E assim se passaram seis meses

Ontem fez seis meses que o blog se mudou aqui para o WordPress. Lembra? Eu estava acometido por uma ziquizira tecnológica: tinha esgotado o espaço no blog do Uol/Zip.net, minha câmera tinha pifado em Alagoas e até o Freire’s tinha saído do ar.

Eu pensava nesse endereço como transitório; um lugar onde eu pudesse blogar enquanto não arranjasse um jeito de ativar o domínio viajenaviagem.com (que é meu) como blog, para então colocar Google Ads e quem sabe fazer comércio eletrônico.

    primeiropost400.jpg

Mas de repente uma coisa começou a acontecer e ficou mais importante do que tudo isso. Livres da chateação que era autenticar os comentários no Zip.net, vocês passaram a comentar e contribuir intensamente em todos os posts. As caixas de comentário ganharam vida própria, freqüentemente mudando o assunto do post e quase sempre ficando mais interessantes do que o texto que suscitou os comentários. 

Foi quando eu me dei conta de que vocês não eram mais passageiros, mas tripulantes.

Alguns de vocês resolveram criar seus próprios blogs; outros, que já tinham blogs estabelecidos, se aproximaram. E, quando nos demos conta, tínhamos nos tornado uma comunidade — comigo no papel de Leci Brandão 😆

Os acessos não pararam de crescer. Mesmo sem a ajuda das manchetes da homepage do Uol (que de vez em quando mandavam 10 mil visitantes de uma tacada só), o VnV 2.0 somou quase 500 mil visitas em apenas 6 meses (contra as 340 mil que costumava ter a cada 12 meses lá no Uol).

E como o WordPress tem muito mais prestígio do que o Zip.net no Google, muita gente chega aqui googlando. (Pasme: o post da viagem de trem na Europa, que é de 5 de fevereiro, em alguns dias chega a ter 500 visitas.)

Como eu já não faço mais nada sozinho por aqui, vou pescar três trechos de comentários que definem esses primeiros seis meses da nossa comunidade VnV 2.0.

Primeiro dou a palavra ao Beto, que fala da parte mais visível do blog — a interação entre os co-blogueiros:

Aproveito o clima de total congraçamento que impera desde ontem à noite aqui no blog que o Ricardo Freire pensa que é dele, a fim de deixar registrada a minha surpresa com o fato de pessoas tão alto astral, educadas e cuidadosas, generosas, divertidas e despidas de qualquer mercantilismo, conseguirem reunir-se, praticamente do nada, para trocar experiências e sentimentos e, de alguma forma que eu não entendo, construírem amizades que, estou certo, vão se consolidar e perdurar.

Edito na seqüência um comentário do Pablo, que revela como essa interação é divertida para quem acompanha, meio como num reality-show:

Há alguns meses acesso o blog e, de tanto ler, as pessoas (comandante e tripulação) vão se tornando personagens. Há uma certa confusão entre realidade e ficção (claro, próprio desse meio), mas com a vantagem de que é vivo, meio sem controle, com algum saudável anarquismo e sobretudo, no caso do VnV, repleto de generosidade. É uma espécie de romance que se constrói a cada dia, cada post e comentário.

E finalmente, um trechinho da declaração da Wanessa, comentando a aula da Professora Sylvia, que acabou inspirando o discurso do Beto e que — snif snif, desculpaê — me emocionou profundamente:

Acesso o blog há uns dois meses; comecei a vir aqui porque vou viajar pra Europa em setembro. No começo, meus planos eram bem modestos, ia comprar um pacote qualquer, provavelmente do tipo excursão, só porque ia viajar sozinha (e eu tinha medo de não me sentir muito à vontade viajando sozinha, por lugares desconhecidos, sem ter com quem dividir nada… inclusive o peso da mala!).

Mas a leitura constante do blog me fez mudar de idéia. Resultado: montei a viagem só com as dicas dos posts sobre a primeira viagem à Europa e sobre os trens (li os dois, muitas vezes, de cima a baixo. As dicas para a Bianca eram todas pra mim também!). Segui à risca as dicas do Ricardo, enxuguei bastante o roteiro, escolhi uma área pequena para visitar e vou passar 20 dias entre Londres, Amsterdã, Bruxelas e Paris. Sozinha e feliz!

O post dos hotéis veio tarde pra mim (reservei tudo ontem!), mas, de tanto ler as dicas anteriores da Sylvia, deu pra entender como ela faz as buscas, e acabei utilizando as ferramentas do jeitinho que ela explicou agora.

