Compras na Black Friday: já encarou? Conta pra gente!

Black Friday

Todos os anos, na sexta-feira que sucede o Dia de Ação de Graças (que, como o nosso Corpus Christi, sempre cai na quinta), acontece nos Estados Unidos o maior dia de loucura de compras do ano: a Black Friday.

Este ano o forrobodó comprístico vai acontecer dia 25 de novembro.

A Black Friday é o dia em que se dá a largada para a temporada de compras natalinas. As lojas fazem grandes ofertas especiais para o dia. Algumas dessas ofertas só valem nas primeiras horas de funcionamento, então muita gente passa a noite no frio esperando as portas abrirem. Algumas lojas abrem às 4 ou 5 da manhã; outras à meia-noite; outras no horário normal.


Você já se animou a enfrentar a turba na caça aos descontos? Valeu a pena?

Se bem que a pergunta mais freqüente aqui no site não é nem essa. Muitos leitores caem aqui mortos de medo de um desabastecimento súbito. Afinal, SOBRA ALGUMA COISA depois da Black Friday?

(A propósito, perguntam isso a respeito de qualquer liquidaçãozinha ao longo do ano.)

Vejam bem — eu não sou nenhum especialista no assunto. Mas daqui de fora me parece que a única marca que trabalha com a escassez de produtos como estratégia de marketing e vendas é a Apple. Não acredito que você volte dos Estados Unidos de mãos abanando, não.

De todo modo, repasso a pergunta para vocês. Alguém aí já se deu mal por deixar para fazer compras depois da Black Friday?

Thank you very much!

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email
Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


97 comentários

Estou preciando comprar uma televisão de 50″. Estou indo para NY em novembro. Será que consigo trazer, alguem tem experíencia de ter trazido algo assim. Me ajudem!!!!Obrigada.

    Chris,

    Entre no site da companhia aérea. Cada empresa tem uma política diferente em relação à bagagem fora do tamanho padrão. A TAM por exemplo cobra uma taxa de 450 dólares para transportar aparelhos de televisão acima de 26 polegadas e com até 45 quilos de peso.

    Abraços.
    Tania

    E lembre-se de declarar, para não pagar multa, se custar mais de U$500.

    Fora que a codificacao da TV eh diferente pra funcionar no Brasil, da uma pesquisada antes. Minha mae levou uma e soh funcionava branco e preto, precisa de um decoder ou fazer umas alteracoes malucas la.

    Bem lembrado. O Brasil usa o padrão japonês para TV digital, não o americano.

    Chris, pq vc não compra um projetor? Eu pessoalmente acredito ser muito melhor (e mais portatil que uma TV tão grande. TVs deste tamanho normalmente são para uso em Home Theatre, e para isto vc terá uma sala com luminosidade controlada, pq então não ter algo que projeto até mais 120″!!!!????

    Inclusive agora com a tecnologia LED, vc não vai precisar se preocupar com comprar lampadas.

    Se este for seu caminho pesquise em foruns especificos como o http://www.htforum.com.br, http://www.avsforum.com (americano) e http://www.cinetson.org (frances).

    Dá uma olhada no Vivitek Qumi Q2, Optoma ML500, Acer K330. E se quiser algo com muito brilho o BenQ w700. Projetores são MUITO mais portáteis que a TV, e alguns destes são realmente pequenos…

    Pq não um projetor? Muito mais portátil e pode obter algo como 120″… Não substitui uma TV, mas não vai ter dor de cabeça com transporte. E com a tecnologia de projeção por LED melhorando, não vai se preocupar com lampadas.

    Pesquise o Vivitek Qumi Q2, Acer K330 ou Optoma ML500, que estão sendo lançados agora ou até novembro, todos precisam de ambiente com luminosidade bem controlada. Se quiser algo de muito brilho o BenQ w700. Fica minha dica, não tenho TV faz um bom tempo, com o meu QUMI, minha tv vai quase que no meu bolso…

    http://www.myqumi.com/

    Todas as cias. aéreas que eu já consultei tem taxas pesadíssimas para trazer TVs grandes. Além disso, tem vários “senões” em termos da cia. aérea ser pouco ou nada responsável em cado de danos pelo manuseio “típico” das mesmas. Aí, para ter seguro amplo e tudo o mais, vc tem de mandar como carga, mas o procedimento de desembaraço aduaneiro fica mais complicado.

