Caracteres

Minha crônica no Guia do Estadão de hoje.

failwhale

O problema de explicar o Twitter é que o release inicial foi malfeito. Como assim, o Twitter é um “serviço de microblog”? Quem escreveu isso certamente nunca teve blog. As duas coisas podem até ter alguma ligação, mas são tão diferentes quanto o caju e a castanha.

É muito difícil resumir o Twitter numa definição que caiba em 140 caracteres. Basicamente porque o Twitter pode ser, sei lá, mil coisas. O máximo que alguém pode fazer é definir o que seja o Twitter na sua experiência particular. Ou então, num ataque de pretensão, dizer qual seria, no seu entender, o melhor uso do Twitter.

Pois bem. Eu vou dizer qual é, no meu entender, o melhor uso do Twitter.

Para mim o Twitter é o brinquedinho que promove qualquer um à função mais importante da sociedade da informação: a função de editor.

Nunca você teve tanto poder de editar a informação que consome. No Twitter, quem decide o grau de utilidade e de futilidade do que quer saber é você mesmo. Milhares de produtores e distribuidores de informação estão ao seu alcance – inclusive, por que não, os jornais, revistas, sites e blogs de sua preferência.

Quando você decide “seguir” alguém (ou “algum perfil”, no jargão da coisa), na verdade você está fazendo uma assinatura do conteúdo que essa pessoa (“esse perfil”) produz ou distribui. Uma assinatura que pode ser interrompida a qualquer instante, se você parar de achar suficientemente útil ou fútil o que lê.

Do arroto do bebê recém-nascido da sua amiga à morte do Michael Jackson, tudo sai primeiro no Twitter. E só as notícias realmente relevantes – seja a queda do avião no oceano, seja a surra de Melissa Cadore em Yvonne – continuam reperticundo por mais do que algumas horas.

(No Twitter tem de tudo, menos notícia velha.)

Se a essa altura do segundo tempo você ainda não aderiu ao Twitter, é porque deve ter entrado por cinco minutos e não entendido nada. É normal. Mas aceita um conselho? Tente de novo.

Para começar, não precisa escrever nada. Siga (assine) seus amigos e suas fontes preferidas de informação e diversão. Veja quem eles estão seguindo (assinando) e aumente seu cardápio. Preste atenção em quem eles retuítam – a retuitagem é a mais importante forma de edição no Twitter.

Rapidinho você vai entender para que esse troço serve. Aos poucos, você vai disparar menos emails. Vai aposentar os power-points. Vai tornar seu blog mais relevante. E quando se der conta, terá se transformado num editor.

56 comentários

Não sei se resume o Twitter, mas cá está a coluna resumida em 136 caracteres: “O Twitter, microblog, pode ser mil coisas. Experiência particular, brinquedinho de editor. Informação ao seu alcance, sem notícia velha.”

Bem a propósito sua crônica. “O Twitter libera o redator de diários que há em cada um dos seus 14 milhões de usuários, que visitaram o site 99 milhões de vezes no mês passado para ler mensagens digitadas em telefones celulares ou computadores. Analisadas individualmente, muitos dessas mensagens, ou “tweets”, de 140 caracteres parecem vazias.” (New York Times, em “Encontrando uma utilidade no emaranhado de pensamentos do Twitter”).

Em 2006, quando o Twitter estava apenas começando, os três homens sentiram um pequeno terremoto em São Francisco. Cada um pegou o seu telefone para fazer um tweet sobre o fato e descobriu tweets de outras pessoas na cidade. Naquele momento, ocorreu a eles que o Twitter poderia ser mais útil para uma outra coisa – uma reportagem de primeira página, não apenas para amigos, mas para todos que a lessem.

O Twiter é algo assim como uma espécie de Web 2.0, uma rede paralela, de pessoas (em nosso caso, viajantes) plugadas e reunídas numa comunidade de colaboração e relacionamento on line. Pode-se igualmente compará-la ao resultado de um misto de MySpace, de Orkut, de MSN, de Yahoo Respostas e de E-mail, todavia é fundamentalmente um meio de estar “hiper-conectado”.

Pode ser uma ferramenta de emergência em tempo-real, tanto quanto pode ser uma de comunicação sem nenhuma emergência ou importância. Pode ser encarado também como um tira-dúvidas expresso, ou com uso semelhante ao de um telefone celular, só que conectado a uma rede de usuários, não apenas ao outro número com o qual se fala.

HÁ exemplos surpreendentes e curiosos de como o Twitter está crescendo e poderá chegar até mesmo a um lugar onde ainda não conseguimos enxergar: a Cidade de Portland, Oregon – USA, tornou-se a primeira cidade nos Estados Unidos a lançar seu programa oficial denominado “Twisitor Center”, que conecta os seus visitantes com aqueles que podem responder questões relacionadas a viagens à cidade.

É possível imaginar o Twitter como uma plataforma de procura na Internet? Só o tempo dirá, mas uma coisa é certa: o Twitter está mudando a blogosfera. E mais – para aqueles atentos ao que acontece com o mundo da Internet e como o seu conteúdo é divulgado – o Google, o Yahoo e a Microsoft já olham para o Twitter como um potencial concorrente no mercado das Search Engines. Recentemente seu criador deixou de vendê-lo por exorbitantes milhões de dólares, por certo porque sabe que valerá bilhões, como são essas coisas no mundo da Internet. Essas gigantes da Internet já sabem como uma nova plataforma como o Twitter – cujo crescimento foi de 900% no último ano – pode afetar em curto prazo as três maiores do mercado.

