho de águas termais debaixo de neve! Tomamos café (o José adorou experimentar os peixes e verduras; eu preferi não arriscar) e saímos do hotel pouco depois das 8h, novamente rumo ao centro histórico (Takayama Old Town no Google Maps), para visitar o mercado matutino que funciona todos os dias entre 6h e meio-dia ao longo do Rio Miyagawa.

Roteiro Japão: Takayama

Apelidei essa árvore de 'rainha das cerejeiras', porque foi a mais bonita da viagem

Experimentamos algumas das comidas vendidas na feirinha, e ao final do mercado avistamos a rainha das cerejeiras de Takayama, uma árvore imensa que atraía a atenção de todos os visitantes da feira.

Depois de umas duas horas perambulando pelo mercado e centro histórico, seguimos para o hotel, pegamos as malas e nos dirigimos à estação de Takayama, onde funciona também a pequena rodoviária da cidade. De lá, pegamos um ônibus para Shirakawa-go. Não há estação de trem em Shirakawa, então para chegar lá o ônibus é necessário.

As passagens de ônibus foram compradas pelo site Japan Bus Online, e cada uma custou 2.470 yens. O site aceita cartões de crédito internacionais emitidos no Brasil, mas tem um processo de compra chatinho, que envolve envio de SMS para verificar seu celular e as burocracias típicas do Verified by Visa e Mastercard Securecode. Na rodoviária de Takayama notamos que muitas pessoas conseguiram comprar as passagens para Shirakawa-go diretamente no guichê, pouco antes de embarcar (há diversos ônibus entre as duas cidades todos os dias). Se preferir comprar as passagens por lá, recomendo que faça assim que chegar na cidade, ao menos um dia antes de embarcar para Shirakawa-go.

Roteiro Japão: Shirakawa-go

O Nodaniya, ryokan que nos hospedou em Shirakawa-go

A viagem até Shirakawa-go levou pouco mais de uma hora, novamente através das montanhas nevadas do centro do país. Chegamos em Shirakawa-go pouco depois das 12h e fomos para o ryokan (pousada japonesa) que nos abrigaria aquela noite.

O ryokan, chamado Nodaniya, foi reservado pelo site Japanese Guest Houses, especializado nesse tipo de acomodação tradicional (e que faz a intermediação em japonês entre os hóspedes ocidentais e os ryokans). O ryokan ficava no fim da rua principal do vilarejo de Shirakawa-go, a cerca de 15 minutos a pé da estação rodoviária da cidade (mais um motivo para não viajar com malas grandes pelo Japão). A dona do ryokan, uma senhora simpática que não falava uma palavra de inglês, nos recebeu e guardou nossas malas. Teríamos que estar de volta às 17h para nos preparar para o jantar, servido para todos os hóspedes ao mesmo tempo.

O tempo que tivemos entre a chegada ao ryokan (na hora do almoço) e o jantar foi o suficiente para conhecermos todo o pequeno vilarejo de Shirakawa-go com calma (debaixo de uma chuva leve). A maioria dos turistas visita a cidade em bate-voltas vindos de Nagóia ou mesmo Takayama, e a cidade ficou relativamente cheia até umas 15h, quando os ônibus de turismo começaram a deixar o local.

Roteiro Japão: Shirakawa-go

Neve acumulada em Shirakawa-go

Shirakawa-go, patrimônio mundial da UNESCO, tem um conjunto de casas históricas de cerca de 250 anos. Construídas em estilo Gassho (que significa “mãos em posição de prece”), as casas têm telhados inclinados cobertos por palha de arroz que ficam carregados de neve no inverno, e campos de arroz nos seus 'quintais'. Estávamos em abril, e ainda havia muita neve acumulada nas ruas da cidade (mas nenhuma no teto das casinhas).

Roteiro Japão: Shirakawa

As casas Grassho são cobertas com palha de arroz

Há dezenas de construções bem preservadas (casinhas, templos, santuários) espalhadas por todo o vilarejo, e andar por elas é um passeio bonito e bucólico. Você está no meio do Japão, numa vila com ares medievais, cercada por montanhas nevadas. Nosso ryokan (como quase todos os outros da cidade) ficava em uma casinha do tipo.

