Empurre (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Push quer dizer... aperte????

O brasileiro nunca viajou tanto ao exterior. Paradoxalmente, nunca as portas estiveram tão fechadas para nós. Explico. Quanto mais brasileiros viajam para fora, mais brasileiros se confundem na hora de decifrar o que é “push” e o que é “pull”.

Ah, sim: normalmente quando brasileiro fala “o brasileiro” está se referindo a todos os outros brasileiros, menos ele. Dessa vez eu faço questão de me incluir. Não será nesta encarnação que eu vou aprender o que é “push” e o que é “pull”.

Em mais de trinta anos de viagens internacionais, o máximo que o meu cérebro conseguiu fixar é que “push” não é o que eu penso que é. Mas daí a entender automaticamente que “push” quer dizer “empurre” e fazer com que eu force a porta para a frente sem precisar pensar – tsk, tsk. De jeito nenhum.


Já tentei de tudo, incluindo hipnose, simpatia e mandinga. Sem sucesso. Basta aparecer uma placa com os dizeres “push” ou “pull” para me deixar estático. São momentos intermináveis de breve apoplexia que se repetem ao longo do dia. Por que parou, parou por quê? Porque meu sistema nervoso parassimpático se recusa a aceitar que “push” quer dizer “empurre”.

E “pull”? É ainda pior. Se a minha reação ao letreiro “push” é puxar, a minha reação ao letreiro “pull” é consultar o Michaelis. Para mim trata-se de um verbo inteiramente vazio de significado, incapaz de comandar qualquer ação que seja.

Sei que não estou sozinho, e que as hordas de brasileiros em férias pelo mundo também sofrem o mesmo infortúnio. Talvez por isso haja tantos de nós indo a Orlando, Las Vegas, Dubai – lugares onde de maneira engenhosa a maioria das portas se abre automaticamente, sem que seja necessário pensar, pushar ou pullar.

Só enxergo um caminho para solucionar este problema ainda nesta existências. As mesmas lojas que trouxeram os letreiros de “Sale” e “30% off” para as vitrines brasucas poderiam fazer um acordo ortográfico com suas matrizes e começar a pôr “push” e “pull” nas portas daqui.

Enquanto isso, voltemos ao decoreba. “Push” não quer dizer puxe. “Push” quer dizer empurre. “Pull” não quer dizer pule. “Pull” quer dizer o quê? Esqueci. Tudo de novo. “Push”…

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


41 comentários

Adorei! O nosso cérebro realmente nao aceita assim tão facilmente que push não significa isso que a palavra diz. A crônica está ótima, como sempre. Beijos.

Eu tenho este problema, e sei exatamente o que significa. Moro em Ny city e esbarro nesta confusao a todo minuto. Se nao tiver nada escrito, otimo, mas se tiver push, ai meu tik tak num funciona. Se tiver pull eu sei que eh puxar, mas if push eu empaco, podem rir, num funciona mesmo.

Minha outra dificuldade é acertar o botão para abrir/fechar o portão da garagem do prédio 🙁
Sempre tenho que parar para pensar, assim como na pergunta crédito/débito e no push/pull.Tenho salvação???

como sempre, muito divertido!! posso dar uma sugestão? onde foi parar a palavra “diferente”?? alguém um dia achou que “diferenciado” era mais chique e aí a galera toda agora vai atrás, sem se dar conta de que o significado das duas palavras é “diferente” (desculpe o trocadilho…) (lembra o telemarketês, né? q está invadindo outras áreas, uhhhhhhhh). Tem outra coisa que me grila: por que todo chef de cozinha acha que tudo o que ele(ela) está fazendo é “nosso”: agora vamos tirar a nossa carne do fogo, vamos misturar o nosso alho porró às nossas batatas, etc.???? abraço e parabéns!!!!

Excelente! Eu simplesmente desisti. Faço como muitos dos colegas: EMPURRO! e seja o que Deus quiser. Se der errado eu puxo. Já até me acostumei. Sempre dá errado mesmo kkkk

Olha pode estar escrito o que o que for eu sempre EMPURRO e gostaria de saber quem inventou as portas que abrem pra fora??? Olha essa pessoa não é do meu grupo de “queridos”! e essas portas com sensor que vez ou outra deixam a gente quase meter a cara nelas?? ai vai, não é de propósito? mas poderia ser… quem já não quaaaseee bateu com o nariz no vidro? eu ja, que mico!

Foi muito divertido ler a sua crônica e me lembrar da minha primeira viagem a NY com meu namorado. Como todo brasileiro, sempre fazíamos confusão, mas acabávmos nos divertindo com a situação. Até que um dia, numa dessas brincadeiras, ele me disse assim “É fácil!! É só dizer “pullxe” e puxar a porta para abrir!!” Rimos até do trocadilho, e confesso que funcionou. A partir daí, sempre que vamos entrar em algum lugar onde está estampado o famoso “Pull”, já começamos a rir e até falamos em voz alta “Puulllxe”. rsrs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.