    Se fosse vc, traria o projetor, é mais negócio que a TV. Além das pesadas taxas das cias aéreas, existe o risco da sua tv se extraviar, ser roubada ou quebrada. Aí é dor de cabeça na certa. E nem pensar em tentar burlar a Receita, já que este “pequeno” volume não passará desapercebido pelos fiscais.

    Eu também compraria um projetor caso fosse levar para outro país..
    Quando morávamos em Cingapura namoravamos a LED 50″da Samsumg, quando descobrimos que seriamos transferidos para os EUA desistimos de comprar lá para comprar aqui.. Esperamos até a Black Friday, e só quando estávamos quase fechando o negócio descobrimos que os modelos vendidos nos EUA são apenas 110V e opera apenas no sistema ATSC que funciona apenas na América do Norte, Coréia e alguns paises da américa central.. O sistema utilizado no Brasil é o ISBD. Como não iamos ficar mais muito tempo nos EUA acabamos desistindo da compra..
    Se tivessemos comprado em Cingapura a mesma TV além de Bi-Volt e funcionar no sistema ATSC, ISBD também funcionaria em DVB (Padrão Europeu).

Gente, estou adorando os depoimentos!!!! Estamos de viagem marcada para NY justamente na semana da black friday, e não tinha a menor idéia de como seria este mitológico dia de compras! Já não compro mais nada por aqui só para guardar $$$ para o grande dia! A muvuca, ao invés de me assustar, só aumenta minha curiosidade, afinal sou fã de um balaio e de uma liquidação!!!!

Só se eu estivesse lá na época e ainda sim no meu horário de férias (eu cheguei para ver os golfinhos de Noronha ao meio-dia e eles estavam lá 😉 Em Miami em Maio, achei o fim meia dúzia de garotas virando a noite na porta de uma loja que ia fazer uma liquidação de vestidos de casamento (incluso de noiva). Imagina acordar cedo lá ou pegar um avião para ir? Ao ver a multidão, me uniria as meninas no café. 😉

    Cristina, por acaso lembra do nome da loja de vestidos de casamento? Estou considerando ir para o Black Friday para comprar o meu. Obrigada!

Estive no black Friday de 2009 em NY… posso dizer que valeu a pena para compras, mas não acordar de madrugada.

Explico: a mulherada se programou para chegar de madrugada nas filas, então 5 da matina estava eu já numa Best Buy. Consegui chegar na loja propriamente dita só umas 7 horas, quando não achei nada que para mim realmente valesse a pena. O que valia MUITO a pena eram TVs de leds e coisas assim,q ue simplesmente não tem como trazer prá cá, mas PCs e outros já nem tinha tanta coisa.
Enquanto isto, esposa e mãe fizeram a festa numa JC Penny e em cosméticos Victoria Secrets, mas a verdade é que este poderia ter acordado mais tarde para comprar, que lá pelas 10, 11 horas ainda tinha muuuuita coisa.

Sábado a gente aproveitou o Central Park para descansar e no domingo passei em outras Best Buy até encontrar os computadores que queria com preço decente, e ainda tinha muita coisa… ou seja: sobra sim bastante depois da Black Friday.

Ao final, foi ótimo para roupas, e eletrônicos também – mas a BF vale para valer mesmo é prá quem mora por lá.. imagine pagar 500 dólares em TV LCD de 40 polegadas, ou 20 dólares em jogo de talheres que por aqui ficariam uns 200 reais – para eles sem dúvida é um show, já prá gente tem que se segurar para não comprar o que não dá prá trazer.

