Suíça: Interlaken x Zermatt x St. Moritz

Zermatt

Tão logo você começa a montar o seu roteiro suíço, descobre o inevitável: é muita Suíça pra pouco tempo, minha gente! Não tem jeito: você vai deparar com várias escolhas-de-sofia até definir o itinerário final.

Para ajudar a priorizar lugares e enxugar/racionalizar o seu roteiro, começo agora uma série de posts comparativos entre os lugares mais famosos em três categorias: vilarejo de montanha (Interlaken x Zermatt x St. Moritz), base alemã (Zurique x Lucerna x Berna) e base francesa (Montreux x Lausanne x Genebra).

Claro que esses lugares são apenas — perdão, Nossa Senhora do Clichê Congelado — a ponta do iceberg da lista de destinos suíços. Mas acredito que esta série será uma mão na roda para você montar de um jeito consciente as suas bases, itinerários e trechos panorâmicos.

INTERLAKEN | Mas pode chamar de Interloche

Interlaken

A 2h15 do aeroporto de Zurique (com uma baldeação em Berna), Interlaken é o principal centro do turismo alpino suíço — simplificando bastante, e em bom português brazuca, é a Bariloche da Suíça.

Sua localização é adorável: Interlaken signfica “entre lagos”, pois fica na intersecção dos lagos Brienz e Thun. É circundada por montanhas majestosas — Eiger, Mönsch e Junfrau. De lá você pode zanzar por toda a região das “Bernese Oberland” (“terras altas de Berna”). Não faltam passeios, tanto no inverno, quanto no verão.

Devido à altura, o topo do Jungfrau tem gelo e neve o ano inteiro. É possível até esquiar no verão.

Interlaken como bate-volta

A uma hora de Berna e duas horas de LucernaZurique ou Lausanne, Interlaken cabe num bate-volta — bastante intenso, mas cabe.

No esquema de ir e voltar no mesmo dia, você vai precisar descer em Interlaken Ost e já pegar a próxima saída da Jungfraubahn, a ferrovia que leva aos vilarejos alpinos e à ferrovia mais alta da Europa. Leve em consideração que o circuito completo até o Top of Europe leva no mínimo seis horas.

Para aproveitar o dia vindo de Lucerna, Zurique ou Lausanne, você vai precisar sair no máximo às 8 da manhã (e dificilmente vai estar de volta antes das 8 da noite). De Berna, que fica a apenas uma hora, o passeio é menos puxado. De Genebra ou Montreux (2h30) fica puxado demais.

Interlaken como pit-stop

Usando o serviço Fast Baggage das ferrovias suíças (em que você entrega a bagagem na estação de ida antes das 9h e retira antes das 19h na estação de chegada), ou se valendo do guarda-volumes da estação Interlaken Ost, você pode fazer de Interlaken um pit stop entre dois destinos. Dá para sair cedo de Zurique ou Lucerna e dormir em Berna ou Lausanne (ou vice-versa), usando o tronco ferroviário convencional (Zurique ou Lucerna-Berna-Lausanne).

O pit stop não é possível pela rota panorâmica (Golden Pass Line, entre Montreux e Lucerna), por duas razões: o trajeto é mais demorado (ficaria ainda mais apertado para fazer o circuito completo da Jungfraubahn) e o segundo tramo da viagem seria feito no escuro durante boa parte do ano.

Interlaken como base

O mais interessante de pernoitar em Interlaken é poder fazer com calma a região do Jungfrau, que é repleta de atrações. Você tirar um dia para ir até o ponto final da Jungfraubahn e curtir todas as atrações do Top of Europe (o centro de diversões alpinas que tem lá em cima); e num outro dia pode se dedicar aos vilarejos do caminho, como Wengen e Grindenwald (não perca o tobogã de maio a outubro). Neste segundo dia também dá para incluir uma subida ao Harder Kulm (entre abril e outubro).

Dias suplementares podem ser usados para fazer:

– passeios de barco pelos lagos Brienz e  Thun (veja os meses em que os passeios são oferecidos aqui);

– bate-voltas a Berna (1 hora de trem) e a Lucerna (2 horas de trem) — em dias diferentes, claro;

– fazer atividades pela cidade mesmo (como este passeio de Segway);

– subir subida ao Schilthorn para comer no restaurante panorâmico giratório;

– visitar as cavernas de São Beato (abril/outubro);

– fazer uma excursão ao Jardim Alpino de Schynige Platte (junho a outubro)

Outra vantagem de montar base em Interlaken é poder monitorar a meteorologia e escolher um dia claro para subir ao Jungfrau.

