Quer entrar pra minha ONG?

    cauim400.jpg

Este é mais um dos textos que escrevi para a filial deste blog no ViajeAqui — mas que, devido à falta de permalinks, eu resolvi transcrever para cá.

Já passei dos 40, mas mesmo assim ainda tenho grandes planos para a minha vida. Sonho em ficar rico e virar um filantropo. Quero abrir uma ONG. Meu objetivo: salvar as praias do planeta da invasão das cadeiras e das mesas de plástico.

Poucas coisas me deixam mais triste do que ver uma praia bonita infestada de móveis de plástico. Para mim, uma cadeira de plástico (mesa, pior ainda) sobre a areia é como uma garrafa PET sobre a areia: lixo.

Não, não estou dizendo que todas as praias têm que ser ocupadas com o charme dessas cabanas e desses sofás aí da foto, do Cauim, um bar à beira do rio Trancoso. Adoraria, mas sei que isso seria impossível.

Mas acho, sim, que as cadeiras de plásticos podem ser substituídas, com ganho de conforto e funcionalidade, pelas cadeirinhas dobráveis de estrutura de alumínio e encosto de nylon – aquelas que continuam em uso na Zona Sul do Rio, em Boa Viagem, no Recife, e no Porto da Barra, em Salvador.

Minha ONG ainda não foi fundada, mas já tem nome e sigla: vai ser o PCECPP – Primeiro Comando de Extermínio das Cadeiras de Plástico na Praia.

Não tire conclusões precipitadas – nossos métodos de atuação não serão violentos.

Planejo exterminar as cadeiras de plástico com argumentos científicos. Assim que ficar rico e virar filantropo, contratarei eminentes pesquisadores que tentarão por todos os meios descobrir alguma relação entre as cadeiras de plástico na praia e o aumento do buraco na camada de ozônio; entre as cadeiras de plástico na praia e o aquecimento global; entre as cadeiras de plástico na praia e o aumento de incidência do melanoma; ou de preferência entre as cadeiras de plástico na praia e tudo isso junto.

Em pouco tempo teremos fatos concretos e irrefutáveis para divulgar, como por exemplo “quem senta em cadeiras de plástico na praia tem 55% de chance a mais de desenvolver diabetes antes dos 45 anos” ou “nos lugares onde as cadeiras de praia predominam notou-se um aumento de 3 dias de chuva por mês de verão”. Ainda não tenho nenhum desses dados na mão, mas tenho certeza de que meus cientistas não me desapontarão.

Enquanto isso, nada me resta senão recomendar os trechos de praia que ainda não foram incoporados ao império da cadeira plástica.

Se você quer ir a uma praia que seja bonita também do lado de cá do mar, escolha um dessas barracas, bares e clubes:

– Clube dos Ventos, Jeriacoacoara (CE)

– Ponta do Pirambu, Tibau do Sul (RN)

– Bar do Marinheiro, Praia do Amor, Pipa (RN)

– Arte Bar, Praia de Tabatinga, Conde (PB)

– Arikinda, Praia dos Carneiros (PE)

– Bar das Meninas, Taipus de Fora, Maraú (BA)

– Bar do Francês, Taipus de Fora, Maraú (BA)

– Bar do Gaúcho, Taipus de Fora, Maraú (BA)

– Bar do Sting, Praia de Araçaípe, Arraial d’Ajuda (BA)

– La Plage Blanche, Praia de Mucugê, Arraial d’Ajuda (BA)

– Magnólia Club, Praia de Mucugê, Arraial d’Ajuda (BA)

– Casa Sol, Praia do Parracho, Arraial d’Ajuda (BA)

– Tostex Praia, Praia dos Nativos, Trancoso (BA)

– Cauim, Praia dos Coqueiros, Trancoso (BA)

– Bar do Andrea, Praia dos Coqueiros, Trancoso (BA)

– Bahia Bonita, Praia do Rio Verde, Trancoso (BA)

– Pé na Praia, Praia do Rio Verde, Trancoso (BA)

– Club de Mar, Praia do Rio Verde, Trancoso (BA)

– Estrela do Mar, Praia do Espelho (BA)

– Recanto do Espelho, Praia do Espelho (BA)

– Bar do Baiano, Praia do Espelho (BA)

– Bar da Praia, Caraíva (BA)

Não fui este verão ao sul, então não sei se os lounges de praia de Camboriú e Florianópolis usaram ou não plástico na areia.

Se você souber de algum bar ou barraca de praia que não tenha cadeiras de plástico e não esteja nessa lista, por favor, deixe nos comentários, sim? Nossa ONG agradece…

172 comentários

Riq, eu gostaria de sugerir MAIS uma “Categoria” para o seu blog. Juntamente com as demais (Categorias), como Barbadas, Blogueiro acidental , Charadas, Comer, Diário do blogueiro, Dormir, Dossiês, Enquetes, Estava escrito, etc., eu INCLURIA a categoria “Bichisse”!

O melhor de TUDO nem é o excepcional texto do Riq, como sempre extremamente divertido e, é claro, politicamente correto e de bom gosto. O MAIS sensacional foi mesmo o cara escrever “bichisse” com dois S! Ah, NESTE particular, eu “bichisso” com vc! Bichissemos TODOS contra as deprimentes luzes brancas e cafonérrimas cadeiras de “prástico”! Pronto, “bichissei”!

Riq, tô contigo e não abro…Tanto na defesa das praias contra as cadeiras de plástico quanto na perpetuação da boa redação e ortografia, totalmente perceptível nos seus textos.

Tá bom, “bichice”, mas sem se ofender ok ? Não tá mais aqui quem falou.

Sabe o que é Cleber , é que bom gosto não tem a ver com credo ,raça
sexo ou idade .
Bom gosto é como a “elegancia ” , vc tem ou não .

Concordo Riq que quanto mais natureba melhor, além de ser de bom gosto é ecologicamente correto. Bambu, palha, madeira fazem toda a diferença. 🙂
Existe o mau gosto e o bom gosto, eu prefiro o 2o. como o Riq. 🙂

Ricardo, na boa, adoro seu texto, vc é incrível, sagaz, arguto, criativo, etc, etc, mas, essas suas “bichisses” de cadeira de plástico, luz branca, “parati só se for no centro histórico” e etc, não dá meu… Muita frescura…

Riq,
Voce esta certissimo, nao existe nada mais “brochante” do que cadeira de plastico na praia…O pior eh que nao lembro de nenhuma outra praia que nao tenha…Esta eh a parte mais triste…Estou contigo nesta ONG…
Um abracao

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.