Loja livre (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Duty Free

Qual o destino de viagem preferido do brasileiro no exterior? Orlando, você vai dizer, de supetão. Se conhecer as estatísticas, vai falar Buenos Aires. Dependendo do seu círculo de amizades, talvez arrisque Nova York ou Londres ou Barcelona. Espíritos românticos dirão Paris. Já ouço reclamações vindas aí de trás por eu não ter ainda mencionado Itália ou Portugal.

Se você pensou num desses lugares, lamento: errou. O lugar preferido do brasileiro no exterior é o Free Shop.

Como eu sei disso? Tenho um site sobre viagens. Recebo mais perguntas sobre free shops do que de sobre qualquer atração turística onde quer que seja.

Tome por exemplo Buenos Aires. Por mais que os guias e reportagens descrevam a capital da Argentina como a terra do ojo de bife, do Malbec e do bandoneón, no imaginário brasileiro trata-se do free shop mais próximo de casa.


Há poucos meses pensei que o povo brasileiro fosse pegar em armas para tentar reverter a transferência de inúmeros vôos do aeroporto de Ezeiza (o Cumbica de Buenos Aires, a uma hora de viagem) para o Aeroparque (o Congonhas portenho, do ladinho do centro). Tudo porque o free shop do Aeroparque tem um quinto do tamanho de Ezeiza. Mas desde então tenho percebido um aumento nas viagens a Buenos Aires com conexão em Montevidéu. Imagine: dois free shops numa viagem só! Isso sim são férias.

Tá pensando o quê? Brasileiros trocam acarajés e caipiroskas arretadas no Nordeste por daiquiris aguados e piñas coladas xaroposas no Caribe só pela possibilidade de fazer uma fezinha no free shop.

É fácil entender essa fixação. Somos o povo mais oprimido por impostos do planeta. É maravilhoso poder pisar nesses lugares em que você não paga nada para o governo para se maquiar, se perfurmar, se embebedar ou arranjar um câncer de pulmão. O novo IOF no cartão estragou um pouco a brincadeira, mas nada que viajar com um bolo de dinheiro vivo não resolva.

No free shop tudo é chique. Só tem grife, do chocolate à almofadinha inflável de pescoço. E todo cliente é importante: são lojas freqüentadas apenas por viajantes internacionais!

E qual é o segundo destino de viagem preferidodo brasileiro no exterior? Fácil: é o Outlet.

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


87 comentários

A mais pura verdade!! Minha mãe é um exemplo fez sua primeira viagem internacional não faz tanto tempo.

Ficou super empolgada! Essa viagem acelerou seus conhecimentos em internet só p/ poder consultar sobre a viagem na internet. Sobre a viagem?? Nada!! Ela ficou craque em sites de free shop. Sabia tudo!! O que era melhor no free shop brasileiro, no americano, etc….. Impressionante!!!

E outro dia fui surpreendido novamente. Ela me deu uma aula de cupons nos free shops de Orlando. Minha mãe sabe das coisas!!!

Prova maior da fixacao de brazucas por Free Shops acontece em Foz/Pt Iguassu/Ar, mesmo tendo o Paraguay ao lado o free Shop de Puerto Iguassu vive lotado!!! Paraguay durante o dia – casa/hotel – banho – Free Shop da Argentina, e claro, jantar tbem na Argentina p fechar o dia com chave de ouro! No outro dia, Cataratas da Argentina ou do Brasil e todo mundo solta essa: da para darmos uma passadinha no free shop de novo? 😉

Estou rolando de rir, Riq! 🙂

Aliás, quais os melhores free-shops do mundo, na sua opinião e na dos trips? No sentido da variedade, qualidade e preço, e não o mais bonito.

Poderia até virar uma dica né Riq, caso vc se perca no exterior, procure o Outlet ou Free Shop mais próximo que você encontrará o grupo.

O do Panama é estilo shopping de tao grande. Confesso que fiquei só nos chocolates por me sentir no Paraguay. Vou passar por lá de novo mes que vem, alguma dica de loja? É limpeza? Preços bons de cameras? Há site?

Abracos

Excelente texto! Nunca havia pensado nisso dessa forma, mas vc tem toda razão! Em uma ocasião, quando fui a Buenos Aires (para me divertir na cidade e não por causa do free shop, onde, aliás, nem comprei nada pois havia gasto tudo antes!) uma colega de albergue disse que não iria ao show de tango (era a primeira vez de nós duas na cidade) porque com aquele dinheiro poderia comprar dois relógios no free shop! Na época fiquei chocada, mas agora lendo seu texto consigo entender o tipo de viajante que ela era…rs
beijo gde

A-M-E-I! Riq, mais sensível impossível!!!! Eu tinha clientes na agência que faziam exatamente isto! Escolhiam as rotas e os aeroportos de acordo com a qualidade do free shop e as primeiras coisas que pediam para eu indicar nos mapas da cidade eram os outlets…

Genial!!! 😆

Outlet eu sempre tive um verdadeiro horror. Free shop tem lá seus encantos, mas eu me atenho aos comestíveis só, sempre… 🙂

    Já fui muito em outlet, hoje não perco um minuto do meu tempo por lá, só tem produtos de qualidade duvidosa e ultrapassados que acabo nem usando depois, é o barato que sai caro.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.