Entre as estações de esqui dos arredores estão Grindenwald-First (onde está o parque de snowboard para iniciantesWhite Elements), Mürren-SchilthornKleine Scheidegg/MännlichenBeatenberg-NiederhornAxalp em Brienz (com boa estrutura para crianças) e Habkern.

Trens panorâmicos de/para/em Interlaken

Jungraubahn

Interlaken tem um circuito panorâmico completo — essa Jungfraubahn que eu já citei várias vezes nos tópicos anteriores. O circuito é perfeitamente circular — dá para ir por um lado (Lauterbrunnen) e voltar por outro (Grindenwald, ou vice-versa). O passeio completo, contando com uma parada de 90 minutos no Top of Europe, leva no mínimo seis horas.

Os trajetos entre Interlaken e Grindenwald e entre Interlaken e Lauterbrunnen estão 100% incluídos no Swiss Pass. Para lá de Grindenwald e Lauterbrunnen, a Wengen e Kleine Scheidegg o Swiss Pass dá 50% de desconto. No trecho final entre Kleine Scheidegg e o Top of Europe o Swiss Pass dá 25% de desconto. Os trens saem de Interlaken Ost.

Golden Pass Line

Interlaken está no centro da linha panorâmica mais útil da Suíça, a Golden Pass Line. Por que é a linha mais útil? Porque liga destinos desejados da Suíça francesa e da Suíça alemã pelo caminho mais bonito. E não deixa ninguém ilhado: dá para seguir viagem facilmente de onde você parar, sem precisar voltar pelo mesmo caminho.

O trecho entre Montreux e Interlaken leva 3 horas, com baldeação em Zweisimmen. A subida começa imediatamente ao sair de Montreux (lindas vistas da cidade e do lago lá de cima); depois que o trem ganha altitude aparece aquela a paisagem que você espera da Suíça — pastos e vaquinhas com sininho ao pé de montanhas com cumes nevados. Entre os vilarejos do caminho está a badalada Gstaad. A última meia hora de viagem é passada costeando o lago Thun.

O outro trecho da Golden Pass Line, entre Interlaken e Lucerna, leva exatas duas horas. Costeia o lago Brienz — que nos dias ensolarados tem água azul-turquesa — e segue por vales escassamente povoados, num percurso 100% fotogênico.

(Para comparar: o caminho mais rápido entre Montreux e Lucerna leva 2h40 — praticamente metade do tempo da Golden Line completa –, mas usa o corredor densamente ocupado Lausanne-Berna-Lucerna.)

É possível fazer os dois trechos da Golden Pass Line com o Swiss Pass, desde que se viaje nos vagões convencionais. Para viajar nos vagões panorâmicos é necessário fazer reserva e pagar suplemento.

Onde ficar em Interlaken

Interlaken tem duas estações: Interlaken Ost e Interlaken West.

Interlaken Ost é turisticamente a mais importante, porque a Jungfraubahn sai dali também — e a subida ao Harder Kulm fica a uma distância caminhável. Mas não é um pólo hoteleiro; há poucos hotéis nas redondezas. o mais bacana é o chiquérrimo Lindner Grand Hotel Beau Rivage); o confortável Carlton é uma alternativa menos cara. Há um elogiado Youth Hostel ao lado da estação.

Interlaken West é uma estação mais central. O Centro é a principal zona hoteleira da cidade; ali é mais fácil se deslocar a pé para comer e se divertir. Por ali, entre as alternativas com bom custo x benefício estão o City Oberland Swiss Quality, o CityChalet Historic (autenticamente alpino), o Best Western Bernerhof e o Crystal (bem econômico). Quanto mais perto você se hospedar do canal que liga os lagos, melhor; do outro lado da ponte da Bahnhofstrasse está o bairro (tecnicamente um outro vilarejo) de Unterseen, que tem a noite mais simpática da cidade. Querendo ficar direto deste lado, considere o indinho Beausite (que tem uma ala econômica Beausite Budget), o Rössli e o Post Hardermannli.

ZERMATT | Fofinha & completa

Zermatt

Se Interlaken é uma base perfeita para visitar típicos vilarejos alpinos, Zermatt é o próprio vilarejo típico alpino. Grandinho e turístico, decerto, mas com a arquitetura e a topografia que você espera de uma aldeia montanhesa suíça. Zermatt é a mãe de todas as Campos do Jordão! O pano de fundo que lhe enfeita a paisagem é o cartão-postal mais fotografado do país, o pico Matterhorn, que você conhece das embalagens de Toblerone e Caran d’Ache. E praticamente não há carros nas ruelas: o trânsito de carros particulares é proibido; circulam apenas pequenos veículos elétricos que funcionam como táxi e transportadores de carga e bagagem.

Toda essa fofura concentrada, no entanto, vem com suas desvantagens: o acesso não é tão simples, o que desestimula bate-voltas e deixa a cidade de fora dos itinerários mais esbaforidos.

Zermatt como bate-volta

São poucas as cidades importantes que estão num raio de até duas horas de Zermatt — para mim, o limite máximo para um bate-volta confortável. Quem está em Berna pode subir em 2h10 (com baldeação em Visp); a viagem desde Interlaken também leva um tempo parecido (2h15, mas com segunda baldeação, em Spiez).

Num bate-volta, o passeio mais óbvio é a subida ao Gornergrat, de onde se tem a vista mais bonita para o Matterhorn. No verão, por causa dos dias mais longos, se você chegar cedo a Zermatt pode combinar o passeio do Gornergrat com outra subida, ao Glacier Paradise do Klein Matterhorn.

Eu não recomendaria bate-voltas para quem está baseado em Zurique (3h10), Lucerna (3h15), Montreux (2h30), Lausanne (2h50) ou Genebra (3h40).

Zermatt como pit-stop

Usando o serviço Fast Baggage das ferrovias suíças (em que você entrega a bagagem na estação de ida antes das 9h e retira antes das 19h na estação de chegada), ou se valendo do guarda-volumes da estação de Zermatt, você pode fazer de Zermatt um pit stop entre dois destinos — sobretudo se o destino inicial ou final for Berna ou Interlaken, que estão a duas horas de lá.

Você pode compor seu roteiro saindo de Montreux ou Lausanne para dormir em Interlaken ou Berna, por exemplo. Use o Fast Baggage apenas se você tiver certeza de que vai chegar ao destino final antes das 19h, senão você só vai retirar as bagagens no dia seguinte. Mas considere seriamente pernoitar em Zermatt: você vai aproveitar muito mais a viagem.

Zermatt como base

Dormir em Zermatt proporciona a experiência de se hospedar num vilarejo alpino com a possibilidade de fazer muitos passeios, aproveitando a boa estrutura turística da cidade.

Há vários picos para visitar, usando os meios de acesso mais variados — ferrovias, teleféricos, gôndolas. Você pode subir ao Gornergrat, ao Glacier Paradise do Klein Matterhorn, ao Rothorn, ao Sunnega e ao Schwarzsee.

No inverno a praça central da cidade vira um ringue de patinação.

Nas férias escolares européias (junho-agosto e virada do ano) há uma série de atividades para crianças no Kinder Paradies Zermatt. No verão tem também um parque de arvorismo, o Forest Fun.

Quem não esquia pode descer de tobogã de Rotenboden. E entre o Natal e abril dá para dormir uma noite num iglu na Igloo Dorf.

Há um centro histórico com casas tradicionais preservadas. E a noite é bem fervidinha, tanto na temporada de inverno quanto na de verão.

O entorno de Zermatt tem 30 pistas de esqui, servidas por vários meios de elevação. É possível ver quais estão em funcionamento neste link. Mesmo no verão é possível esquiar no Klein Matterhorn, pela manhã (às duas da tarde as pistas são fechadas porque neve e gelo começam a derreter).

Trens panorâmicos de/para/em Zermatt

Visp-Zermatt-Visp

Para subir até Zermatt de trem é necessário fazer uma baldeação em Visp. E ali você obrigatoriamente pega um trem panorâmico da Matterhorn Gotthard Bahn, com janelões enormes mesmo na segunda classe, e que leva uma hora até chegar ao centro de Zermatt. Este trecho inclusive faz parte do Glacier Express, o mais famoso trem panorâmico da Suíça. Ou seja: simplesmente chegar a Zermatt já envolve uma viagem panorâmica. E o que é melhor: este trecho de Visp a Zermatt está 100% incluído no Swiss Pass, sem necessidade de suplemento.

Gornergrat Bahn

Passeio mais procurado em Zermatt, a ferrovia Gornergrat Bahn leva você a uma altitude de 3.100 metros, de cara com o Matterhorn. A viagem leva meia hora em cada sentido. O Swiss Pass dá 50% de desconto.

Teleféricos, planos inclinados, funiculares & gôndolas

Dá para ascender a inúmeros picos por variados meios de elevação. O Swiss Pass normalmente dá 50% de desconto na tarifa de transporte.

