Enquete da semana: Europa no inverno

Hamburgo

Quando me pedem para destrinchar viagens à Europa no fim do ano e nas férias de janeiro, a minha reação inicial é tentar demover o perguntador. Me vêm à cabeça os dias curtos e gelados, às vezes molhados e ventosos, que desconvidam às caminhadas e deixam as fotos sombrias.

Claro que de vez em quando acontece aquele dia (ou, com sorte, aquela seqüência de dias) com céu claro e luz espetacular, em que as fotos saem mais bonitas do que nunca e você descobre o prazer de andar, andar, andar e não suar.

Mas na média acredito que não valha a pena torrar uma grana que nos faz falta para passar as férias brigando com as condições atmosféricas.

Mas se você só pode viajar no inverno europeu, bom, então sugiro que não monte um desses roteiros cheios de escalas e coisas para ver, ver e ver. O inverno é mais apropriado a experimentar.

Faça base numa cidade grande, aloje-se com conforto, e planeje seus dias em torno não de monumentos e vistas, mas de cultura e gastronomia. Fez um dia bonito? Ótimo, saia para para passear. Está chuviscando e ventando? Museu, cinema, exposição, visita ao mercado para fazer um piquenique no quarto. Alugar um apartamento é ideal: ao brincar de morador, você não sente o tempo passado em casa como perdido.

O inverno é uma época especialmente difícil para ir com dinheiro contado; ficar na rua o dia inteiro é muito mais tranqüilo no verão.

E você? Tem alguma experiência de férias no inverno europeu para contar?

E os nossos correspondentes europeus, o que dizem? O que podemos fazer para encarar a Europa no frio e aproveitar que os lugares não estão abarrotados de turistas?

Contem pra gente, pufavô…

Atenção: clique nas páginas anteriores da caixa de comentários para ter acesso a todos os relatos

531 comentários

Sylvia,
essa idéia da balança (como muitas outras que vem de vc) é demais! Para mim, que é sempre um tormento as minhas malas… Imagina, eu sou baixinha, magrinha, tipo mignon, mas sempre com umas malas enoooormes, nos últimos anos (com a ajuda de meu namorado) estou melhorando aos poucos e cada vez consigo reduzir um pouquinho a mala.
Mas essa sua da balança foi sensacional, outra vez uma vez vc arrazou!!!! Bjs.

Malas, essas malas e suas regras… Pesquisar essas regras foi uma das tarefas mais chatas que já fiz para blog….

Finalmente publiquei o início do comparativo!

Mas essa idéia de balança de catador de papel é legal (tipo dinamômetro).

Que tal uma tabelinha básica de peso de roupas para por na mala ?
Topas Mô ?
É bom lembrar que essa nóia de peso não vale para viagens pelo Brasil e redondezas, nem para viagens em que a passagem tem aquela belezinha
escrita assim bem claro : por volume ( dois de até 32 por pax) ai não
precisa nem pensar ( mas precisa carregar 🙁 )
Para mim europa é sinonimo de pouquissima bagagem, sempre !
Menos é mais e um é melhor 🙂

Olá pessoal, gostaria de saber alguma dica de hotel bem localizado em Barcelona e no Porto (Portugal).
Obrigado

Gosto de pesquisar sobre isso, mas tudo é muito relativo, muita gente MORRE de frio no inverno londrino, e é perfeitamente compreensível ainda mais se for um brasileiro, até no RIO DE JANEIRO tem gente que quase “congela” nos dias mais frios, é muito relativo mesmo. Para o turista comum do Brasil tropical pouco importa se, sem a Corrente do Golfo, Londres não teria 5 graus postivos e chuva em janeiro, mas 30 graus negativos e 1 metro de neve como cidades do Canadá e Rússia na mesma latitude, é tudo frio. Para os locais importa e muito, tanto Londres como Paris não tem a mínima estrutura para neve, se nevasse só como neva em NY de vez em quando as cidades viveriam o caos absoluto, elas aguentam (e mesmo assim não muito bem) só a nevinha fraca que cai nos dias mais frios do ano.

Finalizando, Roma e Lisboa são capitais que praticamente nunca (ou nunca mesmo) se pintam de branco no inverno.

Caramba, Leandro, pensei que você só entendesse de clima no Brasil 😯 Tô impressionado :mrgreen: