De Interlaken ao Top of Europe, pela Jungfraubahn

Jungfraujoch: Top of Europe

Uma semana depois de ter passado por rapidamente Interlaken, voltei. Não podia seguir viagem sem ver como é aquele que talvez seja o lerê mais importante da Suíça: a subida ao chamado Topo da Europa — o lugar mais alto do continente aonde se pode chegar de trem.

Separe um dia inteiro para o passeio: o circuito completo dura no mínimo seis horas, combinando linhas convencionais (que servem ao transporte de moradores também) com a Jungfraubahn, o trecho final de acesso ao Top of Europe. De quanto mais tempo você puder dispor, melhor: dá para fazer paradas intermediárias, sem precisar fazer baldeações imediatas.

Quem dorme em Interlaken faz um passeio mais tranqüilo. Estando hospedado em outra cidade você precisa acrescentar mais 1h em cada sentido desde Berna, e 2h em cada sentido desde Lucerna, Zurique ou Lausanne.

glacier express

Suíça de trem

30 roteiros de 2 a 8 dias prontos para usar, com ou sem Swiss Pass

O circuito completo

A viagem começa na estação Interlaken Ost, que funciona como a estação central de Interlaken. O circuito é circular. Em Interlaken você decide se quer subir por Lauterbrunnen ou por Grindelwald (você sobe por uma, e desce pela outra). Os horários são sincronizados com a chegada de trens de Berna, Lucerna e Zurique. O Swiss Pass permite ir até Lauterbrunnen ou Grindelwald (e voltar também, claro), sem suplementos.

O primeiro trem do circuito

O primeiro trem do circuito

Eu subi por Lauterbrunnen. São só 20 minutinhos até lá, e então acontece a primeira baldeação, para Kleine Scheidegg. Neste trecho quem tem Swiss Pass tem direito a 50% de desconto.

De Interlaken a Lauterbrunnen

Baldeação em Lauterbrunnen

O segundo trem do circuito

Eu não tinha tempo sobrando (precisava chegar a Lausanne a tempo de pegar minha bagagem no serviço de Fast Baggage), então não pude fazer nenhuma parada intermediária. Mas morri de vontade de parar em Wengen, a 1.300m de altitude, uma cidadezinha debruçada no precipício.

Wengen

Subindo por um lado ou pelo outro, você vai precisar descer do trem em Kleine Scheidegg, a 2.060m de altitude, que fica a 1h20 de viagem desde Interlaken. Ali você embarca na Jungfraubahn. O Swiss Pass dá 25% de desconto.

Kleine Scheidegg

O último trem do circuito

A ferrovia já tem mais de 100 anos. Foi idealizada numa época em que não havia tecnologia de teleférico, e o único jeito de alcançar grandes alturas era por meio de trilhos. Para chegar a 3.500m de altitude, a solução foi construir 7,5 km de túneis por dentro do Eiger e do Mönsch. A viagem desde Kleine Scheidegg leva uma hora, a maior parte dentro do túnel; na ida há duas paradas para apreciar os montes nevados em mirantes envidraçados.

Antes de entrar no túnel

Parada no túnel

Mirante em Eismeer

Quando o trenzinho sai do túnel, lá em cima, a 3.500m de altitude, você está em Jungfraujoch (o “pé do monte Jungfrau”), um belíssimo plateau para contemplar os picos do Jungfrau, do Eiger e do Mönsch, além de impressionantes geleiras alpinas.

Top of Europe

Mas hoje o Jungfraujoch é mais do que as vistas; foi transformado num parque de diversões nas alturas: por isso o nome-fantasia Top of Europe.

Top of Europe

Jungfraujoch, Top of Europe

Lembre-se que ao chegar a 3.500m você não pode correr nem se apressar. Eu levei uma hora inteira, sem pausa para café, só para andar pelas atrações lá de cima. O circuito básico consiste em dois mirantes ao ar livre e um palácio de gelo.

Jungfraujoch, Top of Europe

Jungfraujoch, Top of Europe

Jungfraujoch, Top of Europe

Jungfraujoch, Top of EuropeJungfraujoch, Top of EuropeJungfraujoch, Top of Europe

Fora isso, dá para visitar a loja da Lindt, assistir a um filme com imagens panorâmicas das montanhas, caminhar (40 min.) até um café que fica num ponto mais alto (não fui) e, no verão (deles!), brincar na área Snow Fun, que tem tubing e tirolesa (e alguma neve garantida em julho, ao contrário de Bariloche).

Tchau, Top of Europe!

Jungfraujoch, Top of Europe

Volta-se a Kleine Scheidegg e de lá toma-se o trem para descer pelo lado oposto ao que você subiu. Em Lauterbrunnen ou Grindelwald o seu Swiss Pass volta a valer sem suplementos.

