Óleo nas praias do Nordeste: atualização de 23 de dezembro

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Óleo no Nordeste: Jeri sem óleo

Jeri: por enquanto, sem óleo

Óleo nas praias do Nordeste: situação em 23 de dezembro (manhã)

Devido ao pouco que se sabe sobre a origem da mancha de óleo do Nordeste, é impossível ter certeza total de nada. Mas, aparentemente -- ufa! -- o pior parece já ter passado.

Muitas praias ainda estão lidando com pequenos resíduos na areia, que teimam em reaparecer trazidos por uma maré alta mais forte. Mas dá para perceber pelos relatos dos leitores que cada vez há mais praias totalmente limpas.

Levar uma carimbada no pé, porém, pode ser inevitável.

É como diz o leitor-andarilho Rodrigo, que passou 16 dias entre a Península de Maraú e a ilha de Boipeba, fazendo caminhadas quilométricas todos os dias. Ele mandou relatos praticamente em tempo real do que encontrava. A conclusão à que ele chegou ao fim da temporada, e as recomendações que ele dá, são exatamente iguais às minhas:

Minha recomendação: se você não for muito sensível, enjoado, chato mesmo, pode ir tranquilamente, porque o óleo é só um registro no diário de viagem (às vezes, aqui e ali um registro nos pés também).

Não havendo mais nenhuma grande ocorrência, a natureza vai limpar o que ainda está no mar.

Os mais sensíveis, aqueles que não querem ver nenhuma pintinha preta sequer, nem correr o risco de carimbar os pés, fiquem longe do Nordeste por mais um ano.

(Rodrigo, leitor, depois de 16 dias caminhando em Maraú e Boipeba)

Leia os relatos praia a praia logo abaixo e também o post Dicas para não perder sua viagem ao Nordeste.

Relatos dos leitores:

Veja também:

Aracaju (SE)

A Milena mora em Aracaju e percorre diariamente 10 km entre Atalaia e Mosqueiro. Ela informa que novos fragmentos, de tamanho pequeno, chegam diariamente. E no dia 30 de novembro a quantidade aumentou a olhos vistos.

Dia 29 de novembro a Larissa esteve na praia de Atalaia próxima à Passarela do Caranguejo e encontrou pontos pequeninos de óleo na areia, mas a água estava limpa.

Entre 16 e 23 de novembro o Enivaldo fez passeios a partir de Aracaju e não encontrou óleo nas praias de Atalaia, Náufragos, Croa do Goré e Mangue Seco. Apenas na Praia do Saco presenciou a reclamação de uma passageira que carimbou o pé.

Dia 17 de novembro a Denize não viu óleo na Croa do Goré/Ilha dos Namorados.

Dia 17 de novembro a Denize viu algumas poucas partículas de óleo na areia da Praia do Refúgio.

Dia 10 de novembro o Fabricio esteve na praia da Atalaia e não viu óleo.

Dia 8 de novembro o Jaques viu poucos fragmentos de óleo na praia da Atalaia, mas mesmo assim não se animou a tirar as sandálias.

Entre 1º e 3 de novembro o Henrique esteve em Aracaju e confirmou que há centenas de fragmentos do tamanho de uma moedinha na praia da Cinelândia. Havia equipes de limpeza, mas os fragmentos voltavam a aparecer.

Dia 1º de novembro a Luciane encontrou gotas de óleo na areia e na água da praia do Robalo.

Dia 27 de outubro a Luciane não viu óleo na Croa do Goré, encontrou gotículas de óleo na Ilha dos Namorados e se sujou de óleo na praia de Aruana.

Dia 21 de outubro a Daniela reafirmou que a praia da Atalaia está com muitas manchas de óleo, e quem entra n'água sai sujo.

Dia 20 de outubro a Daniela foi à praia do Refúgio e viu muito óleo. Ao entrar no mar, ficou com manchas na perna. Ela quer processar a CVC, que não permitiu cancelar a viagem sem custo.

Dia 19 de outubro a Daniela esteve na praia da Atalaia e sofreu com inúmeras manchinhas de óleo na areia.

Dia 15 de outubro o Severino esteve na praia da Atalaia e, mesmo não vendo sinais de óleo na areia, acabou carimbado com óleo nos pés

Dia 9 de outubro a A Maria Tereza foi à praia do Mosqueiro no dia 9 de outubro e constatou alguns trechos salpicados com óleo, mas a água estava limpa.

Arempebe (BA)

De 21 a 23 de novembro a Joanna esteve na praia do Piruí. Não viu óleo, mas no dia 23 ganhou um carimbo no pé.

Arraial d'Ajuda

Dia 23 de novembro Telma caminhou do Mucugê à Pitinga e teve o pé carimbado. Encontrou a Marinha recolhendo resíduos.

De 18 a 23 de novembro o Samuel esteve no Arraial d'Ajuda. Não encontrou óleo em nenhum dia, mas especificamente no dia 22 viu gente com carimbo no pé.

Dia 22 de novemro o Fabio encontrou muitos fragmentos de óleo na praia do Mucugê. Toda a família ficou carimbada.

Dia 20 de novembro a Debora reportou que a praia do Apaga-Fogo continua sem vestígios de óleo.

Até o dia 18 de novembro a Lucia esteve no Arraial d'Ajuda e não viu nadinha de óleo.

Dia 18 de novembro a Telma esteve na praia do Mucugê e não viu óleo.

Dia 18 de novembro a Christine não encontrou óleo na praia do Araçaípe.

Dia 18 de novembro a Debora não viu óleo na praia do Apaga-Fogo.

Entre 15 e 17 de novembro a Eliane não viu nada de óleo nas praias de Mucugê, Pitinga e Araçaípe.

Entre 15 e 16 de novembro a Samanta caminhou entre as praias do Araçaípe a Mucugê e não viu óleo. Seu marido, porém, levou uma carimbada na praia do Araçaípe.

Dia 16 de novembro a Debora continuou sem ver óleo na praia do Apaga-Fogo.

Dia 15 de novembro a Christine passou o dia na praia da Pitinga e não viu óleo.

Dias 14 e 15 de novembro a Debora esteve na praia do Apaga-Fogo (onde fica o Arraial Eco Resort) e não constatou nada de óleo.

Dia 9 de novembro a Camila passou o dia entre Mucugê e Pitinga e não viu óleo.

Dia 8 de novembro a Alessandra fez o percurso a pé de Arraial d'Ajuda a Trancoso e não viu óleo.

Dia 7 de novembro a Barbara passou o dia na praia da Pitinga sem ver óleo.

Dias 5 e 6 de novembro a Barbara pôde aproveitar as praias dos Pescadores e do Mucugê sem intercorrência nenhuma de óleo.

Dias 4 e 5 de novembro o Marcelo não viu óleo nas praias do Mucugê, Parracho e Pitinga.

Dia 4 de novembro o Thiago estava com a esposa e a filha de 3 anos no Arraial. Contou que as praias estavam sem óleo e ele não se arrependia de ter mantido a viagem.

Dia 4 de novembro o Thiago esteve na praia do Parracho e não havia óleo.

Dia 3 de novembro a Priscilla encontrou muitos fragmentos de óleo na praia do Araçaípe (onde havia uma equipe limpando) e, depois, cinco fragmentos numa caminhada entre o Parracho e a Pitinga.

Dia 3 de novembro pela manhã o Ricardo (eu!) percorreu as praias do Mucugê, Parracho e Pitinga e não viu óleo na areia ou na água. Mesmo assim, teve o pé carimbado em dois pontos quando entrou n'água na Pitinga.

Nos dias 1º e 2 de novembro o Thiago não viu óleo no Arraial d'Ajuda.

Dia 1º de novembro a Glaucia esteve nas praias da orla norte do Arraial (Apaga-Fogo, Araçaípe, Praia dos Pescadores) e não encontrou óleo.

Dia 1º de novembro o Leandro passou o dia na praia do Mucugê e estava sem óleo.

Dia 1º de novembro a Cynthia viu vestígios de óleo na praia do Taípe.

Dia 31 de outubro a Thayêda não viu óleo na areia, mas viu um barco chegar com 3 baldes e 5 litros de óleo tirados do mar.

Dia 22 de outubro a Mayara atestou que não havia óleo em Arraial d'Ajuda.

Barra Grande do Piauí

Dia 28 de outubro o Weslley informou que Barra Grande do Piauí estava sem óleo.

Boipeba

Dia 9 de dezembro o Rodrigo encerrou sua temporada em Boipeba na praia da Cueira e, desta vez, não viu nada de óleo.

Dia 8 de dezembro o Rodrigo fez as rondas das praias de Boipeba e encontrou um único fragmento no Pontal de Bainema, absolutamente nada no miolo de Bainema nada na areia e algumas partículas na água de Moreré e duas pelotinhas na areia da Cueira (num trecho em que nos dias anteriores estava pontilhado de fragmentozinhos).

Dia 7 de dezembro o Rodrigo caminhou da Boca da Barra à praia da Cueira, à altura do quiosque do Guido. Desta vez não encontrou vestígios na areia, apenas algumas pintinhas na água. Mas o banho estava ótimo e ele saiu do mar e voltou para a pousada sem nenhum carimbo no pé ou no corpo.

Dia 6 de dezembro o Rodrigo voltou a caminhar pelas praias da ilha. Encontrou a praia da Boca da Barra sem óleo; Tassimirim com resquícios apenas nas pedras, que estão sujas na divisa com a Cueira; Moreré praticamente livre de pelotas, com exceção de um trechinho (onde só viu pelotinhas no caminho de volta; na ida, não). A praia da Cueira é que continuava com um trecho onde era impossível não pisar nos fragmentos.

Dia 5 de dezembro o Rodrigo encontrou uma faixa de 100 metros na praia da Cueira que estava salpicada de pelotas (a maioria minúsculas, umas poucas maiorzinhas) -- neste trecho, foi impossível não carimbar o pé. Mas no restante da praia e em toda a praia de Moreré não havia nada de óleo.

Dia 4 de dezembro o super andarilho Rodrigdia caminhou da praia da Cueira até Bainema e tudo o que viu foram "duas pelotinhas minúsculas" na Cueira e "uma pelotinha" em Bainema, perto do riozinho. Nada nada de piche nem em Moreré nem na Ponta dos Castelhanos. Ele voltou sem carimbos no pé.

Dia 3 de dezembro o Rodrigo caminhou da Cueira a Moreré. Na Cueira viu apenas uma pelota (de uns 4 cm). Em Moreré, nada.

Dia 2 de dezembro o Rodrigo caminhou 8km, da Praia da Cueira até o Pontal do Bainema. Viu diversas pelotas na Cueira, a meio caminho do Rio Oritibe. Em Moreré, encontrou uma concentração de pequenas pelotas de piche perto do restaurante Paraíso, e fragmentos mais esparsos dali até a vila. Em Bainema viu algumas pelotas no trecho inicial da praia; da metade da praia até o Pontal do Bainema estava tudo limpo.

Dia 19 de novembro o Fabio encontrou pequenas manchas residuais na praia de Bainema, mas nada de óleo na praia de Castelhanos.

Dia 18 de novembro o Fabio viu manchas de até 15 cm na praia da Cueira e saiu do mar com algumas pintinhas.

Dia 17 de novembro o Fabio viu muitas manchas na areia de Tassimirim e Cueira. Também encontrou fragmentos em Moreré, porém menos numerosos e menores.

Dia 17 de novembro o Pattrick fez o passeio de volta à ilha e não viu óleo na piscina natural de Moreré, no banco de areia em Castelhanos e na Cova da Onça. Constatou partículas de óleo presas a folhas que chegavam com a maré na praia de Castelhanos.

Dia 16 de novembro o Ricardo (eu!) fez o passeio de lancha de volta à ilha. Não viu nada de óleo nas piscinas naturais de Moreré, na Praia de Castelhanos, na piscina natural de Castelhanos e na Praia de Cova da Onça. Havia fragmentos de óleo, porém, na praia de Bainema -- ainda que em menor quantidade do que ele tinha visto no dia anterior entre Boca da Barra, Tassimirim, Cueira e Moreré.

Dia 16 de novembro o Pattrick carimbou o pé caminhando em direção à praia de Tassimirim.

Dia 15 de novembro o Ricardo (eu!) encontrou inúmeros pequenos fragmentos de piche entre as praias da Boca da Barra, Tassimirim, Cueira e Moreré. Era inevitável carimbar o pé, mas a água estava límpida, e o banho, delicioso.

Entre 6 e 14 de novembro a Emanuelle esteve hospedaa em Moreré e de lá ia a Bainema. Sujou os chinelos de piche já na chegada. Havia poucos fragmentos de óleo na areia, e deu para tomar banho normalmente. O problema maior foi dia 12 de novembro, quando chegou mais óleo e aí chegou inclusive a sujar o corpo e o biquíni.

Dia 8 de novembro a Marília viu "pouquíssimos fragmentos" na praia de Castelhanos e nada de óleo nas piscinas naturais de Moreré.

Dia 7 de novembro a Marília viu fragmentos de óleo nas praias da Boca da Barra, Tassimirim e Cueira.

Dia 7 de novembro a Regina passou o dia em Moreré e viu pequenas bolinhas de óleo pontualmente na areia. Pediu um saquinho para catar, mas o pescador disse que assim que a maré baixa eles mesmos fazem esse serviço.

Dias 4 e 5 de novembro o Leandro esteve em Boipeba e encontrou pelotinhas de piche nas praias de Tassimirim e Boca da Barra. Em Tassimirim havia um grande saco de lixo com óleo recolhido a que ainda não tinha sido dada destinação.

Dia 28 de outubro a Bruna informou a chegada de bastante óleo às praias da Cueira, de Moreré e Bainema.

Dia 24 de outubro a Bruna viu uma grande mancha de óleo sujando 200 metros da praia de Bainema. A equipe da prefeitura limpou tudo. Até agora, segundo a Bruna, a única praia que permaneceu invicta contra o óleo em Boipeba é a praia de Moreré.

Dia 23 de outubro a Bruna fez o passeio de Meia Volta à Ilha (de Moreré à Cova da Onç) e não encontrou óleo em alto mar ou nos recifes. Mas ao caminhar pelas praias de Cueiria e Tassimirim, ajudou a recolher bolotas de piche da areia. No dia anterior, ela tinha presenciado o aparecimento de piche nas praias vizinhas de Moreré e Bainema.

Entre 11 e 18 de outubro o André visitou todas as praias da ilha de Boipeba e não encontrou óleo.

Ceará (geral)

Para notícias específicas de Jericoacoara, clique aqui

Dia 3 de dezembro a Laiana foi à praia da Lagoinha e não constatou nada de óleo.

