De carro pela Inglaterra com a Dani S.

Vilarejo nas Cotswolds (Foto: Daniela Siqueira)

Vilarejo nas Cotswolds (Foto: Daniela Siqueira)

A Daniela Siqueira acaba de chegar de um supergiro de carro por Inglaterra e Escócia. Depois de partilhar muito do planejamento da viagem aqui no blog, ela nem bem desarrumou as malas e já passou aqui para dar um fidibeque. Vamos ao que ela conta:

Pra quem vai pra Inglaterra, NÃO DEIXE de incluir uma região linda, linda: as Cotswolds. Maravilhosa, mesmo com chuva. Várias cidadezinhas, cada uma mais fofa, todas de pedra dourada, com um monte de carneirinhos pra enfeitar as fotos.

Rotas nas Cotswolds (Fonte: the-cotswolds.org)

Rotas nas Cotswolds (Fonte: the-cotswolds.org)

Eu fiquei em Chipping Campden, e passei pelas demais, e não posso deixar de OBRIGAR todo mundo a ir, pelo menos, nas Slaughters (Lower e High).

Na Escócia, Edinburgh é LINDA (mesmo com os bofes pra fora – estão construindo as novas linhas de trams na cidade, e a rua principal da cidade nova está interditada).

Lago Ness, Escócia (Foto: Daniela Siqueira)

Lago Ness, Escócia (Foto: Daniela Siqueira)

Quem for à Escócia, veja se consegue passar pela região de Glencoe – é uma passagem nas montanhas linda, cheia de turfa.

Até que dirigir pela contra-mão não foi traumático, não. Quem fica no carona é quem estressa mais – você tem certeza que o carro vai acertar em todas as cercas. Fora isso, é só lembrar todas as manhãs: keep left! – e diz que o lado esquerdo, ou direito, do cérebro se exercita com isso :P

Ingleses do campo (Foto: Daniela Siqueira)

Ingleses do campo (Foto: Daniela Siqueira)

Pra quem for de carro, e quiser só passar pelas grandes cidades com um centro histórico bonito (fizemos isso em York e foi ótimo): aproveite os park & ride. São uns estacionamentos enormes, super bem sinalizados, nos arrabaldes das cidades. Você pára lá, estaciona de graça, e pega um ônibus que passa de 10 em 10 minutos e te deixa já no local turístico desejado. Custa só o preço da passagem, normalmente uns 2 ou 3 pounds (e alguns já vendem a opção de passe de ônibus para o dia todo). Super recomendável, já que estacionamento nas cidades grandes é muito difícil de achar, e caro à beça – sem nem falar no trânsito…).

E uma dica pra quem não quer virar uma bolinha nas férias: a rede Prêt a Manger, que tem sanduíches e saladas feitos na hora, muito gostosos e saudáveis. Obviamente que eu virei uma bolinha nas férias (é pré-requisito, acho eu). Será que foram os chás? Ou os biscoitos amanteigados que acompanharam os chás? Ou os toffees e os bolos de frutas cristalizadas que acompanharam os biscoitos? Ai, ai, que já estou com vontade de tomar chá de novo…

O restaurante Fifteen, em Londres, do Jamie Oliver, que o Riq recomendou, também foi aprovado com louvor, especialmente por ter uma proposta de ser um restaurante escola.

Resumindo: Se alguém tiver alguma dúvida de Inglaterra e Escócia, e eu puder ajudar, tamosaí 😆

Obrigadíssimo, Dani! Conte sempre 🙂

261 comentários

Dani, parabéns demais… pelo jeito a viagem foi show de bola. Depois desse post e das demais informações tenho para mim que o Direito poderia perder um expoente para o Turismo, pq tá tudo muito legal. Abraços do Magrinelson para vcs…

Maravilhosa a sua viagem! Eu voltei há 3 semanas da Inglaterra, conheci cambridge, Brighton e Norwich, amei as três cidades, principalmente Cambridge! Depois dessa, cada vez mais fico sonhando com um rodada pelo Reino todo!

Gostaríamos de estar neste tour “de carro pela inglaterra com a Dani” (e com o seu dileto mentor Prof. Caprese) … rrrsss. Topa repetir algum dia? Estamos sentindo muitas saudades. Beijos.

