Iguaçu: o lado brasileiro

Em frente ao Hotel das Cataratas, antes do parque abrir para o público

Organizado, prático, limpinho, o parque brasileiro do Iguaçu é um programa de ecoturismo de nível de dificuldade zero. É tão perto do aeroporto (dez minutinhos de carro) e tão fácil de visitar, que se você não quisesse fazer mais nada em Foz daria até para fazer um bate-volta de avião. (Mas claro que você vai querer ver mais coisas em Foz. No mínimo, o lado argentino, que vai ganhar post próprio nos próximos dias.)

Na cheia: água por todas as fendas, e uma nuvem de spray na Garganta

Na seca, esses saltos às vezes ficam, ahn, desligados

A entrada para brasileiros custa R$ 15. Você deixa o carro (ou desembarca do ônibus de turismo) no estacionamento do centro de visitantes e pega o ônibus interno do parque, que custa R$ 6,15 extras e tem dois andares (o de baixo, refrigerado; o de cima, aberto).

As quedas parecem organizadas em andares

Os ônibus passam freqüentemente e param nos pontos principais — incluindo o Macuco Safári.

Para fazer o circuito panorâmico principal, você desce em frente ao Hotel das Cataratas e já está na cara do gol.

Tchibum!

A partir dali, a trilha funciona como um camarote: você vê os saltos o tempo todo. De vez em quando aparece um mirante ainda melhor localizado para bater fotos sem cabeças à sua frente.

Lá por janeiro as águas devem estar branquinhas

Se você não fizer paradas muito longas para fotos ou para simplesmente ficar de boca aberta, a trilha-camarote leva menos de meia hora.

Sempre lembrando que estamos na selva

Ao fim dela você pode descer até a passarela fincada no rio, que vai até o pé (a uma distância segura) da Garganta do Diabo. Em época de cheia, porém (como agora), você vai ver pouco e se molhar muito.

It's raining spray

A vista de quem não desce

A vista de quem sobe de elevador ao mirantão

Enfim, é um percurso tão fácil e rápido que você pode fazer carregando suas compras do Paraguai. Ou de bolsa dourada e salto alto, como esta aí de baixo (não consegui fotografar o salto, desculpaê).

Tava de salto alto, juro

Dos passeios complementares, o único realmente popular é o Macuco (o famoso passeio de barco até a base de cataratas secundárias). Mas há outros passeios guiados funcionando dentro do parque — como a Trilha do Poço Preto (que termina com um passeio de caiaque numa parte segura e calminha do rio Iguaçu), a Trilha das Bananeiras (também com caiaque no final) e o Cânion Iguaçu (onde há ratfing, tirolesa, arvorismo e rapel).

Mas a maioria combina a visita ao parque com duas atrações que se localizam rente à entrada: o Parque das Aves e o passeio de helicóptero. (Ainda na mesma estrada, mas um pouco antes, encontra-se um parque aquático.)

O assunto ainda não acabou, não. O lado argentino deve dar pelo menos dois posts…

Post publicado em dezembro de 2009.

Leia mais:

86 comentários

DA P VISITAR AS CATARATAS DIRETO DO AEROPORTO COM MALA E TUDO ?

    Olá, Ana Claudia! NÃO USE MAIÚSCULAS NA INTERNET, É COMO SE VOCÊ ESTIVESSE GRITANDO.

    Há guarda-volumes (malex) no aeroporto de Foz.

Olá! O Hotel das Cataratas aluga bicicletas aos hóspedes e penso em ir até o parque das aves pedalando. Pelo Google Maps são 36 minutos. Me parece tranquilo, mas não tenho ideia de como é o caminho até lá. Alguém sabe? E o passeio no parque do lado brasileiro, dá pra fazer de bike, ou é perrengue?
Super obrigada!

    Olá, Joana! Do hotel ao Parque das Aves você vai pela estrada interna do parque de Iguaçu, que tem movimento mínimo. Não acredito que seja permitido fazer o circuito dos pedestres de bicicleta, seria muito perigoso para os pedestres.

Olá boa noite,
Vou para Foz com 4 noites ficarei no Florença Iguaçu Hotel que fica na Rodovias das Cataratas Km 16.7, e gostaria de fazer todos os passeios com o transporte coletivo da cidade, será que tem como? , porque já vi que o Hotel fica distante do centro da cidade? Por favor me dei umas dicas Bjs e obrigado.

Parabéns por tantas informações boas! Pretendo ir a Foz em agosto e sozinha. Vc acha que é um problema pra fazer os passeios, circular por lá? Abraços!

Pessoal,
Alguém á fez a tilha do Poço Preto, no lado brasileiro? Terei pelo menos 3 dias inteiros para ver p lado argentino + o lado brasileiro, quero decidir que passeios adicionais fazer. Vale a pena ps quase 130 reais q estao cobrando?
Abs

    Olá, Marcelle! Recomendamos dois dias para o lado argentino, há muitas trilhas interessantes para fazer por lá, inclusas no preço de entrada.

Como são os passeios para cadeirante?
Estou de viagem em dezembro e meu filho mais velho e deficiente fisico e, estou peocupada em relação a acessibilidade. abraços

    Olá, Fatima! O lado brasileiro é bastante acessível. O lado argentino dá um pouco mais de trabalho, porque as passarelas são bem mais longas, mas é possível de visitar, sim.