181 comentários

Eu usei ônibus direto por lá. S[ó ressalto que o ônibus que liga Foz a Puerto Iguazu encerra suas atividas por volta das 20h. Eu fiquei ilhada em Puerto Iguazu e tive que tomar um remis!

Nós alugamos carro, mas na Argentina (pra ter certeza de que não haveria problema de ir até as missões) e não tivemos problema – bem, tivemos um probleminha de tarifa, que o pessoal da Hertz falou que já estavam incluídas as taxas, e o cara da agência lá cobrou de novo. Alugamos na Hertz, e o moço simpático veio buscar a gente no hotel (depois da Hertz via telefone dar o endereço errado da agência – hoje só tem no aeroporto). Eles dão os papéis direitinho pra vir para o Brasil, é só pedir.
Foi muito tranqüilo, e navegar Foz do Iguaçu é mole, a cidade é muito bem sinalizada, e com uns mapinhas do centro que os hotéis dão fica mamão com açúcar.
Pra ir ao Paraguai, o ônibus é ótimo (já contei a experiência no post respectivo).

Nós, dois casais, optamos por alugar um carro com motorista que ficou à nossa disposição 24hs. Adoramos a experiência pois o Pacheco tem um Citroen, com ar condicionado, e conhece tudo e todos. Quando chega na fronteira ele pega nossos documentos e faz todos os trâmites para entrar na Argentina. Acompanha em todos os passeios, caso seja do seu interesse.Leva de volta ao hotel, faz as reservas nos restaurantes,leva ao cassino e espera até vc sair.
Ele é muito educado e não tivemos nenhum problema.
Não recomendo a Ciudad del Leste, tudo que tem lá encontramos no FreeShop logo após a fronteira da Argentina.Fomos na Monalisa e ao sair da loja um policial armado pediu que aguardássemos nosso motorista na porta pois é muito perigoso e nos contou casos e casos de assalto e abordagens aos turistas.
Bom, o nome dele é Pacheco, tel (45) 9108-3666 e ele cobrou R$200,00 a cada 24hs (agora em Março), para 2 casais. R$50,00 por pessoa, com toda essa mordomia, achamos que valeu.

    Boa Tarde! Malu, adorei seu comentario, gostaria de saber se ele leva em todas as outras atraçoes, e se o valor de R$50,00 é fixo ou depende do numero de pessoas??

Eu gosto da opção táxi/motorista. Você fecha um valor fixo por passeio e marca os horários que preferir. Esta pessoa que pegamos na verdade não era bem um taxista, ele tinha um carro ligado a uma agência de turismo. Foi ótimo, porque com o carro dele dá para entrar no Paraguai (ele estacionou e ficou esperando lá dentro), dá para entrar na Argentin sem filas nem problemas. Os valores foram assim: Aeroporto-Hotel (centro) – R$ 40,00, com direito a uma paradinha no duty-free para o maridones comprar um whisky, rs. Itaipu – R$ 60,00 ida e volta. Paraguai: R$ 80,00 ida e volta. Argentina: R$ 120,00 ida e volta. Não é tudo super barato, mas o conforto, a liberdade e a confiança compensam!

    Prezada Luciana,
    vc tem o contato desse taxist?
    Vou para Foz na semana que vem.
    Agradeço.

Oies povo! Sou nova de comentários, mas leio o blog ha tempos… *rs

É que recentemente fui à Foz do Iguaçu (é, na Páscoa, com a família toda), então posso contar um pouco da experiência que tive — ao menos com carro alugado e a ida à Ciudad del Este, sem pacote.

Fomos na sexta-feira e voltamos na segunda-feira, alugamos dois carros na Avis (por causa da diferença nas datas para a reserva, tivemos uma pequena diferença no valor da locação, mas não teve problema) e os pegamos lá mesmo no aeroporto. Para não nos perdermos, levamos nosso GPS, mas no final do primeiro dia, já dá pra ter uma ideia de como se localizar no centrinho. Lá, como não tínhamos planos para viajar além de Puerto Iguazu, então emitiram um termo que ‘permitia’ que fossemos ao lado argentino com o carro alugado (e não tivemos problemas, porque na verdade nem pediram a documentação do carro nas duas vezes em que atravessamos a fronteira).

