Las Cabras

Quanto custa comer em Buenos Aires?

Las Cabras

Com a recente desvalorização do real (sim, o real desvalorizou até contra o combalido peso argentino), comer em Buenos Aires não está mais grátis como alguns anos atrás. Ainda assim, continua mais em conta que São Paulo. Estive por lá no iniciozinho de junho. Fiquei cinco dias. Troquei reais no câmbio paralelo pela cotação 1 real = 3,6 pesos, e paguei as refeições em pesos, cash. Vou postar as contas das minhas refeições para você ter uma idéia do quanto vai gastar.


Atenção: não é mais necessário trocar no câmbio paralelo

          Desde dezembro de 2015 o mercado de câmbio foi liberado na Argentina. Portanto, não é mais preciso recorrer às

cuevas  

          (casas de câmbio irregulares) ou

arbolitos  

        (cambistas de rua) para obter um câmbio decente. Com o câmbio oficial refletindo o câmbio real, já é possível novamente usar cartão de crédito (onde seja aceito). Portanto, desconsidere as dicas do paralelo.

Antes disso, porém, sempre é bom lembrar algumas peliculiaridades de comer em Buenos Aires:

  • Almoço sempre é mais barato que jantar
  • Refrigerante e água podem sair mais caro que cerveja ou vinho
  • Se vai pagar em dólar ou real, pergunte antes se aceitam (e qual é a cotação)
  • Sempre é bom reservar para o jantar
  • Há inflação na Argentina; os preços deste post são de junho de 2015.

Da refeição mais barata à mais cara:

La Hormiga

hormiga

Este restaurante simpático e informal escolhido ao acaso na hora do almoço em Palermo Soho serve milanesas com batatas fritas e salada por 69,50 pesos, no almoço e no jantar (R$ 19,30 na cotação que eu consegui no paralelo). Uma garrafa de 750 ml vinho da casa saiu 49 pesos (R$ 13!) — proporcionalmente mais em conta do que a água com gás, que saiu 28 pesos (R$ 7,70). Total, 216 pesos; com gorjeta, 240 pesos — ou R$ 33 por pessoa. La Hormiga: Armenia 1680, entre Honduras e El Salvador; tel. 4834-­6906; não aceita cartão; não fecha entre almoço e jantar.

El Sanjuanino

Sanjuanino

No clássico botequim da Recoleta, dividimos 5 empanadas a 19 pesos cada (R$ 5,30), enxugamos uma garrafa de Malbec (110 pesos, R$ 31 — havia opções mais baratas), tomamos duas águas com gás (total de 56 pesos, R$ 15) e terminamos com dois flans a 44 pesos cada (R$ 12). Total, 349 pesos; com gorjeta, 390 pesos — ou R$ 54 por pessoa. El Sanjuanino: Posadas 1515, entre Callao e Ayacucho; tel. 4804-2909.

Como en casa

Como en casa

Passeando pela Recoleta na hora do almoço, ficamos com vontade de experimentar os pratos do dia deste restaurante de rede especializado em comidas leves e rápidas. O meu goulash com spätzle saiu 125 pesos (R$ 35); o peito de frango empanado do Nick, 117 (R$ 32). Cada taça de vinho custou 51 pesos (R$ 14), enquanto uma água ficou por R$ 30 (R$ 9). Total, 374 pesos; com gorjeta, 420 pesos — ou R$ 59 por pessoa. Como en Casa: Quintana 2, esquina Juncal; tel. 4813-4828.

Social Paraíso

Social Paraíso

Entra ano, sai ano, e este discreto restaurante de Palermo Soho segue como um dos lugares com melhor relação custo x charme x benefício no almoço. O menu mediodía, com três opções de entrada + 3 opções de prato principal, estava a 115 pesos (R$ 32). Tomamos uma taça de vinho (55 pesos, R$ 15), um aperitivo (65 pesos, R$ 18), uma água (26 pesos, R$ 7) e dois cafés (23 pesos cada, R$ 6,50). Total, 422 pesos; com gorjeta, 470 pesos — ou R$ 65 por pessoa. Social Paraíso: Honduras 5182, entre Thames e Uriarte; tel. 4831-4556.

Sagardi

Sagardi

Aproveitando que íamos a uma milonga em San Telmo, fizemos uma boquinha neste gostoso restaurante de tapas bascas, ou pintxos. Os pintxos ficam prontos e à vista no balcão e têm preço único de 25 pesos (R$ 7); você se serve e depois contam os palitinhos para ver quanto você consumiu. Comemos 7 pintxos, bebemos uma garrafa de Malbec (175 pesos, ou R$ 48) e uma água (35 pesos, ou R$ 10) e de sobremesa um arroz con leche (100 pesos, ou R$ 27 — caríssimo, acho que não reparei no preço quando pedi). Total, 485 pesos; com gorjeta, 540 pesos — ou R$ 75 por pessoa. Sagardi: Humberto Primo 319, entre Balcarce e Defensa; tel. 4361-2538. O forte é o happy-hour.

