Dr. Alessandro em Kyoto

Doktor Alessandro deixou Munique para uma breve temporada de estudos em Kyoto, no Japão. Não é porque ele não tem blog que ele ia escapar de mandar um relato de viagem :mrgreen: Aí vai o primeiro do que — eu espero — seja uma série. Só a foto é que é minha, porque — só soube agora e ainda estou em choque — Dr. Alê aboliu a fotografia da sua vida há oito anos. Mas Alessandro! Agora já dá pra tirar foto com o celular!!!

kyoto450.jpg

Sabe aquele Japão, com templos e jardins, que você sempre teve na cabeça ? Pois ele existe! E fica em Kyoto! Kyoto é esse Japão, mas muito mais do que isso.

Enquanto tentava esticar minhas pernas no econômico espaço da assim chamada classe do vôo em que estava e tentava convencer meu corpo que já era à tarde e não de madrugada, preparava-me para pousar no aeroporto de Kansai, perto de Osaka, com todos os medos de um viajante para a) um país desconhecido b) com uma língua para mim ininteligível.

Kansai é o retrato do Japão moderno: eficiência total, poucas filas, limpeza impecável. Até minha mala veio em uma velocidade até então desconhecida para mim, em qualquer aeroporto que eu já tenha passado. Graças ao atendimento de todas as minhas preces, quem iria me receber estava lá, me esperando e falando uma língua ocidental… E com uma simpatia, que eu constataria mais tarde, que não é rara nesse país.

Depois de trocar euros caros por yens baratos, tomamos o trem para Kyoto, praticamente duas horas de viagem. A partir daí comecei a praticar a única forma de comunicar com os japoneses não-falantes de inglês (ou “ingurishi” para os nossos ouvidos…): sorrir, agradecer (não importa em que língua) e se curvar. Depois de ser bombardeado por informações pelo meu acompanhante (que tinha preparado um verdadeiro “dossiê Kyoto” para a minha estadia), chegamos a estação de Kyoto (que já foi descrita em outra oportunidade…) 😉

Apesar do meu corpo dizer que queria dormir, meu guia disse que era hora de jantar. E assim fomos, a um pequeno restaurante no subsolo da estação (que mais parece uma praça de alimentação de um shopping). Nem um pouco confiante, entrei num restaurante – como muitos outros – que tinha todo o cardápio em modelos de plástico, na porta do restaurante. E qual não foi a surpresa, de comer um dos melhores jantares japoneses que já tive. Um sashimi fresquíssimo de atum, um outro peixe cru (totalmente indefinido) com molho de ameixas frescas, tempura crocante e quentinho, um arroz fantástico e, a melhor surpresa da noite, “soba”, um macarrão de trigo sarraceno, frio, com alga nori picadinha por cima, para ser comido com shoyo, cebolinha e wasabi. Perfeito para o verão japonês.

Verão esse, na verdade, amazônico. Kyoto parece uma sauna, com temperaturas acima de 30 graus o tempo todo e muito umidade relativa do ar. De sobremesa ainda tivemos uma espécie de gelatina de algas, transparente, com um pó doce de feijão. Delicioso. A descrição não condiz com a maravilha do sabor. 😉

Os primeiros contatos com essa cidade e essa cultura já revelaram o que se tornaria claro mais tarde: o quão especial é poder vivenciar essa fascinante sociedade, ao mesmo tempo tão familiar, dos inúmeros sushis e sashimis comidos, e tão desconhecida.

(Alessandro Hirata)

29 comentários

Dani: Em outubro já estou de volta em Munique 😉
Majô: É mais fácil eu te comprar a câmera de presente do que tirar as fotos… :mrgreen:

He he Lena, foi isso mesmo o que eu disse, tirar as fotos e depois pode me mandar a câmera que eu aceito. 😆 😆

Riq,
Brigadim, eu escrevi pra Sylvia e desliguei o computador pra vir para casa, mas vim com a idéia que podia ser nesse post mesmo.
Mudando de assunto, eu escrevi um post ontem, porque achei que era minha obrigação. Não sei se você leu, se não leu devia ter lido e palpitado. Pois, hoje saiu matéria no Boa Viagem, exatamente sobre este assunto. Assentos na classe econômica. Há projetos de 4 arquitetos que propõem novas poltronas. Devemos engrossar este coro.
Acho que nós somos os clientes, e portanto podemos e devemos esbravejar e lutar para que saiamos destas latas de sardinhas. Questão de saúde !!!!

Majô e Sylvia, 😆 😆

Sylvia, acho que o que a Majô falou para o Alê mandar para ela, não foram as fotos, mas a Nikon :mrgreen:

Ale, meu marido disse que a melhor forma de comunicaçao para quem nao fala nada de ingles sao os sorrisos,agradecimentos.. Quando ele chegou ai, a familia que o hospedou nao falava outra lingua a nao ser japones. Entretanto foi a familia que melhor o acolheu, ajudou-o e com a qual ele mantem contato hoje após 09 anos!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.