Qual foi a encomenda de viagem que te deu mais trabalho?

É só um creminho pra minha avó, certeza que você acha!

Outro dia o Thiago Parente, que tá em Nova York, tuitou um desabafo sobre interromper uma viagem bacana pra ir atrás de uma encomenda. Daí a PattyBraga sugeriu: ei, será que isso não dava uma enquete?

Pois claro que dá. Conte pra gente: qual foi a encomenda que você mais se arrependeu de ter aceitado?

Vale também contar — não precisa dar nomes! — sobre as técnicas mais constrangedoras de pedir encomenda de que você já foi vítima.

Para fazer você entrar no clima, reproduzo aqui um capitulinho do Viaje na Viagem original, de papel:

Recusam-se encomendas

Fazer encomendas a quem viaja é um dos costumes mais antigos que existem.

E põe antigo nisso. Fazer encomenda é do tempo em que se tinha medo de avião. Do tempo em que família, a família da namorada, algumas ex-namoradas e o prédio inteiro iam se despedir de você no aeroporto — até na ponte aérea. Do tempo em que o exterior era conhecido como “o estrangeiro”. Do tempo em que produto importado era não apenas raro, como na maioria das vezes ilegal.

Hoje em dia, dependendo da natureza do pedido e do grau de relacionamento entre o pedinte e o viajante, a encomenda pode variar entre:
1) um mau costume;
2) uma total falta de educação.

Na hora de pedir — e de aceitar — uma encomenda, ninguém se dá conta do transtorno que vai ser, em algum momento da viagem, parar para pensar na encomenda, andar para comprar a encomenda, achar a encomenda, conferir as especificações da encomenda, pagar a encomenda, empacotar a encomenda, fazer a encomenda caber na mala, carregar a encomenda, passar pela alfândega com a encomenda.

A última vez que eu fiz uma encomenda, foi para uma (ex) funcionária minha que tinha acabado de pedir demissão e ia passar uma semana em Paris. Como você vê, ela merecia.

As encomendas enganam.

As que parecem fáceis demais sempre têm dois ou três modelos para você escolher (e ninguém te falou isso antes). Com as super-especificadinhas, é batata: a linha foi renovada, mudaram os nomes e as embalagens, e esqueceram de avisar a pessoa que te fez a encomenda. Outras encomendas até que fazem sentido no calor do momento, mas acabam ininteligíveis na hora que você retoma o assunto e vai comprar: o que era aquilo mesmo que ela falou?

Resista. Mude de assunto. Tenha uma vontade súbita de ir ao banheiro, e suma. Se for para perder o amigo, melhor que seja agora do que na volta (depois do trabalhão que a encomenda vai ter dado). Se você quiser lançar mão de desculpas e subterfúgios educados, aqui vão alguns.

• Alegue o bendito limite de US$ 500. Diga que você não sabe como vai conseguir passar com as suas  compras, e que com isso não pode comprar mais nem um tubinho de Crest. (A mesma coisa vale para presentes. Não existe nada mais prazeroso do que presentear — mas se começar a virar um stress, ponha a culpa no tal do limite e compre chocolatinho Lindt no free-shop da volta para quem você ama.)

• Peça o endereço da loja. Endereço completo, por favor. Se for necessário, seja acometido por uma amnésia rápida: Broadway? Como assim, Broadway? Ou mude-se mentalmente para o outro lado da cidade e prometa que, se passar por lá, vai tentar, quem sabe se tudo correr bem, achar.

• Peça por escrito. “Você me passa depois tudo direitinho por escrito?”. E não esqueça de desligar o fax.

• Se o pedinte for seu superior hierárquico ou parente mais velho: minta. Minta deslavadamente. Fale que você procurou feito um doido mas não achou. Descreva todas as coisas que você supostamente deixou de fazer só para procurar a encomenda. Misture as letras da marca encomendada, e diga que ninguém nuuunca ouviu falar desta marca lá onde você foi.

• Se você aceitar a encomenda e depois se arrepender: não traga nada. Compre mais um exemplar deste elucidativo compêndio e dê de presente — com um post-it amarelinho colado na página inicial deste capítulo. Imprima este post e deixe como não quer nada num lugar onde o encomendante possa ler.

