Excecional (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ilustração: Daniel Kondo

Ilustração | Daniel Kondo

Atenção, revisão: o título não está errado! Está escrito em português de Portugal pós-acordo ortográfico. (Sim, leitores: aqui estou eu de novo chafurdando neste assunto.)

Não é incrível que se tenha gasto a montanha de dinheiro, papel e tinta numa reforma para unificar o idioma escrito e, mesmo assim, ainda seja possível definir uma palavra como “escrita em português de Portugal pós-acordo ortográfico”?

O fato (que em Portugal continua o facto) é que a pretensa unificação da ortografia acabou por criar uma série de novas – e divertidas! – diferenças entre o português tuga e o português brazuca.

Os hotéis portugueses deixaram de ter recepção e passaram a atender os hóspedes recém-chegados na receção. (E ali você continua a fazer o seu registo, sem “r”, exatamente como já acontecia antes do acordo.)

Evitar filhos em Portugal ficou mais barato: os casais agora economizam um “p” ao comprar seus anticoncecionais. Em compensação o país se tornou um pouco mais inseguro: os detetores portugueses não detetam mais a letra “c”. Torço, entretanto, para que não haja mudança no sabor dos pasteizinhos de Belém, que agora são confecionados com um “c” a menos.

A reforma ortográfica poderia ter acabado com a corrupção em Portugal – mas não: a corrupção por lá continua igualzinha à do Brasil. Não virou “corrução” não.

Se isso deixa você decepcionado, conforme-se: se você fosse português, estaria no máximo dececionado. Se bem que não seria uma decepção temporária; seria uma deceção perentória.

Na verdade eu fico contente com essa avacalhação oficial. Entendo que essas novas diferenças abrem um precedente importante. Se os portugueses podem criar novas grafias para escrever do jeito que falam, por que você e eu precisamos nos ater a formas que não são fiéis à nossa pronúncia?

Brasileiros! Se os portugueses ganharam o direito de escrever “excecional”, por que nós não podemos escrever “muinto”? Por que não temos ao menos a opção de escrever “opição?” E “desconequitado”? E “acadjimia”? E o que não entendo até hoje: porque escrevemos “também”, se na vida real pronunciamos “tambêm”?

Pela legalização do verbo “vim”!

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


31 comentários

Acho que há uma pequena confusão, as consoantes pronunciadas não caíram, acho que nem mesmo no caso de “facto”, em que os portugueses pronunciam o “c” (eles falam /faktu/). Reveja o acordo ortográfico:
“c)Conservam-se ou eliminam-se, facultativamente, quando se proferem numa pronúncia culta, quer geral, quer restritamente, ou então quando oscilam entre a prolação e o emudecimento: aspecto e aspeto, cacto e cato, caracteres e carateres, dicção e dição; facto e fato, sector e setor, ceptro e cetro, concepção e conceção, corrupto e corruto, recepção e receção.”

    Olá, Rosangela! Não há confusão. Facto permanece facto porque os portugueses pronunciam o c. Excepcional e recepção viraram excecional e receção porque os portugueses não pronunciam o p nessas palavras.

Se eu já cometia gafes no português, depois dessa nova regras… melhor nem comentar!!!
Excecional seu post!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.