Roteiro Japão: Shirakawa-go

Shirakawa-go vista do mirante Tenshukaku

Subimos até o mirante Tenshukaku (Tenshukaku Observatory no Google Maps), localizado atrás da estação rodoviária (uma subida de 20 minutos, relativamente tranquila para quem está fora de forma), e admiramos o vilarejo do alto. Dali, no inverno, é possível ver a cidade toda iluminada à noite, aos finais de semana. Ali ficam também as ruínas do castelo local.

Roteiro Japão: Shirakawa-go

A ponte pênsil sobre o Rio Sho

Andamos também à beira do rio Sho, que forma o vale onde a cidade está situada, e o atravessamos por uma ponte pênsil. Do outro lado do rio ficam alguns pequenos museus e o escritório de turismo da cidade (Shirakawa-go Tourist Association no Google Maps). É ali que param os ônibus de excursão. No vilarejo propriamente dito, pouquíssimos carros podem circular.

Voltamos ao nosso ryokan pouco antes das 17h. A dona da pousada fez o nosso jantar e o dos outros quatro hóspedes, que foi servido enquanto sentávamos em tatames, num cômodo aquecido por um fogareiro no centro. Foi um jantar farto, com missô, gohan, muitas verduras e legumes, cogumelos e hida beef, além de chá verde à vontade. Depois do jantar, tomamos um banho. O banheiro era compartilhado, mas com casa de banho individual, com ofurô e chuveirinho ao estilo onsen. Vale dizer que o banho tem horários no ryokan: a casa de banho só deve ser usada depois do jantar ou antes do café da manhã. Descansamos um pouco e por volta das 19h voltamos a andar pelo vilarejo, agora sob temperaturas negativas. Queríamos ver as casas iluminadas à noite, mas nos frustramos porque nenhuma delas tem iluminação noturna fora do inverno. Mesmo assim, foi bom termos a cidade apenas para nós durante aqueles momentos.

Voltamos rapidamente para o ryokan para nos preparar para dormir. Quando chegamos, nossas 'camas' já estavam prontas. Digo 'camas' porque em ryokans tradicionais você dorme em futons dispostos sobre os tatames. Os futons se assemelham a edredons um pouco mais espessos. Foi uma noite de sono agitada: além de não nos acostumarmos com os futons, o aquecedor do nosso quarto desligava a cada 3 horas. Fazia -10 graus lá fora, e o aquecimento era absolutamente necessário.

  • Dia 10: A Kyoto, com pit-stop em Kanazawa

Roteiro Japão: ryokan em Shirakawa-go

Café da manhã no ryokan de Shirakawa-go

Acordamos por volta das 5h30 (com algumas olheiras), tomamos banho e aguardamos o café da manhã, incluído na diária. Novamente, outra refeição farta, também com gohan, muitas verduras e legumes, frutas e cogumelos, e chá à vontade. Pãozinho, manteiga, ovos? Esqueça. Pagamos o ryokan em espécie (lembre-se: esse tipo de hospedagem dificilmente aceita cartões) e nos despedimos da simpática senhora dona do local. Fomos para a rodoviária (Shirakawago Bus Stop no Google Maps) pegar o próximo ônibus.

Adoramos a nossa hospedagem no ryokan, mas a noite mal dormida fez a gente mudar os planos da viagem. Ficaríamos em outro ryokan (na verdade, um templo budista) no Monte Koya, uma semana depois de Shirakawa-go. Como achamos que dormiríamos mal novamente, acabamos cancelando a reserva gratuitamente (esta, feita pelo Booking) e adicionamos um dia a mais à passagem por Kyoto. Demos muita sorte, porque conseguimos uma diária extra no mesmo hotel que já tínhamos reservado.

Com o cancelamento do Monte Koya, ganhamos também mais tempo em Kanazawa. Nossos planos originais incluíam uma parada de apenas 30 minutos na cidade, o suficiente para pegarmos nosso trem para Kyoto (não há ônibus de Shirakawa-go para Kyoto, portanto Kanazawa era a estação de trem mais conveniente). Com a mudança de planos, acabamos transformando Kanazawa em um pit-stop de 6 horas.

Saímos de Shirakawa-go às 8h50 da manhã, num ônibus para Kanazawa também comprado pelo Japan Bus Online. A passagem custou 1.850 yens por pessoa. Chegamos à estação de ônibus e trens da cidade pouco depois das 10h. Tínhamos reservas (feitas com o JR Pass) num trem que saía de Kanazawa às 10h40 em direção a Kyoto, mas conseguimos mudar para as 16h no escritório da Japan Railways. Deixamos nossas malas nos armários (que você pode pagar com o SUICA), pedimos algumas informações no balcão de turismo da estação e pegamos o ônibus circular gratuito para portadores do JR Pass. Nosso objetivo: visitar o Kenroku-en, o jardim panorâmico mais famoso do Japão. Para se localizar, é só colocar “Kenroku-en” no Google Maps.

