Alagoas: Rota Ecológica

(Este post resume, atualiza e cancela tudo o que eu já escrevi sobre a região — assim fica mais fácil de pesquisar. O lindo mapa é de autoria de Dudu Cavalcante, desenhado quando ele era um dos sócios da Pousada do Caju. Algumas fotos são da querida Giovana Gregolin.)

       mapadudu1.jpg

Procurando praias bonitas, fora do mapa do turismo de grupos, com boas pousadas, boa comida, preços justos, e que esteja a 100 km de distância de uma capital? Encontrou: tenho o prazer de lhe apresentar a Rota Ecológica — o trecho mais sossegado do litoral norte alagoano.

Quer dizer: o nome oficial da região é Costa dos Corais — mas como essa denominação engloba Maragogi (que, por ser um destino tradicional do turismo organizado, não tem nada a ver com esse pedaço de que estou falando), eu prefiro usar Rota Ecológica, que foi cunhado no finalzinho dos anos 90 pelo então secretário de turismo de São Miguel dos Milagres.

A região foi preservada graças ao traçado da estrada litorânea de Alagoas, que na altura de Barra de Santo Antônio faz um desvio para o interior e só retorna à costa em Maragogi. Os pouco mais de 40 km de praias entre Barra de Camaragibe e Japaratinga são servidos por uma estrada secundária, com um trecho de asfalto (até Porto de Pedras), uma balsa (para atravessar o rio Manguaba entre Porto de Pedras e Japaratinga) e um trecho que alterna estrada de chão com paralelepípedos (em Japaratinga).

Sobe aí que eu te levo.

De Maceió a Barra de Camaragibe

Saia de Maceió pela AL 101 Norte. Mais ou menos 15 km depois de Barra de Santo Antônio, passando São Luís do Quitunde, você vai avistar, à sua direita, uma usina. Ali você pega a AL 465 (existe uma placa com indicação para Passo de Camaragibe). Você vai passar por fazendas de gado e entrar no vilarejo de Passo de Camaragibe; pegue a primeira ponte à sua direita e continue. Logo logo vão aparecer os coqueirais e, dali a pouquinho, a estrada vai encontrar a costa, na Barra de Camaragibe.

mapamorro450.jpg

Barra é um vilarejo de uma rua só (a estrada), e um dos poucos da região que ficam à beira-mar. Mas a praia que vale a pena fica do outro lado do rio Camaragibe: é a Praia do Morro ou Praia dos Morros, dependendo de quem você ouve. Querendo ir até lá, estacione num dos bares de Barra e procure pelo canoeiro.

 morros210.jpg morros211.jpg

A Praia do Morro é a continuação de Carro Quebrado, uma das mais famosas de Alagoas. Uma falésia, porém, impede a passagem pela areia. A ponta sul da praia é dominada por essa falésia, que depois dá lugar a um coqueiral onde há alguns anos está prevista a construção de um condomínio (com direito a resort e marina) por um grupo canadense. Quando isso acontecer a visita não vai ser mais tão fácil…

Da Barra de Camaragibe ao Toque

mapatoque450.jpg

Depois de Barra de Camaragibe você não avista mais o mar da estrada: só o coqueiral. Os vilarejos — do Marceneiro, do Riacho, de São Miguel dos Milagres, do Toque — limitam-se à beira da estrada. Há caminhos que levam para as praias, mas não são lá muito bem sinalizados. Ao fim deles normalmente há um quiosque rústico — usado mais por moradores do que turistas — e casinhas onde os pescadores guardam seu material de pesca. Para apreciar as belezas da região, só mesmo andando a pé pela areia.

praiariacho451.jpg

    smmilagres400.jpg

smmilagres456.jpg

Nesse trecho a paisagem muda completamente de acordo com a maré. Na maré baixa (sobretudo durante as luas cheia e nova), o mar recua tanto que a praia chega a desaparecer por algumas horas. Enquanto a maré não sobe, o negócio é ficar pela piscina da pousada — ou ir até as piscinas naturais localizadas entre o Toque e Porto da Rua (dá para ir de jangada ou caminhando, com água pelo joelho). 

    toque-piscinanat400.jpg

Para quem vem do sul, a primeira pousada da região é a Pousada do Toque, que eu tive a sorte de descobrir em 2000, apenas 3 meses depois de abrir, quando estava fazendo o primeiro campo do Freire’s.

    toque-vistodomar400.jpg

toque-praia450.jpg

Na época, a pousada era infinitamente mais simples do que é hoje. Fui conquistado pela localização (a única alternativa de hospedagem na região era um mini-resortinho bem fraco, então chamado Tarumã, e que funciona até hoje, como Costa dos Corais Beach Resort), pelo charme das instalações (apesar da rusticidade daquele tempo) e sobretudo pela comida. (Rúcula? De horta orgânica? No Nordeste? Fora de uma capital? Em 2000? Era um assombro.) Saí de lá encantado, e escrevi uma matéria para a Vip chamada “Paraíso descoberto: São Miguel dos Milagres”. Quando o telefone tocou com o primeiro pedido de reserva, de Brasília, o dono da pousada, Nilo Burgarelli — que não tinha a mínima idéia do que eu tinha ido fazer ali — achou que fosse trote.

Nada do que você vai ver nas próximas fotos existia naquele tempo.

    toque-deck400.jpg

 toque210.jpg toque211.jpg

 toque-detalhe151.jpg toque-detalhe142.jpg toque-detalhe140.jpg

    depoisdachuva400.jpg

 toque-piscina140.jpg toque-detalhe1441.jpg toque-detalhe147.jpg 

 toque-detalhe150.jpg toque-detalhe145.jpg toque-detalhe152.jpg

É que, de lá pra cá, a pousada não parou de evoluir: Nilo e sua esposa, Gilda Peixoto, investiram tudo o que ganharam em melhorias. Quartos básicos foram desativados (o da minha primeira noite virou DVDteca); os chalés foram aumentados para ganhar banheiros enormes; colchões e TVs foram trocados algumas vezes, sempre com upgrade.

Hoje os chalés mais simples (os “jardim”, que ficam nos fundos do terreno) custam R$ 320 (incluindo jantar) na baixa temporada (na alta, a diária sobe para R$ 400, com jantar). Para efeito de comparação: os quartos mais simples da Estrela d’Água, em Trancoso, saem R$ 620 na baixa e R$ 870 na alta, só com café.

Por um pouquinho mais — R$ 370 na baixa, R$ 460 na alta — você fica num chalé jardim como este da foto aqui embaixo, com ofurô e jardim de inverno (ou num dos novos chalés praia, que foram inteiramente refeitos e estão inaugurando agora no fim de julho).

    toque-chalejardim400.jpg

Há três bangalôs superluxo, com piscinas particulares. Meu favorito (e também o da Majô) é o Toque-Toque, de 130 m2. Custa R$ 700, com jantar, na baixa temporada, e R$ 790 na alta. (Comparando novamente: uma suíte master com piscina na Estrela d’Água sai R$ 1.060 na baixa e R$ 1.580 na alta, só com café da manhã.)

    toque-toquetoque400.jpg

 toque-toquetoque140.jpg toque-toquetoque141.jpg toque-toquetoque142.jpg

    toque-toquetoque401.jpg

O maior (150 m2) e mais luxuoso é o bangalô Bem-Te-Vi, que tem um deck com vista para o mar, uma sauna com saída para a piscina e uma sala de ofurô, separada do banheiro, num ambiente rústico de taipa. Custa R$ 880, com jantar, na baixa, e R$ 960, com jantar, na alta.

    toque-bemtevi401.jpg

    toque-bemtevi183v.jpg toque-bemtevi183h.jpg 

 toque-bemtevi211.jpg toque-bemtevi210.jpg

Todos os quartos, do mais simples ao mais tchãs, têm DVD — uma bossa que o Toque lançou há cinco anos e que se tornou uma das marcas registradas da Rota. Não há buffet nem mesmo no café da manhã — que pode ser servido a qualquer hora do dia. O prato principal do jantar está incluído em todas as diárias, com livre escolha; se quiser, você pode passar todos os dias a lagostim ou bacalhau.

 toque-detalhe154.jpg toque-detalhe148.jpg toque-detalhe153.jpg

 toque-detalhe143.jpg toque-detalhe146.jpg toque-detalhe155.jpg 

O que eu mais gosto no Toque é que, mesmo com ofurôs, DVDs, Roteiros de Charme e quetais, a pousada não ficou metida a besta. Não há o menor resquício de afetação no ar.

Isso se deve ao que eu acredito ser o maior luxo do Toque: a simpatia da equipe. Assim que você chega todos aprendem imediatamente o seu nome (às vezes já sabem antes de você chegar). E quando você vai embora — surpresa: você descobre que também sabe o nome de todos os que atenderam você.

Essa simpatia é personificada na figuraça do J.R. — ou Jota, para os íntimos (ou seja, todos os que passam mais de 24 horas na pousada). Eu ia fazer um vídeo dele nessa minha última passada, mas não é que o danado estava de férias? (O J.R. não dá para descrever; só vendo e ouvindo para entender.) 

    toque-jr401.jpg

Mas mesmo quando o Jota não está, você não deve deixar de provar sua genial invenção: a caipiroska de limão com gengibre e manjericão. (Eu peço sempre com mel.)

    toque-saladamar400.jpg

Mas nem só da Pousada do Toque vive a praia do Toque. Vizinhas à pioneira existem outras duas ótimas pousadas.

Indo na direção norte, a primeira delas é a Pousada do Caju, uma bela alternativa de qualidade a preços que não assustam.

No meio do ano passado, ela foi vendida a dois portugueses que percorreram toda a costa do Nordeste em busca de uma pousada já pronta que pudessem desenvolver. Zé Carlos (de bigode), que trabalhou durante décadas em grandes redes hoteleiras na Europa, e Alírio (de azul), que é decorador, enxergaram naquela casa de linhas “clean”, com quartos compactos mas bem-resolvidos, um bom ponto de partida para seu projeto de pousada de charme.

    caju-aliriozecarlos183h.jpg caju-vinhocaju183v.jpg

De imediato esquentaram a decoração dos quartos com belas peças de uma designer que descobriram em Maceió; depois fizeram uma piscina gostosíssima, com cascatinha e bar molhado, que mais do que compensa o fato de a pousada não estar à beira-mar (são cinco minutos de caminhada por entre coqueiros).  

 caju-contraluz140.jpg caju143.jpg caju144.jpg

    caju-piscina183h.jpg caju-piscina183v.jpg

Na minha visita, provei vinho de caju (outro curioso achado da dupla) e comi um bacalhau bestial. O forte do cardápio, porém, gravita em torno da culinária brasileira, a cargo de um chef que trabalhou por um bom tempo com Nilo no Toque.

    caju-bacalhau400.jpg

No futuro os donos querem adicionar dois ou três bangalôs de luxo à oferta de acomodações. Por enquanto as diárias estão camaradíssimas: entre R$ 210 e R$ 250, incluindo jantar. Aproveite enquanto o lugar não fica famoso…

A terceira pousada da praia é a gracinha da Pousada da Amendoeira, também construída depois que seus donos, o Alan e a Adriana, percorreram o Nordeste inteiro em busca de um lugar que não estivesse corrompido pelo turismo de massa.

 amendoeira211.jpg amendoeira210.jpg

São apenas seis bangalôs, decorados com simplicidade e bom-gosto. Como é praxe na região, as diárias incluem uma refeição — e vão de R$ 190 a R$ 240, na baixa temporada, e de R$ 220 a R$ 290, na alta. (Meu preferido é o bangalô Alamanda — o mais caro — que tem ofurô no banheiro.)

A cozinha, por sinal, é um dos pontos altos da pousada (epa, essa frase está ficando repetitiva neste post). A Adriana usa ingredientes e temperos da região para criar pratos de leve sotaque natureba — com resultados surpreendentemente bons. Mesmo que você não se hospede aqui, vale a pena marcar pelo menos um almoço.

 amendoeira142.jpg amendoeira143.jpg amendoeira141.jpg

A pousada não tem piscina — mas tem a sombra mais gostosa da região, ao pé da sua frondosa amendoeira.

    amendoeira212.jpg amendoeira213.jpg

Do Toque a Tatuamunha

Um pouco mais adiante, a praia muda de nome, revelando a proximidade de outro vilarejo: Porto da Rua.

mapatatuamunha450.jpg

Antes de chegar na vila você encontra outra pousada de ótima relação custo x benefício: a Côté Sud.  

 cotesud450.jpg

Num terreno com grande frente de praia, muitos coqueiros e um riozinho nos fundos, espalham-se simpáticos bangalozinhos. As diárias, sempre incluindo jantar, ficam entre R$ 155 e R$ 265 na baixa, e entre R$ 175 e R$ 295 na alta temporada.

 cotesud211.jpg cotesud210.jpg 

    cotesud400.jpg

Os donos, Corinne e Roger, são belgas, e recentemente se associaram a um compatriota, o chef Philippe Schroeven, da Academie Nationale de Cuisine, para comandar a cozinha. Minha amiga Claudia Carmelo se hospedou no réveillon deste ano e me elogiou muito a comida.

Mais alguns passos e você chega a Porto da Rua, um vilarejo que possui uma grande colônia de pescadores. As jangadas são guardadas em terra firme, mas a praia serve de porto natural para seus barquinhos pitorescos.

portodarua453.jpg

    portodarua400.jpg

portodarua-bicicleta450.jpg

Passando o vilarejo, indo em direção à barra do rio Tatuamunha, fica a última pousada deste trecho da Rota, a Villa Pantai.

vilapantai211.jpg vilapantai210.jpg

A meu ver, esta pousada destoa do conjunto da Rota, porque suas construções — bangalôs de dois andares — não guardam o recuo recomendável, interferindo demais na paisagem (se bem que, neste ponto da praia, a beira-mar é totalmente ocupada por casas). A piscina se inspira em piscinas de resorts, com deck molhado e tudo, e há um belo deck de madeira com hidro debruçado na areia.

    vilapantai183v.jpg vilapantai183h.jpg

vilapantai450.jpg

Tanto o nome quanto a decoração tentam evocar o Sudeste Asiático. As diárias não variam o ano inteiro: saem R$ 400 nos apartamentos de um piso e R$ 550 nos duplex — só com café da manhã.

Continuando pela areia, você passa pelo tal pequeno resort de que eu já falei no início do post, até dar na barra do rio Tatuamunha.

Na maré baixa se formam ilhas de areia onde você chega de caiaque ou mesmo a pé.

riotatuamunha452.jpg

Contrate (na sua pousada) um passeio de jangada pelo rio. Se não bastasse a beleza da paisagem — um mangue com coqueiral sobreposto –, você ainda pode ver de perto um dos três peixes-bois que moram por ali.

    riotatuamunha404.jpg

 riotatuamunhapb210.jpg riotatuamunhapb211.jpg

riotatuamunhapb450.jpg

Peça para subir o rio até a altura das pontes. Ali dê uma descidinha para visitar a vila de Tatuamunha, que é lindinha e tem um casario antigo preservado.

    riotatuamunha402.jpg

    tatuamunha400.jpg

    tatuamunha401.jpg

Se tiver fôlego, suba a colina do cemitério para ter apreciar esta vista:

tatuamunha450.jpg

(Ou suba outro dia, de carro…)

Pela estrada ou pela areia, nossa próxima parada é na praia de Tatuamunha, ou da Jibaba, onde encontramos a primeira pousada do outro lado do rio. Até mês passado ela se chamava Um Milhão de Estrelas; mas com a entrada na sociedade dos donos da Aldeia Beijupirá, a pousada vai mudar de perfil e se chamar Borapirá (ainda sem site). Quem me deu o furo, por sinal, foi a Jurema, ao pesquisar preços para uma temporada na Rota.

A idéia é ótima: fazer da Borapirá uma alternativa para casais com crianças que não curtam resort e que tenham dificuldade de encontrar pousadas que aceitem menores de 12 anos. (Pelo que eu vejo aqui no blog, existe um grande público potencial para uma pousada assim — casais que se hospedaram a vida inteira em pousadas de charme, e que de repente precisam mudar de tipo de hospedagem por causa dos pimpolhos.)

ummilhaopraia453.jpg

A única foto que continua valendo é a da praia. Na pousada em si, os bangalôs — amplos, com banheiros ótimos — estão sendo pintados de branco e ganhando acabamento de palha. A piscininha, muito pequena e de fibra, que era o ponto baixo da pousada, vai ser substituída por uma bacana, em forma de peixe. Assim que eu tiver outras notícias, atualizo aqui; por enquanto o que sei é que as diárias estão entre R$ 290 e R$ 340, com jantar (ou entre R$ 230 e R$ 270, só com café).

    ummilhao-chale400.jpg

tatuamunhalage450.jpg

De Tatuamunha a Porto de Pedras

A vila de Tatuamunha marca uma mudança de município: não pertence a São Miguel dos Milagres, e sim a Porto de Pedras

mapaportopedras4501.jpg

Nossa próxima parada é na Praia da Laje (ou Praia do Lage), que leva o nome de um povoado que não chega até à beira-mar. Uma estradinha conduz até a pousada Aldeia Beijupirá, que eu costumo definir como o endereço mais cool da Rota.

    laje400.jpg

A pousada é um refúgio construído por Adriana Didier, dona do Beijupirá, e seu marido português Joaquim Gonçalves, para descansar do burburinho de Porto de Galinhas.

   aldeia-quarto4001.jpg

A praia, para mim, é a mais bonita da Rota. Os ambientes sociais também são charmosíssimos — decorados com peças de design refeitas por artesãos nativos com materiais locais. A piscina ficou ainda mais bonita desde a inauguração do gazebo, no verão passado.

    aldeia-cafe183v1.jpg aldeia-noite183h1.jpg

    aldeia-piscina183h.jpg aldeia-piscina183v.jpg

O cardápio traz os pratos e caipiroskas do Beijupirá, além de petiscos perfeitos para um dia na piscina, como a coalheta — uma bruschetta de tapioca com queijo coalho.

    aldeia-coalheta183h.jpg aldeia-catado183v.jpg

Os bangalôs são chamados malocas — mas não se assuste: todos têm ar condicionado split, TVs grandes e DVDs; algumas têm banheiras de hidro de casal. As diárias das malocas sem hidro vão de R$ 264 a R$ 296 na baixa, e de R$ 380 a R$ 430 na alta, só com café. As malocas com hidro saem entre R$ 320 e R$ 360 na baixa, e entre R$ 460 e R$ 480 na alta, com café.

O trecho asfaltado da Rota termina em Porto de Pedras, cidadezinha bonitinhíssima, que conserva alguns casarões do início do século passado.

    portodepedras400.jpg 

O centrinho da cidade fica à beira do rio Manguaba; sua praia de mar, o Patacho, tem pouquíssimas construções. Dizem que ali será construído um grande hotel de bangalôs; nesta última visita, passei pelo que pode vir a ser um lugar muito charmoso: a Pousada do Patacho. Por enquanto, porém, ainda dá para percorrer o lindo caminho de areia por entre o coqueiral. Veja no mapa um pouco acima nesta página: saia da estrada no casarão amarelo, vá até o Patacho, dê uma olhadinha na Laje e volte à estrada à altura da igrejinha.

   patacho4011.jpg

   patacho402.jpg

laje450.jpg

O centro histórico de Porto de Pedras esconde a maior pechincha da Rota — a pousada Costa das Pedras, que funciona num casarão quase centenário. O dono da pousada é Andrezinho Burgarelli, que vem a ser sobrinho e ex-funcionário do Nilo; muitos dos equipamentos, como colchões e TVs, viveram sua primeira encarnação no Toque — e são sensivelmente melhores aos de qualquer pousada que você encontre por aí cobrando diárias de R$ 90 a R$ 110 na baixa, ou de R$ 100 a R$ 130 na alta (só com café da manhã). 

    costapedras400.jpg

  costapedras211.jpg costapedras210.jpg

O restaurante é aberto ao público; pare aqui para pedir uma moqueca capixaba ou uma pizza de massa fina (feita no forno a lenha).

Querendo uma experiência gastronômica nativa, a pedida em Porto de Pedras é a Peixada da Marinete, que faz uma famosa fritada de aratu  (na rua da igreja, em direção à praia; tel. 82/3298-1267).

E aí? Pronto para atravessar o rio Manguaba?

De Porto de Pedras a Japaratinga

O Rio Manguaba funciona, digamos, como uma lombada natural da Rota Ecológica. É ele que torna desinteressante o uso da estrada secundária para cortar caminho entre Maceió e Maragogi. É ele que impede o crescimento desenfreado e a ocupação irregular. 

    balsa451.jpg

A travessia não leva 15 minutos — quer dizer, se você der sorte de pegar a balsa na sua margem. Mas funciona quase como um passeio; o Manguaba é um rio bonito, margeado por mangue, e Porto de Pedras fica ainda mais fotogênica quando contemplada, calmamente, do meio do rio, com o farol listrado em cima do morro.

manguaba450.jpg

Foi nesta balsa que a Lea Dorf descobriu a placa em inglês mais hilária do Brasil. Trata-se da versão para o idioma gringo das instruções de uso da balsa — que deve ter sido feita por algum tradutor online. (A Lea transcreveu tudo aqui.)

    balsa400.jpg

No que depender do prefeito Rogério Farias, de Porto de Pedras — sim, do clã Farias –, a balsa está com os dias contados. Depois de ter construído 6 quadras de tênis de saibro, com iluminação noturna, para o desenvolvimento esportivo da população de Porto de Pedras, e de ter cogitado construir um calçadão na praia do Patacho, o prefeito agora quer construir uma ponte no Manguaba — provavelmente igual à que conseguiu cometer em seu emprego anterior, como prefeito de Barra de Santo Antônio, e está, segundo me contam, há oito anos sendo construída.

Caso o projeto vá adiante, essa ponte constituirá um crime ambiental — porque certamente vai ser acompanhada do asfaltamento do segundo trecho da estrada, criando instantaneamente uma nova rodovia costeira no Brasil, algo que não se faz há duas décadas. Todas as novas estradas litorâneas da Bahia, por exemplo, foram construídas a uma distância segura do mar (Linha Verde, Ilhéus-Itacaré) ou com traçado que evita acompanhar a costa (Porto Seguro-Trancoso). Criar um corredor de tráfego numa das últimas costas preservadas do Nordeste é absurdo. É óbvio que a comunidade de Porto de Pedras se beneficiaria muito mais se esse dinheiro fosse aplicado num hospital ou em melhorias nas escolas.

Pronto, falei; podemos seguir viagem.

Na outra margem do Manguaba a estrada — de terra, com alguns trechos calçados com paralelepípedos — passa mais perto da praia; você vai ver o mar em vários momentos. Em Barreiras do Boqueirão, também conhecida como Praia das Bicas, há um restaurante debruçado no barranco, com uma linda vista, o Companhia da Lagosta.

barreirasboqueirao450.jpg

Um pouco mais adiante existe um restaurante de praia engraçadinho, o Vila Bitingüi, cenografado como um vilarejo praiano. Então você passa por um pequeno hotel freqüentado por portugueses, o Hotel Bitingüi.

A hospedagem mais simpática à beira-mar nesse trecho da Rota é na Estalagem Caiuia. Nenhuma pousada é tão pé-na-areia: você abre a porta do quarto, dá dois passos no deck e já está na praia. 

caiuia211.jpg caiuia212.jpg

A pousada pertence aos donos do ótimo restaurante Divina Gula, de Maceió; a cozinha é ponto focal da área social. Hoje a pousada está arrendada ao casal de gerentes, que não alteraram nem o cardápio nem a linha de atuação. Os quartos são charmosos, mas compactos (e não têm TV). As diárias na baixa temporada, incluindo jantar, começam em R$ 200.

    caiuia400.jpg

Finalmente, um pouco antes da vila de Japaratinga, uma estradinha tortuosa leva morro acima à Pousada do Alto

        pousalto-escultura183v.jpg pousalto-piscina183h.jpg

O dono, Leopoldinho Amaral, foi agente de viagem e correu o mundo antes de abrir a pousada no sítio do alto do morro. A sede é uma casa belissimamente decorada com móveis e objetos de família e obras de arte. Os quartos ficam numa ala anexa, e recentemente ganharam equipamentos novos. As diárias, incluindo jantar, são de R$ 380 nos apartamentos térreos, e R$ 430 nos do segundo andar.

O jantar é um acontecimento: servido à luz de candelabros.

        pousalto-quadro183v.jpg pousalto-sobremesa183h.jpg

A última novidade da Pousada do Alto é um spa, comandado por universitários pernambucanos.

Mas por mais qualidades que a pousada possua, nada provoca mais uau! do que a piscina de borda infinita encarapitada no deck, de onde se pode observar o vaivém radical da maré de Japaratinga ao longo do dia.

       pousalto-piscina400.jpg

Japaratinga está a 20 km de Maragogi, que por sua vez fica a 130 km do Recife; esta ponta da Rota é a porta de entrada para quem vem de Pernambuco.

Gostou do passeio? Tenha certeza de que ao vivo é muito mais bacana 8)

ATUALIZAÇÃO: leia o guia atualizado em 2013:

Miniguia de praias: Rota Ecológica e Maragogi

697 comentários

Reportagem melhor, mais completa e bem ilustrada do que a de QUALQUER revista brasileira de viagem e turismo. Melhor que isso só quando vc. atualizar e publicar a segunda edição da versão impressa “Guia Freire de Praias”. Muito bom, parabéns.

