Fecha-abre-fecha: o novo efeito sanfona | #ViajandoNasNotícias

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Lisboa: como se locomover - bonde

Lisboa

Lembra Gramado, que precisou fechar atrações e restaurantes na semana passada? Pois nesta semana tudo já foi autorizado a abrir novamente.

Lembra Foz do Iguaçu, que reabriu tudo dia 10 de junho? No fim de semana passado, uma das atrações mais populares da cidade, o Parque das Aves, achou melhor fechar por tempo indeterminado. O motivo alegado: o índice de contágio no estado está subindo.

Lembra Portugal, que foi o país mais comportado da Europa ocidental durante a quarentena? Escuta essa: ao registrarem-se aglomerações e aumento de casos depois da desconfinamento, o governo português restabeleceu o estado de calamidade em Lisboa e adjacências.

Em Lisboa voltou a ser proibida a venda de bebidas alcoólicas para consumo em pé ao ar livre. Os únicos bares que podem funcionar são os que acomodam clientes em mesas -- e mesmo assim, só até as 20h. Depois desse horário, apenas restaurantes podem manter-se abertos.

Esse fecha-abre-fecha -- o novo efeito-sanfona -- só vai terminar quando acontecer uma dessas duas coisas.

  • 1) Ou quando tivermos total certeza sobre a segurança dos novos protocolos;
  • 2) Ou quando uma vacina estiver disponível.

Vem, vacina!

Publicado em 24/6/2020

Leia todos os textos da Quarentena VNV aqui.

Nenhum comentário, deixe o primeiro!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar