Budapeste, com afeto: as dicas da Ali 1

Budapeste, com afeto: as dicas da Ali

Budapeste

O itinerário básico de viagem pela Europa Central, segundo a recomendação do Comandante, segue esta exata ordem: Budapeste, Viena, Praga e Berlim. É um roteiro que faz sentido em termos práticos, com deslocamentos mais inteligentes, e que deixa para o final as cidades pelas quais se costuma ter mais expectativas.

A Ali foi para esta região, mas experimentou um outro roteiro: Budapeste, um desvio para Berlim, Dresden e Praga (a viagem ainda continuou rumo a Londres). A capital da Hungria surpreendeu a Ali, que sem rodeios assume ter se encantado mais por Budapeste do que por Praga. Quer saber por quê? Vai por ela:

Texto e fotos | Ali

Roteiro

Pavilhão dos pescadores, Budapeste


Eu segui uma receitinha diferente e contra-intuitiva, mas que deu super certo. Primeiro, eu fiz o que todo mundo diz ser necessário fazer: comecei por Budapeste. Não queria correr o risco de ter um sentimento de anti-clímax durante a viagem. Mas também não estava a fim de passar pela adrenalina de comprar as passagens de trem apenas ao chegar lá, em alta temporada. Fui então para Berlim de Easy Jet (foi bem baratinha a passagem) e de lá segui de trem para Dresden (2 horas), onde passei uma noite, e de Dresden segui para Praga (2 horas e meia).

Dessa experiência extraí a seguinte lição: trem, no verão, só em primeira classe. O trem de Berlim para Dresden, que vinha precisamente de Budapeste, estava super-hiper-mega lotado. O perrengue só não foi maior porque o trajeto era curto. As pessoas e as malas viajavam amontoadas no corredor. Eu tinha pago reserva dos assentos, mas não consegui chegar até eles porque havia um amontoado de malas empilhadas e mochileiros dormindo no corredor. A gente viajou sentado em cima das mossas malas na entrada do trem. Uma aventura, para dizer com olhos otimistas.

Ao chegar em Dresden troquei as passagens do dia seguinte para a primeira classe. Vale cada centavo. No verão, não hesite: compre a passagem de trem de primeira classe. É perrengue-free.

Viena ficou para uma próxima vez, quando eu for à Suíça. Ao pesquisar os preços dos hotéis, achei todos caros demais e considerei, ainda, que o roteiro ficaria excessivamente repetitivo. Resolvi passar os últimos dias em Londres (hotéis no mesmo valor de Viena).

Budapeste x Praga

Ao contrário de 95% dos turistas, eu prefiro Budapeste a Praga.

Não há como discutir que a beleza de Praga é de tirar o folêgo. É realmente embasbacante. Mas a vibe de Budapeste, na minha opinião, é muito melhor. Eu poderia ficar uns 10 dias por lá. Parece Paris uns 15 anos atrás, quando era possível flanar e ter a sensação de que certos recantos tinham sido descobertos por você.

Budapeste é mais espalhada. Isso é uma vantagem e uma desvantagem. A desvantagem é que você não tem a sensação nossa-vi-tanta-coisa-em-tão-pouco-tempo que Praga proporciona. A vantagem é que nenhuma atração fica apinhada de gente. Andar na rua em Budapeste é uma experiência mais autêntica do que em Praga. Comer em Budapeste é mais fácil. Considero comer em uma cidade fácil quando consigo acertar mais de uma vez apenas seguindo minha intuição, sem precisar devorar todos os guias.

Não me senti numa festa no formigueiro. Em Praga, por vezes, parecia que eu estava na Disney, que aquilo tudo não era de verdade. Em alguns momentos tive a sensação de estar num parque temático do Leste. Claro que isso foi influenciado pela estação. Will Tizard, que vive em Praga desde 1994, diz que a melhor época para conhecer a cidade é o outono.

Budapeste no verão é alegre, mas não é superlotada, apesar de ser a sexta cidade mais visitada da Europa.

Enfim, me apaixonei por Budapeste.

Dicas de Budapeste

Importante dizer o seguinte sobre táxi em Budapeste. Para quem chega de avião, o aeroporto opera apenas com uma empresa de táxi chamada Fötaxi, que possui balcões na saída dos terminais. (A foto que aparece no site é do balcão que funciona no aeroporto.) Eles estão trabalhando com tarifas fixas, que são as mais baixas de Budapeste. Outra opção é o serviço de shuttle Minibusz do aeroporto que custa 3200 HUF ou 11 euros por pessoa. É logo na saída do controle de passaporte e não precisa de reserva.

Não precisei usar táxi em Budapeste porque o transporte público é eficiente e andei muito a pé, mas para pegar na rua ou chamar por telefone também li relatos na internet recomendando a Fötaxi.

Fiquei no InterContinental Budapest, com uma vista soberba. Pena que o hotel por fora é feio e destoa da cidade.

Gostei de passear e ver vitrines na badalada Váci utca, mas os restaurantes dessa região têm um jeitão mais turístico. Os restaurantes freqüentados pelos locais ficam nas ruas que circundam a Basílica, em torno da Szent István tér (praça Szent István). Ao menos no verão, a noite lá é bem animada. As opções de bons restaurantes são inúmeras, dá para escolher na intuição.

Os Meninos da Rua PauloRoda-gigante da praça Erzsébet

A praça Erzsébet fica lotada de gente jovem, há vários bares, barracas e uma roda-gigante no verão.

Ah, por fim, tive uma refeição memorável nesse italiano: Tom George.

Muito obrigada, Ali!

Leia mais:

52 comentários

Olá!
Tenho 15 dias para viajar em outubro. Pretendo ir para Berlim, Budapeste, Zurique (Lucerna e Berna) e fazer um pit stop em Lisboa. Quantos dias vc sugere em cada cidade, já que em Berlim terei que ficar 4 dias inteiros. Qual o melhor meio de transporte de Budapeste/Zurique: avião ou trem?
Obrigada, Angélica

Conheci Budapeste, no mês passado e também me apaixonei, linda demais. Castelo, Rio Danúbio, as pontes etc…
Praga é amor antigo kkkk

Muito bacana e explicativo seus comentários em breve vou viajar por muitos países realizar meu grande sonho vou seguir sed conselho muitíssimo grata!

Visitei Budapeste e fiquei muito surpresa com a cidade. Não esperava tanto! A Opera, o Parlamento e o passeio pelo Danúbio a noite são maravilhosos! O Parlamento parece uma jóia. A Opera e o museu do Holocausto são verdadeiras aulas de História!

Boa noite!
Mais uma vez, estou usando o VnV no planejamento de minhas viagens e adorando!
Pretendo ir com duas amigas, que nunca viajaram, à Budapeste, Viena, Praga, Berlim e passar mais 10 dias na casa de outra amiga que mora em Hanover/Alemanha.
Teremos que viajar em julho/2017 por motivo de férias, mês que particularmente não aprecio mas é o que temos.
Sempre viajei na companhia de meu marido e, em 2017, faremos uma viagem só de amigas.
Hoje um amigo me desanimou, dizendo que o Leste Europeu com trens lotados no verão e etc não é para mulheres inexperientes.
Gostaria de ouvir opiniões.
Obrigada!!!!

    Olá, Celia! Minha opinião: seu amigo é um chato de galocha. Quantas horas dos seus 7, 15 ou 21 dias de férias você passará em trens? Ele decerto prefere que você viaje em janeiro, quando anoitece às 4 da tarde, você não consegue passar mais de 30 minutos corridos ao ar livre e todas as fotos saem cinza…

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.