De onde eu te vejo

Em ‘De onde eu te vejo’, São Paulo é cenário e personagem

De onde eu te vejo

Em que mapa Piauí e Aracaju se encontram? No mapa da cidade de São Paulo. Piauí e Aracaju são duas ruas que se cruzam à altura da Praça Vilaboim, no bairro de Higienópolis. Continuando para o oeste, a Piauí faz uma curva e se torna a Rio de Janeiro — mais uma licença geográfica paulistana. Andando quatro quadras em direção ao Centro, a Piauí dá… na minha casa.

Desculpe, mas vou esmerilhar: tem algum filme que se passa a quatro quadras de onde você mora? De onde eu te vejo, a delicada comédia romântica que estréia hoje em cinemas de todo o Brasil, conta a história de um casal que se separa e passa a morar em dois edifícios de frente um para o outro, na esquina da Piauí com a Aracaju.

Um dos edifícios, o Louveira, é o mais amado entre os arquitetos paulistanos: um projeto modernista de 1946, de Vilanova Artigas, que antecipou Brasília e viria a ser deturpado pelo construtor mais odiado pelos arquitetos paulistanos, o espanhol Artacho Jurado (que espalhou seus bolos-de-noiva por Higienópolis — eu adoro todos).

Ana (Denise Fraga) e Fábio (Domingos Montagnier) se conheceram 20 anos atrás na rodoviária do Tietê — ela, chegando do Rio; ele, de Ribeirão Preto. São Paulo é parte inseparável dessa relação. Mas assim como o casamento de Ana e Fábio, a São Paulo de Ana e Fábio também está acabando, com a derrubada de lugares emblemáticos do Centro da cidade para a construção de prédios modernos. Ana é, em parte, responsável: seu trabalho como arquiteta é identificar imóveis antigos em terrenos que podem interessar ao mercado imobiliário.

De onde eu te vejo

A história dessa mocinha imperfeita e seu (ex-)marido simpático mas meio banana é contada tendo São Paulo por testemunha. Todas as externas parecem meticulosamente esquadrinhadas pelo diretor Luiz Villaça para captar os ângulos mais charmosos da cidade. Habituês e fãs do Centro e de Higienópolis vão passar o filme inteiro tentando identificar ruas e prédios (e vão tratar de passar por eles na primeira oportunidade).

De onde eu te vejo

E o filme? Bem — este é um blog de viagem, e eu estou longe de ser um crítico de cinema. Como espectador, achei De onde eu te vejo delicioso: um exercício ultra-bem-sucedido num gênero cinematográfico que não existe em português do Brasil, a comédia romântica. O roteiro é bem costurado, com diálogos ricos, e os atores estão excelentes (a participação de Laura Cardoso é uma pequena jóia). Todas as resistências que você pode ter no começo do filme — ah, como assim, eles se conheceram na rodoviária e agora tão se separando de boas e vão morar um de frente pro outro? — vão desaparecendo ao longo da trama, e quando você se dá conta está torcendo e se emocionando com uma história de amor de dois quase-cinqüentões.

Numa das melhores cenas de De onde eu te vejo, Juca de Oliveira, no papel de um dono de um cinema fechado que se recusa a dar o direito de compra do prédio a Ana, explica por que a experiência de assistir a um filme num cinema de rua é inigualável. “No cinema de rua, quando o filme acaba, você não dá numa praça de alimentação. No cinema de rua, quando o filme acaba, as portas se abrem e você está na rua, onde a mágica do cinema continua”.

Se você mora em São Paulo, já sabe o que fazer depois de ver De onde eu te vejo: passe impávido pela praça de alimentação, saia do shopping e pegue um táxi para a Praça Vilaboim — Aracaju esquina com Piauí. (Se você não mora em São Paulo, faça isso na primeira vez que vier. Qualquer dia desses eu faço um roteirinho e ponho aqui.)

De onde eu te vejo

Leia mais:

11 comentários

Adoro os prédios de Higienópolis e já tive oportunidade de dar umas turistadas por lá. Mas… um roteirinho cairia super bem! 🙂
E, vendo o trailer, deu vontade de conferir no cinema e in loco.

o filme é lindo mesmo…Vale a pena assistir, e logo – pq cinema brasileiro fica pouco tempo em cartaz.

Aquela primeira foto é sua? Todas são ou são still do filme? Achei a luz da primeira foto muito linda, muito São Paulo! Deu saudade de ir passear aí…
Plis, roteirinho na região ASAP.

    Olá, Maria Helena! Quem responde é A Bóia. As fotos são print screens do trailer do filme no YouTube, com exceção da última, que foi feita pelo Ricardo Freire com celular.

    Obrigada por responder, Bóia! Acabou q em Flori, onde moro, passou só em uma sala e só durante uma semana! Não pude ir ver! Humpf! Aqui é assim…hehe! bjin

Que legal!
E Higienopolis é mesmo um bairro muito especial de São Paulo.
A proposito: Paulistano que é paulistano mesmo NUNCA chama “São Paulo” de “Sampa”…

Eu morei por alguns anos a dois prédios do Louveira (com um casarão antigo no meio). Essa, pelo visto, também é a minha São Paulo!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.