Slogan, você ainda vai ter um

Uma coisa interessante da feira da Abav foi ver, lado a lado, os slogans de turismo de vários países.

abav-orlando

Dos sul-americanos, o meu preferido é o da Colômbia, bastante corajoso. E está dando certo.

abav-colombia

Outro slogan superbem-sucedido é o da Costa Rica. Em inglês fica melhor: “No artificial ingredients.”

abav-crica

O Uruguai foi atrás:

abav-uruguai

(Na verdade, o benchmark dos dois deve ser a Nova Zelândia, que tem o slogan mais eficiente da última década: 100% pure New Zealand.)

Tem um slogan made in Brazil vitoriosíssimo: o de Aruba, feito pelo meu amigo Stalimir Vieira no século passado, mas que continua firme e fortíssimo.

abav-aruba

A maioria, porém, não tem graça nem punch.

abav-panama

abav-peru

abav-stmaarten

abav-paraguai

abav-guatemala

abav-repdom

O Brasil, evidentemente, não tinha um stand nacional na feira. Mas, só para você saber, nosso slogan segue a linha sintética.

abav-sensational

(Em inglês: “Sensational!”) Eu não acho mau, mas também não adoro, não. Não sou muito fã de slogans-adjetivos. Prefiro frases. Meu gênero é mais “Folha. Não dá pra não ler.” do que “Veja. Indispensável.” Até porque, ahn, o não dá pra não ler fui eu que fiz 😳

(Na outra encarnação, pípol.)

Se bem que existe um slogan-adjetivo que eu acho perfeito: o Incredible India. Ainda mais com esse “i”  invertido que vira ponto de exclamação.

abav-india

E por falar em Incredible India, VOCÊ JÁ VIU ESSE COMERCIAL DO TURISMO INDIANO? Baguan keliê! Clica e me conta.

53 comentários

Oi Riq! Concordo plenamente contigo em relação aos slogans. E sobre o seu, mais específicamente, lembro de um momento interessante na faculdade de publicidade ( me formei na Famecos/Pucrs, sou publicitário não praticante). Um dos professores de redação publicitária foi categórico ao dizer que a palavra “não” é proibida em qualquer texto publicitário, pois gera um sentimento negativo, etc. e tal. Então eu disse: E o “Folha, não dá pra não ler” e o profe responde: Ah, isso é exceção, tu nunca vai encontrar outro. Ao que eu digo ” Não é uma Brastemp!” A turma toda riu do coitado do professor mal informado. Ou seja, já há muito tempo as tuas idéias são muito úteis para mim!! 🙂 Abraço!

    E o do Amex? “Não saia de casa sem ele”. Esse professor já deveria ter perdido o emprego, não? 😆

    O mais engraçado nesse caso do “não use não” é que os professores (e clientes…) que repetem isso leram essa bobagem originalmente no livro do David Ogilvy. É uma das regrinhas de ouro dele.

    Só que o “Não saia de casa sem ele” é da própria Ogilvy…

Riq, eu achei um slogan pro meu blog 💡 “BBZ, sem comentários!” (Literalmente! 😳 😆 😆 😆 )

Coitado do Paraguay. Isso é o mal de slogans que pretendem correr o mundo e não se preocupam com a tradução. Em espanhol – “Tenés que sentirlo” – fica muito melhor. 😛

Para mim, o melhor do slogan da Índia é que ele não se aplica só ao que o país tem melhor para oferecer aos turistas. A Índia também pode ser incrivivelmente suja, pobre, assustadora, chata, poluída, feia, caótica, violenta, etc.

Acho que não existe adjetivo melhor para descrever este país que adoro.

Tinha um anúncio que passava na TV acabo que dizia “Lugar tal… Inolvidable”. Não sei quanto ao lugar… mas o slogan era (pelo menos em sua parte mais importante)!

Em Arraial D’Ajuda eu adorava chegar no Mucugê e ver aquela placa meio errada de “Beco da Alegria”, que não cheguei a descobrir se era um slogan ou o nome daquela entradinha.
http://www.flickr.com/photos/mesmo/3675232248/in/set-72157620767800870/

Sobre o Brasil, acho que sensacional é pouco. Com tanto para dizer, e tanto bom publicitário para dizer BEM isso, me pareceu preguiçoso.

E peço licença para discordar de St. Marteen! Pelo que consigo puxar da memória, achei adequado – embora tenha me feito lembrar bem mais de Curaçao. 😀

Agora deixa ver se esse filme me faz querer ir à Índia.

beijoca!

o comercial é lindo, mas faz parecer que a Índia é Disney…. e pra quem já foi, sabe que é totalmente o contrário. e olha que eu amo a Índia!

    O que tem de mais fake no comercial é o fato de quase não ter gente em volta. Não tem caos de trânsito nem de multidão.

    Mas tem duas coisas que eu acho espetaculares.

    Uma é mostrar uma Índia multifacetada e totalmente diferente do clichê, e nem por isso menos indiana. O Taj Mahal só vai aparecer quase no fim — e a cena que inventaram ali é genial: os indianos como turistas, o gringo fabricando o souvenir 🙂

    O outro golpe de mestre é fazer o personagem participar de uma série de atividades que o turista, por mais insider que seja, só vai conseguir observar. Mas ver o ocidental lavando elefante, participando da luta ou da dancinha, tem um efeito mágico…

Se o Perú roubasse o slogan do Paraguay, acho que faria mais sucesso 😀

Dois minutos de comercial foram infinitamente melhores do que 6 meses de novela. Sensacional.

Sobre os slogans, o da Colômbia é mesmo muito corajoso. Aqui no Brasil, a reação seria “Nem pense em lembrar ‘perigo’ no nosso slogan!”. Ponto pra eles.

O de Aruba é um clássico. Realmente do Caribe.

    Isso aí: Primeiro lugar o slogan da Colômbia e segundo lugar Aruba (também ótimo, mas o mote do slogan – o trocadilho com a expressão “é do c…” só vai ser entendido em português e espanhol)

    O de Aruba é só para usar no Brasil mesmo, Arthur. (Aliás, o melhor da publicidade brasileira normalmente é incompreensível fora daqui.)

    Pois é Riq, foi o que eu quis dizer sobre o slogan de Aruba. Já o slogan da Colômbia é, digamos, universal, pode ser usado em qualquer idioma.
    Abs!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.