San Andrés em 30 dicas dos leitores


San Andrés dicas: praia Spat Bright
Novo e atualizado

San Andrés em 30 dicas dos leitores

O básico

  • Não é necessário tirar visto para visitar San Andrés;
  • É necessário ter certificado internacional de vacinação contra febre amarela para visitar San Andrés, Cartagena ou Bogotá. Tome a vacina (dose integral) pelo menos 10 dias antes de embarcar. O certificado só vale a partir de 10 dias depois da vacina ter sido aplicada;
  • A melhor época para visitar San Andrés é de dezembro a maio. O
    auge das chuvas vai de setembro a novembro;
  • San Andrés está ligeiramente fora da rota dos furacões;
  • A melhor moeda para levar a San Andrés é o dólar, e na cidade de Bogotá a cotação será melhor.
  • Você chega a San Andrés via Panamá, Bogotá ou Cartagena. Veja os detalhes aqui
  • A hotelaria em San Andrés não está à altura das belezas da ilha. Mas a gente ajuda você a escolher um bom hotel (clique aqui)

O que esperar de San Andrés

Dica da Nivia: “San Andrés, embora rústica, é uma delícia para o banho de mar, comer bem e passear com independência, sem precisar de agência ou alugar barcos. Só compramos um passeio de barco, o resto conhecemos com o carrinho de golfe alugado.”

Dica da Maria: “Realmente para quem conhece Cancún e Punta Cana, a ilha se torna quase um ecoturismo. Mas o mar é espetacular. A ilha é bem modesta, mas vale o passeio.”

Dica da Renata A.: “Uma das críticas que mais li sobre San Andrés é que o centro urbano é feio, sujo e caótico. Não deixa de ser verdade, mas os passeios compensam e muito as eventuais impressões negativas. De resto, muitos bons restaurantes com comida maravilhosa e a preço justo, ótimos pontos de mergulho, o exotismo de lugares ainda pouco explorados — sobretudo as pequenas ilhas de Providencia e Santa Catalina–, aliados à riquíssima cultura creole, tornaram a viagem inesquecível. Recomendo fortemente a quem não é apegado a luxos.”

Dica da Thaissa: “Achei os preços bons, principalmente se comparando ao Rio de Janeiro em termos de alimentação e ao restante do Caribe em termos de passeios.”

Dica da Patricia: “Meu marido não gostou muito pois é uma ilha vulcânica com poucos pedaços de areia. Ele esperava uma Aruba. Eu gostei. Compramos um sapatinho para entrar no mar.”

Hospedagem

Dica da Renata: “Eu me hospedei no The Rock House Hostel, que acredito ser a opção mais econômica da ilha. Adorei o hostel, a família proprietária é agradabilíssima e nos ajudou o tempo todo com dicas, passeios, aluguel de carrinho de golfe, etc.”

Dica da Renata A.: “Em nossas viagens sempre optamos pelas hospedagens mais econômicas, sendo assim, em San Andrés, nos hospedamos no Mary May Inn, um hostel que atendeu bem às necessidades, localizado próximo à Peatonal e bastante disputado pelos viajantes de baixo orçamento.”

Dica da Val: “Em San Andrés fiquei hospedada no Cli’s Place (indicação do Lonely Planet), de uma família nativa que aluga quartos em uma casa separada de onde vivem. Família super atenciosa, quarto ok, com banheiro, frigobar e ar condicionado (obrigatório), a uma quadra de Spratt Bight, a principal praia, mas sem a muvuca da orla.”

Dica do Paulo: “Ficamos no hotel Noblehouse, a uma quadra do calçadão. Hotel acolhedor e com bons preços, sem grandes luxos, mas com boas camas, ar-condicionado e chuveiro. A recepcionista Lola é muito simpática e atenciosa, nos deu muitas dicas sobre passeios, restaurantes e as atividades da ilha.”

Dica da Maria: “Me hospedei no hotel Decameron Isleno. Excelente hotel.”

Praias e passeios

Dica da Camila: “Alugue um carrinho tipo aqueles de golfe e vá rodar a ilha, que é possível andar em um dia. Recomendo o lado norte da ilha, que tem praias incríveis.”

Dica do Guilherme: “Alugamos um UTV para dar o passeio na ilha, mais rápido e aguenta 3 adultos sem problema.”

