Paris pra Meilin

nikistphalle400.jpg

A Meilin está pedindo dicas de Paris, pra onde ela vai agora em novembro.

Bom. Eu costumo recomendar, antes de mais nada, três comprinhas.

1) Um Paris par arrondissement, livrinho mágico de bolso que faz você achar facinho qualquer endereço de Paris, e diz qual é a estação de metrô mais próxima;

2) O Pariscope da semana — é a inspiração dos guias da Folha e do Estadão, sai todas as quartas e custa menos de 1 euro. Traz toda a programação da semana na cidade e é o melhor souvenir que você pode trazer de Paris.

Essas duas coisas podem ser compradas na livraria do desembarque do aeroporto. Já a próxima precisa ser encomendada já, para dar tempo de fazer as reservas.

3) Um Petit Lebey 2007 des Bistrots Parisiens, um guia sensacional para achar bistrozinhos bacanas, tanto tradicionais, quanto regionais, quanto modernos. Encomende o seu na Amazon.fr.

Algumas coisas que eu não deixaria de fazer, na primeira ou em qualquer uma das viagens subseqüentes:

• Tomar uma sopa de cebola (“Une gratinéee, s’il vous plaît”) no Pied de Cochon, de madrugada (o restaurante, uma instituição cívico-brega-chic, não fecha nunca);

• Pedir ostras no La Coupole ou em qualquer outra das brasseries da cidade (a mais bonita é a Julien);

• No mínimo tomar um aperitivo no Train Bleu, na Gare de Lyon, o mais lindo restaurante não-caríssimo do mundo;

• Dar uma passadinha no bar do Hôtel Amour, em Pigalle;

• Levar um cartão de crédito com chip para poder alugar uma bicicleta no Vélib (tem uma estação a cada 300 metros);

• Ir ao cinema! Quase todos os filmes que você perdeu estão em cartaz, neste momento, em Paris — nem que seja num microcineminha do Quartier Latin, só às terças, na sessão das 11 da manhã;

• Entrar na fila para uma casquinha de sorvete Berthillon na île Saint-Louis;

• Ir ao novo museu Quai Branly só para falar mal da coleção;

• Ir ao Quai d’Orsay para babar na parte de mobiliário;

• Passar numa feira de rua;

• Comprar a baguette mais cara numa padaria nota 10;

• Percorrer um mercado de pulgas;

• Ler de cabo a rabo o Conexão Paris, da Maria Lina.

Outros posts aqui do VnV que podem ser úteis:

Hotéis maneiros, não careiros: Paris

Paris: hotéis bon marché

Bate-e-volta: de Paris a Reims

Vale do Loire pra Mariana

Paris para quem não gosta de Paris (eu na VIP, 2001)

Paris: o gourmet de 30 dólares (eu na Viagem & Turismo, 2001)

E você? Que dica de Paris pode dar pra gente? A caixa de comentários está aí pra isso. Allez-y!

99 comentários

Restaurante Mon viel ami http://www.mon-vieil-ami.com na ile st louis, peça um jareet de vitel muito bom, restaurante lwww.epidupin.com/lieu.php outro bistro espetacular, tomar unm drink no restaurante do museu george pompidou com uma vista linda.

abs

Paulo

Oi! Como já falaram, só andar por Paris já faz um bem danado. Gosto muito do Musée de Cluny (Moyanne Agê): as tapeçarias da Dama e o Unicórnio valem a pena. Gostei da Saint Chapelle, especialmente, no final da tarde quando a iluminação dos vitrais parece ser melhor.
O que eu NÃO faria: subir a torre da Notre Dame. São trezentos e muitos degraus estreitos, em mão dupla, com um mundo de gente indo e vindo… Achei que não valeu a pena.
Ah! Uma coisa que me irrita na Europa – e me irritou particularmente em Paris em todas as vezes que estivesse lá – são os turistas orientais (já que eu não consigo saber quem é chinês, japônes, etc…). Vc acha que eles são educados? Podem até ser no país deles, mas fora… Em uma das vezes que estive em Versailles precisei fazer o maior escândalo na fila para entrar, pois um asiático que estava na minha frente estava “guardando o lugar” para mais de 40 pessoas! Fique atenta!
Última dica:gosto muito das tortinhas de frutas do Brioche Dorée (tem em tudo quanto é canto). Nada do outro mundo, mas muito bom. Lembre-se porém que os doces por lá não são tão adocicados quanto os nossos.
Abraços,