Kleine Scheidegg

Desci por Grindelwald, a 1.035m de altitude, que é — dizem, não tive tempo para dar um rolê — o mais arrumadinho e perfeitinho dos vilarejos montanheses suíços (dizem que é até perfeito demais). Ali perto fica Grindelwald First, onde há um lindo lago à beira da geleira. Só não desembarquei por causa da minha bagagem me esperando em Lausanne…

Grindelwald

Entre Grindelwald e Interlaken

Entre Grindelwald e Interlaken

Entre Grindelwald e Interlaken

Cheguei a Interlaken a tempo de pegar o trem coordenado que me levou a Berna e depois a Lausanne, onde minha mala, despachada de manhã cedo em Lucerna, estava à minha espera. Deu certo!

Os trechos Interlaken Ost-Wengen e Grindelwald-Interlaken Ost custam, somados, 25,80 francos suíços. O trecho é gratuito para portadores do Swiss Pass.

O circuito Wengen-Kleine Scheidegg-Top of Europe-Kleine Scheidegg-Grindenwald custa 210,40 francos suíços. Portadores de Swiss Pass têm 25% de desconto. Crianças até 5 anos (inclusive) não pagam.

Ricardo Freire viajou à Suíça a convite do Swiss Travel System.

Leia mais:

362 comentários

Olá!
Gostaria de obter maiores informações sobre a Jungfrau, se possível alguém me ajudar.
O circuito básico que consiste em dois mirantes ao ar livre e um palácio de gelo deve ser pago a parte?
Para o mês de dezembro entre os dias 26 e 28 as tarifas são mais caras?
Obrigada!

    Josiane,

    Agora me lembrei: acho que em dezembro Jungfrau fecha, por causa do frio.
    Sandra

Essa viagem é absolutamente imperdível e inesquecível! Não tive a sorte de ir ao Matterhorn por causa do tempo, mas consegui ir ao Jungfraujoch. Que cenário.

Riq, estive naquele café que você citou, é uma caminhada e tanto (ainda mais considerando a altitude) mas vale a pena! Se alguém se interessar, tem um post no meu blog com fotos de lá:

http://garfosequartos.wordpress.com/

Abraço!

Estive na Suíça em maio, fiz o passeio que o André L. relatou e achei realmente maravilhoso. É conhecido como Três Passos (Passo Furka, Grimsel e Sustem) e o descobri no guia da Folha (Suíça). Em pleno mês de maio pegamos uma nevasca no alto da montanha que foi emocionante. Não há comparação com o Jungfrau, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Hoje, quando vejo as fotos que tirei, não sei o que é mais bonito. Deve-se fazer o passeio com muita calma, parando em cada mirante para admirar com a alma a beleza dos Alpes e curtir os típicos vilarejos suíços da região.

Passamos uma semana em Wengen com as crianças e lá comemoramos a chegada de 2009! Muita neve e diversão! Uma região maravilhosa!!!

Para quem está em grupo (família, por exemplo) e fica fora do orçamento gaster € 500 para um passeio para 4 pessoas, existe um passeio alterntivo que dispensa o trem e pode ser feito em um dia com aluguel de carro entre maio e outubro/novembro (a data exata de início e final depende do clima em cada ano): um circuito rodoviário pelas passagens alpinas de Susten, Furka, Grimsel e San Gotthardo/Gotthard (e talvez Passo della Novena).

Não é um passeio “igual ao Junfraujoch”, a altitude máxima é cerca de 600m mais baixa, as paisagens são diferentes, mas também há uma forma diferente de apreciá-los.

Usando Interlaken como base, dá pra fazer o passeio rodoviário em carro alugado em um dia como bate-volta. O trajeto todo tem 188km.

Saia de Interlaken, vá para Gamden, Andermatt, Realp e Grund (isso completa uma rota quadrilátera que pode ser conferida aqui: http://g.co/maps/mcwf6).

Passagens alpinas com mais de 2000m: Susten, Fürka e Grimsel

Não se deixe enganar pela distância: é passeio para um bem preenchido dia inteiro. Serpenteando por várias motanhas e acompanhadno vales, você pode ter uma impressão dos Alpes suíços distinta daquela provida pelos trens.

As estradas alpinas praticamente não tem túneis, vão “escalando” as montanhas (https://picasaweb.google.com/lh/photo/4H6Awa9v0rfb5kLXFLWLwg?feat=directlink), serpenteando os vales (https://picasaweb.google.com/lh/photo/vLMlN_BS3f1OuW8G4zsy6g?feat=directlink) ou percorrendo os entre-águas, áreas altas de montanhas que dividem vales diferentes (https://picasaweb.google.com/lh/photo/LVPBpfJRIpQP8HXgpiXK_w?feat=directlink).

No meu álbum do Picasaweb (https://picasaweb.google.com/andrelot/AlpineMountainPassTour?authuser=0&feat=directlink) tem várias outras fotos de 11 diferentes passagens nos Alpes, incluindo os suíços.

Como disse, o trajeto rodoviário é mais lento do que de trem, devido às baixas velocidades das estradas, e muitas curvas. Mas, em contrapartida, é possível ter acesso a alguns vales ainda mais remotos e, em grande parte, despovoados. A sensação de ir subindo uma montanha de altitude 450m até 2.500m (https://picasaweb.google.com/lh/photo/S7wlRvrnS7KGxQM6L6bkeg?feat=directlink) é algo único e, com tempo favorável, uma experiência inesquecível. É uma experiência diferente (não diria melhor ou pior) do que observar os Alpes pela janela de um trem.

Essas estradas que eu mencionei são bem mantidas, e bem sinalizadas. Há inúmeros mirantes e pontos de observação onde você pode parar, além de alguma estrutura (café, restaurante etc.) em cidadezinhas pelo caminho e no topo de cada passagem. Você pode ir controlando seu ritmo sem pressa.

Além disso, há vilarejos alpinos ainda menores pelos quais você em geral passaria batido em uma viagem de trem (pois exigiriam transfer de Ônibus desde a estação etc.), mas que de carro se tornam acessíveis facilmente: vc estaciona (em geral na entrada da cidade), e faz um pit-stop para agradáveis caminhadas e fotos, muitas fotos. Lugares com população de 300, 500, 1.000 habitantes, sem muita atividade turística dominando toda a área como em Zermatt ou mesmo Sankt Moritz.

Uma nota interessante é que parte dessas passagens rodoviárias foi construída em locais históricos usados deste os tempos do Império Romano para servir de vias de comunicação entre diferentes vales. São estradas que foram sendo reconstruídas e reconstruídas, em geral no mesmo alinhamento próximo, por vários séculos, quase 2 milênios!

Enfim, é um passeio que pode valer muito a pena se você não prentendo subir ao Junfrajoch, ou realmente gosta de montanhas e quer ter tanto a experiência do Junfraujoch e a das passagens rodoviárias. Não é um passeio que precisa sair caro.

Agora, as observações de como fazer esse passeio:

– dá para alugar carro em Interlaken um dia de manhã e devolvê-lo na manhã seguinte (não se apresse marcando devolução para o mesmo dia)

– o passeio é inútil se houver neblina e cerração abaixo de 2000-2500m durante todo o dia. Sites de previsão do tempo informam isso a você

– as passagens alpinas rodoviárias fecham entre o fim de outubro/começo de novembro e o fim de abril/maio. Os melhores meses para fazer a rota são junho e julho, quando o derretimento de neve é maior e os rios e cachoeiras ao lado da estrada mais caudalosos

– não dirija à noite por lá

– lembre-se que o passeio demanda muita atenção do(s) motorista(s). As estradas nào tem congestionamento e a área toda é muito ampla, vasta, mas se a mera ideia de “descer para o litoral” te dá nos nervos por conta das curvas na serra do mar, é melhor não encarar as estradas (a média de curvas fechadíssimas é de uma a cada 2,3km).

Faço coro, é o passeio mais lindo que já fiz e vale cada centavo. Interlaken também é uma graça, sugiro alugar uma bike e dar umas voltas!

Foi uma das viagens mais lindas que fiz, sem dúvidas. E achei Grindelwald uma fofura; tomara que na próxima vc faça um stopzinho lá.

Gostaria de dar uma dica, para os que vão ao Corcovado no Rio de Janeiro,êles tem um convênio com Interlaken, que dá um desconto de 50% de desconto em Interlaken e vice versa, é só levar o ticket do Corcovando.Eu ainda não fui, mas no meu aniversário em novembro, quero estar lá no topo com minha mulher e Deus que acompanha a nós todos.

Pra quem quer gastar um pouco menos e ver as montanhas jungfrau mönch eiger de longe existe a opção de ir a Schilthorn, um local de beleza incrível, que já foi palco de filme do 007. De Interlaken se vai até Lauterbrunnem de trem e depois se pega uma sequencia de cable cars. O visitante é obrigado a caminhar por entre os vilarejos pitorescos. É um passeio imperdível. Maiores detalhes aqui http://www.schilthorn.ch/en/schilthorn/

Jungfrajouch é um desses passeios que são famosos, custam caro mas valem cada centavo (ao contrário de gôndolas em Venezia, por exemplo).

Quem está de carro pode estacionar em Wegen.

    Concordo plenamente! Foi um dos passeios mais bonitos que já fiz, incluindo o visual de todas as vilas pelo caminho.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.