Dia 2 de dezembro a Laiana foi passear com a família em Águas Belas e o filho saiu da água com uma manchinha de piche na sunga.

Dia 1º de dezembro a Laiana esteve com a família na Praia do Futuro em Fortaleza. Não havia fragmentos visíveis, mas o marido e o filho saíram com os pés carimbados.

Dia 24 de novembro o Fabricio esteve nas praias de Iracema e Meireles, em Fortaleza, e não encontrou óleo.

Dia 6 de novembro a Pollyana viu pequenos fragmentos de piche num único trecho da praia de Morro Branco. Não encontrou óleo na Praia das Fontes.

Dia 7 de novembro a Pollyana não viu óleo em Areias Belas, mas viu uma mancha na piscina natural de Barra Velha durante um passeio de bugue.

Dia 5 de novembro a Pollyana esteve na Praia do Futuro em Fortaleza e viu muitas manchinhas de óleo do tamanho de moedas de 1 real na areia e no mar. O marido sujou o pé.

Dia 4 de novembro a Ludmila esteve em Morro Branco e Canoa Quebrada e não viu óleo nas praias.

Dia 26 de outubro a Simone voltou de uma kite trip entre Preá, Jericoacoara, Barra Grande do Piauí e Atins e não encontrou óleo nem no mar nem na areia.

Dia 22 de outubro o irmão da Isa, que está hospedado no resort Dom Pedro Laguna, no município de Aquiraz (vizinho a Fortaleza), mandou dizer que a praia está vazia e totalmente limpa, sem nenhum resíduo na areia ou no mar.

Dia 21 de outubro a Lilian mandou recado para dizer que nos últimos dias tinha visitado as praias do Futuro (Fortaleza), Porto das Dunas, Canoa Quebrada, Cumbuco e Lagoinha e não viu nada de óleo.

Dia 19 de outubro a Michelle não viu óleo em Canoa Quebrada (mas viu vestígios em Morro Branco).

Entre 11 e 13 de outubro a Denise não encontrou nada de óleo na areia.

Na última semana de setembro o Adolfo encontrou gotas de óleo na areia, que acabavam grudando no pé.

Caraíva (BA)

Dia 27 de novembro a Maira encontrou bolinhas de piche pela praia e uma pequena mancha no mar.

Dia 20 de novembro a Telma encontrou fragmentos em Caraíva apenas no trecho perto do rio. Atravessando, encontrou voluntários com rede e peneiras tentando evitar a entrada de óleo no rio, e também peneirando areia na praia do Satu. Ainda assim, conseguiu tomar um bom banho de mar num trecho sem fragmentos de óleo.

Dia 18 de novembro o Paulo encontrou manchas de óleo na areia, na praia e nas pedras da Praia do Satu.

Dia 12 de novembro a Karina fez a caminhada da praia do Espelho até Caraíva e não viu óleo.

Dia 9 de novembro o Guilherme passou o dia em Caraíva e não viu óleo.

Dia 4 de novembro o Michael encontrou várias pelotas de óleo na volta da praia do Satu. Havia mais moradores e turistas do que militares na limpeza. Não havia piche na praia central de Caraíva.

Dia 4 de novembro a Hannah encontrou pequenos fragmentos de óleo na Praia do Satu. Militares faziam o recolhimento.

Dia 2 de novembro o Francisco encontrou pequenos fragmentos de óleo em Caraíva, do tamanho de moedas de 1 real.

Dia 2 de novembro de manhã o Ricardo (eu!) percorreu toda a praia de Caraíva e não viu nada de óleo.

Dia 1º de novembro o Ricardo (eu mesmo) esteve em Caraíva e não viu óleo nenhum na areia ou na praia. No dia anterior moradores tinham tirado 500 gramas de piche da areia.

Corumbau (BA)

Entre os dias 17 e 18 de novembro o Marcus só viu um fragmento isolado de óleo na Ponta do Corumbau.

Dia 16 de novembro o Paulo encontrou manchas de óleo de até 3 centímetros na Ponta do Corumbau. A Marinha e voluntários fziam a limpeza.

Dia 2 de novembro a Hannah esteve na Ponta do Corumbau e viu fragmentos de óleo na praia e no mar, que estavam sendo retirados pelos moradores.

Cumuruxatiba (BA)

Dia 28 de novembro, informa a Sara, o óleo reapareceu em duas praias de Cumuru, Dois Irmãos e Japara.

Dia 14 de novembro a Sara informou a chegada de óleo em Cumuru. A comunidade se mobilizou para limpar.

Comandatuba

Dia 6 de novembro o Vitor Hugo viu aparecerem muitos fragmentos de óleo na praia do resort Transamérica. No dia 7 de novembro ainda havia fragmentos na areia. Uma equipe do Ibama estava no hotel.

Costa do Sauípe

Entre 9 e 12 de dezembro a Fabiana não viu fragmentos nem na areia, nem na água. Apenas no dia 12 acabou carimbada, de leve.

Dia 27 de novembro o Ricardo (eu!) esteve na Costa do Sauípe e constatou a presença de pequenas partículas de piche na areia.

Dia 13 de novembro a Suellen encontrou pequeninos fragmentos de piche na areia.

Dias 9 e 10 de novembro a Juliana encontrou muitos pontos de óleo na praia em Sauípe, impossibilitando usar a praia sem se sujar.

Dia 7 de novembro o Rafael informou que a praia em Sauípe estava sem óleo, e que equipes do resort estavam de prontidão para fazer limpeza da areia todas as manhãs.

Entre 3 e 5 de novembro o Rafael encontrou óleo na Costa do Sauípe. As crianças se sujaram bastante.

Dia 27 de outubro o Antônio Pedro avisou que Costa do Sauípe tem óleo na praia.

Dia 15 de outubro o Renato disse que a praia de Costa do Sauípe não estava interditada. Mas relatou que era impossível caminhar na areia ou entrar n'água sem se sujar de óleo.

Guarajuba

Dia 16 de dezembro a Roberta mandou seu relato de Guarajuba: "um ou outro fragmento" na área do condomínio Paraíso (à direita/sul da vila) e um trechinho com pelotas em frente à barraca do Prefeitinho Jr (à esquerda/norte da vila). E dá uma dica ótima anti-carimbos: passar protetor solar na sola do pé (cria uma barreira, deixa a limpeza mais fácil).

Dia 3 de dezembro a Kelma foi passear na praia de Guarajuba e não viu nada de óleo.

Dia 28 de novembro o Ricardo (eu!) caminhou da praia central de Guarajuba na direção norte até o resort Vila Galé Marés. Só encontrou fragmentos num trecho de 50 metros à esquerda da barraca do Prefeitinho, já na saída da vila. Na praia central e na praia do resort, zero óleo.

No dia 15 de novembro a Larissa não viu óleo em Guarajuba. (Uns dias antes, no dia 11, ela tinha visto pontinhos de óleo na areia.)

Dia 27 de outubro o Antônio Pedro informou haver muito óleo em Guarajuba.

Dia 14 de outubro a Luciana estava em e relatou "situação tranqüila". Alguns pontinhos de óleo na areia, que não inviabilizavam o banho. Havia pessoas trabalhando na retirada desses pontinhos.

Imbassaí

Dia 30 de novembro a Tania esteve no encontro do rio como mar em Imbassaí e também na praia de Santo Antônio e não encontrou óleo.

Dia 14 de novembro a Clarissa não viu nada de óleo na praia do Grand Palladium.

Dia 9 de novembro o Evandro viu muitos fragmentos, de diversos tamanhos, na areia e chegando com a maré cheia.

Dia 6 de novembro o João encontrou pequenos fragmentos de piche, menores que moedas.

Dia 19 de outubro a Renata, que está hospedada no Grand Palladium Imbassaí, constatou pequenas manchas na areia, do tamanho de moedas. O mar estava aparentemente limpo, mas era comum sair com pequenas manchas de piche no pé ou na roupa de banho.

Ilhéus

Dia 8 de novembro o Mas depois, Fabricio voltou à praia Solimar, no norte de Ilhéus, e desta vez encontrou partículas de óleo na areia.

Dia 7 de novembro o Fabricio esteve na praia Solimar no norte de Ilhéus e não viu óleo.

Dia 7 de novembro o Ricardo (eu!) esteve na Praia dos Milionários e, procurando bastante, encontrou fragmentos de óleo bastante esparsos e visíveis apenas de muito perto. Não chegou a carimbar o pé.

Dia 26 de outubro o Alberto esteve na Praia dos Milionários e havia bastante óleo na praia.

Itacaré

Entre 7 e 13 de novembro o Patrick viu pelotas de óleo nas praias do Resende, da Tiririca, do Costa, da Ribeira, da Engenhoca e de Jeribucaçu.

Dia 1 de novembro o Ricardo (eu!) esteve nas praias de Resende, Tiritica e Ribeira, que estavam aparentemente limpas, mas escondiam pequenos fragmentos de óleo na areia, que acabaram carimbando o pé. Não havia óleo na praia da Concha.

Dia 9 de novembro o Ricardo (eu!) esteve na praia de Itacarezinho. Aparentemente a areia estava limpa, mas procurando com atenção dava para encontrar minúsculos fragmentos de piche, que resultou num pé carimbado. Mas não havia piche na praia do Pontal.

Dia 8 de novembro o Fabricio esteve em Serra Grande, entre Ilhéus e Itacaré, e viu manchinhas do tamanho de uma moeda na areia (e carimbou o pé).

Dias 29 e 30 de outubro a Juliane viu muitos pequenos pontos de óleo nas praias da Engenhoca, do Itacarezinho e de Jeribucaçu. Havia equipes limpando as praias.

Dia 27 de outubro o João mandou dizer que nas praias principais de Itacaré a vida segue normal, sem óleo.

Itacimirim

Dia 28 de novembro o Ricardo (eu!) esteve na Praia da Espera e não encontrou óleo.

Dia 20 de outubro a Loriane esteve em Itacimirim e viu manchas de diversos tamanhos na areia. Apesar disso, havia muita gente dentro d'água.

Dia 15 de outubro a Leidiane chegou a Itacimirim (pertinho de Praia do Forte) e contou que, apesar de não haver vestígios visíveis de óleo na areia, ao caminhar você acabava se sujando. Mas ela se impressionou mais com a quantidade de plástico na areia do que com o óleo.

Japaratinga (AL)

Dia 9 de dezembro o Marcos pisou em óleo na praia do Boqueirão.

Dia 3 de dezembro a Daniela encontrou manchinhas de óleo na areia da praia de Barreiras do Boqueirão.

De 20 a 27 de novembro a Ana Paula esteve na praia do Pontal de Japaratinga e não viu óleo. Apenas quando foi à praia do Bitingüi viu um grupo de militares limpando pequenas manchas.

Dia 26 de novembro a Paula não viu óleo em Japaratinga.

De 20 a 24 de novembro a Ellen não encontrou óleo na praia do Japaratinga Resort (que não fica em Japaratinga, mas ao sul de Maragogi).

Entre 17 e 19 de novembro a Rívia esteve hospedada no Japaratinga Resort e não havia óleo na praia em frente. (Nota da redação: este resort não fica exatamente em Japaratinga. A praia está no litoral sul de Maragogi.)

Dia 19 de novembro a Camila encontrou voluntários limpando a praia de Japaratinga e resolveu não ficar.

Dia 18 de novembro a Vanessa não viu nada de óleo na praia do Japaratinga Resort. (Nota da redação: este resort não fica exatamente em Japaratinga. A praia está no litoral sul de Maragogi.)

Dia 17 de novembro a Rebecca encontrou muitas manchas na areia de Japaratinga, e acabou com os pés carimbados.

Dia 14 de novembro o Thiago viu muitas manchas de óleo na areia e não se animou a ficar na praia.

De 10 a 14 de novembro a Carla se hospedou no Japaratinga Resort e não viu óleo na praia. (Nota da redação: o Japaratinga Resort não fica em Japaratinga, sua localização pode ser considerada sul de Maragogi.)

Dia 11 de novembro a Carol viu gotas de óleo na areia e nas pedras.

Dia 31 de outubro a Renata encontrou muitas manchas de até 10 cm de piche em Japaratinga.

Dia 20 de outubro a Patricia caminhou por um trecho de Japaratinga e viu muito óleo.

Dia 16 de outubro a Ana Dora relatou que Japaratinga estava tomada por 'um tapete de óleo'.

De 11 a 15 de outubro a Giselle esteve hospedada em Japaratinga. Até 14 de outubro só tinha encontrado gotinhas de óleo. Mas no dia 15 de outubro apareceram manchas de óleo na praia.

Jericoacoara (CE)

Entre 19 e 22 de novembro o Luís esteve em Jeri e não viu óleo.

Entre 8 e 13 de novembro a Juliana não viu óleo em Jeri ou praias próximas.

Dia 9 de novembro a Barbara não viu óleo na praia principal de Jeri.

Dias 8 e 9 de novembro a Polyanna não viu óleo em Jeri.

Entre 29 de outubro e 2 de novembro a Ludmila esteve em Jericoacoara e não viu óleo nas praias.

Entre 28 e 30 de outubro a Taissa não viu óleo em Jeri.

Dia 28 de outubro o Weslley relatou não ter visto nada de óleo nos dias anteriores em Jericoacoara, Tatajuba e Camocim.

Dia 14 de outubro a Michelle não encontrou óleo nem na praia central de Jericoacoara, nem na Pedra Furada.

Dias 25 e 26 de setembro o Anderson encontrou muitas manchas de óleo na região da Pedra Furada (que não é a praia central de Jeri).

Maceió e arredores (AL)

Entre 16 e 19 de dezembro o Alex Ricardo esteve na Barra de São Miguel. Não viu nenhum resquício aparente, mas nos dias 17 e 18 saiu da água com pequenos carimbos.

Entre 9 e 14 de dezembro a Débora curtiu as praias de Ipioca, Gunga e Paripueira e não encontrou óleo.

Entre 9 e 12 de dezembro a Isabella passeou pelas praias de Pajuçara, Ponta Verde, Francês, Barra de São Miguel e Gunga e não encontrou nada de óleo.

Entre 5 e 11 de dezembro a Monalisa esteve nas praias de Ponta Verde, Pajuçara e Barra de Santo Antônio e não encontrou nada de óleo.

Entre 4 e 7 de dezembro o Pedro Henrique curtiu praias nos arredores de Maceió sem encontrar nada de óleo. Esteve dia 4 no Gunga, dia 5 na Praia do Francês, dia 6 em Dunas de Marapé e dia 7 em Ipioca (Hibiscus) e estava tudo limpo em todas as praias.

