Orlando: qual foi a sua estratégia de visita?

Islands of Adventure, na Universal

Pessoal, desculpaê a falta de posts dos últimos dias. Orlando não é pra principiantes como eu 🙂

Depois de saracotear pra cima e pra baixo, e de me hospedar em três pontos diferentes da cidade, acho que finalmente entendo um pouquinho do lugar. Claro que não virei um expert instantâneo; qualquer criança riquinha que tenha vindo três vezes à Disney tem mais autoridade do que eu.

O que eu queria — como foi também o objetivo do zig-zag entre Chile e Argentina — era ser capaz de processar a montanha de informações disponíveis por aí e ajudar outros neófitos a entenderem o lugar.

(Fora o monte de insights e iluminações sobre o ato de viajar que estão aparecendo.)

Depois que acabar de fazer a ronda dos parques, vou postar minhas recomendações. Mas antes disso queria ouvir a experiência de vocês.

Em que parte da cidade você ficou? Alugou carro? Tentou ver tudo ou deixou alguma coisa para a próxima? Qual foi a sua estratégia para compras? E sobretudo: o que você faria diferente da próxima vez?

Obrigado!

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


410 comentários

Curto muito Orlando/Parques, já morei lá por um tempo e já trabalhei na Disney também!
O ideal pra curtir Orlando num esquema Parques + compras fica em torno de uns 15 dias.
Magic Kingdom, Epcot, Hollywood Studios, Animal Kingdom, Island of Adventure, Universal, Busch Gardens, Sea World, Typhoon Lagoon, Blizzard Beach, pelo menos um dia pra cada um. Chegue BEM cedo. Você anda o dia inteiro e realmente sai CANSADO no fim de tarde.
Compras, pelo menos um dia para o Premiun Outlets (acho melhor que o Prime). Floria Mall tem lojas mto boas, mas é shopping, não outlet.
Além do Besty Buy, você pode encontrar coisas legais e preços muito bons na Circuit City. O Walmart é legal pra se procurar todo tipo de tranqueira imaginável!

Pra que não é muito escolado, um hotel na disney é uma boa pedida. Vc circula pelos parques pelos ônibus do complexo e fica próximo ao Premiun Outlets.
Como a cidade tem quarteirões e avenidas imensos, um carro com gps é indispensável. Ajuda muito na hora das compras também.

E é sempre bom deixar um ou dois dias livres pra zanzar, procurar, refazer ou fazer algo que não tenha dado tempo ou ainda nem tenha rolado.

Julho é INSUPORTÁVEL! Filas pra tudo , parques MUITO cheio e MTO calor. O segundo semestre, assim como janeiro, costumam ser períodos mais tranquilos.

Harry Potter abre agora em Junho, mas li em algum lugar que os ingressos estão esgotados até o fim de Julho.

Eu tenho um adica sobre Orlando .Dinheiro e vários cartoes de crédito.Depois com certeza pagaremos tudo.Importante é de divertir que nem o RICK.

Ja fui “algumas” vezes para Orlando ( rsssss…) …da ultima vez,em 2008, fui com meu filho que na epoca tinha quase 2 anos. Alugamos carro, saiu menos de U$ 150 a semana toda, ficamos em apto 2 quartos via timeshare do RCI no Bluegreen The Fountains U$ 199 a semana , e compramos o season Fun pass do Seaworld. Entao iamos todos os dias um pouquinho no Seaworld com o pequeno , viamos um show e faziamos uma parte do parque totalmente sem pressa. A tarde ficavams curtindo a piscina gigantesca do hotel ou iamos em algum outlet , na downtown Disney, na Disney Boardwalk e outros lugares free para passear. Neste ano pretendemos voltar, e vamos fazer o mesmo esquema, so escolhendo outro parque para conhecer cada cantinho ( o pequeno tera quase 4 anos e iremos com um baby de 3 meses).

