Bourgogne pra Silvia R.

Place Darcy, Dijon

A Sílvia Reis, com razão, achou falta de material sobre a Bourgogne no site. Ela está indo agora no final de março e vai fazer uma viagem de carro por 10 dias pelo nordeste da França, passando também por Champagne e Alsácia.

Vou pedir ajuda aos trips, porque nunca estive por lá nem estudei a região o suficiente.

Mas não vou deixar de dar meus pitacos. Silvia, vai ser difícil encaixar tudo o que você vai descobrir sobre a Bourgogne nos três dias que você vai ficar na região. Para a viagem dar certo, você vai ter que selecionar o que absolutamente lhe encantar mais, levando em conta que um dia de turista raramente tem mais do que doze horas e que existem deslocamentos e refeições a serem feitos durante esse tempo.

Você pode montar base em Dijon ou em Beaune (a capital dos vinhos, a 45 km de Dijon), ou em qualquer vilarejo da Côte d’Or, que é como se chama o département que é o filé mignon da região.

Aí vão algumas fontes de pesquisa para você se inspirar:

Site oficial da Bourgogne

Site oficial de Dijon

Site oficial de Beaune

Bourgogne no New York Times

Dijon no New York Times

Beaune no New York Times

Quem já esteve na Bourgogne? Pode ajudar a destrinchar essa viagem pra Silvia? O que você faria se tivesse três ou quatro dias na região?

Merci!

Foto da Place Darcy de Dijon gentilmente surrupiada daqui.

Leia também:

Tim, tim: bate-volta de Paris à Champagne em TGV

O viajão da Lu: Baviera, Alsácia, Rota Romântica e Berlim

Isabel O. pela França: Dordogne, Bretagne, Normandia e Vale do Loire

76 comentários

Boa tarde!
Ficaremos 3 dias em Colmar e 2 dias em Beaune em outubro/2012, estamos receosos de dirigir após as degustações, vocês saberiam nos indicar agências de Wine Tours nestas cidades?
Desde já agradeço!

    Olá, Fernando! Não temos essa informação. Vamos pôr a pergunta no Perguntódromo e ver quem pode indicar; as respostas aparecerão aqui. Mas normalmente isso é bastante fácil de conseguir ao chegar, ou simplesmente contactando o seu hotel antes de viajar.

Olá amigos, tenho treze dias livres na França no mês de maio. Gostaria de percorrer as regiões de Champagne, Alsácia e Borgonha.Todos os prazeres da boa mesa me interessam, bem como a história e cultura dessa regiões. Sei que é pouco tempo para tantas atrações, por isso recorro aos mais experientes para preencher esses dias livres. Desde já agradeço a ajuda.

Raisa, ficamos três noites em Beaune, em 2.007, num hotel encantdor, chamado Hotel Grillon. De lá fomos um dia a Dijon, e almoçamos num restaurante chamado La Dame d’Aquitaine; não saberia dar a direção dele, mas é central e acho que vai ser fácil encontrar. A comida é, sem pretensões, divina. Fica numa espécie de cave, subsolo de um edifício muito antigo. Ande em volta, e vai achar uma igreja com um carrilhão fantástico. Modestamente, é a minha contribuição. Boa viagem!

Acabei de colocar um post com um roteiro de 25 dias de carro pela França. Confiram parte da Borgonha.

http://www.passandoaviagem.blogspot.com/2012/01/roteiro-tour-de-france-25-dias-de-carro.html

Acho melhor sair de Dijon, se estiver indo para Lyon. Beaune é uma gracinha mesmo, mas para fazer a rota dos vinhos fica mais fácil. E Dijon também é linda – e com mais opções, só vá direto para centre ville. Também acho a culinária de Dijon mais interessante do que a de Lyon, mesmo que esta última seja mais tradicional, com seus bouchons, para quem não está acostumado pode ser um pouco demais.
bjs,
PAV

Olá! Vendo vocês comentando sobre Dijon, tenho uma dúvida!
Em maio, farei uma viagem grande pela Europa e, de Paris, irei direto para Lucerna, na Suíça. Olhando os trechos de trem, vou ter que fazer escala em Dijon ou Lyon. Me recomendaram, portanto, dar uma passeadinha rápida para almoço em uma dessas cidades. Agora estou em dúvida entre qual! Alguém aí saberia me dizer? Dijon X Lyon para um rápido almoço. Quem ganha? rs.

    Olá, Raisa! Dijon é menorzinha, Lyon é mais monumental. As duas se encaixam no projeto pit stop. Vamos colocar a pergunta no Perguntódromo para ver se tem gente que conhece as duas e pode dar uma opinião abalizada 😀

    Eu não conheço Lyon, mas as melhores refeições da minha vida foram em Dijon. Eu ficaria por lá (não fosse um pit-stop, eu ainda pegaria um TER rapidinho a Nuits St. Georges e almoçaria no La Cabotte).

    Carla, obrigada pela dica! Você se lembra do restaurante onde você teve essa refeição tão maravilhosa?? Fiquei interessada!

    Em Dijon? Tem uma brasserie meio balada chamada L’Imprimerie, mas só abre a noite. E tem o restaurante Porte Guillaume, do Hotel du Nord http://www.hotel-nord.fr/restaurant-dijon-centre.html que abre o dia todo (e ainda tem uma maitre portuguesa). É perto da estação (deve dar uns dez minutos de caminhada, seguindo a trilha das corujinhas) e tem boquinha no guia michelin. (E lá comemos escargot, porque na Borgonha come-se escargot a três por quatro).

    Fazer pit-stop em Lyon indo para Luzern é muito fora de mão! A rota “normal” seria um trem para Basel e de lá outro rápido para Luzern. Indo via Lyon, vc precisa depois voltar para Genève, e depois ir até Luzern. Acho que não justifica o tempo extra.

    Lyon sem dúvida é uma cidade lindíssima e o povo muito simpático.

    Raisa, moro em Dijon e conheço bem Lyon. Diria que um pit stop em Dijon para um almoço seria mais recomendável: a cidade é menor, está mais no caminho, é mais autêntica, e linda! Se vc quiser um restaurante gastronômico bom, recomendo o Chapeau Rouge (meu preferido, cozinha moderna, 1 estrela) ou o Le Pré Aux Clercs (também 1 estrela, mas cozinha mais tradicioinal). Os dois ficam no centro histórico, é possível ir a pé saindo da estação de trem.

Olá pessoal! Alguma dica de roteiro gastronômico em LYON com aulas de curta duração para não-profissionais?
Obrigada

Silvia,
Ano passado fiz um bate e volta na região da champagne, fui em Setembro, época excelente, eu estava em Paris peguei o trem de alta velocidade maravilhoso, que parou em Reims, aí fizemos um tour pela cathedral, pelo centro, lanchamos, e depois pegamos outro trem para Eperney, onde fica localizada a cave MOET & CHANDON, onde fizemos um tour guiado por toda a cave com direito a degustação no final, foi 22 euros, mas explicam todo o processo de fabricação do champagne como eu tinha tempo limitado fiz o bate e volta com o trem de alta velocidade e foi muito proveitoso, mas se tem tempo pra permanecer, recomendo ficar de 2 a 3 dias, e tem uma cidade chamada TROYER que vale muito a pena conhecer.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.