Por ultimo: cada vez mais lojas na internet estão participando das megapromoções, então vale muito a pena é comprar e receber no hotel mesmo 😉

Eu costumo calcular meu custo diário de uma viagem pelo total gasto dividido pelos dias úteis . Uma viagem de USS 3000,00 em 10 dias me custa USS 300/dia/pessoa.( minha família sao 3 pessoas , isso vira USS 900/dia). Portanto NUNCA perco meu precioso tempo de passeio com compras, muito menos nessa muvuca da BF. Depois que passei a enxergar o custo da viagem assim vi que aquele tênis barato pode me sair caro . Só compro nos intervalos dos passeios.

Veio em boa hora essa discussão, porque as férias do marido coincidiram nessa época e vamos estar em Orlando. Mas não tô muito animada em pegar filas pra comprar coisas, então fica a pergunta: o que fazer nesse feriado estando por lá (ou melhor: pra onde os americanos não vão no feriado?)

Eu já estive na Black Friday em Orlando,em 2008 ou 2007,não lembro o ano direito… Cheguei no dia da liquidação, de madrugada, e no caminho do aeroporto para o hotel já vi filas enormes da galera esperando… Deixei as malas no hotel, e depois de um pit stop fui à guerra… Sinceramente, eu acho que a BF só vale a pena pra quem quer comprar algum eletrônico específico, pq alguns preços estavam tão bons quanto as promoções da Amazon (e eu sou da escola de quanto menos tempo se gasta em compras ao vivo, melhor – compro tudo antes, para entregar no hotel, via internet). Lojas bagunçadas, compradores desesperados e mal educados (eu tb ficaria sem paciência se tivesse passado a noite em uma fila) e vendedores atarantados – hj em dia, eu não iria de novo, até pq depois vc consegue comprar pechinchas bem semelhantes, sem todo esse estresse.

nem morta, santa [2]
sei que na Espanha, na abertura das Rebajas, é esse inferno tb. Ficava chocada quando via as matérias nos jornais de Portugal. não passo por esse sufoco nem paga!
até pq os descontos continuam depois, por vários dias (pelo menos na Europa). e as coisas não esgotam.

Eu adoro uma pechincha. Acho que curtiria uma Black Friday. Eu e Caetano amanhecemos em shopping na última ida aos EUA pra comprar o Ipad2… E nem era pra mim, e sim pra um amigo! Considero uma experiência antropológica, pra fazer uma vez ou outra! E tudo vale nesses programas, se vc não levar muito a sério, na minha opinião.

Ano passado rolou um arremedo de Black Friday aqui no BRasil nas lojas de eletrônicos na web, mas não vi descontos expressivos. Uma pena…

    Tô contigo Adri… É uma experiência antropologica mesmo..É divertido. Não é uma coisa para fazer sempre.. É + – como Carnaval.. Uma vez ao ano tá ótimo… E existem lojas e lojas que você pode ir.. Uma Black Friday em NY ou DC acho que não encarava não….

    Taí, gostei do “experiência antropológica”… Bota antropológica nisso!

Três anos atrás estive em New York na época com minha esposa. Como nosso voo de volta ao Brasil foi na sexta à tarde, tivemos pouco tempo nesse dia mas vimos lojas absurdamente lotadas, mal dava para entrar. Macy’s por exemplo era impossível. Só encaramos a Victoria Secrets, mas foi um sofrimento, consumidores totalmente alucinados pelas ofertas, mas as ofertas eram incríveis. Também vimos gente fazendo fila na Best Buy desde a hora do almoço da quinta-feira!

O que percebi foi que na própria quinta de ação de graças algumas lojas estavam abertas no período da tarde, em especial na 5ª Avenida, e várias já ofereciam ofertas muito boas. Lojas como Gap e Armani Exchange já estavam com liquidações e promoções do tipo duas peças pelo preço de uma. Aí não tivemos como não abrir a carteira 🙂 Acho que vale essa dica: em cidades maiores, tentar garimpar algo já no dia de ação de graças.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.