Tem 2 restaurantes que o Michelin classifica como “Bib Gourmand” (bom e acessível), que sao otimos! O Épi Dupin fica no 6eme, muito perto do metro Sévres Baylone. O Severo, que fica no metro Mounton Duvernet ( acho que era no 14eme, mas nao tenho certeza); melhores steaks de Paris.
Comida otima, por 30 euros o casal. Os Épi Dupin fica lotado, e precisa de reserva.

Nossa, esse post ainda vai ser muito útil para o fim da minha viagem!!! Amei Paris e quero termina meu ano fora por lá.

Como a Mari Campos falou, as melhores dicas já estao aí. Complementando os museus mais desconhecidos que a Jurema mencionou, sugiro o do Picasso (meu artista favorito, junto ao Monet!!!) que também fica mais afastado (http://www.musee-picasso.fr/index.html).

Passando pelas cidades que vc menciona, nao tem como ser ruim, mas fica aqui meu desejo por uma ótima viagem!!!

Abracos!

Ja tem tantas dicas…. Eu acrescentaria o Instituto Arabe, e um parque cujo nome nao me lembro, mas esta nos passeios a pe do guia da Folha. Sugiro tambem uma refeicao num restaurante Vientanamita.

Puxa, cheguei tarde, as melhores dicas já estão aí…. Bom, Meilin, opção é que não vai faltar, né? 😉 No quesito comilanças, curto também uma boa crepe au fromage (tem uma barraca perto do McDonalds-Sorbonne que é a melhor!!!). Se vc estiver com uns euros de reserva, faça uma reserva pra o brunch do Hôtel de Crillon no domingo: por 66 euros, uma refeição estrelada no Michelin, absolutamente inesquecível, regada à Taittinger, no salão em que Maria Antonieta tinha aulas de piano!
E, depois, dá-lhe caminhadas sem rumo em Paris para queimar as calorias! :mrgreen:

Além da baguette, é obrigatorio também o pain au chocolat e o croissant aux amandes (eu adoro!).

Para uma primeira vez em Paris, a minha dica (caso vc queira subir na Torre Eiffel), é chegar bem cedinho para não pegar fila. Tem coisa demais para ver/fazer em Paris e é bom otimizar o tempo.

Os museus são de graça no primeiro domingo do mês, mas cuidado pq as vezes a fila é enorme. Dê preferencia aos museus menos conhecidos.

Um lugar muito bacana que eu recomendo para uma segunda vez é a mesquita de Paris e logo em seguida, tomar um cha de menta na casa de cha atras da mesquita. A gente se sente no Marrocos! Detalhe = a mesquita não é aberta para visitas na sexta.

Riq, ja que vc falou do la Coupole, o chocolate quente de la é uma delicia. Para dar uma esquentada durante o passeio, não ha nada melhor. 🙂

Abraços!

Minha primeira dica sempre é andar e se perder.
Sentar para tomar um café na calçada para ver a vida passar que é programa de parisiense.
Museu d’Orsay o meu preferido 🙂
Museu Marmotan http://www.marmottan.com/ que tem o maior acervo de Monet e é pouco conhecido.
No domingo ir às pontes do Sena para ver como o parisiense se diverte, e
tomar sorvete Bertilloon, humm dilicia. Ainda no domingo, a Missa às 18:00 na Notre Dame, linda com órgão maravilhoso e cantada. Para todos os credos.
Passear no Jardim de Luxemburgo.
Mais e mais, a lista pode ser muito longa. 😉