Roteiro Japão: Kanazawa

Lanternas do lado de fora do Kenroku-en, em Kanazawa

Já tínhamos visto alguns jardins em Tóquio, mas nada nos preparou para o tamanho e a diversidade do Kenroku-en. O nome significa 'Jardim das Seis Sublimidades', fazendo referência aos seis elementos que, de acordo com os Chineses, compõem um jardim perfeito: espaço, isolamento, artificialidade, antiguidade, água em abundância e vista ampla. O Kenroku-en tem tudo isso levado à perfeição. O jardim se transforma de acordo com as estações e merece ser conhecido o ano todo, mas fazer essa visita durante a primavera, quando algumas cerejeiras ainda permaneciam floridas, foi um privilégio.

Roteiro Japão: Kenroku-en

O Kenroku-en é o jardim mais famoso do Japão

Há diversas casas de chá, pontes, lagos, cachoeiras e centenas de espécies de árvores e flores espalhadas por toda a extensão do jardim - tudo aperfeiçoado pelas mãos humanas. Os caminhos do parque te levam a jardins-dentro-do-jardim, a casas de chá escondidas no meio da vegetação e a áreas mais elevadas, de onde você pode apreciar toda essa beleza do alto.

Ficamos cerca de três horas dentro do Kenroku-en, andando com calma, parando para fotos, nos perdendo lá dentro. O ingresso custou 310 yens, e compramos na bilheteria, sem filas. Almoçamos do lado de fora, em um restaurante de ramen.

Roteiro Japão: Kanazawa

O Castelo de Kanazawa, destruído e reconstruído ao longo dos séculos

Dali, um pouco anestesiados pela beleza do jardim, fomos até o Castelo de Kanazawa (coloque Kanazawa Castle no Google Maps), visitar sua área gratuita. O portão de acesso está localizado em frente ao Kenroku-en, e combinar os dois passeios é perfeitamente possível num pit-stop em Kanazawa.

O Castelo de Kanazawa data de 1583, mas foi destruído em incêndios ao longo dos séculos, e poucas de suas edificações são originais. Por ter sido o primeiro da nossa viagem (o palácio imperial de Tóquio visto de longe não conta), o castelo de Kanazawa também nos impressionou. Não entramos nas edificações, mas gostamos de andar pelo pátio e até pela pequena floresta existente dentro da área do castelo.

Roteiro Japão: Kanazawa

O mercado Omicho, em Kanazawa

Do castelo, fomos a pé, numa caminhada de 30 minutos, até o mercado Omicho (coloque Omicho Market no Google Maps), repleto de bancas de comidas típicas, doces e chás. Experimentamos algumas coisas e pegamos um táxi (menos de 1.000 yens) para a estação de trem, porque nosso horário de partida já se aproximava.

A estação de trem de Kanazawa (Kanazawa Station no Google Maps), aliás, é uma atração à parte. Ela mistura arquitetura japonesa contemporânea com elementos tradicionais locais. Na entrada fica o portão Tsuzumi-mon, um imenso torii de madeira que faz as vezes de portal entre a estação e o resto da cidade. Ali há também uma fonte que funciona como relógio d’água. A fachada da estação é construída em alumínio e vidro, e um domo gigantesco cobre a praça principal. O design é do arquiteto Ryuzo Shirae, e ganhou diversos prêmios. A estação foi considerada uma das mais bonitas do mundo pela revista Travel & Leisure.

Roteiro Japão: Kanazawa

A estação de Kanazawa mistura arquitetura contemporânea e tradicional

De Kanazawa pegamos nosso trem para Kyoto. A viagem durou cerca de duas horas (não há trem-bala entre as cidades) e chegamos em Kyoto ao anoitecer.

A primeira noite em Kyoto

Descemos na caótica e gigantesca estação de Kyoto (Kyoto Station no Google Maps), um monstrengo de 15 andares que me pareceu ser maior (e levemente mais difícil de navegar) do que a de Tóquio, e procuramos a saída mais próxima do nosso hotel. Ficamos no Sakura Terrace The Gallery, 100 metros ao sul da estação. Foi o maior quarto de hotel de toda a nossa viagem, e apesar de só usarmos para tomar banho e dormir, foi legal ter um pouco mais de espaço à disposição.

