5 lugares para comer ótima carne em Buenos Aires

La Brigada, Buenos AiresComer churrasco em Buenos Aires é outra história. Não é uma questão apenas de qualidade de matéria-prima e de competência de preparo. Isso os argentinos têm de sobra, mas também pode ser encontrado nas boas churrascarias do Brasil. O que torna a parilla (diga: par-rrr-ija) especial é que tudo é diferente do nosso churrasco. As raças de gado criadas na Argentina possibilitam cortes diferentes dos que conhecemos. Junte-se a isso a tradição de usar a grelha, e não o espeto, e pronto: você tem uma experiência carnívora totalmente distinta.

Durante sua estada portenha, você vai trocar aquelas finas fatias de picanha que se derretem na boca (algo totalmente desconhecido na Argentina!) por cortes altos e suculentos (e que podem vir tão macios a ponto de serem cortados com colher). Os cortes mais famosos são ojo de bife, bife de chorizo e bife ancho, retirados do pedaço que aqui chamamos de contrafilé. Tira quer dizer “costela”. E o nosso filé mignon é o bife de lomo deles. Se quiser ao ponto, peça a punto. Mal passado? Jugoso (diga: rugôço). Mas se o seu ponto for bem passado, peça mariposa (maripôça), que o seu bife vai ser aberto para atingir este ponto de cocção.

Cabaña Villegas

Procurando uma boa parrilla em Puerto Madero? Das churrascarias da região, a Cabaña Villegas é a mais recomendada pelos portenhos, que elogiam a qualidade das carnes, o serviço atencioso e a excelente relação custo x benefício. Há um menu com empanadas de entrada, saladas, bife de chorizo, meia garrafa de vinho e sobremesa a 68 pesos. Vale a pena reservar por telefone: você aproveita para pedir uma mesa com vista para o rio (Alicia Moreau de Justo, 1050; tel. 4142-0108).

Mirasol de la Recova

A duas quadras do shopping Patio Bullrich, na esquina da avenida 9 de Julio com a calle Posadas, sob um pequeno viaduto, esconde-se o melhor enclave de restaurantes da Recoleta, La Recova. Para quem está à procura de uma parilla de qualidade, a filial da rede classuda Mirasol é um porto seguríssimo. Espere preços altos mas um serviço de primeira (Posadas, 1032; tel. 4326-7322).

La Brigada

Tradicionalíssimo — e folclórico — endereço em San Telmo, o La Brigada funciona num sobrado decorado com pôsters, bandeiras e flâmulas de futebol. A marca registrada da casa são os garçons que cortam os assados com colher. Se você quiser almoçar aqui num domingo (dia da feira na Praça Dorrego, ali perto), é bom reservar, ou ficará muito tempo na fila de espera (Estados Unidos, 465; tel. 4361-5557).

El Pobre Luis

Não é preciso atravessar o rio da Prata até Colonia del Sacramento para ter um gostinho do Uruguai. Neste restaurante (bastante informal) em Belgrano — um pouco para lá de Palermo — você pode provar a parrilla à moda uruguaia, preparada na grelha inclinada. Seja qual for a carne que você escolher no El Pobre Luis, não deixe de pedir as mollejas (timo; diga: mojêrras) de entrada (Arribeños, 2393; tel. 4780-5847).

La Cabrera Norte

As duas casas da La Cabrera — distantes a apenas um quarteirão, em Palermo Soho — são indefectíveis em qualquer lista de boas carnes de Buenos Aires. Pudera: além da qualidade dos cortes e do preparo, por ali todos os pratos são servidos com uma infinidade de pequenos acompanhamentos (legumes, pastinhas, batatas, picles) que fogem do trivial carne + batata frita. (Se bem que as batatas à provençal também são uma delícia.) La Cabrera Norte é especialmente indicada para quem quer provar os inacreditáveis bifes de Kobe, a carne mais macia do mundo, agora produzida também na Argentina. Reserve ou espere muito (Cabrera 5099; tel. 4831-7002).