Para Ciudad del Este, deixamos o carro na pousada e o taxista nos levou até o outro lado da ponte, perto de onde queríamos ir (os tais shoppings de eletrônicos e tal… *rs), por um valor fixo negociado. Fomos bem cedo, perto das 06:30, e já tinha bastante movimento nas ruas (apesar das lojas dos shoppings ainda estarem abrindo). Para voltar, voltamos a pé, a cidade já estava começando a ficar bem cheia. A aduana estava praticamente vazia e pegamos um táxi para voltar à pousada (sem o taxímetro também). Mais sossegado, impossível.

    DeniseKN: vc se lembra se, especificamente, o termo garantia a validade dos seguros contratados por você em território argentino?

    Andre, hmm… essa já é uma pergunta meio difícil. Mas, do que eu lembro, esse termo era só a autorização da Avis pra gente circular na região de Puerto Iguazú e só. :/
    Devia ter tirado foto desse termo… droga.

    André, Cheguei hoje de Foz, não viajo sem antes ler o blog, as dicas foram muito úteis. Aluguei carro da Hertz. Eles dão autorização para voce ir a Argentina. Quanto ao seguro(carta verde), voce faz em Foz, em casas lotéricas, mas também dá para fazer num escritório que fica próximo a fronteira Brasil Argentina e o menor valor é R$ 48,00 e dá cobertura por 3 dias. Fiz o seguro, em momento algum me foi exigido no territorio argentino, mas na falta do seguro a penalidade é multa e pode até haver a apreensão do veículo. Melhor fazer o seguro.

    Pois é, boa dica essa do Valter Santana, pois em janeiro de 2008 aluguei um carro da Hertz com a autorização para rodar na argentina. Estava eu tranquilamente rodando em porto Iguazu qdo me aparece um guardinha. Me fez parar o carro e pediu o seguro internacional… ferrou, não tinha isso… Aí me levou para uma espécie de quartel deles e lá disse que eu peguei a contra mão e me aplicou duas multas por contra mão e por falta do seguro internacional. E lógico que fez pressão para apreender o carro.. Final da história tive que pagar $200 dólares para o safado. Ou seja, o seguro internacional é importantíssimo e cuidado com os guardinhas de lá que inventam contra mão em ruas que nem sinalização tem.

Para ir ao Paraguay sempre atravesso a ponte a pé, para voltar me aventuro de moto taxi!

Eu alugaria um carro pela comodidade e facilidade que ele proporciona. Acho meio chato ter que negociar com os taxistas ou até mesmo com as empresas de receptivo.

Em janeiro quando eu fui os horários nunca davam certos com as atividades que eu tinha planejado e eu acabei ficando amarrada nesses roteiros tipo lado argentino + paradinha no free shop.

Riq, fui com Márcio a Foz em 2007 e andamos sempre de táxi. Infelizmente não anotamos os valores, mas me lembro de que achamos que foi uma ótima escolha. Alugar carro não é tão barato, e você ainda tem que se virar pra achar os lugares. O GPS ajuda, mas é bem mais conveniente alguém te levar direto para onde você quer ir. E a gente não precisou se preocupar em abastecer o carro, procurar (e pagar) estacionamento. Nós contratamos o “táxi” (não havia taxímetro, estava mais para carro de turismo, digamos) que tomamos no aeroporto assim que chegamos, porque gostamos do sujeito. Daí em diante, a gente ligava pra ele, marcava o passeio do dia seguinte e acertava o preço. Ele nos levou às cataratas, ao Parque das Aves, a Itaipu, ao Paraguai e à Argentina. Em Ciudad del Este, nos acompanhou nas compras, indicando as lojas sérias e os lugares não recomendáveis.

    Olá, vc ainda teria o telefone do dono do taxi ? Estou indo para lá semana que vem

Quem for em carro próprio ou alugado para Ciudad del Este, pode deixar o carro no estacionamento e pegar um táxi apenas para atravessar a ponte. Foi o que fizemos. Na entrada atravessamos andando mesmo, mas na volta, cheios de compras, pegamos um táxi.

O onibus em regra é uma boa opção. Só se deve ficar atento para os horaios da Argentina para Foz, que quando fui, acabavam cedo, creio que as 8 da noite, obrigando a se tomar um taxi.

Riq . Que tal fazer um post Comendo em Foz? Para quem gosta de comida àrabe, é uma das boas atrações da Cidade.

A parte das missões na Argentina, que se pode ir tanto de onibus, quanto com uma excursão (contratada no lado argentino), tambem vale outro post.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.