Adorei…
No 1º ano que fomos ao Brasil estive muito em dúvida entre essa zona e Trancoso, Espelho, Santo André… Optei pela segunda, não me arrependi porque voltei no ano seguinte. Mas essa rota ficou sempre “pendurada”. Na altura cheguei até a ter preços combinados com o Nilo, exactamente por causa das “três crianças” como diz a Liciana, que noutros locais não era “bem vindas”.
Aqui em Portugal penso que não é permitido ser “explicitamente” “Not children friendly”!!!! Pelo menos eu nunca vi qualquer referência nesse sentido. Foi uma desilusão para mim quando à procura de alojamento por aí me vi tantas vezes confrontada com “criança com mais de … é bem vinda” (isto quando era simpáticos…). CAlculo que seja polémico, mas discordo totalmente desta conversa… Enfim um desabafo de uma mãe de família “metida a viajante”.

Também, e mais uma vez, como a Liciana, me preocupa essa questão do desenvolvimento destas zonas ainda preservadas. Na “minha” Santo André, vou acompanhando de longe o mesmo problema e pensado como estará quando tiver oportunidade de lá voltar. Mas aí as pessoas tomaram mesmo o destino nas suas mãos e têm conseguido “escolher” o melhor que o crescimento tem para lhes dar.
Ainda ontem entre na nova página criada pela Associação local e que há já algum tempo mantém também um blog. Para quem queira espreitar…
http://www.santoandre-bahia.com/
http://santoandre-bahia.blogspot.com/

Agora babei…

Se eu tinha alguma dúvida sobre meu próximo destino em solo brasileiro, acabou-se 🙂 É Toque!

Obrigada, Riq!

Excelente post! Moro logo ali do lado, em Recife, e agora já decidi q PRECISO conhecer tudo isso de perto, urgentemente. Engraçado, que as vezes vc fica planejando conhecer lugares distantes (acabei de voltar da patagônia) e se esquece de olhar para o lado… A grama do vizinho nem sempre é mais verde! 🙂

Excepcional o post! Me deu uma vontade… Já vou guardando para a posteridade 😉
Eu e minha atual obsessão: viagens RTW. A quem interessar possa: a Virgin Atlantic, junto com a Singapore e a Air New Zealand inventaram um novo RTW, o The Great Escapade ( http://www.thegreatescapade.com/ ). Muito interessante para quem pretende incluir Austrália e Nova Zelândia no roteiro de volta ao mundo, eles têm várias conexões. Os preços são bem bons: começam a 860 libras (que equivalem a 1763 dólares), por até 29000 milhas, na econômica, dependendo da época da viagem. A pegadinha: as viagens começam obrigatoriamente em Londres. Mas somando a passagem para lá, ainda fica competitivo… Pena que os destinos ainda são bem limitados (blé, não vão onde eu quero ;-( ), mas o site é bem espertinho, subtraindo as milhas pra você planejar direitinho a viagem.
Agora, de volta ao Camboja 😉 (ainda vou aborrecer vocês bastantinho)

Putz, show esse “postão”, Riq!

Um manual de viagem passo-a-passo pra terra do Fernandinho-que-tem-aquilo-roxo, hehehe 😎

Abrasss

Riq, arrasou no post, tá tudo aí, tintin por tintin!
Também adorei o mapinha do Dudu Cavalcante.
Legal a idéia da pousada Borapirá – pra quem tem 3 filhos como eu.
Poxa, Riq, mas não tem coisa demais acontecendo lá, não? Me arrepia um pouco a história do tal resort que querem construir, a ponte do prefeito… os pousadeiros de lá, que pelo que entendi têm uma associação, conseguem ter algum “poder” sobre o que rola na região?
Eu sei que deve ser óbvio, mas eu não estou pensando em nada parecido com monópolio não, tô falando em preservação!
Vc acha que vai dar pra garantir esse cuidado na Rota Ecológica?

Lindo, Riq! Mais uma vez, arrasou nas fotos e no texto! E também amei o mapa… 😉

Riq!

Maravilhoso…Gostaria de ir assim que terminasse o caos areo!!!

Riq, lindo mesmo!!
Até o peixe-boi apareceu nas fotos. Lembra da falação que a gente fez por causa de um turista mal educado? 🙂
Mas eu queria dizer também que eu adorei o mapa feito pelo moço, à mão.
Demais!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.