 

Leia mais:

71 comentários

Uma amiga minha viajou para Buenos Aires e trouxe uns chocolates delciosos de lá, não lembro o nome do lugar mas acho que foi na capita mesmo

Por falar nisso, tem uma agência de viagens, que tá dando bolsa de viagens (uma senhora bolsa) de graça se fechar um pacote com eles! é só falar que viu o anuncio no site http://www.mystores.com.br que eles te dão o brindão

Acho que tudo depende do dia e do gosto pessoal mesmo!Fui a BsAs ano passado e peguei varias dicas aqui.O Cabaña Las Lilas fui com um pé atrás, achando ser meio turistico, e adorei!Fui até duas vezes!Comida exelente!O La Cabrera tbém é um charme, e a carne+acompanhamentos+preço imbatível! O desnível eu não gostei nem da carne,acompanhamentos,sobremesa…….o preço é bem no nível (baixo!)

    Puxa, também achei o El Desnivel péssimo…. feio, sujo e cheio. Atendimento ruim, tudo ruim. Gostei do Cabrera. Mas acho que Buenos não tem grandes vantagens perante Fogo de Chão e outras nossas aqui.

Olá Ric,
Sou sua fã, sempre leio tudo que vc escreve antes de viajar.
Fui no La Cabrera e adorei, minha dica é o bife de chorizo com gorgonzola (fico com água na boca só de lembrar….)
Também incluiria nesta lista (passando para 6 lugares, rs) o Cabana Las Lilas, na minha modesta opinião imperdível.

Fui no El Desnivel 2X ano passado, não sei se a dica foi daqui ou nos Destemperados, a gente lê tanta coisa… O local é simples, o atendimento não é dos melhores (na 2ª vez foi melhor) mas a carne é ótima. As papas fritas tb estavam boas e o doce de leite c/ pudim foi um dos melhores que comi. Fui tb no Mirasol de La Recova sem ter lido nada a respeito e gostei muito, exatamente como descrito aqui.

    você deu sorte, Patrícia. As minhas papas fritas vieram chafurdando no óleo, mas a carne ficou na memória.

O El Pobre Luis é lugar de encontro de fanaticos por futebol, é um ambiente barulhento e que só abre(ia) a noite.Fica no fim da rua da Koreatown portenha.

Endosso o Cabaña Villegas! Comi uma pamplona lá que estava excelente. Só perde pra que comi no Mercado del Puerto de Montevideo. Mas competir com o mercado é covardia, né? 😀

Ah! Pra quem quiser algo baratinho, e um ambiente bem “botecão” mesmo, recomendo o Bar Yrigoyen, na Bernardo Yrigoyen, pertinho do Congreso, vizinho da biblioteca nacional. Quem estiver hospedado no Ibis do Congreso chega lá em 2 minutos. É só atravessar a rua.

posso acrescentar uma dica que peguei no vnv há muitos anos? O El Desnivel, apesar de feio de dar dó, ficou aprovadíssimo na minha memória: http://www.parrillaeldesnivel.com.ar

Estive lá em 2004. Fica em San Telmo, cheio de locais misturados aos turistas. A carne estava ótima, mas devo avisar que os acompanhamentos não valiam nada – foi assim que aprendi, observando as mesas dos argentinos, que devia ter ficado só em carne+pão. Pitoresco. E era barato.

Rick, vc leu meus pensamentos. Estou montando minha planilha com dicas de BAs e faltavam as churrascarias! Eis que que entro no VNV…e nada mais que esse post que caiu como uma luva!! Agora meu horeiro de 4 dias em BAs esta concluido!!

    Alessandra, desculpa a intromissão, mas vc disse q está montando uma planilha com dados de BsAs…Vou pra lá em junho e estou meio por fora quantos às compras e passeios! Tem dicas interessantes do que há de novo e de bom pra fazer?

    Olá alessandra. se puder me mande sua planilha. será de muita utilidade. grato.