Entre 1º e 5 de dezembro a Flávia passeou pelas praias do Gunga, Francês e Antunes (Maragogi) e não viu nada de óleo.

Dia 30 de novembro a Paula fez um tour pelas praias do litoral sul alagoano e não constatou óleo nas praias do Francês, Barra de São Miguel, Gunga, Jequiá, Lagoa do Pau e Coruripe.

Entre 23 e 27 de novembro a Karen viu pontinhos de óleo na Barra de São Miguel. Todos os dias ela, o marido e o filho saíram com algum carimbinho. Mas ainda assim ela aconselha: "se está em dúvida, venha!".

Entre 18 e 25 de novembro a Lívia não viu óleo em nenhum dos passeios que fez.

Dia 21 de novembro a Juliana não viu nenhum óleo aparente na Barra de São Miguel, mas saiu com um carimbo no pé.

Dia 19 de novembro a Bibiana estava na Barra de São Miguel. A água está limpa, mas ela acabou carimbando os pés na areia. Havia militares peneirando a areia.

No feriado de 14 a 17 de novembro a Laís passeou nas praias de Ipioca e Praia do Francês e foi às Galés de Maragogi e não viu nada de óleo.

Dia 15 de novembro a Camila não viu óleo nas praias de Ipioca e Carro Quebrado.

Entre 8 e 15 de novembro a Fernanda passeou bastante pelas praias de Alagoas e não viu óleo. O único incidente foi um carimbo no pé em Paripueira.

Entre 7 e 13 de novembro a Angelica fez muitos passeios de praia e não encontrou óleo nas praias da Pajuçara, Pajuçara, Pajuçara, Ponta Verde, Francês, Gunga, Paripueira e São Miguel dos Milagres.

Dia 11 de novembro Fabricio não encontrou óleo na praia ou nas piscinas naturais da Pajuçara, em Maceió.

Dia 11 de novembro o Thiago encontrou vestígios de óleo na Barra de São Miguel mas não viu óleo no Gunga.

Dia 10 de novembro o Thiago não viu óleo na praia da Jatiúca.

Entre 5 e 8 de novembro a Carol não viu óleo em Pajuçara ou Ponta Verde.

Di 6 de novembro a Clarice encontrou muits manchas na areia na praia de Barra de São Miguel. Já na praia do Gunga, viu manchas no trecho da praia de mar, mas não viu manchas no trecho da praia de rio.

Dia 6 de novembro a Sylvia não encontrou óleo na praia da Guaxuma. Desde o dia 3 de novembro em Maceió ela ainda não encontrou óleo em nenhuma praia.

Entre 2 e 4 de novembro o Marcello esteve em Paripueira e na praia do Gunga e não encontrou óleo.

Dia 3 de novembro a Sylvia esteve na Praia do Francês e não constatou presença de óleo. Os fragmentos que havia já foram todos retirados.

Dia 4 de novembro o Rodrigo encontrou bastante óleo na Barra de São Miguel.

Dia 4 de novembro a Luciana carimbou o pé de piche na Barra de São Miguel.

Dia 2 de novembro a Lucilla esteve nas praias do Gunga e Barra de São Miguel e não viu óleo.

Dia 2 de novembro a Gabrielle encontrou a Barra de São Miguel com bastante óleo.

Entre 28 e 31 de outubro o Paulo esteve em Paripueira, Praia do Toque (São Miguel dos Milagres, Ponta Verde e Pajuçara e, em todas elas, só viu (poucos) resquícios na Pajuçara.

Dia 31 de outubro a Virginia encontrou Barra de São Miguel aparentemente limpa, mas acabou carimbada.

Dia 31 de outubro a Thays acabou carimbada com piche na Praia da Sereia, provavelmente na areia (ela não percebeu na hora).

Dia 31 de outubro a Luciana esteve na Barra de São Miguel e encontrou "micro-vestígios de óleo na areia".

Dia 30 de outubro a Luciana esteve na Praia do Gunga e não viu óleo.

Dia 27 de outubro a Priscila esteve em Paripueira e não viu óleo.

Dia 27 de outubro o Paulo e sua esposa não viram óleo nas praias de Pajuçara e Ponta Verde, mas ao sair do mar, constataram cada um uma pequeno carimbo de piche no pé.

Dia 24 de outubro a Angélica contou que estava havia uma semana em Maceió, tinha caminhado bastante nas praias e não tinha visto óleo na Ponta Verde, no Francês ou no Gunga.

Dia 23 de outubro a Kátia esteve em Sonho Verde, ao norte de Maceió (município de Paripueira) e não viu nada de óleo.

Dia 23 de outubro a Renata esteve na praia do Gunga e não viu óleo.

Dia 22 de outubro o Gustavo passou o dia na Barra de São Miguel e encontrou bastante óleo na areia.

Dia 21 de outubro a Sonia não viu óleo na praia de Ponta Verde, em Maceió.

Dia 19 de outubro a Cláudia esteve na praia de Garça Torta, em Maceió, e não viu nadinha de óleo.

Dia 19 de outubro a Nadir não viu óleo. "Mar límpido", relatou.

De 11 a 18 de outubro a Heloísa passou férias na Barra de São Miguel e viu poucos pontos de óleo na areia. "Voltaria tranqüilamente", diz ela.

Dia 18 de outubro o Bruno esteve na praia do Gunga e não viu óleo nem na areia, nem na praia.

Dia 12 de outubro a Ana Cláudia viu pontinhas de óleo na areia.

Dia 12 de outubro a Ana Cláudia encontrou pontinhas de óleo na Barra de São Miguel.

Dia 11 de outubro a Ana Cláudia não encontrou óleo na praia de Ponta Verde.

Dia 10 de outubro a Maria Leonora entrou no mar dia 10 de outubro e saiu com bolinhas pretas de óleo grudadas no corpo.

Mangue Seco e Costa dos Coqueiros

Dia 29 de novembro a Tania esteve em Mangue Seco e viu algumas pelotinhas de óleo. O marido carimbou o pé mas no geral todo mundo se divertiu muito.

Dia 17 de novembro a Raquel esteve na Barra de Itariri e, apesar de não haver manchas evidentes, acabou se sujando durante o banho de mar.

Entre 15 e 16 de novembro o Patrick viu pelotas de óleo na ilha do Sogro e na foz do rio Real, perto de Mangue Seco.

Dia 15 de novembro a Denize esteve em Mangue Seco e viu algumas gotas de óleo na areia da praia.

Dia 15 de novembro a Raquel tomou banho num banco de areia no rio em Mangue Seco e não havia óleo.

Dia 14 de novembro a Raquel esteve em Siribinha, viu fragmentos na areia e preferiu tomar banho de rio, que estava limpo.

Dia 13 de novembro a Raquel viu muitas pelotinhas de óleo na praia de Sítio do Conde.

Dia 29 de outubro a Luciane encontrou diversas gotas de óleo na praia de Mangue Seco.

Dia 20 de outubro a Licinia fez um passeio de Aracaju a Mangue Seco e muitas pessoas saíram da água com manchinhas pretas na planta do pé.

Maragogi (AL)

Dia 14 de dezembro a Isabella esteve nas praias de Maragogi (centro) e Antunes e não viu nada de óleo.

Em 12 de dezembro a Monalisa fez o passeio a Maragogi e não encontrou óleo.

Dia 3 de dezembro a Daniela não viu nada de óleo na praia de Antunes.

Dia 28 de novembro a Joana esteve nas praias de Antunes e Barra Grande e não encontrou nada de óleo.

Dia 27 de novembro a Denise esteve na piscina natural e no banco de areia de Barra Grande e não viu óleo.

Dia 26 de novembro a Denise encontou duas manchas de óleo na praia do resort Salinas. Mas a água estava limpa e o passeio às Galés não teve óleo nenhum.

Dia 26 de novembro a Paula não viu óleo na praia de Barra Grande.

Dia 25 de novembro a Paula não viu óleo nas piscinas naturais das Taocas nem no banco de areia de Barra Grande.

Dia 24 de novembro o Carlos Henrique esteve na praia de Barra Grande com a família e todos ficaram com carimbos nos pés (o Carlos ganhou também uma mancha na perna).

Dia 24 de novembro a Paula não encontrou óleo em Maragogi.

Dias 23 e 24 de novembro a Denise não encontrou óleo na praia em frente ao resort Salinas.

Dias 21 e 22 de novembro a Nathalia não encontrou óleo nem na praia do Antunes nem na praia do Xaréu ("Praia da Bruna").

Dia 20 de novembro a Camila não viu fragmentos de óleo nem em Antunes nem na praia do Xaréu, mas inavertidamente acabou com carimbos nos pés.

Dias 16 e 17 de novembro a Priscila esteve em Maragogi e não viu óleo nem na areia nem na água, mas acabou sendo carimbada na sola do pé na tarde de sábado.

Dia 16 de novembro a Renata encontrou pequenos pontos de piche na praia em frente ao hotel Salinas e acabou carimbando o pé. Havia funcionários do hotel limpando os fragmentos.

Dia 13 de novembro o Fabricio não encontrou óleo nas Galés, mas viu fragmentos de óleo na praia central de Maragogi.

Dia 12 de novembro o Fabricio não encontrou óleo nas praias de Antunes, Xaréu e na praia central de Maragogi.

Dia 12 de novembro a Caroline encontrou várias manchas de óleo na praia do Camacho.

Dia 11 de novembro a Caroline fez o passeio às Galés sem vestígios de óleo, mas encontrou fragmentos na praia de Antunes.

Dia 10 de novembro o André encontrou pequenas manchas na praia de Barra Grande.

Dia 9 de novembro o André não encontrou óleo na praia de São Bento.

Dia 8 de novembro a Thais entrou n'água na praia de Antunes e saiu com uma mancha de piche na coxa.

Dia 7 de novembro o André viu fragmentos na praia do Camacho.

Dia 6 de novembro a Catarina viu óleo sob o mar na ida de barco às piscinas naturais, e se sujou na água.

Entre 4 e 6 de novembro a Rose esteve em Maragogi e não viu nada de óleo nas seguintes praias: Xaréu, Antunes e praia em frente ao resort Salinas. Apenas na praia de Barra Grande aconteceu de o marido sair da água com duas manchinhas de piche, que foram retiradas com pouco esforço.

Dia 4 de novembro a Taciana da pousada Camurim Grande postou Stories mostrando que a praia em frente estava limpa.

Dia 3 de novembro o João Paulo encontrou alguns fragentos de óleo em São Bento e muitos na areia do Burgalhau, onde foi inevitável sujar a sola do chinelo.

Dia 2 de novembro o João Paulo encontrou resquícios de óleo na areia das praias de Antunes e Xaréu. Mas a água da praia do Xaréu estava limpa.

Dia 2 de novembro a Luciana viu pequenos fragmentos de piche na praia de Barra Grande, mas que não chegaram a carimbar o pé.

Dia 1º de novembro o João Paulo viu pequenos vestígios de óleo na praia central de Maragogi mas não viu óleo nas piscinas naturais, não.

Dias 29 e 30 de outubro a Angelica encontrou a praia de Antunes com bastante óleo. Mas as Galés estavam limpas.

Entre 29 e 31 de outubro a Camila viu pequenos vestígios de óleo nas praias de Maragogi mas não achou que isso atrapalhou a viagem. As piscinas naturais estavam limpas.

Dia 31 de outubro a Carolina carimbou a sola do pé entrando na água em Antunes.

Dia 31 de outubro o Luciano fez o passeio das Galés e não viu óleo em alto mar. Mas notou pontinhos de óleo na areia na praia centra de Maragogi.

Dia 31 de outubro a Sylvia fez o passeio às piscinas naturais e não viu óleo. Já na praia de Perobas e na praia central de Maragogi havia "pouquíssima presença de óleo na areia".

Dia 30 de outubro a Carolina encontrou pontos de óleo na praia da pousada Camurim Grande, mas não viu nada de óleo no passeio à Croa de São Bento, onde experimentou "o melhor banho de mar da vida".

Dia 29 de outubro a Danielle esteve na praia de Antunes e pequenas gotas de piche grudaram nos chinelos.

Dia 29 de outubro a Janaína esteve na praia do Xaréu (vizinha a Antunes) e viu vestígios na areia que sujam o pé, mas segundo ela não atrapalham o banho de mar.

Dia 29 de outubro o Marcelo fez passeios às piscinas naturais e aos bancos de areia e não viu óleo no mar. Apenas quando voltou à areia da praia, mas "nada que atrapalhasse o passeio", segundo ele.

Dia 29 de outubro a Janaína constatou muitos pontos de óleo na praia central de Maragogi.

Dia 28 de outubro a Renata fez o passeio às Galés de Maragogi sem vestígios de óleo. Ao desembarcar na praia do Burgalhau, porém, houve quem se sujasse com óleo na areia.

Dia 27 de outubro a Ju esteve na praia de Antunes e seu filho sujou o pé de óleo.

Dia 27 de outubro o Marcio fez o passeio às Galés de Maragogi e a água e os corais estavam limpos na área das piscinas naturais.

Dias 26 e 27 de outubro o Mario encontrou muitos fragmentos de óleo na areia das praias de Burgalhau, Barra Grande, Antunes e Xaréu.

Dia 22 de outubro a Ruskaya aproveitou normalmente a praia de Antunes. Caminhou e entrou no mar sem se sujar. Na maré baixa, viu pequeninos pontos de óleo na areia, mas nada significativo.

Dia 22 de outubro o Junior voltou a informar que continua havendo óleo na praia do resort Salinas.

Dia 20 de outubro o Júnior, hospedado em Maragogi, avisou que há óleo na praia.

Dia 19 de outubro o Marcos constatou que a praia de Antunes estava visualmente limpa, sem manchas na areia, mas havia partículas de óleo na areia sob a água do mar -- quem entrava saía com o pé carimbado.

Dia 18 de outubro a Ruskaya chegou para se hospedar na praia de Antunes e constatou resquícios de óleo na areia.

Dia 17 de outubro a Camila estava hospedada na praia de Antunes e constatou a chegada de óleo de madrugada. Segundo ela, o óleo chegou concentrado em poucos pontos e boa parte conseguiu ser retirada.

Dia 17 de outubro a Carla relatou manchas de óleo na praia do Burgalhau.

Às 22h de 16 de outubro, a Ana Claudia viu chegarem placas de óleo à praia central de Maragogi.

Dia 16 de outubro a Giselle esteve na praia de Antunes e estava limpa.

Dias 15 e 16 de outubro o Gustavo esteve nos dias 15 e 16 de outubro nas praias de Barra Grande e Antunes e não viu óleo.

