Interdita!

Minha crônica no Guia do Estadão de hoje.

São Paulo pode viver sem Congonhas funcionando do jeito que estava? A julgar pelos últimos dias, pode. Sim, eu sei, boa parte da confusão do aeroporto central foi apenas exportada para Guarulhos. Mas é melhor para todos nós que as atenções estejam dirigidas para o trem expresso e a terceira pista de Cumbica do que para mais ampliações em Congonhas.
 
Paciência. Vai demorar alguns meses até que as companhias aéreas consigam reorganizar de fato suas malhas, e os passageiros descubram o caminho de Guarulhos, de Campinas ou da rodoviária.

Desculpem me aproveitar da situação para voltar com um assunto que aparentemente não tem nada a ver com isso, mas – e se a gente aproveitasse a confusão para demolir o… Minhocão?

minhocao451.jpg

A razão da inconveniência do Minhocão é a mesma da inconveniência de Congonhas: os prédios na cabeceira da pista. Com um agravante. À diferença do entorno de Congonhas, os edifícios da avenida São João já existiam quando inventaram de construir o elevado. No início, Congonhas não era o monstro que é hoje – mas o Minhocão foi uma aberração desde sempre.

Sem o Minhocão o trânsito da cidade ficaria caótico? Ficaria. Pelo menos por alguns meses. Mas, assim como vai acabar acontecendo com Congonhas, encontraríamos uma saída. Provavelmente, a mesma saída que encontramos hoje, das 21h30 às 6h, e durante todos os domingos, quando o Minhocão é interditado.

Aliás, interditar é um ótimo começo – que, estranhamente, nunca foi cogitado pelos prefeitos que, volta e meia, falam em demolir o estrupício. Não custa tentar. Em setembro, um mês sem Minhocão! Aposto que não vai ser muito pior do que dois dias sem Congonhas. A gente se acostuma. Como se acostumou com o rodízio e o corredor de ônibus da Rebouças – duas medidas que ousaram ir contra os carros particulares.

O Minhocão é o nosso Muro de Berlim. Escondida atrás dele está uma Berlim Oriental pronta para ser recuperada. Sem o Minhocão, a São João pode virar a nossa Mitte; e a Barra Funda, o nosso Prenzlauer Berg. (Tudo muito mais rápido, efetivo e barato do que a Potsdamer Platz que está planejada para a Cracolândia.)

A propósito, vou apelar. O prefeito já imaginou a lindeza que ficariam a São João e a General Olímpio da Silveira, livres do Minhocão, realçando as fachadas despoluídas pelo Cidade Limpa?

Prefeito, interdita esse outdoor! (Depois fica fácil demolir.)

16 comentários

mcb, eu sou pelo fechamento sumário do Minhocão 😆

Congonhas eu manteria com menos vôos, sem a função de hub, e com reformas na pista para aumentar a cabeceira (ou a volta de aviões menores).

Riq,

achei que tivesse entendido seus pontos de vista, mas a julgar pelos comentários, talvez não. Afinal, sobre o aeroporto de Congonhas: você é a favor do fechamento ou da diminuição de fluxo?

Abraço!

Carol

Riq,
A sua retomada da desmontagem do minhocão foi super oportuna, pois cair pode, tirar não!
Nunca cansarei de argumentar a fovor da devolução à cidade do já era dela, no caso a Av. São João integra e buenosairesca, como foram devolvidas as fachadas das edificações (ver http://www.vitruvius.com.br/minhacidade/mc139/mc139.asp).
O prefeito no programa Roda Viva disse que é favor da retirada do minhocão, mas acha que não será na sua gestão. Para tanto a gestão atual terá que fazer algo que deveria ter sido feito para Congonhas: planejamento.
A interdição sem programação será desnecessariamente caótica, o minhocão tem que ter seu “cronograma de morte anunciado”.

impressionantes qtas boas idéias urbanísticas surgem nos comentários sobre o minhocão. mais impressionante é ele ter sido feito e continuar existindo. e nenhuma dessas idéias serem implantadas por governates e políticos que deveriam pensar a cidade.
gostei do estilo pé ante pé, ric.
kassab , interdita e depois qdo o povo se acostumar é só implodir! é a continuidade natural do cidade limpa.

Infelizmente enquanto os governos não fizerem uma opção real ( não só discurso) por um transporte público eficiente serão necessárias mais e mais vias: Minhocões, elevados, vias expressas que arrasam bairros e dividem comunidades ( como no Catumbi, no Rio)…Como o transporte público é péssimo desde que me entendo por gente ( e lá vai tempo nisso!), assim que sobra um dinheirinho as pessoas pensam em comprar seu carrinho p/ se livrar do tormento do busão. Mesmo que seja um carro velho que vai poluir mais, que vai enguiçar e prejudicar trânsito, etc., mas vão poder sair de casa mais tarde, chegar mais cedo…E querer mais um andar no minhocão!
Quando teremos um transporte limpo, rápido, confortável, barato…?

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.