    Olás,
    Olhem só. Marquei minha primeira viagem para Buenos Aires com boa antecedência e, faltando pouco mais de 10 dias para o voo, quebrei o pé. Pensei em cancelar tudo, mas vou juntar malas, muletas e cadeira de rodas para continuar meu roteiro. Alguém por aí pode me ajudar? Será que vou conseguir cumprir minha viagem andando e empurrando duas rodas? Algumas sugestões do que fazer e o que não devo arriscar? Obrigado

    Olá, Marcelo! Use o city-tour do Buenos Aires Bus, faça o Tren de la Costa e abuse dos táxis! Mas o ideal seria cancelar e ir depois, porque em 10 dias você ainda não vai ter total know-how de andar muito com muletas, não…

    Então, até tentei verificar custos de cancelamento. A Gol não isenta de taxas o cancelamento por “quebra de pé” ;-( A empresa cobra 60 reais por trecho cancelado. Total de 240 reais incluído os trechos da minha acompanhante. Como comprei as passagens em uma promoção com pagamento de apenas 90 reais o trecho de retorno e, certamente, terei de pagar mais caro na data da nova remarcação. Ou seja, terei mais de 500 reais de custo para cancelar e marcar em outra data. Acho que vale a pena viajar com o pé assim mesmo. Posso gastar esse valor no abuso de táxis, como você sugeriu. Obrigado pelas informações. Prometo contar minha aventura depois, ok.

    Então, posso te contar da experiência da minha tia que quebrou o pé no começo de julho e logo depois viajou. Eis que ela teve uma trombose na perna no primeiro dia (porque se quebrou o osso, a chance de ter trombose de coágulo de gordura – que fica dentro do osso – é muito muito alta). Resultado: teve que ir pro hospital, voltar correndo pra Brasília, e terá que ficar 6 meses tomando anticoagulante e sem viajar, além de ter ficado 1 mês sem pisar no chão.
    Claro que nada disso pode acontecer e pode dar tudo certo, mas fica o alerta.

    Maacelo,
    Buenos Aires é linda e gostosa. Gostosa de caminhar e caminhar e caminhar mais um pouco…
    O taxi nao tem a mesma graça (passa longe) e nem o city tour e, ou você aluga uma cadeira de rodas – e esqueça bons acesso como tem nos EUA, aqui é america do sul… – Espere ficar bom da perna e vá em novembro!

    Hahaha! Viajar de perna quebrada é coisa de profissional. Pergunte à Sylvia que é capaz de ela conhecer algum serviço de riquixá em Buenos Aires.

    Vale a pena ir a Buenos Aires de pé quebrado? Então, volto aqui para responder. Sim, valeu sim. Mas é preciso cumprir algumas regras. Primeiro, não vá só de muletas. Alugue uma cadeira de rodas. Fiz isso ainda aqui no Brasil e foi realmente “uma mão na roda”. Facilitou muito a minha vida por lá e no caminho. Segundo: exerça o direito dos cadeirantes à prioridade. As cias. aéreas dão tratamento especial a eles, o que já é previsto em lei. Não se sinta constrangido. Além disso, fiz vários roteiros recomendados pelos colegas do Vnv e usei, sempre que pude, os táxis da capital, outra regrinha básica.Não recebi nenhuma nota falsa, não fui alvo de assalto… Quando foi preciso caminhar, estava a postos de rodinhas. Comi bem e até dirigi após beber ótimos vinhos (Hahaha!!!!). Mas, em vários lugares, tive dificuldade em rodar por causa dos buracos. Ou seja, é bom viajar de avião, de carro, ônibus e cadeira de rodas também. Após os abusos, voltei ao tratamento para ficar bom logo. Obrigado a todos pelas dicas.

    Olá Alessandra,

    Estou em BA, Ficarei por + 3 dias. Ainda tem a sua planilha? Pode me mandar? Preciso de algumas dicas, principalmente para compras. Obrigada,
    Sônia

    e-mail: [email protected]

    Ola Alessandra
    viajo dia 31/08, primeira vez em Buenos Aires.
    se puder me ajudar enviando sua planilha te agradeço muito
    abraços
    Marcio

    Alessandra, por favor, sera que vc me enviaria seu roteiro? vou a trabalho e fico so 3 dias, me ajudaria bastante, obrigadoooo!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.