Dia 14 de outubro a Claudia não encontrou nenhum vestígio de óleo, as praias estavam limpas.

Dia 12 de outubro a Giselle esteve na praia do Burgalhau em 12 de outubroe não viu vestígios de óleo.

Morro de São Paulo

Dia 27 de novembro o Pablo encontrou muitos fragmentos na areia da Quarta Praia e carimbou os pés.

Dia 18 de novembro o Ricardo (eu!) caminhou ida e volta pela Primeira Praia, Segunda Praia, Terceira Praia e 400 metros pela Quarta Praia, entrou n'água na Primeira e na Segunda Praia. Viu pontualmente um ou outro fragmento na areia, mas não carimbou o pé.

Dia 3 de novembro o Leandro foi a Garapuá e encontrou algumas pelotas de piche na areia e eventualmente na água.

Dia 3 de novembro a Virginia relatou a chegada de muito óleo (mal cheiroso) na Terceira e na Quarta Praia, impossibilitando o banho.

Dia 3 de novembro o Pablo informou a chegada de bastante óleo na Terceira Praia.

Dia 1º de novembro o Pablo viu pequenas pelotas de óleo na Quarta Praia que carimbavam os pés. Mas não viu óleo na água.

Dia 31 de outubro o Leandro não viu óleo na Segunda Praia, apenas pelotinhas (e equipe de limpeza) na Quarta Praia.

Dia 29 de outubro a Elisa viu uma mancha pequena de óleo na Quarta Praia.

Entre 26 e 28 de outubro a Elisa esteve hospedada na Quarta Praia e não viu nenhum resquício de óleo em Morro.

Dia 22 de outubro, no início da tarde, o Carlos relatou que o mutirão conseguiu limpar a Segunda Praia e a Quarta Praia em Morro de São Paulo. Apenas na Terceira Praia ainda havia óleo sendo retirado da areia e das pedras. "A Segunda Praia está lotada, vida seguindo normal", afirmou.

Paraíba (geral)

Entre 29 de novembro e 4 de dezembro a Shirley esteve em João Pessoa (praias de Cabo Branco e Tambaú e não viu nada de óleo.

No início de dezembro o Daniel passeou nas praias de Carapibus, Tabatinga, Coqueirinho e Tambaba e não encontrou nada de óleo.

Entre 22 e 29 de novembro o Rafael esteve entre João Pessoa e Pipa e nem ouviu falar de óleo.

Dia 22 de novembro a Julia esteve na praia de Tambaú em João Pessoa e não viu óleo.

Entre 18 20 de novembro a Paula passou em revista as praias do litoral sul (Seixas, Gramame, Praia do Amor, Carapibus, Tabatinga, Coqueirinho, Tambaba e Praia Bela) e não encontrou nenhum vestígio de óleo.

Dia 17 de novemro a Paula passou o dia na praia do Poço e na ilha de Areia Vermelha, em Cabedelo, e não viu nada de óleo.

Dia 5 de novembro a Catarina esteve na Praia Bela e em Tambaba e não viu óleo.

Dia 5 de novembro a Emanuella esteve na praia de Cabo Branco, em João Pessoa, e não viu nada de óleo.

Da 28 de outubro o Marcelo esteve nas praias de Coqueirinho e Tabatinga e não viu óleo.

Dia 27 de outubro o Marcelo esteve em Tambaba, não viu óleo, mas ao chegar ao hotel constatou três carimbos de piche no pé.

Dia 27 de outubro a Conceição encerrou uma viagem às praias da Paraíba sem ter visto óleo em nenhuma.

Dia 24 de outubro a Camille esteve na praia do Coqueirinho e ainda não havia óleo.

Entre 13 e 17 de outubro a Simona esteve hospedada em João Pessoa e visitou a praia do Coqueirinho em Conde e a Praia Bela em Pitimbu e não viu nada de óleo. Diz que óleo nem é assunto neste momento na Paraíba.

Península de Maraú

Dia 30 de novembro o Rodrigo fez uma caminhada de 14 km entre o ancoradouro de Barra Grande a Taipu de Fora. Encontrou pequenos fragmentos esparsos nas praias de Três Coqueiros, Bombaça e no caminho para Taipu. Mas não viu nada de piche de Barra Grande até a Ponta do Mutá, nem em Taipu de Fora. Veja aqui o balanço do Rodrigo de 1 semana explorando Maraú.

Dia 29 de novembro o Rodrigo passou o dia em Taipu de Fora e não viu nenhum sinal de óleo, no mar ou na areia. "Não me arrependo nem 1 mm de ter feito a viagem", diz ele.

Dia 28 de novembro o Rodrigo encontrou pedacinhos de piche nas ilhas da Pedra Furada e do Campinho.

Dia 27 de novembro o Rodrigo esteve na praia de Taipu de Fora e só viu um pequenino fragmento de piche, e não carimbou o pé. Outras pessoas, porém, lhe disseram ter visto mais fragmentos, e carimbaram os pés.

Dia 26 de novembro o Rodrigo caminhou pela praia da Bombaça e viu vários pequenos fragmentos de piche. Carimbou o pé.

Dia 25 de novembro o Rodrigo caminhou do ancoradouro até depois da Ponta do Mutá e não constatou nenhum vestígio de óleo.

Dia 13 de novembro a Darla esteve em Taipu de Fora . Avistou pequenos fragmentos de piche na areia, mas nada no mar. Ela e o marido caminharam de chinelos, e sujaram bastante a sola do pé. Entraram na piscina natural e, ao sair, o marido tinha um pequeno carimbo no pé. Havia moradores varrendo, peneirando e retirando fragmentos da areia.

Dia 13 de novembro o Ricardo (eu!) esteve em Taipu de Fora. Encontrou muitos pequenos fragmentos de piche ao norte das piscinas naturais, mas a área das piscinas estava praticamente sem vestígios.

Dias 11 e 12 e novembro a Renata esteve em Barra Grande e não viu óleo nem na Ponta do Mutá, nem na direção do rio Carapitangui.

Dia 12 de novembro o Ricardo (eu!) viu gotículas de piche na praia de Algodões não viu óleo nas praias de Barra Grande e Ponta do Mutá.

Dia 12 de novembro o Ricardo (eu!) viu gotículas de piche na praia de Algodões, resquício de uma mancha que tinha aparecido dois dias antes. Os fragmentos remanescentes estavam sendo retirados pelos moradores, muito organizados.

Entre 7 e 11 e novembro a Renata viu muitos pedacinhos de óleo em Taipu de Fora.

Dia 9 de novembro a Cristiane informou a chegada de óleo em Saquaíra.

Entre 29 de outubro e 7 de novembro a Cláudia esteve na Penísula de Maraú, viu fragmentos de óleo em diversas praias, carimbou o pé mas não se arrependeu te ter viajado.

Dia 5 de novembro a Cláudia viu "uma manchinha ou outra" na Ponta do Mutá e carimbou o pé na praia de Três Coqueiros. Mesmo assim, "o banho de mar estava delicioso".

Dia 4 de novembro a Juliana viu a chegada de fragmentos de óleo na praia de Barra Grande, inclusive perto da foz do rio Carapitangui.

Dia 4 de novembro a Cláudia encontrou fragmentos de óleo na praia de Barra Grande. Voluntários participavam da limpeza.

Entre 31 de outubro e 2 de novembro a Michelle encontrou pequenas placas de óleo em praias como Taipu de Fora. As praias voltadas para o norte, entanto, como Barra Grande perto da foz do rio Carapitangui e a Ponta do Mutá mantinham-se limpas.

Dia 2 de novembro a Cláudia registrou reincidência de óleo nas praias de Três Coqueiros (grande, com equipe de limpeza atuando) e Bombaça (em menor intensidade). Já a praia de Barra Grande perto da foz do rio Carapitangui continuava limpa.

Dia 1º de novembro a Bruna confirmou a chegada de mais óleo à praia do Cassange.

Dia 1º de novembro a Ana Lucia informou que chegou mais óleo à praia de Taipu de Fora, mas foi retirado. Ela ouviu que a situação está crítica na Praia do Cassange.

Dia 30 de outubro a Cláudia passou o dia na praia de Barra Grande, próxima à foz do rio Carapitangui, e não viu óleo.

Dia 30 de outubro a Bruna encontrou partículas de óleo de até 5 cm na areia e óleo dissolvido na água do mar em Algodões e não se animou a entrar n'água.

Entre 27 e 29 de outubro a Bruna encontrou pequenas partículas de óleo nas praias do Cassange e Taipu de Fora. No dia 29 no Cassange muitas partículas de até 10 cm espalhadas na areia. Outras se dissolvem em óleo ainda na água.

Dia 28 de outubro a Cláudia curtiu a areia e o mar na praia de Três Coqueiros, em Barra Grande, e nem tchuns de óleo.

Porto de Galinhas (PE)

Dia 22 de dezembro a Camilla caminhou 40 minutos pela praia do Cupe até o Pontal do Cupe e não encontrou nenhum resíduo, nem na areia, nem durante o mergulho no Pontal do Cupe.

Dia 16 de dezembro a Isabella esteve na praia central de Porto de Galinhas, fez o passeio às piscinas naturais e não viu nada de óleo, só peixinhos.

Entre 2 e 9 de dezembro a Camila esteve em Muro Alto, Maracaípe, Porto de Galinhas e Carneiros e não viu nada de óleo.

Dia 4 de dezembro a Daniela não encontrou nada de óleo no passeio às piscinas naturais.

Dia 28 de novembro o Caio pisou em piche caminhando entre as praias de Cupe e Muro Alto e encontrou uma mancha de óleo "do tamanho de um travesseiro" em frente ao hotel, perto do Pontal do Cupe.

Entre 16 e 23 de novembro a Aline se hospedou na praia de Serrambi e nunca encontrou óleo em frente ao hotel.

Dias 22 e 23 de novembro a Aline esteve na praia central de Porto de Galinhas e também em Muro Alto e não viu nada de óleo.

Entre 17 e 19 de novembro a Dayana caminhou bastante pela orla de Porto de Galinhas e não encontrou óleo.

Dia 18 de novembro a Nathalia caminhou e entrou n'água em Muro Alto e não viu óleo.

Dia 18 de novembro a Aline não encontrou óleo nem levou carimbadas na praia de Serrambi.

Dia 16 de novembro o Luiz Gustavo esteve na praia de Porto de Galinhas.

Dia 14 de novembro a Paula, passeando de bugue, não viu óleo nas praias de Porto de Galinhas, Muro Alto e Maracaípe.

Dia 14 de novembro o Fabricio não viu óleo nas piscinas naturais de Porto de Galinhas.

Dia 13 de novembro o David esteve em Maracaípe, andou da praia princinpal até o pontal ida e volta, não viu óleo na areia mas voltou à pousada com uma pequena carimbada na lateral do pé.

Di 11 de novembro a Adriana encontrou a praia do Cupe aparentemente limpa, mas na prática viu que era impossível não sair com o pé carimbado.

Dia 11 de novembro a Maria Isabel não viu óleo na praia do Pontal do Cupe mas ao chegar no hotel tinha sido carimbada nos joelhos e no chinelo.

Dia 10 de novembro a Maria Isabel não encontrou óleo na praia central de Porto de Galinhas.

Dia 10 de novembro o David esteve na praia central de Porto de Galinhas e não encontrou óleo.

Nos dias 9 e 10 de novembro a Sandra não encontrou óleo em Porto de Galinhas, Maracaípe, Muro Alto e Cupe.

Entre 3 e 9 de novembro a Marina não viu óleo na praia central de Porto de Galinhas, Muro Alto, Maracaípe ou Carneiros.

Dia 7 de novembro a Bianca sujou os chinelos de piche andando entre o resort Summerville e a praia de Muro Alto, e desde então resolveu ficar apenas pelas piscinas do hotel.

Dia 7 de novembro a Adrdasiana reportou que a praia central de Porto de Galinhas não tem óleo.

Entre 29 de outubro e 5 de novembro a Carla não detectou óleo na praia central de Porto de Galinhas. Dia 4 de novembro, porém, encontrou a praia a 900 m à esquerda da vila com muito óleo, sem condições de caminhar.

De 30 de outubro a 4 de novembro a Vanessa esteve em Muro Alto e não viu óleo. (Anteriormente, tinha pego fragmentos de óleo na mesma Muro Alto entre 24 e 28 de outubro, e encontrado a praia de Antunes, em Maragogi, tomada de óleo em 29 de outubro.)

Dia 3 de novembro o Luiz foi a Muro Alto e, no trecho em que ele estava, não havia óleo.

Dia 3 de novembro a Taissa fez mergulho de cilindro na praia central de Porto de Galinhas e não viu óleo.

Dia 2 de novembro o Luiz não viu óleo na praia de Maracaípe.

Dia 2 de novembro o Paulo viu várias pequenas manchas de óleo em Muro Alto mas não encontrou óleo no Pontal do Cupe.

Dia 2 de novembro à tarde a Taissa esteve na praia central de Porto de Galinhas para fazer o passeio das jangadas e não viu nada de óleo.

Dia 2 de novembro de manhã a Taissa retirou diversas gotas de óleo da areia da praia do Cupe.

Dia 1º de novembro o Marcelo esteve em Muro Alto e não havia óleo.

Dia 1º de novembro a Solange esteve na praia do Pontal do Cupe e não viu óleo.

Entre 27 e 31 de outubro a Solange esteve em Porto de Galinhas e não viu óleo.

Dia 30 de outubro o Marcelo curtiu a praia central de Porto de Galinhas e não viu nada de óleo.

Dia 28 de outubro o Luciano não viu nenhum vestígio de óleo na praia central de Porto de Galinhas, em frente às piscinas naturais.

Dia 28 de outubro a Beth relatou ter visto três esferas de óleo na praia do Summerville em Muro Alto

Dia 28 de outubro o Caio fez o passeio à Ilha de Santo Aleixo e não viu óleo.

Dia 27 de outubro a Hérica esteve em Muro Alto e não viu óleo.

Dia 26 de outubro a Renata não conseguiu andar na praia na orla norte de Porto de Galinhas: os fragmentos eram tantos que os chinelos ficavam completamente sujos.

Dia 24 de outubro a Cirley fez o passeio ponta-a-ponta em Porto de Galinhas e não viu óleo em nenhuma praia visitada, de Muro Alto a Maracaípe.

Dia 23 de outubro o Bruno não viu óleo nem na pria do Cupe, nem na praia central de Porto de Galinhas.

Dia 23 de outubro o Márcio constatou resquícios de óleo nas praias ao norte da vila, como Cupe, Pontal do Cupe e Muro Alto. Em compensação, não viu óleo na praia da vila de Porto de Galinhas, Maracaípe ou Pontal de Maracaípe. Os passeios de jangada para ver os cavalos marinhos estavam operando normalmente em Marcaípe.

