Nova York: hotéis fora do fervo

Publicado originalmente na minha página Turista Profissional, que sai toda terça-feira no caderno Viagem & Aventura do Estadão.

Pracinha perto do Pod Hotel
Pracinha perto do Pod Hotel

Na primeira vez em Nova York é difícil não se hospedar entre a Times Square e o Central Park. Ali está a metrópole dos luminosos, dos teatros da Broadway, das lojas de departamento, dos museus mais importantes. Em visitas posteriores, porém, talvez você não precise, ou mesmo não queira, ficar tão perto assim das atrações turísticas mais óbvias.

Se o seu objetivo for olhar vitrines, conferir restaurantes descolados e cair na balada, considere ficar num hotel fora da zona hoteleira tradicional – sobretudo na parte de baixo da ilha. Dificilmente esses hotéis aparecem nas ofertas dos pacotes, mas podem ser reservados em agências online.

PERTO DO SOHO

Canal St., Chinatown
Canal St., Chinatown

O Soho não é mais um endereço de vanguarda, mas continua como um lugar bem bacaninha para comprar e comer. No entanto, em vez de pagar a fortuna que os hotéis do bairro cobram, é melhor se hospedar nas redondezas.

A região de Tribeca tem boas opções: o novinho Hilton Garden Inn Tribeca e o básico Cosmo Hotel. Mais pertinho, outro bem novo: o Hampton Inn Soho.

Na bagunça daa Canal St. (a 25 de Março/Saara de Nova York), o Azure surpreende com ambiente de hotel-design.

Para aproveitar tanto o Soho quanto o Village, tente o Four Points by Sheraton Soho Village ou o Washington Square Hotel.

MEATPACKING

High Line & The Standard
High Line & The Standard

É oficial: o Meatpacking District não consegue sair da moda. Se as butiques e os restaurantes do bairro forem para o seu bico, então cacife um dos hotéis do pedaço.

A piscina do terraço do Soho House (US$ 525) era praticamente um personagem da série Sex and the City. O Gansevoort fica em frente aos restaurantes Pastis e Spice Market.

De todos, o Maritime é o menos caro. As novidade são o The Standard, que serve de camarote para o parque High Line e o charmoso Dream Downtown, vizinho ao Maritime. Para economizar, abra mão de banheiro no quarto e fique no The Jane.

LOWER EAST SIDE

Gem Soho, no LES
Gem Soho, no LES

Andando para o leste por qualquer uma das ruas transversais do Soho (Spring, Prince, Broome, Grant), em quinze minutos você chega ao novo antro dos moderninhos: o Lower East Side.

A cada dia aparecem mais lojinhas, bares, restaurantes – e hotéis. Os mais em conta são o East Houston e o Gem Hotel Soho.

Os mais metidos são o discreto Thompson LES e o muvucado Hotel On Rivington (US$ 371).

No meio do caminho para o Soho, o Off Soho Suites tem quartos grandes, saleta, cozinha equipada e preços razoáveis.

CHELSEA E HELL’S KITCHEN

Chelsea
Chelsea

Já é possível se hospedar no coração do bairro gay da ilha, no novo Gem Hotel Chelsea. Uma opção mais básica ali perto é o Hampton Inn Chelsea.

Já fora do epicentro do bairro tem um hotel recentemente renovado, o Four Points by Sheraton Chelsea.

O corredor GLS se estende até Midtown, na região de Hell”s Kitchen. Por lá acaba de abrir o Ink48. Uma opção mais careta, próxima a bons restaurantes da Nona Avenida, é o 414 Hotel.

MIDTOWN

Pátio do Pod
Pátio do Pod

Querendo ficar no meio da cidade, mas sem tropeçar em turistas, prefira o lado leste. O Pod Hotel é um simpaticíssimo pós-albergue. Há quartos nano, com banheiro compartilhado, e também apartamentos completos.

Um pouco mais para baixo — e não tão leste assim, na 29 entre 5a. e 6a., o moderninho-charmoso Ace costuma ter quartos baratos; alguns, com beliche, também.

Leia mais:

Onde ficar em Nova York: hotéis bem-localizados, região por região

100 hotéis em Nova York comentados pelos leitores

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


256 comentários

Irei a NY agora em novembro e optei por, pela primeira vez, ficar em um apartamento alugado http://vacationhomerentals.com . Fica no Soho e me custará 192 dólares/dia, por uma semana. Fiz uma pesquisa de hotéis e o mais barato era bem acima de USD200, fora taxas…Já fiquei em diversos hotéis, mas a partir de agora, tendo a optar por ap’s alugados. Pesando pros e contras, acho mais vantajoso, especialmente em estadias mais longas.

Riq, o lance de trazer vinho da Itália pro Brasil, dentro das normas, saindo por Malpensa, ficou assim:
3 litros na bagagem despachada e 5 litros no free shop.