Piores encomendas da história — já pra caixa de comentários!

173 comentários

Moro no exterior. As encomendas mais absurda:
1) Uma “amiga” que pediu um carrinho de bebê com todos os acessórios possíveis e imagináveis em uma cor exclusiva. O carrinho deveria ser colocado no container de uma fulana que estava de mudanca para o Brasil. Só que como era uma cor exclusiva, o carrinho só era feito por encomenda e duraria cerca de 2 meses para ser entregue. O container da fulana sairia em 3 semanas. Sem contar que a loja era fora da cidade e eu teria que ir lá pessoalmente fazer o pedido e pagar um sinal. Na época eu nao tinha carro, trabalhava um monte, nao teria tempo e era bem fora de mao. Expliquei a situacao para a “amiga” e disse que nao tinha como. Ela nao entendeu e continuou insistindo que eu comprasse. Em seguida pequei a “amiga” falando mal de mim no Orkut da fulana do container… Gente assim bem longe!
2) Um parente pediu uma câmera fotográfica e fez da nossa vida um verdadeiro terror porque os correios brasileiros entraram em greve e a câmera nao chegava. Assim que a câmera chegou, ele nos pediu mais uma para um amigo. Esperamos ele nos pagar a primeira câmera, o que nunca aconteceu (mais de dez anos!). Obviamente nao houve uma segunda…
3) Uma conhecida encomendou um pó compacto para a pele dela que é super sensível. Me deu a marca e a cor. Eu estava grávida, viajando sozinha para comprar enxoval. Andei um monte, nao encontrei em lugar nenhum. No dia do retorno consegui em uma drogaria, mas eu teria que voltar lá mais tarde. Peguei na maior correria e fui correndo para o aeroporto. Nao conferi: Comprei a cor ERRADA sem querer.

Encomendas sao um pesadelo!!! Por favor nao facam!!!

Minha técnica para encomendar compras sem dar trabalho para o amigo viajante: comprar na Amazon (ou em outro site) e mandar entregar onde ele estiver hospedado. Eu mesmo pago (e me viro caso algo dê errado). O amigo só precisa receber a encomenda e trazer. Claro que dá mais certo para coisas pequenas e de baixo valor, que não causem problema na alfândega nem disputem espaço na mala.

    Pois é, Francisco… eu achava que era a melhor solucao. Só que daí a encomenda chega num horário que nao estamos em casa. Alguns pacotes devem ser assinados pelo destinatário… Daí lá vai a gente para a agência do correio enfrentar fila para pegar a encomenda… 🙁

Moro no exterior e volta e meia tem gente achando que eu sou consultora de vendas, não se dão nem ao trabalho de pesquisar no Google. Já vem assim, “Quanto custa um óculos da marca tal aí?”, “Quanto custa a camisa do [time que não conheço] aí”? Querem uma lista de modelos e preços, conselhos se vale a pena ou não e depois, “quanto tá a cotação aí?”… Of course se comprar pela internet e a mercadoria não chegar antes da viagem, fica encalhada na minha casa e não pagam.

Gente socorro essa encomenda é pra mim mesmo estou muechen na alemanha e estou desesperada para compra a silhouette cameo aqui antes de volta para o Brasil que vai ser semana que vem e eu já procurei em vário lugares e ninguém sabe me falar onde ou qual loja eu posso encontra se alguém souber o nome ou uma dica eu agradeço obrigado.

Eu realmente odeio encomendas. Moro no exterior e o que mais irrita são aquelas pessoas que mal falam comigo durante o ano mas quando sabem que estou indo para o Brasil vem com aquele papinho bobo de “Oi tudo bem? Como vc ta? Tudo bem ai?”…. e vem pedido de iPhone, iPad, etc etc. Portanto, criei um formulário para requisição de encomendas. Se alguém que eu conheço estiver lendo isso, que sirva a carapuça! hehehe

Formulario para Requisicao de Encomendas

Antes de fazer qualquer pedido de encomendas para o Sr. Renato Miranda, favor responder as perguntas abaixo.