Uco

Uco

Esta foi nossa única incursão a um restaurante de cozinha de autor. O Uco é o bistrô do hotel-boutique Fierro, em Palermo Hollywood, e no jantar serve menus de até 7 passos. Fomos no almoço, quando o menu tem 2 ou 3 passos. Pedimos um menu de 2 passos (a 225 pesos, R$ 62) e um de 3 passos (a 260 pesos, R$ 72). Ambos menus incluíam uma taça de vinho e uma garrafa de água. Foi servido um creminho como amuse-bouche. Minha entrada era uma salada com ovo de gema mole empanado; o prato principal foi fraldinha sobre leito de humita. De sobremesa, pudim de pão. Um café Nespresso saiu 30 pesos (R$ 9). Total, 515 pesos; com gorjeta, 570 pesos — ou razoabilíssimos R$ 80 por pessoa. Uco: Soler 5862, entre Carranza e Ravignani; tel. 3220-6800.

Azema

Azema

Buenos Aires já foi um deserto de comida exóticas, mas hoje pululam restaurantes asiáticos de todos os matizes. Fiquei com vontade de experimentar este bistrô pan-asiático em Palermo Hollywood. O cubierto saiu 22 pesos por pessoa (R$ 6). De entrada, repartimos uma porção de rolinhos vietnamitas (70 pesos, R$ 20). Meu prato, um curry vermelho de frutos do mar, saiu 115 pesos (R$ 32); o do Nick, 140 pesos (R$ 39). Cada Stella Artois long-neck saiu 47 pesos (R$ 17); tomamos três. Uma tarte tatin de sobremesa custou 60 pesos (R$ 16). Total, 570 pesos; com gorjeta, 630 pesos — ou R$ 87,50 por pessoa. Azema: Carranza 1875, entre Costa Rica e El Salvador; tel. 4774-4191.

Sudestada

Sudestada

A um só tempo escurinho e clean, este pioneiro da comida do Sudeste Asiático em Buenos Aires continua ótimo. Pagamos 20 pesos por cada cubierto (R$ 5,50), 114 pesos pelos raviólis vietnamitas de entrada (R$ 32), 189 e 194 pelos pratos principais, ambos curries de frango (R$ 52 e R$ 54), 55 pesos por cada um dos três chopes artesanais (R$ 15 cada) e 50 pesos por cada sobremesa (um almendrado, uma porção de bolinhos de chuva, R$ 14 cada). Total, 782 pesos; com gorjeta, 850 pesos — ou R$ 118 por pessoa, no único jantar com preços parecidos com os que encontramos para jantar fora em São Paulo. Sudestada: Guatemala 5672 esquina Fitz Roy; tel. 4776-3777.

Não fomos a churrascarias, mas acredito que um La Cabrera deva custar um pouco mais que o Sudestada. Mas você encontrará ojo de bife e bife de chorizo oferecidos em muitos restaurantes que não necessariamente são parrillas.

Leia mais:

Passagens mais baratas para Buenos Aires no nosso parceiro Kayak

Encontre seu hotel no Booking

Faça seu Seguro Viagem na Allianz Travel

Alugue carro em Buenos Aires na Rentcars em até 12 vezes e sem IOF

Passeios e excursões em Buenos Aires com a Viator

35 comentários

Hola, viajantes! Estive em Buenos Aires entre 13 e 21 de agosto. Posso confirmar que os preços subiram mas nada que assuste um carioca ou um paulistano. Seguem algumas atualizações. Para comer nas famosas parrillas (preços individuais): Parrilla Pena e Gran Parrilla Del Plata: cerca de 85 reais. Parrilla Don Julio: cerca de 130 reais. Todas com um bom vinho malbec, água, refrigerante, serviço de mesa e gorjetas incluídos. Pizzas: 45 reis na Guerrin e 65 na El Cuartito. Empanadas: 5 reais, cafe expresso: de 8 a 12 reais. Para o dinheiro render mais, considere fazer o câmbio no Banco Piano (San Martin quase esquina com Sarmiento). Estavam pagando 4,4 pesos por real.