Fizemos nosso check-in, tomamos um banho e às 19h30 saímos para jantar e andar pela cidade. Comemos num dos diversos restaurantes existentes no subsolo da estação de Kyoto e ali mesmo pegamos um metrô (usando o SUICA) e um trem até a estação Kawaramachi, que nos deixaria no começo do bairro de Gion.

Roteiro Japão: Kyoto

Caminhada noturna pelo bairro de Gion, em Kyoto

Estávamos cansados (tínhamos acordado às 5h30 e dormido mal), mas mesmo assim conseguimos andar bastante por Gion - tanto em sua área proibidona (cheia de boates e ponto de prostituição) quanto em sua área tradicional, a das gueixas, templos e prédios históricos. Caminhamos por diversas transversais da Shijo Dori, a principal rua do bairro, mas principalmente pela Hanamikoji Dori, onde vimos uma gueixa deixando um compromisso, apressada. Muitos turistas vão a Gion basicamente para fotografar gueixas, criando um verdadeiro clima de 'caça' no local, mas não preciso nem falar como isso é visto com maus olhos pelos locais. Ninguém merece ser tratado como um animal num safári.

Roteiro Japão: Kyoto

Hanamikoji Dori, onde vimos uma gueixa

Da Hanamikoji Dori caminhamos até a Shirakawa-minami Dori, uma rua lindíssima, cheia de cerejeiras iluminadas à beira de um canal. Há diversos restaurantes, casas de chá, patisseries e galerias de arte nessa região, que também merece ser explorada de dia. Por volta das 23h, esgotados, pegamos um táxi até o hotel (custou cerca de 2.300 yens).

Roteiro Japão: Kyoto

A rua Shirakawa-minami Dori, em Gion, beira-canal

No próximo post detalho nossos dias em Kyoto e o bate-volta até Nara.

Leia mais:

5 comentários

Filipe Morato Gomes

Este roteiro está muito bem montado (estou a adorar seguir estes posts sobre o Japão aqui no VnV). Na verdade, esta é uma das minhas regiões preferidas do Japão - Takayama e Shirakawa-go são lindíssimas.
Dormir em Shirakawa-go é uma ideia excelente, porque a partir do meio da tarde a aldeia fica praticamente vazia, sem turistas - parabéns pela opção, a maioria das pessoas passa 3 ou 4 horas e segue viagem.
Na minha opinião, recomendaria apenas ficar mais tempo em Kanazawa, uma das maiores surpresas que tive no Japão. É uma cidade que, para além do referido jardim e mercado, tem dois museus fascinantes e, acima de tudo, é especialmente indicada para os amantes da gastronomia. Não deve haver cidade japonesa onde se coma melhor (numa escala menor que Tóquio, naturalmente, mas imbatível em termos de qualidade - pode acreditar!). Se me permite, deixo aqui mais dicas sobre o que fazer em Kanazawa (uma espécie de roteiro de duas noites / um dia), para quem puder dedicar mais tempo à cidade - incluindo referência a dois dos melhores lugares para comer lá. Não se vão arrepender.
Grande abraço desde Portugal.

Diego Maia
Diego MaiaPermalinkResponder

Sim, Kanazawa certamente vale mais que um Pit stop! Mas como a cidade não estava nos nossos planos iniciais, ficamos felizes com uma parada para conhecer o jardim e o castelo. Obrigado pela contribuição, Filipe!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Filipe, estou indo no final de setembro para tomar minha dose anual de Japão, vamos ficar 2 semanas perto de Yokohama e depois pensei em ir para a região de Kanazawa, você pode me contar mais, pois queria ficar pelo menos 1 semana.

Filipe Morato Gomes

Claro, Cristina, com todo o prazer. Se o moderador permitir, eu deixo aqui o meu roteiro no Japão para você ver, porque descrevo o que fiz nessa região dos Alpes japoneses (por exemplo, ficar num ryokan / onsen é imperdível - mesmo). Depois de ler, sinta-se à vontade para fazer perguntas concretas lá mesmo no Alma de Viajante ou aqui no VnV. Se eu souber, terei todo o gosto em ajudá-la. Abraço.

Nathan
NathanPermalinkResponder

Meeeeu Deeeus véi, mas o Japão é lindo demaaais!
Quero ir mas o final do ano está muuito longe kkkkkkk

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar