Bar Léo: o Jobi de São Paulo?

Bar Leo

Nos últimos tempos, a cidade de São Paulo criou uma grande tradição no campo dos bares tradicionais sem tradição nenhuma. Traduzindo: inventou-se uma maneira de fazer brotar bares novinhos com cara de estarem há cinqüenta anos naquele lugar onde foram inaugurados anteontem. A coisa funcionou tão bem, que a moda acabou exportada para o Rio.

Veja bem, não estou reclamando — prefiro mil vezes bares novos com jeito de antigos a bares novos que vão ficar datados daqui a seis meses.

Até porque existem poucos bares e restaurantes paulistanos realmente tradicionais que sobreviveram com dignidade.

Entre os botecos, talvez o único que continue com o prestígio inabalado seja o Bar Léo, na rua Aurora, esquina com Andradas, no Centrão. O chope ali ainda é o mais conceituado da cidade, e ninguém consegue copiar seus canapés de carne crua (Hackpeter). Fazendo uma analogia com o Rio, o Bar Léo seria o nosso Jobi-Bracarense-Bar Luiz versão três-em-um.

barleo2.jpg

Talvez o que tenha permitido ao Bar Léo chegar vivo à era dos neobotecos fake seja o fato de estar a apenas uma quadra da rua Santa Ifigênia, próspero centro de comércio de peças e eletrônicos. Não há nada como fazer pesquisa de preço de placas de memória para dar aquela vontade de tomar um chope.

barleo3.jpg

Fazia muito tempo que eu não passava por lá; fui sábado e fiquei feliz de ver que o lugar estava não apenas cheio, como também mais organizado. Há mesinhas altas e numeradas na calçada servidas por garçons; antigamente você precisava cavar um espaço nas imediações do balcão para ser atendido.

Se deu vontade de tomar o chope tirado na chopeira de porcelana do bar, vá logo — o Bar Léo entra em férias coletivas de 15 a 31 de julho. O chope custa 4 reais.

barleo4.jpg

Prost!

26 comentários

Fábio,

É isso o Clipper é o chopp e o papo depois da praia. Comida, o Bracarense dá de 10 em todos. Aquele bolinho de aipim com camarão, nhammm mucho bom. 😆 Eu também preferia o Jobi desarrumadinho com os barris do lado de fora, idem o Braca, mas vão upgreidiando, em linguagem riquiana, fazer o que ? Pelo menos o chopp não muda. 🙂

Miguel, a razão do desaparecimento dos bares (e mesmo dos restaurantes) tradicionais de São Paulo é exatamente essa fuga do Centro. O Bar Léo teve sorte de a era da informática ter preservado a Santa Ifigênia ali pertinho. O Amigo Leal (que já mudou algumas vezes de endereço) e o Barão (que eu descobri outro dia sem querer, quando estava cortando caminho entre a Pinacoteca e o Mercadão) não têm nenhum prestígio com a mídia, coitados 🙁 É por aí que eu comparei o Léo ao Jobi — é antigo e continua lembrado.

Majô, nunca fui muito fã do Clipper, mas concordo com a qualidade do chopp; acho, porém, que as comidas não estão à altura…Já em relação ao Jobi, gostava mesmo de quando havia somente barris de chopp do lado de fora e o Paiva ainda não era uma celebridade…mas confesso que não sou frequentador assíduo…

Fabio,

E o Clipper na Carlos Góis ? Típico boteco pra tomar chopp em pé. Antiiigo e não muda. O Jobi deu uma repaginada, usando terminologia muderna, e está com mesas, toalhas, mais arrumadinho, mas o chopp continua ÓTEMO. 😉

Como carioca, recomendaria os seguintes bares/chopps: Bracarense (hors-concours em todos os aspectos), Bar Lagoa (a antipatia dos garçons é pura lenda), Bar Luiz da rua da Carioca, Bar Casual (comida portuguesa excelente e barata, na Rua do Ouvidor com Travessa do Mercado, na Praça XV). Particularmente, não gosto dos McBotecos como Conversa Fiada, Devassa, Botequim Informal e congêneres, exceção feita ao Belmonte do Flamengo. Ah, recomendo tb o Picote, na Marquês de Abrantes, no Flamengo.

Mas como assim o bar vai entrar em férias coletivas? essa é a novidade…mas que eles merecem, ah, merecem!

O problema do Léo e dos outros bares que eu citei é a localização: se a Rua Aurora já assusta, as redondezas ali da Barão de Duprat não melhoram em nada. É o que há de mais trash no centro de SP, só perdem pra Cracolândia. Mas ainda acho que o chopp e a atmosfera atemporal do Léo valem a incursão, ainda mais se for pra fuçar alguma coisa na Sta. Ifigênia.
Mas os neo-butecos não são todos ruins. O Filial, na Vila Madalena é excelente, fica lotado todo dia…

Riq, andei sumido ( mas acompanhando) e também quero compartilhar os parabens a Sylvia ( pela dedicação e nível de conhecimento. Além de publicar o livro, deveria abrir uma agência virtual de ¨aconselhamento de viagens¨) e ao nosso VnV pelo semi-aniversário e pelos posts que estão cada vez melhores e mais diversificados. E aproveitando pra cobrar, cadê o post sobre St Martin ? A minha ida está cada vez mais próxima (16/07).

Aii que chopp bonito… ;~
por incrivel que pareça, essa modinha de bar com cara de boteco antigo tá pegando até aqui pelo nordeste.
eu ja disse que esse chopp tá muito apetitoso?
ai deu uma sede..

Ihhh!!!
Descobri o que uma parte da minha turma de mergulho estava fazendo no sábado…..
Foram flagrados pela sua máquina,rs,rs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.