Os médicos já usam o Twitter para pedir ajuda e compartilhar informações sobre os seus procedimentos. No Hospital Henry Ford, em Detroit, cirurgiões e médicos residentes trocaram “tweets” durante uma operação recente para a remoção de um tumor cerebral de um homem de 47 anos de idade que sofria de convulsões. (New York Times, em “Encontrando uma utilidade no emaranhado de pensamentos do Twitter”).

Elas usam um sistema algorítimico gigantesco de recuperação de dados na rede. O Twitter – ao contrário dos sites de procura – pode vir a ser uma ferramenta de informações relevantes e bem mais precisas, baseada em “colaboradores” on line, uma espécie de Web 3.0. Não sem motivos o market share das três grandes foi dividido com a pequenina Twitter. Não me espantarei se em breve o Twitter aparecer nos noticiários como “A Aquisição da Década”!

E VIVA o TWITTER

    FONTE: “Viagens 2.0 – Ou como a Internet mudou nossas viagens”

    Lá no Fatos & FOtos de Viagens

E eu ainda não entendi como faço para acompanhar todas as tuitadas. Será que instalei errado o twitter.com? Por quê não aparece no twitter.com/maluparis a conversa de quem eu estou seguindo? Oh! vida! Que página devo deixar aberta para acompanhar? Podem rir mas quem pode me dar um Help? O texto da crônica do Estadão de hoje me deixou com mais vontade de entender essa coisa toda. Thanks para os da Bóia.

    Não adianta deixar a página aberta, Malu; tem que dar “reload” (ou clicar em “home” de vez em quando), porque a conversa não se atualiza automaticamente, não. (A não ser que você instale um programa como o Tweetdeck, que vai atualizando as tuitadas em tempo real).

    Só aparecem as conversas paralelas entre duas pessoas que você esteja seguindo. As conversas paralelas entre uma pessoa que você segue e outra que você não segue não aparecem.

    Siga mais gente, que fica mais interessante! Depois você dá “unfollow” em quem você não gostar, não se acanhe não 🙂

    Oi Ricardo, já que vc resolveu ajudar os ainda ignorantes no assunto… help! To apanhando pra caraca, não sei o que posso ou não fazer… por exemplo, se eu quiser escrever algo pra vc eu não posso a não ser que vc também me siga? É isso?
    Sorry novamente, não tenho a menor pretensão de torná-lo professor de twitter, até porque a-d-o-r-o sua(s) viagem(ns).
    Tks!! 😉

    Fabiana, só pessoas que se seguem mutuamente podem enviar DMs — direct messages, que são mais ou menos como emails, só que pelo Twitter, e limitadas a 140 caracteres. A DM só é lida pela pessoa a quem é endereçada.

    É possível mandar uma mensagem aberta para qualquer pessoa que tenha Twitter, siga ela você ou não. Se você começar a frase com a arroba da pessoa (no meu caso, @riqfreire; no caso do Luciano Huck, @luckhuciano, haha), a mensagem vai ser lida apenas por essa pessoa (caso consulte a sua página de “replies”) e também pelas pessoas que coincidam de seguir tanto você quanto a pessoa a quem você enviou a mensagem.

    Se você colocar a arroba no meio do texto, a mensagem vai ser lida por todo mundo que te segue e pela pessoa mencionada (desde que ela se dê ao trabalho de ler a página “reply”. O @huckluciano, que tem 650.000 seguidores e milhares de gentes mandando mensagens, não deve ir nessa página muito seguidamente, não… Eu vou sempre.)

    Obrigada, Ricardo! Não querendo mas já te fazendo de professor de twitter, só mais uma perguntinha: e como, então, eu consigo ler todos os posts do seu twitter? (juro que depois desta eu paro…).

    Depois de registrada, é só entrar na página de quem você quer ver todos os tuítes e continuar clicando ao pé da página em busca dos tuítes anteriores.

    Mas esse não é um bom uso do twitter, não. VocÊ vai ver que no dia a dia você quase não vai fazer isso. Os tuítes das pessoas que você segue vão ficar armazenados na sua página — se você quiser ver os antigos é só ir clicando ao pé dela.

    Entre e use. O twitter é intuitivo e você vai aprender na prática.

    Com certeza, a prática é tudo! Gradicida pelas dicas, agora continuo acompanhando seu blog e twitter. E vou deixar o twitter me levar…

Belo conceito. Na pratica, porém os brasileiros utilizam como qualquer outro serviço da web: para se expor e transformar em feira.

Mto bom! Vou espalhar pros que sempre me abordam com a tríplice pergunta sobre o serviço: “o que é, pra que serve e como utilizar o Twitter?”

Perfeito, Riq!!! Já gastei muita saliva tentando explicar pra muita gente o Twitter! Vou mandar tua coluna pra todo mundo! Afffe povinho mais resistente a novas tecnologias…. rssss…
Beijo!

Um colega meu definiu o Twitter assim:

O Twitter junta a futilidade do Orkut com a velocidade do MSN.

E eu concordei com ele 😛 Mas hoje vejo que o Twitter consegue ser mais que isso. Eu até ganhei um ingresso pra ver a exposição sobre o Michael Jackson no Grammy Museum em LA… Problema é não ter viagem marcada pra lá 🙁

Alguém quer esses ingressos?

Adoravel! Ja estou encaminhando por email para os amigos que ainda nao aderiram ao Twitter (em 140 caracteres! :mrgreen:)

Pois é… está difícil não aderir a esta coisa… Até os bancos e corretoras já aderiram!!
Eu que já estava pensando em suspender a assinatura de jornal impresso, para ficar apenas com a edição eletrônica, mudei recentemente de idéia, pois os efeitos da luzinha do monitor na minha visão têm sido terríveis. Achei que tinha que diminuir as horas olhando para telas e telinhas, mas a coisa só aumenta!! Vou acabar cega e aí não leio mais nada!! Nem no papel , nem no vídeo 🙄

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.