Estive em Buenos Aires no período de 13 a21de agosto. Seguem alguns preços. Parrilla Peña e Gran Parrilla Del Plata: cerca de 85 reais. Parrilla Don Júlio: cerca de 140 reais. Refeições de médio dia no Miranda: 67 reais. Pizzas: No El Cuartito: 62 reais; no Guerrin: 45 reais. Massas: No Las Canas: 62 reais, no Pecorino: 82 reais. Preços individuais, inclusos vinho e água, e já acrescidos de taxa de serviço e gorjeta. Espero ter ajudado. Abraços a todos os viajantes…

Dica para um câmbio bem vantajoso: Banco Piano ( Calle San Martin, quase esquina com a Sarmiento). Em 18 de agosto, pagavam 4,4 pesos por real trocado, contra 3,7 pagos pelo Banco Nación.

Sim. Não é gratuito pero no es tan caro…Estive em Buenos Aires entre 13 e 21de agosto e pude conferir alguns preços. A quem interessar… Parrilla Peña e Del Plata: cerca de 85 reais. Parrilla Don Júlio: cerca de 140 reais. Pizzarias: 45 reais na Gueerin e 65 reais na El Cuartito. Menu del dia no Miranda: cerca de 70 reais. Massas: 65 reais no Las Canas e 85 no Pecorino. Já incluídos nestes valores, a taxa de serviço (cubiertos), gorjetas e bebidas ( inclusive vinhos) . Espero ter ajudado. Abraços a todos os viajantes que, como eu, também adoram viajar na viagem.

Acabo de retornar de Buenos Aires, onde passei 6 dias e senti na pele o quanto os preços aumentaram na argentina.
Almoço simples (1 bife de chorizo, pouca salada e uma entrada simples) 190 pesos em média, um gaseosa 45 pesos, fora serviço de mesa.
Achei muito caro a alimentação em geral assim como compra de roupas, mercado e até mesmo lembranças como chaveiros que saem em média 80 pesos no carminito (20 reais).
Além da carne que me surpreendeu negativamente pois apesar de vistosa e belo corte não possuem sabor e não utilizam sal.
Porém vale muito apena conhecer a cidade ainda assim.

Acabo de jantar no café la biela na recoleta.
Pedi uma salada mista, uma papa frita, 3 sucos de laranja e 2 bifes de chorizo. $959 pesos com taxa de serviço. Os bifes vieram sem sabor e estavam duros. Resumo: muito caro pra pouca qualidade.

Bem, acabo de voltar de um fim de semana em Buenos Aires e digo que este post está absolutamente desatualizado quanto aos preços, pois já se passaram mais de um ano da visita aos restaurantes indicados. A inflação na Argentina é altíssima, dizem que mais de 50% ao ano. O peso argentino não vale nada, é preciso andar com bolos de cédulas no bolso (caso não utilizem cartão de crédito). Um jantar ou almoço para um casal, não sai por menos de 800, 900 pesos, isso sem contar sobremesa. O meu parâmetro é sempre o preço do alfajor Havanna que hoje está custando 20 pesos. Então, com uma nota de 100 pesos, a de maior valor em circulação no país, não é possível hoje comprar uma mísera caixa com 6 unidades deste produto. Roupas então, um absurdo. nas lojas de Palermo, qualquer camisetinha de qualidade duvidosa, impressionantes 400 pesos. Com a desvalorização do real frente ao dólar e também ao peso argentino nos últimos meses, hoje em Buenos Aires o custo está muito equivalente ao da cidade de São Paulo. A cotação hoje entre real x peso está em R$1,00 = A$3,60. E para terminar, com a inflação desenfreada na Argentina, seguramente meus comentários estarão defasados em pouco tempo…

Galera,
Como vivemos num país em constantes turbulências e a variação cambial nesses dois últimos meses, foi violenta, esses dados, infelizmente já se encontram desatualizados.
Embarcamos hoje, 22/10, já com a cotação bem diferente, alta infelizmente.
Estão pagando 2,43 pesos por 01 real.

Adorei o post, Ricardo. A observação sobre a inflação da Argentina é importantíssima. Estive em Buenos Aires no começo de julho e, antes de ir, pesquisei a média de valor para refeições nos restaurantes que planejávamos ir. Em muitos casos, a média de gasto informada era de 500 pesos para restaurantes como o La Cabrera. Tomamos um susto com as contas, gastamos de 600 pesos pra cima, numa refeição com entrada, dois pratos principais, garrafa de vinho e sobremesa.

Seguem dois posts que eu fiz a respeito de dos locais onde comemos em Buenos Aires:

http://www.trintaepoucos.com/#!Buenos-Aires-restaurante-Don-Julio/cmbz/559212590cf28e68712683e8

http://www.trintaepoucos.com/#!Buenos-Aires-confeitaria-Malvón/cmbz/55df793c0cf269cc03e402bd

Abs,

Karla Alvera

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.