Dia 23 de outubro o Rodrigo, que está hospedado em Maracaípe, informou que ainda há resquícios de óleo em Muro Alto, onde está hospedado, e no Pontal do Cupe, mas que isso não impedia de entrar no mar. As barracas de praia ofereciam óleo de cozinha para tirar os eventuais carimbos.

Dia 21 de outubro a Simona esteve na praia da vila de Porto de Galinhas e não viu nada do óleo que manchou outras praias ao sul e ao norte da cidade. "A praia e o mar lindíssimos", relatou.

Dia 20 de outubro a Juliana viu trechos com e sem óleo na praia de Muro Alto e presenciou o reaparecimento de óleo na praia do Pontal do Cupe.

Dias 19 e 20 de outubro não houve passeios de bugue em Porto de Galinhas, informou a Eliza, porque os bugueiros estavam envolvidos na limpeza das praias.

Dia 19 de outubro, hospedada no hotel Village, na praia do Cupe, a Eliza confirmou a ocorrência de várias pequenas manchas de óleo na areia.

Dias 12 e 13 de outubro o Gustavo não viu óleo.

Entre 2 e 4 de outubro a Greice não encontrou óleo.

Porto Seguro

Dia 4 de dezembro o Thiago e sua esposa foram carimbados numa praia em Cabrália.

Entre 19 e 27 de novembro o Lazinho freqüentou a praia de Coroa Vermelha e não viu óleo.

Dia 21 de novembro o Murilo constatou a chegada de pequenos fragmentos na praia de Mundaí. Mas não havia óleo na praia de Coroa Vermelha.

Entre 9 e 17 de novembro a Jessica esteve pelas praias de Porto Seguro e Arraial d'Ajuda, aproveitando muito. Só viu uma manchinha quando entrou n'água na praia do Espelho e pequenos fragmentos nas pedras em Coroa Vermelha.

Entre 8 e 17 de novembro o Leandro esteve por Porto Seguro, sobretudo na praia de Coroa Vermelha, e não viu nada de óleo todo esse tempo.

Dka 14 de novembro o Horacio, que está hospedado no resort La Torre, não viu óleo nem na praia do Mutá, nem na de Coroa Vermelha.

Entre 6 e 12 de novembro o Erique esteve em Porto Seguro e fez todos os passeios a praias próximas sem encontrar óleo.

Dia 11 de novembro a Kellen esteve em Coroa Vermelha, não viu óleo, mas ao chegar no hotel o marido notou que tinha sido carimbado.

Entre 9 a 11 de novembro o Leandro aproveitou a praia de Coroa Vermelha sem piche.

Dia 10 de novembro o Marcelo passou o dia em Coroa Vermelha sem encontrar fragmentos de piche.

Dia 9 de novembro o Marcelo esteve em Taperapuã e não encontrou óleo.

Da 7 de novembro a Camila passou o dia em Coroa Vermelha, não viu óleo e presenciou uma equipe da Marinha fazendo inspeção e limpeza.

Dia 6 de novembro o Fabricio não viu óleo na praia de Taperapuã em frente à barraca Toa Toa.

Dia 6 de novembro a Úrsula esteve em Taperapuã na barraca Barramares e não encontrou óleo.

Dia 6 de novembro o Walison esteve em Taperapuã nas barracas Axé Moi e Toa Toa e não viu óleo.

Dia 5 de novembro o Fabricio esteve na praia de Taperapuã e não viu óleo. Depois foi à praia de Coroa Vermelha e saiu com a camiseta com um carimbinho de piche.

Dia 4 de novembro o Bruno e sua família tiveram os pés carimbados com piche na praia de Coroa Vermelha. Mudaram-se para outro trecho da praia, porém, e não se sujaram mais.

Dia 3 de novembro a Maira encontrou pequenos fragmentos de óleo ao longo da praia de Coroa Vermelha.

Dia 2 de novembro a Renata esteve na Praia do Mutá. A praia estava aparentemente limpa, mas ela acabou carimbando o pé de piche.

Dia 1º de novembro a Mariana esteve na praia de Coroa Vermelha e não viu óleo.

Dia 31 de outubro o Eduardo viu pequenos fragmentos de óleo em Porto Seguro.

Dia 21 de outubro o Nilson não viu óleo em Porto Seguro.

Praia do Espelho (BA)

Dia 12 de novembro a Karina fez a caminhada da praia do Espelho até Caraíva e não viu óleo.

Dia 8 de novembro o Antonio passou o dia no Espelho e não viu óleo.

Praia do Forte (BA)

Dia 18 de dezembro a Camila caminhou da praia do Porto às piscinas do Papa-Gente e voltou com carimbos nos pés.

Antes de 8 de dezembro a Kelma esteve com a família em Praia do Forte e não viu óleo.

Entre 29 de novembro e 5 de dezembro a Gabriela e sua família caminharam bastante por toda a extensão da praia (à esquerda e à direita da vila) e só constataram pequenas manchinhas residuais pontuais nas pedras. A areia e a água estavam limpas.

Dia 30 de novembro a Larissa esteve em Praia do Forte e não encontrou óleo.

Dia 28 de novembro o Ricardo (eu!) caminhou da Praia do Portinho às piscinas naturais do Papa-Gente e não encontrou nada de óleo.

Dia 22 de novembro a Vera caminhou pela Praia do Forte e não viu óleo.

De 18 a 21 de novembro a Joanna esteve em Praia do Forte e não viu óleo nem na areia, nem na água.

Dia 16 de novembro a Lorena e o marido não viram nenhum fragmento de óleo, mas acabaram de pés carimbados mesmo assim.

Dia 14 de novembro a Suellen caminhou entre o Projeto Tamar e a praia do Lord e viu um único fragmento só. Andou, entrou n'água e deitou na areia, mas não se sujou nada.

Entre 8 e 11 de novembro a Annelise esteve nas praias do Lord e do Tivoli e viu pequenos fragmentos de óleo. Preferiu andar de sapatilhas.

Dia 9 de novembro a Mariana viu fragmentos de óleo na areia e nas pedras.

Dia 7 de novembro a Danielle esteve com sua bebezinha na Praia do Lord. A filhota saiu da água com o pezinho sujo, enquanto a mamãe carimbou o pé numa caminhada pela areia.

Dia 5 de novembro a Mara andou bastante pela Praia do Lord, entrou n'água e não viu nenhum sinal de óleo. Apenas quando chegou no hotel constatou uma manchinha de piche no pé.

De 24 a 28 de outubro a Jacqueline esteve na Praia do Forte. Não havia vestígios de óleo visíveis na areia, mas a sola dos pés ficaram sujas quase todos os dias, por causa de piche escondido sob a areia.

Dia 23 de outubro a Marina confirmou que a água está limpa mesmo, mas na areia ainda há partículas de piche difíceis de enxergar -- mas que, com cuidado, dá para extrair da areia sem precisar tocar no óleo.

Dia 23 de outubro o José Marcos informou que "o problema vai ficando menor a cada dia". Há pedacinhos de óleo na areia, mas dá para desviar -- ou, melhor ainda, dá para ir juntando num saquinho e fazer a sua parte na limpeza da praia.

Dia 21 de outubro a Renata encontrou algumas manchas na praia caminhando no sentido do centro para o resort Tivoli. O filho dela saiu da água com alguns pontinhos pretos chatos de tirar.

Dia 21 de outubro o José Marcos não viu óleo em frente à sua pousada ("águas limpíssimas", relatou), mas ouviu um outro turista dizer que tinha sujado o pé com piche em outro ponto da praia.

Dia 20 de outubro a Renata fez um passeio à tarde à Praia do Forte e encontrou a praia visualmente limpa. Em algumas horas na praia, só encontrou uma manchazinha do tamanho de uma moedinha de um real, quando o filho brincava numa piscininha formada entre as pedras na maré baixa.

Dia 8 de outubro, exatamente na hora em que a mancha de óleo chegou, a Marcia viu as crianças sendo retiradas da praia porque estavam se sujando.

Praia dos Carneiros (PE)

Dia 29 de novembro a Joana esteve em Carneiros não encontrou nada de óleo.

Dia 23 de novembro a Paula não viu óleo na Ilha de Santo Aleixo, mas encontrou muitos fragmentos na praia da Boca da Barra em Tamandaré (onde estava acontecendo uma operação limpeza).

De 20 a 23 de novembro o Rafael esteve em Carneiros e não viu óleo -- mas ninguém da família escapou de algum carimbo.

De 18 a 22 de novembro a Aline esteve em Carneiros e não viu óleo.

Dia 21 de novembro a Paula não viu óleo nem na areia nem na água em Carneiros. Quando esteve na Praia das Campas em Tamandaré não viu óleo aparente mas seu marido acabou levando dois carimbinhos nos pés.

Da 21 de novembro a Viviane caminhou bastante em Carneiros e não viu nenhum vestígio de óleo.

Dia 21 de novembro a Camila fez o passeio à praia dos Carneiros e não encontrou óleo.

Dia 17 de novembro o Luiz Gustavo esteve na praia de Carneiros e não viu óleo.

Dia 7 de novembro a Adrdasiana fez um passeio à Praia dos Carneiros e se sujou bastante ao entrar n'água em frente à igrejinha de São Benedito.

Entre 4 e 6 de novembro a Michelle esteve na Praia dos Carneiros e não viu óleo.

Dia 5 de novembro a Catarina viu óleo na praia de Carneiros (e voluntários limpando).

Dia 3 de novembro a Luciana esteve em Carneiros e pegou praia sem óleo em frente ao Jobar.

Dia 2 de novembro a Angelica esteve em Carneiros e encontrou a praia limpa.

Dia 1º de novembro a Carolina esteve na Praia dos Carneiros e não viu óleo.

Dias 27 e 28 de outubro a Danielle caminhou pela praia de Carneiros e não viu óleo.

Dia 28 de outubro a Beth foi passear em Carneiros e não viu óleo nem na areia nem na praia -- apenas uma mancha no arrecife, que estava sendo retirada por uma equipe de limpeza.

Dia 27 de outubro o Caio fez o passeio de barco a Carneiros, saindo de Sirinhaém, e não encontrou óleo no mar, nas piscinas naturais, no banho de argila ou na praia em frente à igrejinha.

Dia 25 de outubro o Marcio ficou com o pé manchado de óleo caminhando na areia.

Dia 24 de outubro o Bruno fez o passeio de Porto de Galinhas à Praia dos Carneiros (funcionando normalmente) e não viu óleo em Carneiros, não.

Dia 22 de outubro a Simona esteve em Carneiros e encontrou mar limpo e alguns vestígios de óleo na areia. Ela recomenda caminhar de chinelo para evitar ficar com a planta do pé carimbada.

Dia 19 de outubro a Juliana esteve em Carneiros, depois do mutirão de limpeza, e não viu óleo. Saiu, porém, com o pé com uma pequena mancha de piche.

Dia 14 de outubro a Giselle não encontrou óleo.

Dia 14 de outubro o Gustavo não viu óleo.

Dias 12 e 13 de outubro o David não viu nenhum vestígio de óleo.

Entre 5 e 10 de outubro a Greice se hospedou em Carneiros e não viu óleo na praia.

Em setembro a Luzia passou o mês inteiro entre Tamandaré e Carneiros. Encontrou bastante óleo no começo do mês, mas 10 dias depois, tinha desparecido.

Recife e arredores

Dia 20 de novembro a Dayana não viu vestígio de óleo em Boa Viagem.

Dia 15 de novembro o Luiz Gustavo esteve na praia de Calhetas, no Cabo de Santo Agostinho, e não havia óleo.

Dia 8 de novembro a Catarina não viu óleo em Boa Viagem.

Até dia 27 de outubro o Luciano freqüentou a praia de Boa Viagem sem ver óleo.

Dia 15 de outubro o marido da Erwellin levou crianças à praia de Boa Viagem e, apesar de não haver óleo visível, a filha voltou com uma manchinha de óleo no maiô.

Entre 4 e 10 de outubro a Rosaria esteve diariamente em Boa Viagem e relatou vida normal.

Rio Grande do Norte (geral)

Entre 13 e 15 de dezembro a Thais curtiu as praias do Madeiro e de Tibau do Sul (trecho da Lagoa Guaraíras) e não encontrou nada de óleo.

Dia 10 de dezembro a Thais viu pequeninos vestígios de piche quando a maré subiu em Barra de Tabatinga, carimbando a perna.

Dia 9 de dezembro a Thais não encontrou óleo em Ponta Negra (Natal).

Entre 16 e 30 de novembro a Luciana passeou por boa parte do estado -- foi a Galinhos, Gostoso, Genipabu, Pipa e várias praias de Natal -- e não viu nada de óleo.

Dia 30 de novembro o Daniel passou o dia entre Pirangi e Ponta Negra em Natal e não viu nada de óleo.

Dia 29 de novembro o Daniel foi passear para os lados de Genipabu e não viu óleo: "mar limpo e lindo".

Dia 28 de novembro o Daniel fez o passeio aos Parrachos de Maracajaú e depois caminhou pela praia e não viu nada de óleo.

Dia 22 de novembro o Fabricio e sua filha não viram óleo aparente na praia de Pirangi, mas saíram da água carimbados.

Entre 16 e 22 de nvembro a Fernanda não viu óleo nas praias de Ponta Negra, Genipabu, Pitangui, Camurupim e praia central de Pipa. Quando esteve na Praia do Amor em Pipa, porém, se sujou com gotículas de óleo perto das pedras.

Dia 20 de novmbro a Jéssica curtiu a praia central de Pipa e também a Praia do Amor e não encontrou nada de óleo.

Entre 11 e 15 de novembro a Jessica não encontrou óleo nas praias de Ponta Negra, Maracajaú, Perobas, Genipabu e Camurupim.

Entre 9 e 15 de novembro a Tina esteve em Touros e todos os dias encontrou fragmentos de piche na praia.

Entre 3 e 10 de novembro a Christiane foi à praia em Natal e em Pipa e não encontrou óleo.

Dia 10 de novembro a Tina encontrou pequenos fragmentos de piche em Touros.

Dia 9 de novembro a Mariana foi à Ponta Negra em Natal e nadou sem vestígios de óleo.

Dia 8 de novembro a Mariana esteve em Pipa e nao viu óleo nas praias da vila e do Amor.

Dia 6 de novemro a Elaine fez o passeio de buggy do litoral norte de natal, com banho em Graçandu, e não viu óleo.

Dia 2 de novembro a Elaine esteve na Praia do Madeiro, em Pipa, e não viu óleo. Mas em Sibaúma a camiseta do filho saiu carimbada do mar em dois pontos.

Dia 2 de novembro a Maria Clotilde sujou o pé de óleo em Camarupim (Natal).

Dia 2 de novembro o Marcelo esteve na Praia do Madeiro, em Pipa, e não viu óleo.

Dias 30 e 31 de outubro o Marcelo esteve em várias praias do litoral norte (Galinhos, parrachos de Rio do Fogo, Punaú) e não viu óleo.

Dia 30 de outubro o Renan esteve na praia de Ponta Negra, em Natal, e não encontrou óleo.

Dia 30 de outubro a Elisabeth foi a Genipabu e viu muitos pedacinhos de óleo na areia.

Dia 29 de outubro a Elisabeth estava em Ponta Negra, não havia vestígios de óleo mas quem caminhava pela areia ficava com os pés carimbados de piche.

Dia 29 de outubro o Renan foi à praia de Pirangi do Norte e precisou procurar muito para achar microgotículas de óleo.

Dia 28 de outubro a Elisabete relatou ter encontrado óleo na praia de Camurupim, em Natal.

Dia 28 de outubro o Renan foi à praia de Camarupim, em Natal, e se sujou com óleo na areia (mas não na água).

Dia 27 de outubro o Renan esteve em Maracajaú e não encontrou óleo nem na praia nem nos parrachos.

Entre 19 e 24 de outubro a Joice esteve em Pipa e não encontrou óleo na Praia do Amor nem na Praia do Madeiro. Na praia do centro, encontrou pontinhos de piche nas pedras.

Dia 22 de outubro a Camille estava em Ponta Negra (Natal) e não havia óleo.

Entre 6 e 12 de outubro o Antônio Carlos nas praias do Rio Grande do Norte e não viu nada de óleo em Ponta Negra (Natal), Pipa, São Miguel do Gostoso ou Touros.

Dia 13 de outubro o Luiz Fernando relatou que na praia da Baía dos Golfinhos (15 minutos a pé do centro na direção de Tibau) não há quase nada de óleo -- mas justamente por não ser perceptível, uma ou outra pelotinha de piche acaba grudando no pé.

Em setembro a Mit participou de mutirão de limpeza das praias do Amor e das Minas e mandou link da página de Facebook de um grupo de ativismo ambiental, com postagem de 1º de outubro.

Salvador

Dia 8 de dezembro a Kelma esteve na praia do Flamengo e sua filha carimbou o pé. Nos dias anteriores, foram passear na Ilha de Maré e em Ponta de Areia (Itaparica) e não viram óleo.

Dia 2 dezembro a filha da Kelma entrou nas piscininhas entre as pedras da praia de Stella Maris e saiu com os joelhos carimbados.

Dia 1º de dezembro a Kelma esteve com a família na praia de Pedra do Sal e todos ficaram com os pés carimbados.

Dia 23 de novembro a Cristina esteve na praia do Flamengo e não encontrou nada de óleo.

Dia 21 de novembro o Ricardo (eu!) fez o passeio à Ilha dos Frades, na Baía de Todos-os-Santos, e encontrou a praia limpa, sem fragmentos de óleo.

Dia 20 de novembro o Ricardo (eu!) foi à praia do Farol da Barra e não encontrou fragmentos nem na areia, nem na água.

Dia 19 de novembro o Ricardo (eu!) passou a tarde na praia do Porto da Barra e não havia nada de óleo.

Entre 12 e 16 de novembro a Dayana freqüentou a praia do Porto da Barra e não encontrou óleo nenhuma vez.

Dia 29 de outubro a Virginia esteve na praia da Barra e não viu nadinha de óleo.

Dia 18 de outubro a Renata passou o dia entre o Farol da Barra e o Porto da Barra e viu praias cheias, sem óleo. Não sujou nem o pé.

Santo André da Bahia

Dia 16 de novembro a Helô carimbou os pés na praia do Guaiú.

Dia 15 de novembro a Helô não encontrou óleo na praia de Santo André.

Dia 6 de novembro o Walison não encontrou óleo em Santo André.

Dias 1º e 2 de novembro o Daniel não encontrou vestígios de óleo em Santo André.

São Miguel dos Milagres e Porto de Pedras (AL)

Entre 10 e 14 de dezembro a Monalisa não encontrou nada de óleo nas praias de Porto da Rua, Marceneiro e Barra de Camaragibe.

Dia 13 de dezembro a Isabella esteve nas praias de Marceneiro, Laje e Patacho, sem encontrar nenhum vestígio de óleo.

Entre 30 de novembro e 3 de dezembro o Rafael andou mais de 20 km pelas praias de São Miguel dos Milagres, Porto da Rua e Patacho e não viu nadinha de óleo.

Entre 23 de novembro e 2 de dezembro a Danielle esteve hospedada na Praia da Laje e não viu nadinha de óleo, nem na areia, nem na água, nem na praia de Porto da Rua, nem nas piscinas naturais do Patacho e do Toque (onde tinha até peixe-boi).

Dia 29 de novembro a Paula esteve nas praias de Barra de Camaragibe e Marceneiro e não encontrou óleo.

Dia 27 de novembro a Paula não viu óleo nas praias do Patacho. Laje, Porto da Rua e Riacho.

Dia 26 de novembro a Paula não viu óleo em Porto de Pedras.

Dia 18 de novembro a Camila fez uma longa caminhada entre as praias do Patacho e da Laje e não encontrou óleo.

Dia 17 de novembro a Camila não encontrou óleo na praia do Patacho.

Dia 16 de novembro a Rebecca viu duas manchinhas na areia em alguma praia de São Miguel dos Milagres.

Dia 16 de novembro a Camila esteve em São Miguel dos Milagres e não encontrou óleo.

Dia 13 de novembro a Daniela foi às praias de São Miguel dos Milagres e do Patacho e não viu óleo.

Dia 12 de novembro a Luana passou o dia nas praias de São Miguel dos Milagres e não viu óleo.

Dia 9 de novembro a Carol não viu óleo em São Miguel dos Milagres.

Dia 8 de novembro o André não encontrou óleo nas praias de São Miguel dos Milagres.

Dia 8 de novembro o Ramiro, que estava hospedado havia alguns dias em Porto de Pedras (onde estão praias como Patacho, Laje e Tatuamunha), relatou não ter visto óleo.

Dia 7 de novembro a Clarice esteve na praia de Tatuamunha, caminhou bastante à direita e à esquerda da pousada, e viu apenas uma gotinha de piche do tamanho de uma moeda de 1 real.

Dis 4 e 5 de novembro o Mauricio esteve na Praia da Laje e não viu óleo.

Entre 31 de outubro e 3 de novembro a Bárbara caminhou diariamente entre as praias do Toque, Porto da Rua e São Miguel do Milagres e não viu óleo.

Dia 2 de novembro a Sylvia não constatou óleo nas praias do Patacho e do Marceneiro.

Dia 1º de novembro a Luciana não viu óleo na Praia do Toque.

Dia 1º de novembro a Sylvia caminhou da praia de Porto da Rua à Praia do Toque e não viu nada de óleo.

Dia 29 de outubro a Virginia estava em Porto da Rua (São Miguel dos Milagres) e não havia vestígios de óleo.

Dia 28 de outubro a Janaína esteve em São Miguel dos Milagres e não viu óleo nem na praia nem nas piscinas naturais.

Dia 28 de outubro o Paulo foi à praia da Laje e viu num trecho da praia "pouquíssimos pingos de óleo".

Dia 28 de outubro o Eduardo aproveitou a Praia do Toque sem ver óleo.

Dia 26 de outubro a Ana Paula caminhou entre a Praia do Toque e a Praia do Riacho e viu muitas placas de óleo na areia.

Entre os dias 24 e 26 de outubro a Liviane andou pelas praias do Patacho, em Porto de Pedras e nas praias do Riacho e do Marceneiro em São Miguel dos Milagres e atestou que "dificilmente você encontra pequenas manchas de óleo".

Entre os dias 21 e 23 de outubro a Cláudia caminhou bastante entre a Praia do Toque e a praia de São Miguel dos Milagres e não viu óleo nenhum.

Dia 23 de outubro a Ieda esteve na Praia do Patacho (Porto de Pedras) e Praia do Toque (São Miguel dos Milagres) e não viu óleo.

Dias 21 e 22 de outubro a Ieda esteve em São Miguel dos Milagres na Praia do Toque e não constatou a presença de óleo.

Dia 18 de outubro o Gustavo foi às praias do Riacho e do Marceneiro e não encontrou óleo.

Dia 17 de outubro o Gustavo esteve em Porto da Rua, ao lado da praia do Toque, e não havia óleo.

Dia 15 de outubro a Giselle esteve na Praia da Laje (Porto de Pedras) e a praia estava totalmente limpa, porém havia monitoramento de helicóptero.

Dia 15 de outubro a Ana Cláudia esteve em várias praias de São Miguel dos Milagres e Porto de Pedras e não viu óleo (mas viu banhistas se manchando na praia do Patacho).

Trancoso

Dia 19 de novembro a Telma esteve nas praias dos Coqueiros e Rio Verde, em Trancoso, e na praia do Espelho. Em nenhuma delas viu óleo. Ao chegar no hotel, porém, notou que havia um carimbo na sola do pé. Ela acha que foi na praia do Espelho.

Entre 15 e 18 de novembro a Mariana esteve em Trancoso e Espelho e não encontrou óleo.

Dia 8 de novembro o Antonio esteve na praia dos Coqueiros e não viu óleo.

Dia 8 de novembro a Alessandra fez o percurso a pé de Arraial d'Ajuda a Trancoso e não viu óleo.

Entre 4 e 7 de novembro a Priscilla curtiu as praias do Rio da Barra, dos Nativos, do Rio Verde e de Itaquena e viu pequeninos fragmentos de piche que não atrapalharam os passeios.

Dia 6 de novembro o Marcelo não viu óleo nas praias dos Coqueiros.

Dia 5 de novembro o Richard viu diversos fragmentos de óleo na caminhada entre a Praia dos Nativos e Itapororoca. Apesar de ter sujado o pé, ele achou que na proporção encontrada valeu a pena não ter cancelado a viagem.

Dia 5 de novembro a Maíra esteve na praia do Rio Verde e não viu óleo.

Dia 3 de novembro o Thiago encontrou "pouquíssimos" vestígios de piche na praia do Rio Verde.

Dia 31 de outubro a Luisa ouviu rumores de que foram encontrados vestígios de óleo numa praia ao sul da vila, mas não viu nada de piche na Praia dos Coqueiros, que é a praia central de Trancoso.

De 27 a 29 de outubro a Glaucia esteve em Trancoso e não havia óleo por lá.

O relatório do Ibama

Confuso para consultar e super desatualizado, com atualizações pouco sistemáticas, o relatório do Ibama não serve mais. Para últimas notícias "oficiais", o melhor é acompanhar a imprensa local.

Se você quiser dar uma olhada no que o Ibama diz, a página que leva aos relatórios é esta.

Devo cancelar minha viagem ao Nordeste?

Há duas respostas para essa pergunta: a resposta simples e a resposta complicada.

A resposta simples

Se você não quer esquentar a cabeça; se você precisa ter certeza de que não vai haver óleo na sua praia quando você for, então é melhor desistir de sua viagem ao Nordeste.

Se você mantiver seus planos, você vai continuar tendo que acompanhar o noticiário diariamente para saber se a sua praia foi sorteada pela mancha para ser a praia carimbada da vez.

Como ainda não se sabe a origem ou a trajetória do não dá para garantir que nenhuma praia esteja livre de ser vítima da mancha.

Caso você tenha dó de desistir da sua viagem; ou tenha esperança de que a crise vai passar; ou mesmo não consiga cancelar sua viagem sem prejuízo, veja a resposta complicada.

A resposta complicada

Manter os planos de viagem ao Nordeste também pode ser uma boa decisão -- afinal, nem todas as praias foram atingidas, e as praias mais atingidas têm sido limpas com rapidez. É preciso apenas estar preparado para eventuais perrengues.

A seguir, quatro razões para não cancelar sua viagem:

As praias atingidas têm sido limpas

O que temos visto é que as praias mais severamente atingidas, aquelas que realmente ficariam interditadas pra uso, tem sido limpas com bastante rapidez. Aconteceu na Praia do Forte na Bahia, agora na Praia dos Carneiros em Pernambuco.

Há muitos relatos de leitores que estão em praias que já foram atingidas anteriormente e hoje não apresentam mais vestígios de óleo. Muita gente relata acabar pisando em piche sem querer, porque as partículas que ficam são praticamente invisíveis, mas o tom é de vida praticamente normal.

Os efeitos da mancha não são homogêneos

Outra coisa a levar em consideração é que os efeitos da mancha não são homogêneos. A gente vê as fotos das praias mas atingidas e tende a achar que todas as praias foram atingidas, e foram atingidas com aquela intensidade.

Não é assim. Vamos pegar o exemplo de Salvador. Foram retiradas 20 toneladas de óleo da praia da Pituba, que não é uma praia que o turista freqüente. A apenas 8 km dali, a praia do Farol da Barra, que é muito frequentada, recebeu apenas partículas pequenininhas de óleo. E a praia vizinha do Farol, a praia do Porto da Barra, até agora não registrou óleo nenhum. Ou seja: sempre vai ter para onde escapar.

Aconteceu de novo em Porto de Galinhas: várias praias ao sul e ao norte da vila foram bastante afetadas, mas a praia principal da cidade, em frente às piscinas naturais, passou incólume à invasão.

Falta de notícia é boa notícia

Não consegue encontrar informações atualizadas sobre a praia aonde você quer ir? Ótimo! Significa que não houve ocorrência recente de óleo, e que a praia está em boas condições de uso no momento.

O Nordeste é a região com o melhor clima do Brasil no verão

O quarto fator a levar em consideração é que o Nordeste é a região do Brasil com melhor clima no verão. O litoral do Nordeste tem sol firme e o calor é amenizado pela brisa constante.

Se você quiser manter ou tiver que manter seus planos de viagem para o Nordeste, garanta-se ecolhendo um hotel ou pousada que tenha uma boa piscina. Assim você vai ter onde se refugiar caso a mancha zumbi resolva assombrar a sua praia quando você esteja lá.

Leia mais:

1317 comentários

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Estou indo p Jericoacoara dia 23/11, qual é a real situaçao lá?
E as praias de Fortaleza? irei 17/11, alguem pode informar quais estão livres de oleo?

