Charada da 6a.: ex-ilha (veja a explicação!)

Charada de 4 de janeiro de 2013

Na hierarquia dos acidentes geográficos, as ilhas disputam com as montanhas quem tem o maior status. Montanhas são masculinas, exalam força e poder — mas ilhas seduzem com charme e mistério, como as mulheres.

No século retrasado aconteceu de unirem esta ilha da foto ao continente. O mundo perdia uma ilha, aquele pedaço de terra perdia seu status de acidente geográfico especial — mas em compensação a gente ganhava uma charada.

Onde fica essa ex-ilha? Como se chega? O que dá para fazer por lá?

Caso vocês não descubram, não tem problema: junto com a foto veio um guia completo, que publico amanhã.

Valendo!

RESPOSTA:

RAPHA
RAPHA

Haha! O Philipp gentilmente declinou de ganhar, mas o Troféu da Bóia foi para outro habituê das charadas: o Rapha de Floripa: é Marken, na Holanda.

O JB completou, dando a dica de como se chega: de ônibus, saindo da estação Centraal em Amsterdã, ou de barco, desde Volendam.

(O Gabe Britto tentou chegar de bicicleta, mas o A. L. acha que é melhor alugar uma por lá.).

Mas deixo para o A.L., que mandou a foto, o guia completo do pedaço:

Marken é uma ex-ilha na Holanda, que foi unida ao continente em 1870. Atualmente, é um distrito da municipalidade Waterland, e faz companhia às (muito mais) famosas Volendam e Monnickendam. Até a conclusão do dique Afsluitdijk em 1932, toda a ilha era sujeita a inundações periódicas, e as casas eram construídas em um sistema muito parecido com o de palafitas amazônicas, apear da distância. Hoje, o “andar de baixo” não está mais sujeito a alagamento e foi ocupado por expansões das casas — uma expansão para baixo, e não para cima.

Para quem gosta de fotografia e da ideia de “vila-pitoresca-que-parece-cenário-de-filme”, Marken é imbatível. A vila tem um número considerável de habitantes para seu tamanho, e tem fazendas que funcionam como tal, incluindo ovelhas com sinos e campos de pastagem impecavelmente bem cuidados.

De Marken partem barcos a cada meia hora que fazem o trajeto até Volendam. As tarifas giram em torno de 13 euros ida-e-volta, Os portos nas duas cidades são extremamente fotogênicos. Durante o verão, a travessia (que demora 25 minutos) é pontilhada por veleiros e outros barcos recreativos

A foto da charada não é de uma residência, mas de um anexo de verão. São duas construções rústicas que servem, por exemplo, para acomodar parentes que vem visitar no verão e semi-acampam no fundo de casa (as residências holandesas tradicionais não tem espaço para visitas). Em cidades pequenas e médias na Holanda, as casas, mesmo de famílias mais abastadas não são grandes. Historicamente, manter um jardim impecável e bem cuidado era uma forma de famílias mais nobres demonstrarem seu status, juntamente com janelas floridas e salas que ficam à mostra com cortinas abertas quando não em uso pelos moradores. Hoje, o passatempo é democrático, e é só chegar a primavera e as vilas e cidadediznhas holandesas ficam todas bem produzidas.

Como visitar: dá para ir de ônibus desde Amsterdam até Marken em 38 minutos. A forma mais legal de visitar Marken é combiná-la com Volendam (ônibus desde Amsterdam + barco Marken-Volendam + ônibus de volta a Amsterdam) em um day-trip panorãmico. Embora a Marken tenha um fluxo turístico considerável, a península tem outras 4 micro-vilas onde a muvuca é mínima. Basta caminhar 15-20 minutos, em um percurso muito agradável, até o farol, retornando pelo outro vértice do “triângulo” formado lá. É possível alugar bicicletas por lá, e muito fácil andar pela península toda que é plana e tem tráfego restrito de carros e três ciclovias.

Parabéns, Rapha! Obrigado, A. L.! (JB, manda teu endereço pra mim, pra eu te incluir na remessa postaliana) Semana que vem tem mais!

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


17 comentários

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.