Dica da Renata: “Estive em Johnny Cay, ilha bem próxima, e Acuário, fiz a volta da ilha com carrinho de golfe e fiquei na praia do centro (Spratt Bight). Percebi que em San Andrés os nativos também usufruem da belíssima natureza e não só os turistas. Domingo estavam todos nas praias. A parte norte da ilha (onde fica o centrinho) tem praias boas para nadar; a oeste é apenas para mergulho (West View e Piscinita); sul tem o Hoyo Soplador e leste tem a praia San Luís (com muitas pedras) e Rocky Cay, onde existe uma ilhota que dá pra ir a pé.”

Dica do Haroldo: “Tem algumas praias que vale conhecer mas a dica é parar em Sound Bay. O estilo das barracas de praia e o povo muito hospitaleiro vale a parada e o mergulho. Luxo zero mas com muito estilo.”

Dica da Cynara: “Alugamos mula, carrinho de golf e moto. Fizemos todos os passeios oferecidos: Johnny Cay, Acuário, Cayo Bolívar. Fomos a La Piscinita, fizemos um day use no clube de praia que pertence ao Decameron, em Rocky Cay. O ponto alto de nossa viagem foi o voo de parasail, foi maravilhoso.”

Dica do Paulo: “A praia do centro, embora também seja bonita e com aquele mar caribenho, é bem mal conservada: o snorkel no local revelou muita sujeira no fundo do mar (latas, garrafas etc.) e poucos peixes, infelizmente. Johnny Cay é a ilha mais próxima e, por isso, mais cheia. Recomendo ir durante a semana para evitar multidões. Rocky Cay é uma praia com estrutura e cuja ilhazinha deve ser acessada caminhando por dentro do mar, o que torna o passeio único. Haynes Cay trata-se de uma ilhazinha com apenas um barzinho, mas cuja interação com peixes é sensacional. A Cayo Bolívar chega-se após uma hora de barco; é um paraíso, excelente para snorkel, porém a ida e volta no barco é aventureira, principalmente para quem se sentar mais à frente na embarcação.”

Dica do Guilherme: “Fizemos duas saídas para mergulhar, sendo um total de quatro mergulhos através da agência Blue Life. Todo o material de excelente qualidade e novos, excelentes os locais de mergulho (definidos pelas condições meteorológicas e dos ventos).”

Dica da Thaissa: “Ficamos três dias e meio e não mergulhamos nenhum dia sequer. Bom ressaltar isso pois amigas aqui no Brasil não queriam ir para San Andrés pois achavam que era mais para quem mergulhava. Não faltaram programas! O beach club Aqua, em Rocky Cay, tem infraestrutura muito boa de praia, preço bom, água esverdeada na frente e deliciosas espreguiçadeiras. Johnny Cay é linda, mas perto do meio-dia fica abarrotada de gente. Gostei de chegar mais cedo; alugamos barraca e cadeiras e demos uma volta a pé pela ilha. O almoço é básico, prato a cara de lá: peixe frito, arroz de coco e bananas fritas. Vale ressaltar que o barco até lá é rápido (não chega a 10 minutos), mas bate muito. Na hora de voltar foi bem tenso, a maré subiu, chegavam barquinhos micros e barcos maiores, ninguém sabia qual era o seu. As pessoas se jogavam nos barcos. Por conta da força da água, muitas pessoas caíam. Fomos em um barquinho maior, que não tinha escadinha e, para entrar, éramos levantados por dois homens e um terceiro nos puxava lá de dentro. Ao Acuário fomos em um barco bem pequeno saindo do hotel. No caminho, passamos por dentro de um mangue, paramos em alto mar para fazer snorkel e paramos para ver arraias. Aqui vi tantas tonalidades de azuis e verdes que fiquei apaixonada! Foi o melhor passeio, sem dúvida!”

Dica do Gustavo:Cayo Bolívar é disparado o melhor passeio de San Andrés. É o passeio mais caro, mas vale cada centavo. O valor conta com o transporte ida e volta, café da manhã à vontade, almoço à vontade e open bar de refrigerante, cerveja e água.”

Dica da Val: “Todos os passeios saem do Muelle Casa de Cultura e todos os passeios podem ser reservados lá mesmo, não precisa comprar nas agências do centro. Os passeios são feitos em barcos de pesca e você certamente vai chegar molhado ao destino.”