Jéssica
JéssicaPermalinkResponder

Boa tarde galera, tenho viagem marcada para Natal e Tibau do sul no Rio Grande do Norte entre os dias 11/11 a 20/11, alguém sabe me informar se as praias de Maracajaú, Perobas, Genipabu e as praias da região de Pipa foram muito afetadas? Se sim será que já estão sendo limpas?

Mit
MitPermalinkResponder

Em Pipa a limpeza está sendo feita por voluntários (moradores e turistas). Eu estava de férias e participei. O relato no facebook de 01/10/2019 do projeto que está atuando na limpeza é que a prefeitura de lá nem recolher estava recolhendo os sacos de lixo com o que eles estão chamando de "piche" coletado a mais de 15 dias.

https://www.facebook.com/triboambiental/posts/2722285401129275

Antonio Carlos

Estive lá no dia 11 de Outubro e não tinha nada.Vida normal nas praias.

Roberto
RobertoPermalinkResponder

Nessa hora, todo cuidado é pouco, a indústria do turismo tende a abafar a gravidade do problema para amenizar seu prejuízo. O petróleo cru pode afetar a digestão dos animais e o desenvolvimento de algas, essenciais para a cadeia alimentar dessas espécies. Logo, o consumo de peixes e frutos do mar pode não ser recomendável em algumas áreas mais afetadas. Além disso, há possíveis riscos para a saúde humana pois uma substância perigosa encontrada no petróleo cru é o benzeno. Essa substância pode ocasionar a diminuição dos glóbulos brancos em humanos. Com isso, as pessoas ficam mais susceptíveis a infecções. Talvez seja mais apropriado deixar as férias no litoral nordestino para outra ocasião.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Roberto! Não seria mais inteligente esperar a análise dos especialistas especificamente sobre a balneabilidade? Você acha que a vida nas cidades litorâneas do Nordeste vai ser inviável? Você pode afirmar que todas as praias serão afetadas por igual? O catastrofismo e o sensacionalismo podem ser tão danosos quanto a leniência.

THULIO LORENTZ TRIVELLI

bom dia,
Parabéns A Bóia. Bom senso não faz mal a ninguém. Muita calma nesta hora. Abç.

Régis
RégisPermalinkResponder

Começou a histeria.....

Christianne
ChristiannePermalinkResponder

Acho que não se trata disso, mas quem tem viagem marcada precisa saber a situação, pois não tem ninguém querendo jogar dinheiro fora.

lorenzo
lorenzoPermalinkResponder

catastrofismo so serve para nao saber os fatos reais...e a verdade e' que por enquanto nas cidades do nord este da para viajar e escolher , caso seja necessario, praias sem vestijo de petroleo como Ponta negra em Natal e muitas varias outras , veja relatorio IBAMA. Vale ressaltar que e sempre util pressionar as autoridades para termos liompeza nas praias afetadas...afinal das contas passar ferias descontraidas e direito de todos ...nao e.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Boa noite pessoal, como estão praias de Aracajú e Salvador?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristina! Sergipe apresenta manchas de óleo, Salvador ainda não. O óleo chegou já ao norte da Bahia, até Itacimirim.

TEREZINHA DE JESUS HERNANDES RODRIGUES

Estamos com viagem marcada para Japaratinga em 25 /10,como estão essas praias ?

Danielle
DaniellePermalinkResponder

Olá!! Tenho viagem marcada na última semana de novembro para a praia de Lages, Alagoas. Gostaria de saber notícias dessa região e arredores...São Miguel dos Milagres. Muito triste essa situação toda...absurdo!

Gabriel
GabrielPermalinkResponder

Olá amigos, alguém sabe da situação em Maragogi? Tenho planejamento pra Fevereiro!

Maria Tereza
Maria TerezaPermalinkResponder

Resumindo superficialmente:estou em Aracaju. Hoje fui à Praia do Mosqueiro: areia com alguns trechos salpicados de óleo, mas muito pouco. Água do mar limpa, normal.

PRISCILA SANTOS VELOSO

Olá amigos, quanta tristeza diante do ocorrido, Maria Tereza ainda está em Aracaju-Se? Como anda tudo por aí? E a Orla do Atalaia?

Neide Aparecida do Carmo

Maria Tereza vou pra Aracaju em Dezembro, poderia deixar mais relatos sobre as praias e alimentação? Obrigada.

Cibele
CibelePermalinkResponder

Em 18/10 estarei indo para Recife - Boa viagem, Porto de Galinhas e posteriormente Maragogi.

Como está a situação nessas praias?

Bianca
BiancaPermalinkResponder

Noticias de Pajuçara?

marco
marcoPermalinkResponder

Como o post diz, tem-se poucas informações sobre maragogi e sao miguel dos milagres. Estou indo domingo para maragogi no domingo(13/10), e sao miguel na quarta(16/10). Alguem foi recentemente e tem relatos?

Rodolfo
RodolfoPermalinkResponder

São Miguel dos milagres sem óleo segundo amigos que moram lá .

Heloisa Martins

Estou indo para Barra de São Miguel sábado. Alguém sabe me dizer como estão as praias ?? E os peixes estão contaminados ??

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Heloísa! Nos poucos lugares do Nordeste onde foram observadas grandes manchas de óleo, a pesca e extração de ostras foi suspensa. Mas na grande maioria das praias a vida segue normal. Se existisse a catástrofe ambiental que muitos pintam, isso seria manchete nos jornais locais. Não é.

Lucas
LucasPermalinkResponder

O brasileiro é engraçado: o post está indicando como acessar informações atualizadas diretamente no órgão oficial e PEDINDO RELATOS DOS LEITORES que estiveram nas praias do nordeste para ajudar outras pessoas que estejam viajando.

O que as pessoas fazem? Não leem o texto, não acessam o site indicado e muito menos procuram nos comentários informações sobre os locais para onde pretendem viajar.

Pelo contrário: enchem o espaço com as mesmas perguntas sobre um destino específico...aí o espaço que era pra ser destinado a divulgar informações de leitores sobre o assunto, está entupido de perguntas. E quem entra para procurar a informação tem que ler todos os comentários inúteis de quem ficou com preguiça de ler.

Mais mastigado do que estava no posto do Ricardo é impossível!

Osni
OsniPermalinkResponder

Muito bem observado!

Régis
RégisPermalinkResponder

E o pior: querem saber sobre a situação de uma praia específica daqui a trinta dias!!! Nem a Nasa poderia responder sobre isso!
Calma, gente, as praias estão sendo limpas e as quantidades que estão sendo detectadas nem são tão representativas.

Milena
MilenaPermalinkResponder

Mais espantoso ainda é pedirem previsões do estado da praia para 2020...o VNV é porreta, mas previsões para o futuro, creio que ainda não fazem rsrsrsrs

Rosaria Rangel

Estou em Recife - Boa Viagem, desde 4/10, tenho ido diariamente à Praia e comido frutos do mar, a água permanece a mesma, clara e límpida, sem sinais de óleo. No sábado voltei para o hotel com duas pequenas manchas de óleo nos pés, que saíram facilmente no banho. Desde domingo não aconteceu mais nada. Tudo normal.

Lilian
LilianPermalinkResponder

Boa tarde! Estou cm viagem marcada para Fortaleza dia 17/10, alguém sabe me dizer como está de fato a situação por lá?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lilian! A prefeitura já realizou a limpeza de todas as praias.

https://tribunadoceara.com.br/noticias/ceara/prefeitura-ja-retirou-todo-o-oleo-das-praias-em-fortaleza/amp/

Mit
MitPermalinkResponder

Estive em Pipa-RN no início de setembro/19. Participei do mutirão de limpeza da praia.
E parece que está ficando cada vez pior por lá.

Vejam na página da Tribo Bahia Ambiêntal no Facebook.
Marquei o VnV nos comentários da página deles.

Fui na praia do Amor, na praia perto do Chapadão, praia central tinha quantidade considerada do que as pessoas locais estão chamando de "piche".

Vestígios esparsos estão sendo tirados com pás por voluntários e se estendem por mais de um mês essa ação.

Mit
MitPermalinkResponder

Estou agregando o link da limpeza do as pessoas em  Pipa estão chamando de "piche" feita por voluntários.

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2738797759478039&id=2197475863610234

Ricardo Freire

Mit, muito legal você ter participado do mutirão de limpeza. Maravilha. Que todos os turistas fossem como você!

Mas me aproveitando de você, gostaria que você me contasse outras coisas.

Como esse piche impactou na sua estada? Deu para entrar na água? Você se sujou muito? Deu nojo ficar na praia? Alguma praia foi interditada durante a sua estada? Tinha gente na praia? As pessoas estavam incomodadas, não estavam nem aí ou tinha os dois tipos?

Chegava mais óleo todo dia? Por que você diz que "está cada vez pior"? Na timeline do Facebook da Tribo Ambiental o pico do problema parece estar no começo de setembro. De um tempo pra cá as fotos são sempre dos resíduos coletados e de escavação para retirar piche que entrou debaixo da areia. A única foto realmente chocante dessa última leva é uma pedra manchada de óleo na Praia do Amor.

Baseado na sua experiência, você acha que está inviável viajar a Pipa neste momento?

Mit
MitPermalinkResponder

Riq, tive informação de que em Pipa-RN de que não tem chegado mais óleo. Um amigo fotógrafo vai postar o relato dele aqui. Grande notícia, né? É o Nômade Digital https://www.instagram.com/joertti_urso

ALEXANDRA CRISTINA LUPPI GUEDES

Pessoal no site G1 tem uma lista de praias, atualizadas até ontem. Bjos e fiquem em paz, quem tem viagem marcada tem que pensar que vai dar tudo certo. Tem muitas outras coisas além das praias para fazer!!! Eu sei que é triste e decepcionante, mas o sofrimento não ajuda em nada e só vamos saber se estivermos lá, o resto é especulação.
https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/10/08/lista-de-praias-atingidas-pelas-manchas-de-oleo-no-nordeste.ghtml

Mônica Bittencourt

Minha prima vai pra Porto Seguro na sexta. Ela mora fora do país e já comprou passagem. Alguém sabe como está lá e em Arraial Da Ajuda? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mônica! O óleo ainda está no norte da Bahia. Pode ser que chegue ao sul, mas não dá para saber. E se chegar, nada garante que atinja todas as praias com a mesma intensidade. O problema é quando chegam grandes manchas de óleo, o que tem acontecido com muito poucas praias.

Francisca Busch

Como estão as demais praia de Sergipe, principalmente as mais procuradas. Alguém me fale, por favor, se dar para curtir as férias tão esperadas, por gentileza, porque vamos com uma criança de 6 anos e que temos aproveitar e não termos problemas com a saúde ou alergias, porque s nossa pequena é bem alérgico. Viajamos agora dia 15/10. Nos informem, por favor como está aí.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Francisca! A situação em Sergipe é a mais complicada. Mas as principais praias estão sendo limpas. Torça para que não chegue mais óleo.

Grigorio
GrigorioPermalinkResponder

No RN praticamente todas as praias estão com óleo.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Grigorio! Esse tipo de informação genérica infelizmente não ajuda. Quais foram as praias em que você esteve e você constatou óleo? Como isso impactou a sua experiência na praia? Sobre quais praias você discorda do relatório do Ibama?

mauricio
mauricioPermalinkResponder

estamos de viagem marcada para 22/10 a 30/10 para natal, pelo que li epesquisei a limpeza esta sendo feita com sucessoe as prais do RN estão cada vez mais limpas, alguém poderia me confirmar essas condições, no aguardo e desde ja agradeço

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mauricio! Se chegar nova leva de óleo, isso será notícia. Falta de notícia é ótima notícia. A vida segue normal na imensa maioria das praias.

Nath
NathPermalinkResponder

Olá pessoal, sabem me dizer como esta a situação das praias de maragogi? Praia do patacho?? Logo vjajaremos de viagem pra la é gostaria mto de ter notícias, obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Nath! Falta de notícias é uma boa notícia. Se a situação estivesse como nas praias em que efetivamente chegaram grandes manchas de areia, já teríamos tido notícias de cancelamento de passeios às galés e reclamações de viajantes na internet.

José Cavalcante

Estou indo para Paripueira dia 12 de Outubro 2019. Ou Sonho verde.
Estão Própria Pra Banho.?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, José!

Veja o relatório de balneabilidade do IMA, as praias estão liberadas:
http://www.ima.al.gov.br/wp-content/uploads/2019/10/REAB.39-2019.pdf

Rodrigo
RodrigoPermalinkResponder

Sei que é meio especulação, mas alguém ai sabe se essa macha vai chegar em porto seguro ? Estou vendo muita reportagem em descobrir quem é o culpado, mas não em conter essa mancha de óleo para não atingir mais praias..

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rodrigo! É provável que chegue, e se chegar, o mais provável é que não afete as praias de maneira significativa. Com exceção dos casos mais graves, que são bem poucos, a balneabilidade e o uso das praias está normal. O problema é mais ambiental do que de uso das praias.

Maria leonora
Maria leonoraPermalinkResponder

estive em barra de sao Miguel AL ontem e após as 11 h da manhã estamos.no.mar e saímos com.muitas.bolinhas preta de pelo pelo corpo. algumas manchas até maiores que.bolinhas pelo.cutuvelos..

ANGÉLICA SAMANTA ABILA

Mais notícias sobre a situação, quem vai pra Alagoas, segue o link falando sobre a balneabilidade. https://diariodopoder.com.br/abih-diz-que-praias-de-maceio-e-alagoas-nao-tem-oleo-e-estao-proprias-para-banho/
Vão com cuidado, pois é reportagem do grupo hoteleiro do estado e contradiz um pouco o que alguns turistas relataram aqui (Barra de São Miguel, por exemplo).
Acompanho o instagram de alguns lugares de Alagoas, como o próprio Lopana, o Mar e Cia de Paripueira, o Canal Bora de Turismo, entre outros, mas aparentemente, está com vida normal.

Luiz Fernando
Luiz FernandoPermalinkResponder

No dia 11/10/19, liguei no Salinas de Maceió, me informaram que a praia de Jatiuca não tem vestígios de óleo, nem no mar e nem na areia, está tudo normal por lá?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz Fernando! Você quer dizer Ipioca? O Salinas não fica na Jatiúca, fica em Ipioca.

Paulo Secundo
Paulo SecundoPermalinkResponder

Aluguei uma casa de temporada em Praia do Forte para epoca e 23 a 28 de outubro e agora estou indeciso se mantenho a reserva ou não. O dono da casa quer me cobrar multa de 40% se eu decidir desistir, o que já é um prejuizo consideravel. Ele me disse que acredita que daqui até o dia 23 a praia ja deve estar limpa novamente. Devo acreditar? Se alguem puder me aconselhar, agradeço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paulo! A contaminação se deu em dois pontos da praia, e pelo jeito foi na área dos condomínios. O mutirão de limpeza já começou. A imprensa da Bahia está acompanhando os acontecimentos.

