O valor das coisas

    O valor das coisas 3

Acabei de subir um texto novo lá no ViajeAqui.

É uma reflexão a propósito da última onda de promoções de pacotes e passagens. Sobre como, sem preços-base que nos sirvam de parâmetro, não dá para saber o que significa “volta grátis” ou “90% de desconto”.

Alguns trechos:

14 anos depois de implantado o real, eu não tenho a mínima de idéia de quanto custe uma ponte aérea, uma passagem para Florianópolis, uma diária de carro alugado, um pacote de uma semana para o Recife ou uma diária avulsa num resort da Costa do Sauípe.

(…)

Se uma passagem de ida para um mesmo lugar pode custar 400 ou 900 reais, o que é uma “volta grátis”? (Num exemplo extremo – e, eu sei, fantasioso – uma volta grátis da passagem de 900 sairia mais caro para o consumidor do que a volta paga da passagem de 400.) Num espectro tão amplo de preços, o que significa “descontos de até 90%”? Quantos assentos num vôo costumam ser efetivamente vendidos pela tarifa cheia que está servindo de base para esse desconto?

Como eu posso comparar o preço de um pacote de 4 dias, como esses que estão sendo oferecidos nessas promoções do segundo semestre, com os pacotes-padrão, de 7 dias, oferecidos no primeiro semestre? Será que isso não teria que ser avisado pelo “fabricante”, como aconteceu com o papel higiênico quando diminuíram o tamanho do rolo?

E mais uma coisa: será bom para as companhias aéreas incutir a idéia de que só faz bons negócios quem passa madrugadas acordado, garimpando vôos na internet, durante promoções anunciadas em cima do laço?

O texto completo está . Clica aqui que eu te levo.

15 comentários

Lei da oferta e procura:
Rio-Fortaleza de madrugada é o mesmo preço de Fortaleza-Recife (manhã) que é o mesmo preço de Recife-Rio (a tarde). E Recife-Noronha-Recife sai mais que o dobro do que os três trechos anteriores juntos.

É mais barato ir para Bariloche do que Noronha rsrs

Gente, é exatamente isso que está acontecendo comigo!!!!!
É coisa de maluco planejar uma estadia sem os “pacotões” das operadoras!
Em relação à minha quase viagem a Porto de Galinhas, já estou com 03 informações diferentes sobre a tarifa de uma única pousada: uma da operadora, uma por telefone com a pousada e outra ainda por e-mail através do site da pousada “com musiquinha” e sem muita informação, como disse a Jurema.
É infernal!!! Tô quase desistindo…

Tentei escrever aqui antes, mas veio aquela mensagem de erro outra vez. 👿

Também como a Jurema me irritam os sites de pousadas que não colocam os preços. Fica a impressão que as diárias variam de acordo com o cliente….

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.