Restaurantes

Dica da Monique: “Próximo a Rocky Cay, tem um restaurante chamado Stars Kitchen. Adoramos tanto que voltamos lá duas vezes. No centrinho encontramos um restaurante com custo x benefício bom, chamado Miss Celia (pratos grandes, baratos e deliciosos).”

Dica do Paulo: “O La Regatta é um lugar intimista, bom para um jantar romântico; tem uma carta de vinhos ótima e preços justos face à qualidade dos pratos. O Gourmet Shop Assho é especializado em carnes e tem música ao vivo, bom para fugir momentaneamente de peixes e frutos do mar.”

Dica do Haroldo:Punta Sur, um restaurante rústico e temático, parte em forma de barco. Tem uma piscina com água do mar, liberado para quem consome. Fica próximo ao Hoyo Soplador, vale até deixar o carrinho de golfe (ou mula) e ir a pé.”

Dica da Val: “San Andrés tem uma infinidade de bares e restaurantes que são bem bacanas. Eu indicaria o Beer Station para um happy hour de frente para aquele mar azul turquesa.”

Compras

Dica do Paulo: “Não achei o lugar tão bom para compras, mas consegui algumas pechinchas de bebidas (vinhos e uísque) no La Riviera. Os produtos chineses abundam na ilha, por isso, é bom ficar esperto quanto àquele perfume baratinho que você encontrar em pequenas lojas. Encontra-se joias com esmeraldas a preços competitivos, inclusive com certificado de origem.”

Dica da Val: “San Andrés é um grande free shop, com lojas por todos os lados. Como fui com o dólar bem alto, nem dei muita atenção para essa parte.”

Mais dicas

Dica do Paulo: “Paga-se uma taxa para entrada em San Andrés já no aeroporto de Bogotá; eles exigem o recibo na entrada e saída do país.”

Dica da Thaissa: “Voamos com a low cost Viva Colombia. Foi o preço mais em conta disparado entre Cartagena e San Andrés. Apesar de ser aquele esquema que precisa pagar pela mala despachada, a mala de mão só pode ter 6 kg e ser bem pequena e não ter lugar marcado, achei que valeu a pena.”

E Providencia?

Dica da Taissa: “Não deixe de ir a Providencia! Providencia possui a terceira maior barreira de coral do mundo. Chegando lá, faça o tour na ilha e se puder, combine com o marinheiro para ficar um dia todo em Cayo Cangrejo, não tem como não amar aquele lugar divino e de águas cristalinas! Mas leve almoço, lá não tem restaurante, a ilha é minúscula e possui só um barzinho. Em Providencia, almoce no Divino Niño! Os pratos são muito baratos e fartos, além de serem deliciosos!”

Dica da Jeanne: “Se San Andrés é linda, Providencia é um pedaço de paraíso. Fiquei um dia e uma noite e não me arrependo do bate-e-volta. Dá pra aproveitar bastante alugando um carrinho de golf e passeando de barco até Cayo Cangrejo. Indico o hotel Cabanas Agua Dulce, com um café da manhã delicioso e um pôr do sol, regado a piña colada, de tirar o fôlego!”

Dica do Gustavo: “Se puder ir a Providencia também, vá! Muito mais rústico que San Andrés. Compre antecipado o voo no site da Satena, pois pode esgotar. Ida e volta fica em torno de 500 reais. Em San Andrés ficamos no El Viajero, e em Providencia no El Pirata Morgan, ambos muito recomendados! Fiz um mergulho de batismo em Providencia, mas não achei a visibilidade muito boa. O que ouvi falar é que Providencia tem maior vida marinha, mas San Andrés tem maior visibilidade. Na sexta fomos ao Roland’s Bar, um bar roots na beira da praia muito massa, com uma energia muito legal!”

Dica da Val: “Se você vai na alta temporada e pretende ir à ilha de Providencia, marque os voos com antecedência porque são só 15 lugares no avião. Eu não consegui lugar e o barco não tinha disponibilidade para as datas que eu precisava.”