    Provavelmente eu perdi o começo da conversa (estou uns vinte posts atrasado) mas o que significa “dentro das normas” nessa matéria? Já trouxe bem mais que isso e nunca houve problema.

    É de outro post, PêEsse, quando o Zé Maria tinha perguntado o que dava pra trazer de bebida e comida do exterior dentro das normas da alfândega :mrgreen:

    Zé Maria, para lhe ser bem franco, já cheguei a trazer dez garrafas só em uma mala dessas médias de rodinha, protegidas por um plástico bolha próprio para garrafas e envolvidas pelas roupas. Em viagens curtas (tipo uma de quatro dias pelas vinícolas do Chile), para as quais saio com pouca coisa na bagagem, dá para fazer isso. Além disso, por ser azul no Fidelidade Tam, tenho dez quilos a mais, o que evita pagar excesso. A essas garrafas sempre se somam mais algumas compradas no free shop, cuja quantidade varia dependendo do que estiver a venda.

    Não me lembro da última vez que voltei de uma viagem internacional e não tenha sido selecionado pela Alfândega (devo ter cara de muambeiro). Todas as vezes minhas malas passaram pelo raio-X e ninguém nunca questionou nada porque a quantidade demonstra que é para consumo próprio, não para comércio. Além disso, a Receita Federal implica mesmo é com eletrônico, não com bebidas, roupas, essas coisas.

    Com o preço cada vez mais proibitivo e injusto dos vinhos de razoáveis a bons no Brasil, não deixo essas oportunidades passarem, não.

Rosa, verifiquei para novembro e estão em US$ 293-apto single. Como vc conseguiu US$120? Achei o hotel Rockefeller Center bem legal.

    Acho que houve uma onda de superofertas há alguns meses. Os preços estão subindo agora. Mas ainda estão mais em conta do que antes da crise.

    Para você ver: houve diferença entre os preços que eu apurei há menos de uma semana para a coluna do Estadão. Em alguns casos o preço baixou (nos Hilton Garden Inn, nos Gem Hotel e no Pod). Em outros, subiu um pouco.

Falando em Estadão essa semana saiu na contracapa do O Sul (POA) uma pg inteira sb NY , e posso jurar que ví um super-plágio . Lócico que não está assinado Riq , mas AE 😉
PS- Adorei o site do POD 😀

Rick,

Parabéns pela matéria do Estadão e do guia do fim de semana.

By the way, vc tem conhecimento do novo empreendimento na Paraíba? O Resort Mantra (da mesma rede do hotel de Punta de Leste.

    Estou seguindo o resort no Twitter. Bem curioso. Fica na praia que eu gosto, Tabatinga.

    Riq, aqui tá sendo anunciado na TV como sendo na praia vizinha, Carapibus (a menos que 2 resorts tenham resolvido inaugurar na mesma semana!). Estou pensando em passar por lá esse fim de semana pra conhecer.

    Ops, isso mesmo! Eu é que me enganei!

    (Engraçado que a primeira vez que vi pensei que fosse uma repaginada da pousada Aruanã. Mas pelo jeito é outro hotel meeeesmo.)

Izabel, compartilho da mesma preocupação que você. Reservei para a 1ª semana de janeiro o hotel Rockefeller Center, 120US$. Se o 414 Hotel por 185us$ for fraquinho, imagina o Rockefeller? Vou apostar nas escolhas requintadíssimas do Riq e esperar uma hospedagem razoável.

    Uma amiga minha acabou de ficar no Rockefeller e gostou, viu, Rosa. Fique tranquila. 😆

Riq, como fã do lado leste abaixo da 14, fiquei duas semanas no ano passado bem lá em baixo no Hampton Inn – Seaport. Perto da Brooklyn Bridge. Breakfast de graça, quarto manero, dei sorte de ficar no último andar com terraço e ótima vista pro sul todo e Brooklyn. Checa aqui: http://is.gd/3QImw

ops, acho que meu mega comentário ficou preso…

    Eu fiquei no Upper West Side nessa minha ida a NY, em dois hotéis bem legais, também fora do burburinho e com bons preços.
    O primeiro bem upper mesmo, lá na 79th com a Broadway, chamado On The Ave, com uma vizinhança muito simpática e quartos grandes, e o melhor, em frente a um mercadinhos Gourmet, a dois quarteirões do Central Park:
    http://www.ontheave-nyc.com

    E o segundo, já mais perto de Midtown, mas ainda longe do miolo, oficialmente ainda no Upper West Side, ao lado do Licoln Center, com uma vizinhança bacana também (Barnes & Nobles; Bed, Bath and Beyond; Duane, etc), além de ficar ao lado do delicioso PJ’s Clark O nome do hotel é The Empire, recém reformado, com decoração moderninha-kitsch e baladinhas no Roof Top Bar e Bar do Lobby.
    http://www.empirehotelnyc.com

    PêEsse, eu paguei ambos na faiza de U$175,00 no quarto duplo, com taxas MAS na época de super ofertas que foi junho/julho quando os preços estavam BEM baixos mesmo. Agora devem ter subido um pouco.

    Acabei de reservar o On the Ave para um período de 12 dias no final de outubro com tarifa média de USD 290 no quarto Deluxe com 2 Double Beds, este é normalmente o preço do quarto Standard. Consegui este preço em uma oferta especial do hotel, que hoje já estava com preço diferente (média de USD 330).

    Riq, acho que os comentários ficaram iguais então. Pode apagar um deles; valeu.

Já adiantando o sobre o post dos hoteis da Times Square… Vcs sabiam que a maioria das operadoras no Brasil parou de trabalhar com o Pennsylvania Hotel e que muita outras só fazem a reserva caso o cliente se comprometa a assinar um termo dizendo que fez uma escolha consciente e informada por este hotel?

Eu particularmente acho um absurdo que um dos 5 maiores (em número de quartos…) hotéis de uma cidade como Manhattan chegue a esse ponto.

Falando em NY, vou pra lá na primeira semana de dezembro (pela primeira vez) e estou aguardando e coletando todas as informações que pingam por aqui!!

O post sobre como chegar/sair dos outros aeroportos vai sair tb??

    Dri acabei de voltar e sugiro alguns programas que achei imperdíveis: Tenement Museum, na orchard street. Você visita os apartamentos de imigrantes que moraram em NY, ouve as histórias, genial. Você pode almoçar no Katz (famosa deli com sanduíche de pastrami; peça meio sanduba e meia sopa) e tomar sorvete na Orchard mesmo, Il Laboratório del Gelato, pertinho do museu. De longe o melhor sorevte que já tomei. Você pode passear na via elevada em Meatpacking District (fiquei sabendo por aqui!). Não deixe de almoçar no Chelsea Market, um mercado de orgânicos. O Hale and Herthy Soups é muito gostoso. Para sair do aeroporto, peguei o LIRR até Jamaica e depois um metrô e voltei de van conforme indicação dos amigos do blog. Estava com mala de rodinha e foi chato ficar puxando nas escadas do metrô. A Van da volta pagamos trinta e poucos dolares em 2 pessoas. Entre no MC Donalds para pegar cupons de descontos se não tiver no seu hotel. Se tiver que comer no Mac, experimente Hamburguer de Angus com cogumelos e queijo suiço. Em cafés e delis você monta saladas, massas ou sanduíches bem razoáveis pela metade do preço de restaurantes.Para o metrô, peguei um passe de 1 semana, uso ilimitado. Saiu 27 dolares se não me engano; acredite, você vai precisar! Obrigada a todos pelas dicas q recebi. Abs

    Vou para NY no ano que vem e uma das minhas opções de estadia é o Pennsylvania. Gostaria de saber o porque das operadoras não trabalharem mais com ele. O hotel é ruim?

    É um hotel gigantesco, bem localizado (perto da Penn Station) mas com muitos quartos degradados. Procure na barra lateral da direita os vídeos da série Desempacotando Nova York. No primeiro e no último você vê como pode ser o quarto que sobra para você.

Hoje vou ser eu a inaugurar!
Como escrevi atrás, a minha reserva para o “careta” 414 Hotel, em Abril, via Booking (com pequeno almoço) ficou numa média de 185 dólares/dia.
Ou o hotelzinho, para além de “careta” (estou um bocadinho traumatizada, confesso) é fraquinho, fraquinho, ou os suas escolhas são requintadíssimas. Os preços estão tão díspares do meu…

    O “careta” era só para caracterizar que o hotel não estava exatamente no epicentro gay do bairro. Foi só para não espantar os conservadores 🙂

    O nosso Hugo ficou lá e gostou muito — ele é um homem de gosto requintado, não se preocupe.

    Os preços variam MUITO, tanto de acordo com a época da estada quanto o momento em que a reserva é feita. É um mercado bastante dinâmico.

    Já sabia que me ia responder isso . Foi só para o picar…
    (Aqui diz-se assim, quer dizer para me meter consigo, … bom, também não sei se soou muito bem)
    Beijinhos

    Rqi,
    Eu tambem fiquei no 414 Hotel… nao achei careta, mas achei fraquinho para um “boutique”. O legal eh mesmo a localizacao e o preco.
    Eu estava planejando esse feriadinho em NYC, mas os precisnhos dos hoteis estao carissimo. Acho que vou ver a Marcie numa outra oportunidade 😉
    bjks

    Acho que eles se consideram “boutique” pelo fato do hotel ser pequeno, tão perto dos hotelões de Times Square. Mas não é um lugar pretensioso, não…

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.