O overturismo vai acabar? | #PensamentoViaja

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Veneza: como se deslocar

Veneza

O excesso de visitantes nos destinos mais famosos -- o chamado 'overturismo' -- é o efeito colateral do barateamento das viagens nas últimas duas décadas.

Mas nos próximos meses, o fechamento parcial das fronteiras, a diminuição de oferta do transporte aéreo e a paralisação dos cruzeiros vão transformar, temporariamente, a paisagem dos destinos mais visitados do mundo.

Será que isso vai perdurar? Se nada for feito, os formigueiros de turistas voltarão assim que o transporte e a economia voltarem ao normal.

Haverá, claro, um aumento do grupo que vai preferir as viagens de natureza e os destinos sem aglomeração, mesmo depois que o vírus for dominado.

No entanto, esse deve ser um fenômeno do tamanho que o vegetarianismo tem na alimentação: com tendência clara de expansão, mas pouca possibilidade de se tornar predominante a curto prazo.

O que, então, pode ser feito para combater o overturismo?

No turismo pós-pandemia, a limitação de número de visitantes e a reserva compulsória de horários para visitar atrações turísticas vão se tornar cada vez mais comuns. Neste verão europeu, por exemplo, Itália e Espanha já instituíram reserva até para quem quer pegar praia.

Se alguns desses controles persistirem, a moda pode pegar, e os turistas vão ter que distribuir melhor suas visitas ao longo do ano.

Imagine: quer fazer um bate-volta a Veneza? Já reservou a sua entrada na cidade?

Publicado em 14 de junho de 2020

Leia todos os textos da Quarentena VNV aqui.

Nenhum comentário, deixe o primeiro!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar