Giro pela Itália: comece (ou termine) em Veneza

Canal Grande, visto da Ponte da Accademia

Boa parte dos problemas de montagem de roteiros pela Itália decorre do fato de muita gente chegar e sair por Milão, sem ter interesse em ficar na cidade.

Não é que Milão não valha a pena – mas para quem tem pouco tempo (e uma lista grande de lugares na mira), a capital econômica da Itália é uma boa candidata ao corte.

Poucos se dão conta, porém, de que não é necessário chegar nem sair por Milão para viajar à Itália. Qualquer companhia aérea que voe à Europa leva você do Brasil a Veneza com apenas uma conexão — seja ela feita em Lisboa, Madri, Barcelona, Amsterdã, Alemanha… ou mesmo Milão.

Dorsoduro, Veneza

Para quem quer alugar carro na Itália, usar Veneza e Roma como início e fim do périplo (ou vice-versa) é o ideal: você aluga o carro ao sair da primeira e entrega ao chegar à última, evitando pagar diárias em cidades onde o carro vai estar parado na garagem.

Leia mais:

Veneza: como chegar e como se locomover

Passagens internacionais: como evitar o erro mais comum

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email

402 comentários

vou fazer o roteiro Roma- Toscana- Veneza mas com uma esticada ate Munique. Serao 20 dias e realmente vale entrar por uma cidade e sair por outra colocando ainda um trecho aereo (no meu caso Veneza- Munique) na passagem intercontinental.

abs,
Leandro

Oba! Também estou fazendo esse roteiro mês que vem! Mas nada de carro… passagens compradas para trem, do jeitinho que a bóia ensinou! 🙂

Vou fazer exatamente isso na minha viagem agora em junho… Vou sair de Veneza de carro, passar 3 dias em florenca, sendo que um deles com bate e volta em Pisa e depois vou pra Roma e entrego o carro qdo chegar la… Alguem sabe se tem muitos pedagios por la e se as estradas sao boas?

    Luciana, não fiz o mesmo caminho exatamente, mas as estradas são ótimas. Tem pedágio sim, consulte o via michelin que ele te dá uma idéia de quanto você vai gastar de pedágio. De Milão a Veneza perdi a conta de quantos túneis com pedágios passamos.

    Luciana, de Firenze a Roma, pela A1, em janeiro gastei em torno de 10 euros em pedágio. O pedágio é único, vc pega o cartão ao entrar na autoestrada e paga na saída escolhida.

Acho que essa estratégia é ótima mesmo para quem não está de carro. Foi exatamente o que eu fiz agora em janeiro: cheguei por Veneza, de avião (vindo de uma semana e meia em Londres, bilhete emitido Londres-Veneza Roma-São Paulo, tudo pela BA, com escala só na volta), fui pra Florença de trem, de lá também de trem para Roma, de onde fui embora. Funcionou perfeitamente! =)

Ótima dica! O impulso inicial ao pensar uma viagem à Europa é mesmo considerar o destino dos voos diretos, ou as capitais e principais cidades…

Ja fui à Veneza de carro uma vez, e pra estacionar na cidade foi uma pequena aventura e pagamos um pouco caro, então decidimos ir de trem da segunda vez, saindo de Castelfranco Veneto (estavamos nas redondezas), deixamos o carro no estacionamento da estação de trem (gratuito) e em 45 minutos chegamos à Veneza, com direito à aproveitar a paisagem das cidadezinhas no caminho e a Pianura Veneta, que é linda. A passagem de trem fica em 8€ ida e volta, enquanto no estacionamento podemos pagar até 30 euros por uma tarde. Outra opção cidade pra pegar o trem até Veneza é Mestre, que fica a 15km do aeroporto Marco Polo. O trajeto é feito em 10 minutos.

Veneza é minha última parada na Itália e Roma a 1a!
Vou fazer tudo de trem
Roma – Firenze – Milano – Venezia.

    Kely, acho que vc faz muito bem. Essa é sempre a minha sugestão; Costumo sugerir o carro só para conhecer os lugares mais bucólicos porque carro na Itália, como dizem por aqui, é sempre um casino, sem falar que custa caro. Abraço e boa viagem!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.