Leia mais:

42 comentários

Viagem 27 nov 18

》Passagem – 3400 reais ( 2 pessoas)
》Hospedagem – 1200 reais ( 2 pessoas)
》Targeta ( entrada da Ilha) – 70 dólares ( 2 pessoas)
》Passeios – 1000000 pesos colombianos ( 2 pessoas)
》Dinheiro para gastos ( almoços e lanches)- 1320000 pesos colombianos ( 2 pessoas)

* 3000 reais convertidos em Peso Colombiano

TOTAL – R$ 7.600, 00 ( 2 pessoas)

》》Passeios (2 pessoas)

– Jet Sky – ficar ligado nas recomendações do Instrutor.
– Jonhy Cage (Ilha) – almoço e preço normal, mas 1 prato dá para 2 pessoas. Lembrando de não comer muito pq depois ainda tem passeio de barco.
– Parassaio (vôo de Paraquedas)
– Aluguel de Mule (carrinho de golf) – conhece toda a orla de San Andrés. Muito bom…conhece várias praias e vc dirige o carrinho….ele fica a sua disposição.
– Aguanauta (mergulho com capacete)
– Mergulho Cilindro
– Decameron Resort ( bebida a vontade, mas a comida tem horários) – mas a praia é uma porcaria.
– Passeio de Lancha ( particular é melhor) – passeio pela orla de San Andrés, encontro com arraias e conhecer outra Ilha. Super maneiro.
– Hotel Calipso – vc pode almoçar lá e desfrutar da piscina na cobertura. A melhor vista da Ilha. Limonada top.
– Beer Station – comida top e barata.
– PeruWork – comida boa e preço médio.
– Restaurante Dona Francesca – atendimento péssimo…ridículo…

DICAS

● Bom aprender (Internet) as saudações e algumas palavras básicas….mas se não souber dá pra se virar no Portunhol….rsrs

● Não sair fechando os passeios com as primeiras pessoas que aparecerem. Boa indicação é o guia Diego….muito gente fina e ajuda em muita coisa. Inclusive dá de presente chip da Movida.

● Não cair na lábia dos vendedores na praia do Centro, pois alguns lhe oferece a água a 5 mil pesos, mas no quiosque é 2mil.

● ATENÇÃO – A conversão de dinheiro pode ser feita na casa de câmbio, mas como eu não quis andar com dinheiro, eu comprei na Ryachuelo ( perde 130 reais de taxas) e resgatei em San Andrés. (pois 3000 reais convertido em peso….vc receberá uma patoca de dinheiro ….cerca de 2 milhões e 300 mil pesos….será milionário por alguns dias…rsrsrs…

● Leve a identidade com menos de 10 anos de expedição.

● Chegando no aeroporto de Bogotá corra para a Imigração para realizar o seu cadastro. Se demorar vc pegará uma fila enorme e vai demorar demais. Não fique de risinho com os funcionários…não são simpáticos mesmo.
● Protetor Solar, creme….. deixa pra comprar aqui….muuuuuuito mais barato.

● Caso queira, junte dinheiro só para comprar perfume, creme, loção, tênis, bebida….é muito barato…mas cuidado com os falsificado.

● Internet grátis na rua – em frente a quiosque Cafeteria Juan Sanches, Hotel Calipso…

● Táxi – para o Centro – 10 mil
para outro lugar – 15 mil

● Não compre lembrancinhas nos pontos turísticos. Deixe pra comprar numa feirinha em frente ao La Regata

● Existem opções de estadia boas e baratas. CLIS PLACE é uma opção. Lugar excelente. Funcionários muito simpáticos e educados. Café da manhã simples, mas é pago por fora (10.000 pesos)

San Andrés é simplesmente fantástica, vale muito a pena, fui no inicio de fevereiro/2018 e peguei dias lindos, ensolarados, fiz todos os passeios incluindo Acuario, aluguei uma mule e fiz a volta a ilha por conta própria parando nos lugares indicados para banhos, e terminei na Praia de San Luis, adorei, voltaria com certeza.

Acabei de voltar da Colombia onde passamos 15 dias. Estivemos em San Andres e infelizmente pegamos Haynes Cay e Acuario também fechados pra visitação.

Bom dia, acham que vale a pena deixar para alugar apartamento quando chegar na ilha?

    Olá, Suellen! É tão caro viajar, você tem certeza de que quer perder seu tempo de férias, contando o taxímetro, procurando um apartamento? Acha que vale mesmo a pena sair de casa sem saber direito onde vai se hospedar? Por que você acha que ao chegar lá conseguiria achar alguma coisa boa, bem localizada ou com bom custo x benefício — quando corre o enorme risco de pegar o que sobrou e pagar mais caro por isso? É tão fácil alugar pela internet. Não se viaja mais desse jeito há uns 15 anos.