Acho q sou uma orlandófila, com características mais pra disneyófilas. rsrs
Então, já estive em localizações as mais diversas. Quase todas boas, e algumas ótimas! Pra falar só de duas opções, escolho a região da International Drive e os hotéis Disney.
Acho mto válida a opção de um Quality Inn da vida na International Drive, pra quem quer gastar pouco e estar em lugar onde dá pra fazer alguma coisa à pé, restaurante, drugstore, etc.
Pra que vai com crianças e adolescentes, ou qq grupo com interesses diversos, prefiro algum dos hotéis Disney, ainda q um dos econômicos (nem tão economico assim). Isso pq o sistema de transporte ligando todos os hotéis e parques permite q um grupo se desgarre de outro, mesmo sem precisar de carro. Assim, uns podem curtir Hollywood Studios enquanto outros visitam o castelo da Cinderela, ou voltam pra piscina do hotel.
Mas, em qualquer dessas opções, com carro. Fundamental para ter flexibilidade.
Gosto de intercalar as visitas aos parques. Não ver todos os Disney pra depois ver os da Universal, por exemplo. Principalmente com crianças pequenas. Os parques são todos ótimos, mas os pequenos se encantam mais com os da Disney. Tem algo mágico mesmo por ali. Talvez seja culpa da Tinker Bell, não sei.
No capítulo compras, bem, roupas, tênis e afins tem q ser nos outlets (Premium e Prime), brinquedos na Toys’R Us, e eletronicos na Best Buy.
E é melhor eu parar de escrever, senão vou acabar marcando um visitinha básica ao Harry Potter.

Estivemos em Orlando em fevereiro último e foi um ótimo passeio.

Ficamos no hotel Quality Inn 9000 na International Drive, que é bem barato, não tem café da manhã incluso no preço, mas tem um micro-ondas no quarto, uma lojinha 24hs e um bar que vende pizza, que quebram o galho. Particularmente, achei chato ficar tomando café da manhã no quarto, misturando achocolatado com pasta de dente na pia do banheiro, além do banheiro ser bem pequeno para 4 pessoas. Mas é barato, bem localizado e funciona.
Acho que os hotéis da Disney devem ser interessantes para se ir aos parques Disney por dois motivos: porque tem o transporte e porque em alguns dias os parques oferecem horários diferenciados no início e no fim do dia para os hóspedes destes hotéis. Para os outros parques, ao contrário, estar nos hotéis Disney pode ser um transtorno, pois são distantes.
Os ingressos dos parques são caros e o ideal é comprar já pensando em todos os dias em que se vai visitá-los, pois o preço por ingresso diminui a medida que o número de dias aumenta. Os ingressos Disney são vendidos separadamente dos demais, que podem ser adquiridos em combos variadas, como já dito aqui no site. Comprar os ingressos aqui no Brasil pela internet pode funcionar e ser mais barato, principalmente para os parques Universal, mas é possível comprar lá na portaria de diversos hotéis, a preços variáveis (é bom negociar).
Nos parques é bom chegar cedo e se preparar previamente escolhendo em que brinquedos ir e em que ordem: isto facilita o trajeto dentro do parque e a organização para pegar fast pass. Na Universal o fast pass é pago (e caro), mas dá direito a “furar fila” em todos os brinquedos. Se o parque estiver muito cheio, vale a pena. Na Disney, o esquema é mais complexo: só tem fast pass para alguns brinquedos e pega-se com hora marcada. Enquanto não der o horário do fast pass que você pegou, você não pode pegar outro fast pass para outro brinquedo. É preciso se organizar.
É bom também pesquisar antes o horário dos parques para selecionar os dias em que eles ficam abertos até mais tarde, pois eles ficam mesmo para os hóspedes “não Disney”. E fugir dos fins de semana, quando ficam lotados.
A alimentação é ruim e não se foge do cheeseburguer, pizza, fritas, nuggets e, quando muito, uma Cesar Salad estranha. Achei os restaurantes de comida brasileira ruins…não valem a pena. Fora dos parques tem alguma coisa um pouco melhor como o Sizzler e Ponderosa que têm carne e buffet de salada. E o Olive Garden, onde a comida é boa, mas o preço é mais salgado e tem fila.
Alugamos carro e usamos o GPS, embora algumas pessoas achem desnecessário. Ao estacionar nos parques, lembrando que os estacionamentos custam cerca de US$15,00(é importante colocar isto na conta), guarde o local onde estacionou, pois é tudo muito longe. Nos parques Disney, muitas vezes se pega um trenzinho do estacionamento ao parque e é bom lembrar o local certo.
Os outlets são ótimos, têm ótimos preços e, se a pessoa tiver disposição, vale a pena se cadastrar previamente no site e imprimir cupons que dão descontos em cima do valor total da compra em algumas lojas. São ótimos.
No mais, acho que é uma viagem muito divertida (e cansativa) em que toda a família aproveita: tem brinquedo, tem shows, tem compras, tem os personagens Disney, tem diversão para todos.

Tb tô querendo saber, pois está na minha lista , imediatamente antes do item cruzeiro 😉

    Eu também penso assim, Sylvia, mas minha filha de 5 anos já tem diéias próprias sobre viagens… Por exemplo, nas férias de julhoi ela quer ira para a Disney, a Alemanha e o Japão. Será que ela já lê o VnV escondido e também é discípula do Riq?

Eu fiz um roteiro ,sabia tudo o que tinha de fazer ,mas o dia era curto para acompanhar o roteiro ,resumindo acho que o roteiro me estressou , hj iria com mais calma ,mesmo se tivesse de abrir mão de algum parque .Passamos 15 dias, Natal e o Ano Novo…tudo muito cheio o único dia calmo foi no Discovery Cove que recomendo ,no mais GPS e muita disposição.

Os sites americanos especializados em Disney que leio dizem que o melhor mês pra visitar é setembro, e que de todos os feriados, o mais vazio é o Labor Day (primeira segunda-feira de setembro) porque coincide com o início do ano letivo aqui nos EUA (as escolas começam as aulas em agosto, no máximo início de setembro, então da metade de agosto em diante começa a esvaziar e em setembro já está todo mundo na escola). Ainda está calor, então dá pra aproveitar os parques aquáticos, ainda tem sol até tarde da noite mas a muvuca já acabou.

Eu fui em dezembro (entre Natal/Ano Novo) há muitos anos e estava razoavelmente cheio, nem de longe insuportavelmente lotado como a Disneyland no feriado de Memorial Day (maio) por exemplo. Estava friozinho (média de 15-18 graus) então não deu pra ir em nenhum parque aquático mesmo (mas a semana anterior teve temperaturas nos 25 graus e muita gente foi aos parques, nunca se sabe).

    Gente, aproveitando o embalo… a noite de ano novo na Disney é FURADA.
    Os parques ficam extremamente lotados (na virada 2005/2006 o Magic Kingdom fechou as 10 da MANHA por ex…). E você não arpveita nada!

    Ver a virada nos hoteis perto dos parques (ex: Polynesean, ou Gran Florddean) é muito mais negócio…

    Eu não passei a noite de Ano Novo lá, então não posso falar, fui embora um dia antes…

    Eu passei a virada de 2008/2009 com o meu marido em Orlando. Mas escolhemos passar numa festa fechada na Universal’s CityWalk. Custou na epoca, cerca de 90 doláres com comida a vontade, bebidas não alcoolicas e champagne, além de shows. As bebidas alcoolicas eram pagas a parte. Adoramos, valeu super a pena. Tem um show de fogos sensacional. Mas é só para adultos.
    Fomos depois do Natal e ficamos até depois do ano novo. Os parques estavam cheios, mas não lotadissimos.

    Parece que todo mundo quer ir pro Magic Kingdom na virada do ano… A queima de fogos é realmente linda, quando tocam as 12 badaladas para a meia noite, acendem-se fogos ao redor do Castelo da Cinderella, e quando dá meia noite o Castelo muda de cor e começam os fogos. Lindo! Mas lotado.

    A gente viu do Polynesean (de novo, não precisa ser hóspede), sentado na areia (de verdade) ao melhor estilo Brasil…rs

    Pra quem vai xcom crianças, ão indico a época.

    Oi Dani, vc realente não recomenda a virado do ano lá com crianças porque é muito cheio ou tem mais desvantagens? No Polynesean vc fez algum pacote do tipo “noite de reveillon? Estou pensando em ir com minhas filhas que farão 7 anos lá, pela sua descrição fiquei na dúvida se os fogos e as cores do castelo, são diferentes da queima de fogos dos outros dias? Ou o que tem a mais são as 12 badaladas?
    Obrigada
    Glau

Sou um leitor muito assíduo deste blog. Nunca escrevi nada ( mentira, perguntei algo ao blog e fiquei fã e seguidor após ter a resposta dada pelo próprio Riq ), mas hoje tive uma comprovação. A repulsa, mesmo que pequena, do nosso grande líder “viajiacional” que transparece sempre que fala dos EUA ( exceção a New York ) se reflete nos comentários com um números infinitamente menor de participação das mesmas figurinhas carimbadas e poucas gracinhas relacionadas. Até pelo número de paginas no blog dedicadas ao EUA vemos que o destino é considerado por muitos como algo menor, algo novo rico ( veja o comentário do mestre sobre ” qq criança riquinha…tem mais autoridade q eu”). Me permita discordar ( por favor não vão me banir como aquela pessoa do caso navio/cruzeiro no Haiti/terremoto ). Acho q há espaço pra tudo e todos, mas Riq qdo vc dá esse tom, o pessoal te segue…No bullying, please.