Que viagem você repetiria igualzinha sem tirar nem pôr?

Pôr do sol no rio Uruguai - Four Seasons, Carmelo

Semana retrasada, por sugestão da CarlinhaZ, rolou uma enquete de enorme sucesso: o que você mudaria se refizesse aquela viagem?

Pois a Letícia Greco entrou para fazer uma sugestão interessante: por que não fazer também uma enquete ao contrário — dar a chance para que se possa contar aquela viagem redondinha, sem micos nem contratempos, que a gente repetiria sem pestanejar?

Divida sua história com a gente — e se você acha que houve um detalhe absolutamente determinante para que a viagem fosse um sucesso, não deixe de contar o pulo do gato…

97 comentários

Eu fiquei 3 dias num B$B super charmosso em Mont Tremblant no Canadá em pleno invernão de fevereiro. As toalhas do banheiro eram dobradas em formato em cisnei (brega, mas fofo 😉 , o piso do banheiro era aquecido e a vista da minha janela pra montanha cheia de neve, era linda. Sem contar a vila que é super charmosa e embora a gente não esquie, é uma delícia andar por lá. Até voltei uma outra vez, mas foi só pra passar o dia, mas é um destino que me deixou com gostinho de quero mais, mas talvez por ter sido pouco tempo mesmo.

Apesar de ja termos viajado bastante pelo mundo acho que a melhor viagem que repetiria todinha sem tirar nem pôr foi uma viagem de carro saindo de Curitiba, por todo litoral de Santa Catarina até Torres no RS, onde subimos a serra exploramos a região dos Canyons, depois fomos a Gramado, Nova Petrópolis e Canela. Demos ainda uma passadinha no vale dos vinhedos em Bento Gonçalves. O melhor de tudo era época da colheita das uvas!!
Saudades!!

Mas outras viagens também estão no páreo!! Afinal de contas tem coisa melhor do que boa comida e viajar?!

Morei por oito meses em Johanesburgo em 2008.
A África do Sul é um país fascinante com inúmeros lugares para conhecer.
Para quem gosta de aventura, Fazer Safári é fundamental, principalmente no kruger park à noite, mergulhar com tubarões e passeio de balão; Cultura: Museu do Aphartaid é enriquecimento de cultura e uma visita às cavernas que é o berço da humanidade a 50 km de Johanesburgo;
No mês de Julho no shopping Mandela Square é o lugar certo para aproveitar as ofertas de liquidação de roupas, as ofertas chegam a 80% de descontos considerando que a moeda é de menor valor em relação ao Real;
Ao comprar na África do Sul, guarde seus recibos e no aeroporto recupere parte dos “Tax Invoice” pagos no país.
Quando voltei, consegui alguns dólares que logo gastei no free shop no brasil.

Minha viagem a Itália. Foi maravilhosa! Eu e meu namorado conhecemos Milão, Veneza, Roma e Florença durante nossas férias este ano. Repetiria tudo! 😉 Claro, a companhia também ajudou. Concordo com o que os outros falaram: as melhores viagem sempre vão estar ligadas as melhores companhias! Abraços.

    Estou com dúvida em ir para a Europa na minha Lua de Mel com medo de me desgastar no deslocamento de uma cidade para a outra.
    Outro medo que tenho é gastar muito nas cidades além do gasto do pacote e da passgem.

    Se eu fosse de lua de mel hoje para a Europa, evitaria as cidades mais caras como Roma e Paris, por exemplo. Iria a Praga e Budapeste onde é possível sentar em restaurantes lindos, estrelados e ótimos, com preço de Brasil. Já que o intuito seria curtir a companhia e não somente o destino em si. Mesmo que fosse a minha primeira vez na Europa, trocaria o Coliseu e a Torre Eiffel pelo Castelo de Praga e pelo Bastião dos Pescadores, por exemplo. Sem contar que pelo que se paga em hotéis medianos em Paris, dá pra ficar em Hotéis melhores na Europa Central. E por aí vai…
    O charme “Europeu” é o mesmo. E o “aproveitamento” pode ser bem maior.

    Robert,
    Hoje, se fizesse a minha lua de mel de novo (ai que vontade), eu iria para Argentina e Chile. A língua é amigável, as paisagens da Patagônia são MARAVILHOSAS, e o principal, numa viagem em que curtir o outro é destaque: os preços estão muito, muito bons. Dá pra fazer jantares românticos com vinho sem pestanejar, dá pra cacifar uma suíte mais legal. Na Europa (que eu adoro de montão), você ainda tem que regular nas refeições, porque com coca-cola a 4 euros não dá pra ficar brincando não (não vou nem falar de bebida alcoólica).
    Deixa pra fazer uma viagem européia, com tudo que você tem direito, numa época em que você não tenha tanta despesa antes com casamento, e que possa ter pique de turistar muuuuito (eu acho que lua de mel tem que ser em slow motion).
    Pronto, falei!

    Apesar de não ser casado, acho também que não precisa riscar a Europa do mapa… Concordo que lugares muvucados podem não ser o ideal para uma lua-de-mel. Mas uma viagem “slow” com base em um hotel de charme em rotas do interior da Itália, França, Suíça ou Alemanha pode, sim, valer muito a pena. E com uma vantagem: certeza de não se ver cercado por brasileiros a todo momento (eu acho que viagem romântica em geral é um bom momento para vc ficar longe de compatriotas, mas as opiniões variam rs).

    Agradeço a todos pelas respostas.
    Optamos em ir para Punta Cana e deixar a Europa para uma outra oportunidade.
    Um forte abraço e postarei em outubro minha viagem aqui no blog.

O mochilão hiper econômico no inverno europeu (Dublin, Roma, Barcelona, Madri, Paris, Bruges, Amsterdam, Londres) com a minha irmã, a Carol, que passou um ano em Dublin – passamos por muitos apertos, mas a companhia perfeita fez a viagem ser inesquecível. Além disso, São Pedro colaborou, pois não pegamos neve nenhuma nem frio exagerado.

No ano seguinte, de novo Europa (Praga, Roma, Veneza, Toscana, Provence, Paris), viajei com o Caê pela primeira vez e foi uma viagem ultra planejada para ser romanticamente perfeita – também teve percalços, claro, mas todos os tropeços da viagem servem para boas risadas juntos e com amigos.

Acho que a viagem irretocável vai estar sempre mais ligada à companhia que ao destino!

As pessoas costumam dar uma passada em Colônia do Sacramento quando estão em Buenos Aires, e voltam à capital da Argentina no mesmo dia. Minha esposa e eu estávamos em Montevidéu e resolvemos pernoitar em Colônia. Ficamos numa pousada excelente (Posada Del Virrey), bem situada no centro histórico da cidade. Andar ali à noite é algo indescritível: há história e nostalgia em cada esquina. Os bares e a comida são ótimos, e os preços acessíveis. As pessoas são muito simpáticas, e você acaba pensando em se mudar pra lá…

    Juca, em que época do ano vcs foram? Estou pensando em pernoitar lá ( 1noite ou 2?) vindo de BsAs, mas tenho duvidas se é melhor ir tb a Montevideo. 1 semana é pouco? Já conheço BsAs. Pretendo ir em outubro.
    Desde ja agradeço

    Passei uma semana nesse roteiro ano passado (4ª vez em BsAs) e gostei (ter pernoitado em Colônia teria sido bom também, mas optamos por ir a Montevidéo no fim do dia).

    Considere a dica do Riq (que eu ainda não sabia quando fui) e vá primeiro ao Uruguay, finalizando em BsAs. Eu fiz o inverso e me arrependo. Depois de BsAs Montevidéo perde um pouco da graça (no caminho inverso a viagem flui num crescente).

    Márcia,
    Eu fiz só Uruguai em uma semana, incluindo Punta del Este (que vale muuuuuuuuito a ida, lá é lindo). Incluindo BsAs, dá tranqüilo, também.
    Eu fiquei em Colônia uma noite só, e achei legal. Mais, e vc vai ter overdose – a cidade é muito pequenina, um charme, mas duas noites é demais, na minha opinião.

    Ana Carolina e Dani S., obrigada. Acho que vou primeiro a MVD com Punta e volto por BsAs, tentando pernoitar em Colonia.

    Estivemos lá em setembro de 2007. Ficamos 3 dias em Punta Del Este, 2 em Montevidéu, 1 em Colônia do Sacramento e 6 em Buenos Aires. A divisão ficou boa.

Não me arrependo de nenhuma viagem que fiz.
Mas, inesquecíveis foram todas as vezes que fui para São Miguel dos Milagres.

Curtir Buenos Aires e ter ficado no Casa Sur Hotel foi muito bom. Valeu muito ir ao Rojo Tango.

Passear pelo Alentejo, em especial Marvão, Monsaraz e a visita a Herdade Esporão.

Em Lisboa, andar a beira do Tejo e na rua Garrett…ai ai

Quero mais!

15 dias na Ilha Sul da Nova Zelândia de ‘Campervan’ (uma van pra acampamento, super comum por aqui, com cama, cozinha, sala..).
Além da ilha ser o paraíso na Terra, a estrutura pra “acampar” por aqui é excelente.
Pegar a estrada é o melhor jeito de conhecer a NZ.
Já fiz isso duas vezes – uma com o maridex e outra com meus pais – e faria de novo quantas vezes pudesse.

    Meu sonho de consumo fazer isso c/ maridex e pimpolha! Qdo estiver perto de realizá-lo, quero todas as suas dicas!

    Claro!! Tenho várias…
    Mas não demorem, venham enquanto a gente ainda ta aqui. 😀

    Minha viagem em 2008 pela Nova Zelandia e Australia sensacional (acho que foi uns 30 dias)… Teve de tudo: paisagem estonteante, geyser, Fiorde, paraglide, helihike na geleira, praias na região de Perth, deserto de pinacles, red centre (Uluru e Olgas) e para fechar com chave de ouro; barreira de corais…
    Fala sério… perfeição! Deu uma saudade…

    30 dias NZ inteira + Aus deve ter sido a maior correria né Mi!! 15 dias só na Ilha Sul já achei meio corrido… depois ainda fomos de novo, de carro, pra conhecer uns pedacinhos que faltaram. hihi
    Mas de van é mais legal.

Uma viagem que fizemos, de carro, por 30 dias (lembram quando férias eram férias?) pela França. Saimos de Cannes, após o Festival, e fomos subindo, descendo…Touslouse, Tours, os Castelos, Deauville, Bourgogne, Normandie….Até hoje eu digo que este é meu grande sonho de consumo: ter 30 dias de férias, descontectada, pra refazer esta viagem. Com calma, sem roteiro, sem pressa para nada… 😉

    Pois é Marcie… acho que a gente tem que se mudar pra Europa, pra ter férias de 30 dias. Ou pro Brasil? 🙂

eu repetiria minha última viagem a Berlim. O frescor da capital alemã deu um up nas expectativas e o Circus Hotel nos deu a impressão de que literalmente estavamos em casa na cidade. Uma coisa fantástica.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.