Charada da 6a.: desde 1877 (veja a resposta!)

Charada de 11 de fevereiro de 2011

Este lugar está esperando a sua visita há 134 124 134 anos. Onde fica?

Dê um chute expresso (ou seria espresso?)  na caixa de comentários e ganhe a posse temporária do Troféu da Bóia. Três, dois, um, valendo!

RESPOSTA:

Assim já é demais. Há limites para a despistagem. Tipo assim: o blogueiro pode escrever espresso com “s” para levar o leitorado a pensar que está falando de um café na Itália. Não, não é o caso deste café — mas a grafia certa de espresso deveria ser essa em todos os idiomas, porque com “x”, tanto em português quanto em espanhol, parece que a gente está pedindo um café “rápido”, quando o que os italianos querem dizer é que o café deles é “esprimido” (comprimido, prensado, extraído). Ou seja, essa pegadinha vale. Mas errar… a data? Não pode não, Arnaldo! Durante a primeira hora da charada, o número ali do título estava “1887”, uma informação que levaria a achar outros cafés. Só depois de alertado é que corrigi para 1877, a data certa. Se essas charadas valessem prêmio (ei! boa idéia!), a desta semana seria impugnada — e ainda levaria o blogueiro aos tribunais. A verdade é que entre a edição da foto (para não aparecer o logotipo do café no espelho) e a publicação do post eu acabei comendo 10 anos de idade do… Café Brasilero, uma instituição da Ciudad Vieja em Montevidéu. Mesmo com toda essa confusão, não é que a charada teve um acertador logo no começo? Foi o Fabio Teixeira, que chutou com uma interrogaçãozinha, mas manteve o palpite mesmo enquanto a data ainda estava errada. As menções honrosas vão pro Rodrigo Barneche, o primeiro a confirmar a resposta, e pro Igor, que se lembrou de que eu já tinha tuitado essa mesma charada ao vivo quando estive por lá e encontrei uma rede wifi aberta :mrgreen: Parabéns, Fabio! Obrigado, pessoal! Semana que vem tem mais — e espero, sem erros de formulação… 😳

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


25 comentários

Riq, aproveito a oportunidade – já que você mencionou a palavra expresso – de lançar nesse blog querido um protesto contra a extinção do nosso cafézinho(de cuador), depois da refeições, nos restaurantes. Não sei dos outros lugares, mas no Rio de Janeiro, é “expresso” em qualquer restaurante.

É um absurdo um país produtor de café há séculos se render à forma italiana de tomar café. Uma vez ou outra, até seria interessante um expresso, mas pelo menos aqui no Rio, exceto por padarias e botequins, não se oferece mais um cafézinho “normal” depois da refeição.

Resolvi boicoitar o café expresso como única opção de café. E tenho mostrado minha contrariedade em restaurantes.

Contra a ditadura do café expresso! Vida longa ao nosso “cafézinho”!

(espero não estar muito off-topic)

    A exceção que confirma a regra. Valeu pela dica, Riq, vou prestigiar quem serve cafézinho “comme il faut”, ou seja à brasileira.

    Riq, percebi que o coador quase se transformou num palavrão no meu post anterior. Foi mal…

se não for no Brasil, é frequentado por brasileiros. Pq a cara do tiozinho de camisa branca não deixa duvidas: ele é um dos nossos.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.