Santos, de carona com o Beto

Como acontece com saudável freqüência, a caixa de comentários da charada do Memorial do Imigrante acabou descambando para outros assuntos: primeiro bondes (no desvio do Arnaldo), depois Santos (levantado pelo Ernesto, e imediatamente apoiado pela Sandra, pela Emília, pela Majô, pela Carol…). E quando o assunto já parecia esgotado, eis que aparece o Beto, que é de Santos, e publica esse belíssimo guia santista, com programas imperdíveis e roubadas a evitar. Para todo mundo que não leu na caixa de comentários, aí vai (só acrescentei os links, Beto!):

Sou de Santos, portanto posso garantir:

1) Os pastéis do Carioca (praça Mauá, ao lado da Prefeitura) são pura lenda de santistas; fritos em gordura suspeita, falta higiene sim; e tenho inúmeros testemunhos de desarranjos, inclusive deste que vos escreve. Portanto, não caiam nessa.

2) Passear no Centro de Santos é melhor nos dias de semana, pois é quando tudo funciona; vale pelo conjunto arquitetônico (ainda mal cuidado, mas em lenta recuperação); e pela história do café (bem representada pelo prédio da Bolsa Oficial do Café, onde funciona um pequeno e interessante museu e uma cafeteria bem charmosa).

3) Para comer, no Centro, somente até o almoço do sábado, tem o Café Paulista, o mais antigo e melhor restaurante da cidade, bem em conta e supertípico do período em que o café transformou Santos na segunda praça financeira do Estado (isso já passou, faz tempo). Como sugestão, peçam a garoupa à Guanabara (o lombo do peixe grelhado sobre um arroz de palmito), mas podem arriscar nas sugestões do dia. Tudo sem luxo, é um restaurante voltado para quem trabalha nas redondezas, um pouco barulhento e não tem ar condicionado. Mas é típico. Talvez, único.

4) É também durante a semana que o passeio de bonde é mais legal, porque a Cidade (é assim que chamamos o Centro) está cheia de gente e, se estiverem com sorte, poderão sentir o perfume do café torrado que exala das empresas de classificação do produto, para exportação. O bonde sai da praça Mauá, durante todo o dia (inclusive sábados e domingos), e faz um passeio de 15 minutos, mostrando o principal do conjunto arquitetônico mais interessante.

5) Para aproveitar o dia, vale um passeio pela orla, até o Aquário Municipal na Ponta da Praia. É simples, mas é divertido e o visual da orla naquele trecho é lindo, principalmente no fim de tarde (o sol se põe no lado oposto da baía), e deve ser curtido a bordo de um coco verde gelado.

6) Se quiserem um restaurante de praia, vão ao Armazém 29, na rua Pindorama, no bairro do Boqueirão, a uma quadra do Canal 3 (vocês sabem, a cidade é cortada por 7 canais, projetados pelo eng.sanitarista Saturnino de Brito, no começo do século, para acabar com as epidemias que infernizavam a cidade). Na rua Lincoln Feliciano tem o melhor chope de Santos, no Bar do Heinz, que está sempre lotado. Se você for um pouco mais alternativo, na ruazinha que tem em frente ao Heinz está um pub chamado Badovic, com chope Brahma da melhor qualidade.

7) O melhor de Santos é a tranqüilidade proporcionada por uma cidade pequena, bem urbanizada, razoavelmente segura (em comparação com Sampa e os municípios vizinhos da Baixada), boa de andar a pé e de bicicleta. Boa pra fazer uma con-VnV-enção…

Qualquer dia (útil) desses eu desço para conferir e fotografar, Beto! Obrigadíssimo!

(E a idéia da con-VnV-enção é ótima, também.)

🙂

50 comentários

Sei que esse post é antigo, mas estou precisando de dica de hotel para casal, para ficar em Santos no fim de semana! Entre Parque Balneário e Mendes, qual está melhor? Da última vez, fiquei no Mendes, mas isso já faz alguns anos… E o Ibis, que pelo que vi já inaugurou, como é? No site não há quase nada…

P.S. Adoro o centro de Santos! Um passeio na Bolsa do Café, com direito a um cafezinho, é imperdível!

Adorei as dicas. Há algum tempo me incomoda morar tão perto de Santos (perto do terminal Jabaquara!) e NUNCA ter visitado a cidade num turismo bate-e-volta barato e interessante.
Já salvei suas dicas e vou usar como guia assim que puder!
Grande abraço, obrigada e parabéns pela simpática e eficiente propaganda de sua cidade!

À colega Sandra…..

A Ilha Porchat bem como a Ponte Pênsil são pontos turísticos da cidade de São Vicente e NÃO DE SANTOS COMO MUITAS PESSOAS PENSAM !

por que não colocou fotos de obras???????????
no site????????????????????
Obrigada

Ficaria mais bonito?????????????
Obrigada e agradeço por me atenderem!!!!!!!!!!!!!!

Ah, de Santos eu entendo: sou de lá! Lá vai mais um pouquinho sobre a cidade.

O Mirante do Niemeyer vale a visita. Fica em São Vicente, no alto da famosa Ilha Porchat (aquela, do clube de mesmo nome, palco da festa “Uma Noite nos Mares do Sul). A vista é linda, linda. Só torça para não estar nublado, daí prejudica um pouco.

O jardim da orla não é apenas o maior do mundo, mas é também muito bonito. Para caminhar sem pressa, de dia ou à noite.

Uma boa dica para quem não é de lá é tomar um chopp em um bar no Píer da Ponta da Praia. Vá no fim do dia. Dá para curtir a brisa, o vai e vem dos navios e um pôr-do-sol simplesmente inesquecível.

O Memorial do Santos F.C. é interessante para fãs do Santos e do futebol. Tem troféus, uniformes, fotos e outras lembranças, em especial da era de ouro do time, quando Pelé, Pepe e outros davam show nos gramados.

Para quem gosta de sentar para beber e papear, tem o Bar do Toninho do Bacalhau, na Av. Epitácio Pessoa, cuja especialidade deu origem ao seu nome. Mesmo assim, os pastéis também fazem muito sucesso. O meu preferido é o de siri. Espere sua mesa, peça uma cerveja gelada e fique de papo pro ar.

Antes de encerrar, a última: Zé das Batidas, no Super Centro Boqueirão. Um botequinho sem nenhum requinte, mas que faz as melhores batidas da região.

Sejam todos bem-vindos a Santos. E que venha a Con-VnV-enção santista!

Mais uma são-paulina (fraquinha) que adorou ir à Vila…assisti ao jogo e ainda torci pelo Santos! Me diverti pacas…