Também adorei o post e enviei para um casal de primos que vai para lá em Setembro! Dicas ótimas 🙂

Dani S que maravilha! Adorei as ovelhas e vou dormir sonhando, não com elas, mas com os biscoitos amanteigados.
Abç,

Ah, e antes que eu me esqueça: lá CHOVE. Muito. Mesmo. Não esqueça de colocar casacos impermeáveis e guarda-chuvas na mala, e de ter programas alternativos. Como diz o Bill Bryson (indicado pelo Riq, também), parece até que a principal indústria do Reino Unido é a produção de clorofila. Mas pra ficar tudo verdinho, chooooove.
Uns ingleses que encontramos (que saíam para andar nos famosos Public Footpaths que tem pra todo canto) nos disseram que eles têm que andar na chuva mesmo, senão não andam. E que têm um impermeável grosso para o inverno. E um impermeável fino para o resto do tempo…

Alojamentos imperdíveis:

Na Escócia, ficamos em Callander, uma cidadezinha pequena na beira do parque dos Trossachs, com lagos lindos. Ficamos no Bed and Breakfast http://www.westerton.co.uk – que teve somente o inconveniente de nos acostumar mal para os outros lugares. Recomendamos com força. Pagamos 75 libras.

Salisbury é uma ótima parada. Não só a sua catedral é linda, como fica a meia hora de distância de Stonehenge (que gasta uns vinte minutos do seu tempo). Para ficar, o B&B http://www.wyndhamparklodge.co.uk é ótimo, e tem um café da manhã excelente (65 libras).

Em Londres, ficamos no The Bloomsbury Hotel pela inacreditável (para Londres) tarifa de 73 libras, sem café. O hotel está acabando de ser reformado, fica a uma quadra do British Museum, pertinho do metrô, e dá pra ir nos musicais em Covent Garden a pé.

    Dani, vc deu sorte. Eu fui olhar para dezembro e o preço fica em 1000 libras para 7 dias. Uma pena, eu já tinha me animado!!

Hugo: nós gastamos 22 noites, mas somos beeeem lerdinhos. Foram 7 noites na Escócia e o resto na Inglaterra. Pegamos o carro no aeroporto e deixamos Londres para o final, onde não precisa de carro. Achei ótimo não ter que sair de cidade grande, e já partir para as cidadezinhas, que são preferidas. Preferimos carro porque 1) é muito mais confortável, e eu já queria fazer regiões muito mais factíveis de carro, com vilinhas e paisagens legais; 2) o trem estava caro demais para dois. Dirigindo pela contra-mão, achamos importante alugar um GPS, que quebrou bastante galho (não é perfeito, mas ajuda bem), especialmente num round-about. O Reino Unido é cheio e intupido de round-abouts (o marido ri dizendo que cada prefeito deve fazer questão de construir o seu para deixar a sua marca), que você deve circundar pela ESQUERDA, lendo plaquinhas, até achar a sua saída. Os primeiros são enervantes, mas com o tempo você se acostuma. Alugamos na autoeurope.com um carro econômico mesmo. Como preferimos dormir (e passear) em cidades pequenas, não tivemos problema de estacionamento, que pode encarecer bastante uma viagem. Aí, o esquema do Park and Ride salva a pátria! :mrgreen:

    Dani S., foi tudo certinho com a Auto Europe? O carro é só o que falta pra nossa viagem. Costumávamos alugar na Europcar, mas está muito caro desta vez. Você alugou um automático?

    Cláudia, deu tudo certo – só não deu nos EUA, por causa da peste da Alamo, mas esta é outra história. Então, só evite a Alamo que tudo fica ok. Preferimos um carro automático, sim, pra diminuir as dificuldades de ainda mudar marcha com a mão errada. Ainda demos sorte e o nosso carrinho – um Corsa – veio com os outros comandos (seta, limpador de pára-brisas) do lado certo. O meu cunhado tinha dito que vivia ligando o limpador quando queria dar seta, mas a gente não teve esse problema. Só não esqueça de não aceitar veículo movido a diesel, porque está mais caro que gasolina.

    Dani S., vou anotar a anti-dica da Alamo. Quase alugamos um carro por ela no Canadá, ano passado. Já fizemos a reserva pela Auto Europe. 🙂 Obrigada pela dica do diesel.

    Dani, o que aconteceu no aluguel com a Alamo? Aluguei com eles ano passado na Califórnia por 3 semanas e não tive nenhum problema – mas sempre gosto de estar informada sobre os “furos”…

Nossa, estou no maior momento Tommy!
(e com as minhas fotinhos tiradas na chuva, e tudo!)
Riq, adoramos as legendas – especialmente a dos “ingleses do campo”! :mrgreen:

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.