1) Voce se comunicou com o Renato nos ultimos 2 (dois) meses tratando de algum assunto nao relacionado a encomendas?
□ SIM
□ NAO

2) Na ultima vez que o Renato esteve no Brasil, voce o procurou para saber como ele estava, voce o chamou para sair ou ofereceu de o levar ao aeroporto?
□ SIM
□ NAO

3) Essa e a primeira vez que voce esta fazendo um pedido para o Renato desse mesmo produto?
□ SIM
□ NAO

4) Quando voce fica sabendo que o Renato vai para o Brasil, voce tem alguma coisa em mente que nao seja fazer pedido de encomendas?
□ SIM
□ NAO

Caso a sua resposta tenha sido NAO para pelo menos 1 (um) dos items acima, voce NAO se qualifica para fazer encomendas. Caso a sua resposta tenha sido SIM para TODOS, prossiga com o questionario.

5) O seu item e um eletronico de valor superior a 100 dolares? Caso sua resposta seja sim, voce nao qualifica para fazer encomendas. De acordo com as leis alfandegarias, uma pessoa so pode levar U$500.00 (quinhentos dolares americanos) em eletronicos. E logicamente pelo menos 80% desse valor sao de itens pessoais do senhor Renato Miranda.

6) O seu item pesa mais do que 1 kg? Caso sua resposta seja sim, voce nao qualifica para fazer encomendas. As leis de empresas aereas limitam a bagagem de um passageiro internacional em 32kg. E logicamente o Renato ja tem varios items pessoais para levar.

Obrigado pela atencao. Caso discorde de algum item desse questionario sugiro que tome alguma providencia. Existem varios sites dos EUA que fazem o envio de mercadorias para o territorio nacional brasileiro.

    Perfeito! Também moro no exterior e fico de cara com aquelas pessoas que mal falam comigo, nunca me contactam quando estou no Brasil, mas acham que quem mora no exterior é mula de contrabando gourmet!

Para evitar esse tipo de gente, evito dizer que vou viajar. No máximo, conto DEPOIS que eu voltei das férias. Quando perguntam o porquê de eu não ter dito antes, digo apenas que é “para evitar gente inconveniente e sem educação que tem a ousadia de pedir encomenda”. Funciona!

    Ótima a idéia. Moro no exterior e sempre faço isso mas quando vou no natal todos sabem pq sempre vou nessa época, aí tenho que abrir meu leque de desculpas.

Hehehe, eu me faço de louca e finjo que não é comigo ou me faço de desentendida quando alguém minimamente dá a entender que pretende fazer alguma encomenda quando eu viajo. Só trago coisas para minha mãe. Com meu irmão, também invento alguma desculpa, porque uma vez trouxe uns equipamentos de jogar tênis de Miami, mas nada era bom o suficiente. Então, se quer da marca X, vai lá e compra, hehehe

Uma tia minha me pediu uma medalhinha de santo oficial do Vaticano, na primeira vez que eu fui a Roma. Tudo bem, o Vaticano era um dos meus roteiros, e uma medalinha nao dá nenhum trabalho de trazer na bagagem, nada de mais, mas o problema é que um mísero santinho de um metal muito fuleiro lá é algo absurdo de caro. Além do mais, qual santo mesmo que ela queria? Tem milhares de santos nas lojinhas oficiais do Vaticano. Ela queria um Santo Antônio, mas descobri lá que o santo de Lisboa não é muito popular por Roma (deve ser popular só em Pádua mesmo). Só consegui uma medalhinha tão pequena que fiquei com medo de desagradar na encomenda, hahah

De minha parte, eu nunca peço encomendas, a não ser para minha mãe, que quase nunca acerta na coisa, mesmo eu dando todas as informações sobre o produto, inclusive impressas com as fotos da internet… E no momento, estou desesperada por dois modelos de mala rígida da Samsonite ou da marca Lulu Castagnette, que nenhuma delas tem aqui no Brasil. Mas como pedir para me trazerem uma mala do tamanho médio?. Hehehe… Tenho amigos morado nos EUA, mas não tenho coragem de pedir para me mandarem de lá.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.