Se não houver nova chegada de óleo, a limpeza deve estar feita até a sua chegada, sim. O problema é se chegar mais óleo.

Paulo Secundo
Paulo SecundoPermalinkResponder

Obrigado, Boia. Ainda assim estou receoso com a reportagem que fala de uma mancha de 21km² nas águas e que pode atingir o litoral baiano. Acho que decidir manter a viagem é arriscar a sorte mesmo. Uma pena todo esse transtorno.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paulo!

A notícia mais recente diz que a tal nova mancha de 21 km² vista do satélite não era de óleo, mas de chuva.

https://www.metro1.com.br/noticias/bahia/81457,ibama-nega-que-mancha-de-21-km2-se-aproxime-a-costa-da-bahia

(Este é o problema do alarmismo.)

Rômulo
RômuloPermalinkResponder

Acompanho esse site há anos e o considero excelente; porém, nunca me pronunciei. Como cidadão que fez reserva para a Praia do Forte para o início de novembro (04 dias, não tive como reservar mais dias), que queria algum contato com a natureza (sou mergulhador amador), gostaria de dizer que esse incidente, acidente ou ato de terrorismo (cada um com suas teorias,), acaba com qualquer disposição de fazer essa viagem. Penso que o turismo em mar não é só ir à praia, interagir com os locais ou ir a baladas (que eu não vou): é apreciar que há uma parte da natureza do país (do mundo) está viva ainda. Daqui a semanas, meses, o que vai sobressair serão os danos (recifes são muito frágeis); quem for otimista, ficará feliz em verificar o que a natureza os supera: um turismo algo mórbido.Enfim, estou disposto a cancelar e ter meu prejuízo com o reembolso (ou a falta dele; fiz reservas sem reembolso); todos perdemos com esse acontecimento.

Ricardo Freire

Rômulo, entendo seu ponto de vista e concordo totalmente que, dados o seu destino -- um dos mais afetados dentre todos -- e o seu objetivo -- mergulhar em corais --, a falta de vontade de manter a viagem é mais do que justificada.

Mas veja: para a enorme maioria das pessoas (eu incluído), tempo firme, visual bonito e praia limpa é o que basta para fazer férias de praia bem-sucedidas -- e não há nada de mórbido nisso.

O que estamos tentando descobrir é justamente que praias estarão limpas a tempo de serem aproveitadas com segurança por quem tenha marcado ou tenha planos de passar férias no Nordeste. Não dá para tomar o todo pelos lugares mais atingidos.

Fuligem de vulcão, gripe H1N1, zika, febre amarela -- já lidamos com outras situações de emergência turística, e em todas tentamos ajudar as pessoas a resolver a situação com bom-senso.

Silvia
SilviaPermalinkResponder

Tem muito óleo na areias das praias de Aracaju porém as mídias sociais do governo libera para o banho. Não tem muito sentido isso.

Cassia Barros
Cassia BarrosPermalinkResponder

Estou com viagem marcada para a península da Maraú, (dia 26 de outubro) gostaria de saber se óleo já chegou naquela região. Soube que já chegou em Boipeba que é muito próximo de lá. Estou pensando em cancelar as reservas que fiz.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cassia! Pode ser que chegue, mas até agora não há nenhuma notícia oficial de que tenha passado de Salvador. Não há nenhuma menção a Boipeba ou Maraú. A imprensa baiana está acompanhando de perto.

Mit
MitPermalinkResponder

Desculpe responder só agora, Riq. Não vi o comentário.
Bom, na praia do Amor quando eu fui os turistas pareciam não saber o que estava acontecendo. Um amigo meu tem uma escola de surf lá. Ele saiu bem sujo da água. Ele ficou bem incomodado, mas os alunos nem deram muita bola. Mas acho que quando eu estava lá o óleo tinha acabado de chegar. Isso foi dia 9 de setembro/19.
Quando nós estávamos fazendo a limpeza na praia do centro várias pessoas passavam e perguntavam o que estávamos fazendo. Mostravam o pé sujo e nos agradeciam por limpar a praia, mas não pareciam que iam deixar de curtir a praia. Eu particularmente não tive coragem de entrar na água nem na praia do Amor e nem ao longo do caminho até a Bahia dos golfinhos, que parecia livre de óleo. Só lá tive coragem.
As escavações para tirar o óleo começaram porque eles viam a mancha surficial e quando foram tirar descobriram que ela tinha penetrado profundamente na areia.
Vou avisar para o pessoal para atualizar a página com fotos mais amplas.
Eles apenas se reuniam para tirar lixo da praia. Quando o óleo chegou intensificaram o trabalho e priorizaram o óleo.

Mit
MitPermalinkResponder

Completando. Sim chegava óleo todo dia.

A praia do Amor era a mais atingida com várias borras e por toda a areia. Nas outras era um rastro de pequenas manchas. As pessoas descobriam que era óleo quando pisavam.
Eu mesma a primeira vez que cheguei na praia do Amor sujei todo meu pé sem perceber.
Custei a tirar usando óleo de cozinha. Só sabão não tira da pele.

Depois como eu estava focada na limpeza para mim estava tudo um horror a impressão que eu tinha era que aquilo nunca ia ser completamente limpo apenas com os voluntários. Até ver as fotos de praias bem piores.

Mit
MitPermalinkResponder

Desculpe a desorganização das idéias e os comentários fragmentados.

Infelizmente eu não tenho vídeos atuais, mandei uma mensagem para a Tribo Bahia Ambiental pedindo se eles não fariam as fotos da praia para postar.

Esse filme não é meu. Foi postado no dia 10/09/19. No final vocês podem perceber a tal pedra que dá o nome à Pipa. Podem observar também as pegadas bem próximas ao óleo. Foi isso que aconteceu comigo. Não olhar por onde anda.

https://www.instagram.com/p/B2OiVYKputF/?igshid=1msugttpzqorx

E o óleo parece estar mais aparente e fresco do que na parte da praia do Amor em que eu sujei meus pés no dia 09/09/19 no final da tarde.

Conversei com pessoas que moraram lá muitas delas nem estavam cientes e uns 3 pescadores disseram com naturalidade que de vez em quando o "piche" aparece.

Como a pouco mais de uma semana atrás teve aquele vazamento de óleo na refinaria Abreu e Lima, no complexo portuário de Suape, no Grande Recife.
Eu fiquei duvidosa sobre as informações e já imaginei aquilo grudando nos golfinhos e tartarugas isso já me tirou o sossego.

A notícia do mutirão da limpeza chegou através do dono do apartamento onde eu estava hospedada e foi assim que conheci a Tribo Bahia Ambiental. 

Riq, pode perguntar o que quiser. Sou muito grata ao VnV. É o mínimo que posso fazer.
Você é meu guru das viagens.

Eu só sinto muito não estar munida de câmera e celular decente nessa viagem para ter registrado e poder relatar melhor.

Ricardo Freire

Obrigado, Mit!

Giselle
GisellePermalinkResponder

Cheguei sexta em Alagoas, estou hospedada em Japaratinga, mas estou indo em praias de Maragoggi, São miguel vou hoje, quero subir p a praia docarneiro...
Ontem na praia de Burgalhau não tinha nada de manchas ou vestígios de óleo.
Andamos um bom pedaço da praia e ficamos bastante tempo no mar e nd.
Já em japaratinga, no dia 11 fizemos uma caminhada na praia e meu tinha uma gota de algo estranho.. grudado, mas era bem pouco msm.
Essa semana conto sobre Antunes, São Miguel e Carneiros...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Obrigada, Giselle!

Cláudia Couto

Grata pelas informações, Giselle!
Embarco no próximo dia 19/10 para a mesma região que você está. Se puder atualizar as informações, agradeço imensamente. wink

anapaula@telco.com.br

Olá Paulo,

Dia 11/10 saiu uma nota do Procon informando que os turistas com pacotes para o Nordeste podem cancelá-lo sem multa.

https://www.terra.com.br/noticias/ciencia/sustentabilidade/turista-com-pacote-para-o-nordeste-pode-cancela-lo-sem-multa-diz-procon,8534983cb9ceb4fb1be79da651bed6aa40bulhix.html

As pousadas, hotéis são obrigados a fazer a devolução integral do valor sem multa.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Paula! Tem uma pegadinha aí: os lugares afetados são relativamente poucos, a grande maioria dos seriamente atingidos está em processo de limpeza.

anapaula@telco.com.br

Bom dia,
Estou buscando notícias atualizadas sobre a região de Itacemirim, Imbassaí e Praia do Forte...alguma dessas praias está limpa, é possível entrar?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Paula! A praia do Lord em Praia do Forte foi bastante atingida, como está dito no texto. A praia está em processo de limpeza.

Em Imbassaí e Itacimirim foram registrados pontos de óleo, de maneira moderada, como também está no texto.

A imprensa baiana está acompanhando o desenrolar dos acontecimentos. Estamos atualizando diariamente. Estamos reservando este espaço prioritariamente para depoimentos de leitores que tenham estado nas praias para dar seus depoimentos.

Fazer perguntas que estão respondidas no texto atrapalha quem busca depoimentos de leitores.

Flávia
FláviaPermalinkResponder

Olá, alguém sabe me dizer como está a situação na Costa do Sauípe?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Flavia! Como está no texto, foram registrados vestígios em Porto Sauípe. Mas o trecho não sofreu como a Praia do Forte. A falta de novas notícias é uma boa notícia, significa que não foi grave.

Alethéa
AlethéaPermalinkResponder

Estive em Natal e Pipa na semana entre 07 e 14 de Setembro. Em Natal só vi manchas em Cumurupirim, na areia, mas havia relatos de guias de turistas que ficaram manchados no mar. Em Pipa tinha na praia Central em menor quantidade, mas muita na praia do Amor. Os moradores estavam fazendo limpeza todas as manhãs para tentar evitar atrapalhar o turismo. Em Pipa nós nos manchamos ao pisar na areia e no mar também. Ao caminhar entre a Praia do Amor e a Praia Central havia pedaços difíceis de desviar das manchas na areia, na parte entre as pedras. Muito triste.

Marcio Fabiano dos Santos

E qual situação de hoje nessa praias? tenho viagem marcada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcio! Esse depoimento se refere à situação de um mês atrás, e é consistente com o relatório do Ibama. Não houve novas chegadas de óleo depois disso, a maioria das praias já foi limpa. No relatório do Ibama, a praia central de Pipa está registrada como "sem vestígios" desde 28 de setembro. A Praia do Amor, com vistoria mais recente dia 2 de outubro, está registrada como "com vestígios". O Facebook da Tribo Ambiental de Pipa, enviado por outra leitora, mostra que a limpeza da Praia do Amor atualmente está se dando com a retirada de piche já soterrado na areia, o que dá a entender que não haja mais piche aparente na praia.

Sempre repetindo: falta de notícias é boa notícia.

Marcio Fabiano dos Santos

Muito obrigado. E você tem notícia da situação das demais praias de Natal?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Márcio! Leia o post, a informação atualizada está toda no texto. Estamos atualizando diariamente.

Sílvia Lacerda

Olá! Estou com viagem marcada para dia 2 de novembro para morro de São Paulo, vcs acham que o óleo pode chegar lá? Está indo naquela direção?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Silvia. Se chegar, a gente vai informar aqui. Pode chegar? Pode. Vai chegar? Não dá para saber. Salvador foi atingida de maneira bastante branda até o momento.

David Gruberger

Carneiros não tem vestígios de óleo. Estive aqui todo o fds 12, 13 e 14 de outubro.

José
JoséPermalinkResponder

No RN, praticamente, nenhuma praia está com óleo.

Marcio Fabiano dos Santos

ótima noticia José!

Debora Bento
Debora BentoPermalinkResponder

Olá,

Tenho viagem marcada para Trancoso e Arraial D'ajuda no final de Novembro'19, gostaria por favor de saber como está a situação por lá? O óleo já chegou por lá?

Desde já agradeço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Débora! Não chegou. Está bem longe ainda, a 600 km.

Juvenília
JuveníliaPermalinkResponder

Estou com viagem marcada para Maceió 1º de novembro queria saber a situação das praias em Maceió

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Juvenília! Segundo a rede Gazeta, de Alagoas, estão livres de óleo.

https://gazetaweb.globo.com/portal/noticia/2019/10/praias-de-maceio-nao-foram-afetadas-por-manchas-de-oleo-_87945.php

Daniel
DanielPermalinkResponder

Gostaria de parabenizar por estarem tirando dúvidas nesse momento.em nenhum outro canal conseguimos tantas informações, principalmente com depoimentos de quem viaja ao local afetado .tenho viagem marcada para Natal e paraíba gostaria de.saber situação principalmente da Paraíba pouco falada . obrigado parabéns

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daniel! Falta de notícia é boa notícia. As praias que foram afetadas no início da crise, entre 30 e 45 dias atrás, e não sofreram nova invasão, já tiveram tempo de ser limpas. Consulte o relatório do Ibama, está atualizado com link no texto.

Michelle
MichellePermalinkResponder

Gente, estou em Jeri e por aqui nada de óleo na praia da vila,nem na areia. Fui na Pedra Furada e n vi nada de óleo por lá tb. Mandarei mais informações nos próximos dias.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Obrigada, Michelle!

Lilian
LilianPermalinkResponder

Olá, Michelle! Que bom q vc vai nos manter informados! Estou com passagem comprada para Jeri p/ o dia 19/11, mas já estou pensando em desistir da viagem, pq as notícias q li na internet dizem q aí foi a praia do Ceará mais atingida pelas manchas de óleo. Será q isso é boato? Um abraço e obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lilian! Em absolutamente nenhum relatório do Ibama ou artigo sério esta informação aparece.

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Muito bom este espaço, os comentários são imparciais, vinda das próprias pessoas que estão vivendo o problema.

Clarissa Castilhos

Está sendo ótimo ter este espaço para acompanhar as notícias atualizadas diretamente de quem está vivendo a situação. Estou acompanhando porque viajo para Imbassaí e Praia do Forte em 13 de novembro.
Gostaria de saber se está sendo feito algum acompanhamento do impacto com relação à poluição no mar e, consequentemente, nos frutos do mar muito consumidos naquela região. Existem laudos disto? Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Clarissa! Não sabemos. Procure se informar localmente sobre a origem dos peixes e frutos do mar servidos. Mas não creio que estejam servindo nada que represente risco.

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Aqui em Maragogi praias estão limpas sem óleo sem nenhum vestigio

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar