Postal por escrito: Budapeste

Postais por escrito, 1998

E encerrando a série vintage aqui no Viaje na Viagem, aí vão três textos tirados de “Postais por escrito”, meu livro de 1999 que continha principalmente trechos de diários de viagem. Esta a Budapeste foi em 1998.

Para seu conhecimento: não, o Danúbio não é azul. No máximo, é verde-escuro — e olhe lá.
Mas só os mais pentelhos vão reparar nisso. A função do Danúbio em Budapeste não é ser nome de valsa, mas servir como desculpa para a construção de quatro pontes lindíssimas que ligam a montanhosa Buda à plana Pest. É tudo tão grandioso — o rio, as pontes, o palácio em cima do morro em Buda, o parlamento à beira-rio em Pest — que você se arrepende de não ter trazido seu helicóptero e sua câmera 180 graus.

Longe do Danúbio, a beleza de Budapeste é menos aparente. Budapeste é como se fosse uma mulher com um vestido chiquérrimo, porém puidíssimo. Tão puído que você demora para perceber que ele já foi chiquérrimo.

Não, não: melhor que isso. Budapeste é uma cidade que você acha num brechó. Você vai lá no brechó de cidades, cata, revira, fuça, e de repente, olha que maravilha: você encontra Budapeste.

Daí você pega Budapeste, mostra para as suas amigas, e ninguém acredita como você pagou tão baratinho por uma cidade tão esplendorosa. Mas, definitivamente, é uma cidade de segunda mão. Lindíssima, mas de segunda mão. Ótima para você jogar assim com uma cidade muito chique ou muito clássica, tipo Paris ou Viena, e dar aquela quebrada no visual.

Leia mais:

47 comentários

Olá Bóia

Corroborando com o relato acima estive em Budapeste no final de maio/2015 e aconteceu algo parecido comigo, porém não no Mercado Central.
Comprei algumas palmilhas de gel – tenho fascit plantar – em uma loja de produtos ortopédicos em uma região central de Buda.
Na véspera, a noite, de minha partida verifiquei que uma das embalagens estava vazia, não sei se por coincidência, justamente da palmilha mais cara.
Não sei se foi desatenção ou má fé.
O site oficial de Budapeste faz vários alertas sobre a segurança do turista, o quem me assustou.
Felizmente, andei com tranquilidade pelas ruas de Budapeste e nada me deixou sobressaltada ou me chamou atenção.
De qualquer forma é melhor ficar atento ao fazer compras nesta cidade.

Abraços Fraternos

Olá Bóia
Gostaria de elogiar esse blog que sempre me ajudou em todos as viagens que faço.Como forma de retribuir vou deixar registrado uma experiência ruim que tive em Budapeste, um país que merece ser visitado apesar desses incidentes. No Mercado Central fui enganada nas compras num dos quiosques. Como alerta para os turistas: ao entrar no Mercado Central pela porta da frente na parte de cima a esquerda tem um quiosque de uma senhora super gentil que conversa bastante para te distrair e passar outro valor no cartão. Comprei uma cerâmica que valia aproximadamente 30 euros aproximadamente 9.000 forint. Distraída com o papo não verifiquei o ticket da compra e ao chegar no Brasil constatei que a compra foi de 90 euros o nome do quiosque na fatura é MA’V MENETJEGYIRODA..Espero que a minha experiência sirva para o alertar outros turistas desatentos como eu.
Outro questão importante em Budapeste é o metrô compre os bilhetes nos hotéis e valide ao entrar pois os fiscais por vezes verificam os bilhetes na entrada e na saída, perto das máquinas de validação diferente de outros cidades onde os fiscais só se apresentam dentro do vagão, ou seja, circular pela estação do metro sem bilhetes validados é arriscado.
Abraço
Fatima leal

Amigos, uma orientação. Já está aberta a temporada para comprar ingressos pelo site da empresa de trens de Budapeste para Viena no mês de julho. No entanto, o site informa que, devido a problemas de manutenção não há possibilidades de reserva de assentos. No entanto a informação diz que a manutenção seria apenas entre os dias 24 e 25 de maio. Mesmo hoje não consegui verificar se seria possível fazer a reserva dos assentos, razão pela qual não efetuei a compra dos tickets. Alguém poderia dizer alguma coisa? Grato. Otto F.

    Olá, Otto! O site das ferrovias húngaras não costuma funcionar fora da Hungria. Você conseguirá comprar os tickets e fazer reservas facilmente indo à estação no seu primeiro dia de Budapeste.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.