É tão difícil achar alguém disposto a ensinar o “caminho das pedras” pra gente que está só começando nessa vida de viajante, e aqui tem uma concentração tão grande de gente assim (o próprio comandante Ricardo, a Sylvia, a Majô, a Mô Gribel, o Beto, a Dani G., o Arnaldo, a Jurema, a Mari, o Jorge, o Zé… vou esquecer alguém e cometer uma injustiça…)… Esse lugar é impressionante e viciante!

Pessoal, obrigada, não só pelas dicas, mas principalmente por me despertar pra esse universo apaixonante que são as viagens.

(Sobrou algum lenço sequinho?)

Então agora sou eu que queria agradecer a todos vocês, comentaristas ou não, experientes ou iniciantes, visitantes compulsivos ou ocasionais, que estão fazendo deste blog um lugar tão gostoso de viajar a qualquer momento.

Não sei se vocês notaram — mas, para quem teoricamente vive viajando, esse semestre eu viajei pouquíssimo. Fui só até ali o sul da Bahia e depois a Alagoas. (No ano passado, nesse mesmo período, eu já tinha ido a Turks & Caicos, tinha cruzado o México de ônibus, investigado as sedes brasileiras na Copa da Alemanha, percorrido as praias de Santa Catarina e do Estado do Rio.)

E mesmo assim, eu me sinto como se tivesse feito várias voltas ao mundo. Muito obrigado a vocês que me fazem viajar todos os dias.

(Eita, que o discurso ficou comprido…)

89 comentários

Mô,
Só agora li seu comentário. Very útil 😆 Sabe que ainda não consegui o tal protetor de câmera 🙄
E eu sou um perigo, porque estou sempre com ela na minha mão, como já disse a você, é a extensão do meu brãço rs
Eu sabia que você é uma mulher completa 😆 😆 😆
Uma é Nikon acho que S4 e a outra uma Sony 3.2. Vou pegar as medidas e escrevo. 😆

Riq, seu blog é maravilhoso mesmo, pelo conjunto da obra – os seus temas, as pessoas que comentam….
Tenho vindo aqui muito menos do que gostaria, mas vou tentar ficar mais assídua!
O que me dá vontade de fazer, cada vez que entro aqui, é imprimir todas as páginas e guardar. Não tem guia de viagem que tenha tantas dicas úteis, tanta coisa pra nos ajudar a planejar as nossas viagens.
Muito obrigada a todos por compartilharem com a gente as experiências de vocês!

Ah, Majo, eu ganhei uma bolsa da Unkle K. que vem com um envelope transparente dentro e fecha com ziper.
Ele também não deixa entrar água nos documentos.
Pode ser uma solução, quem sabe vc não tá ‘precisando’ de uma bolsa nova, bordoux, de nylon, linda, para o dia-a-dia? 😀

Majô, eu tenho um monte de coisa aqui que deve funcionar como protetor da sua câmera.
Mas, vc não acha o porre ficar botando e tirando ela da capa já que vc usa a câmera o tempo todo?
Se quiser, me escreve e passa o tamanho dela certinho que eu te mando, tá?

Riq, acho que todos já disseram o que eu gostaria de falar sobre esse evento. Quando era leitora do Uol, achava que não poderia ficar melhor, mas o quanto eu estava errada…como é maravilhoso quando a nossa expectativa é superada em muito…que boa surpresa.
Um beijo e muito obrigada a você e a toda essa gente boníssima com o qual é um prazer ‘conviver’ diariamente 🙂

Riq,
Vez por outra, escreve-se aqui um discurso de miss (e na charada de hoje tem um!!! rsrsrs), então vou citar uma frase do “escritor das misses” (coitado do Saint-Exupéry!!!): “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.
Sim, você realmente conseguiu nos cativar com sua comunicação descontraida, dos textos com pitadas de humor, das informações que todos querem ter, com toda sua inteligência e bagagem cultural.
E para entender tudo isto, olhe a sua volta (virtualmente, é claro!), veja o sem número de pessoas que conseguiu aglutinar ao seu redor, ou seja, a sua tripulação, que também muito honram este blog.
Portanto, amigo (se assim o posso chamar), você está de parabéns, assim como sua tripulação, e que este sucesso bombe cada vez mais.
Abraços a todos.

Obrigada, Arnaldo vou tentar. Se entendi você estava se referindo a proteção para documentos que é sempre bom também. Para câmera acho mais difícil, mas vou fazer o que você sugere, explicar para o/a atendente. Outro dia, vi na Drogaria Onofre do Leblon, uma embalagem de plástico transparente de creme da Vichy que seria perfeito para minha câmera. Mas, 100 pratas achei muito, apesar do creme ser bom.