Glacier Express

Ahá! É o mais cobiçado dos trens panorâmicos. Vai de Zermatt a St. Moritz em quase oito horas de viagem. Quem tem Swiss Pass só precisa pagar a reserva dos vagões panorâmicos. Mas é possível fazer a viagem inteira em trens convencionais, sem pagar suplemento. Clique abaixo para ler o post completo desta viagem.

Onde ficar em Zermatt

Zermatt é pequenina e pode ser percorrida a pé. Jogue sempre no Google Maps o seu hotel para ver a distância até a estação central. O embarque para o Gornergrat é na praça central, mas os meios de ascensão para o Glacier Paradise saem da outra extremidade da cidade. De todo modo, em caso de frio extremo, mau tempo ou dificuldade de locomoção, sempre dá para chamar um táxi. Nos arredores da estação, o Sarazena, o Ambassador e o Schlosshotel costumam ter tarifas encaráveis. Há muitos hotéis alpinos em que os apartamentos têm cozinha equipada — como o Chalet Bergkristall e o Haus Graven. Eu fiquei num hotel básico-moderninho bastante simpático, a menos de dez minutos a pé da estação, o Aristella Swissflair. Com o bolso recheado, eu ficaria no Omnia.

ST. MORITZ | Neve com grife

Vale do Engadin

Se você achou difícil chegar em Zermatt, é porque você não viu onde está St. Moritz. A mais chique das estações de esqui suíças está no cantão (com trocadilho, por favor!) de acesso mais complicado da confederação helvética. A grande cidade mais próxima, Zurique, está a 3h20 de trem. Os trilhos são lentos, os preços são altos, mas a paisagem é um deslumbre: St. Moritz está no Vale do Engadin, pontilhado de lagos (Sils, Silvaplana, St. Moritz) e dominado pelo pico Piz Bernina.

St. Moritz como bate-volta

Esqueça essa possibilidade. St. Moritz só vale para passar o dia e voltar se você já estiver baseado nas redondezas. A “grande” cidade mais próxima é a pequenina Chur, que está a duas horas (e é boa base também para um bate-volta ao principado de Liechtentstein). A igualmente chique (e um pouco mais discreta) estação de esqui de Davos está a uma hora e meia. Você também pode passar o dia vindo de Tirano, na Itália, que está a 2h15 de trem (nos horários mais rápidos).

St. Moritz como pit-stop

Se você acordar em Chur e estiver disposto a dormir em Tirano ou em Milão, pode dar uma paradinha em St. Moritz. O esquema é o seguinte: saia de Chur num trem cedinho — tipo o das 7h58, que chega a St. Moritz às 9h58. Deixe as malas no guarda-volumes da estação. Se você seguir a Tirano no trem das 16h45 (que chega a Tirano às 19h12), terá mais de seis horas líquidas para passear pela região. Se quiser dormir em Milão, pegue o trem das 15h45, e às 21h40 você deve chegar a Milano Centrale.

É bom lembrar que o trecho Chur-St Moritz faz parte da rota do Glacier Express, e que St. Moritz-Tirano segue o itinerário do Bernina Express. Basta usar trens convencionais, porém, para não precisar pagar suplemento (leia mais sobre isso adiante).

O que dá para fazer em cinco ou seis horas em St. Moritz? Eu subiria ao Muottas Muragl, para a mais bela vista do vale do Engadin.

St. Moritz como base

St. Moritz está a 3h10 de Zurique, 4h20 de Lucerna e também de Berna, 5h20 de Interlaken, 5h40 de Lucerna e 7h40 de Zermatt (pelo Glacier Express). Milão está a 4h30 (pela rota mais rápida) ou 6h (via Tirano pelo Bernina Express).

No inverno, além do esqui (em estações como Corviglia, Corvatsch e Diavolezza), há muitos tobogãs, snowparks para crianças, corridas de trenó (bobsled) e… pólo na neve, a mais esnobe das tradições locais.

No verão, a região vira o paraíso de andarilhos, corredores e praticantes de esportes aquáticos — como vela, windsurf e kitesurf.

No inverno e no verão, pode-se fazer passeios panorâmicos pela histórica Rhätische Bahn, ferrovia tombada como patrimônio histórico pela Unesco (que tem trechos pertencentes às rotas do Glacier Express e do Bernina Express).

Outro esporte em cartaz o ano inteiro é o das… compras. A via Serlas é o grifódromo local.

Trens panorâmicos de/para/em St. Moritz

St. Moritz é servida por uma ferrovia tombada pela Unesco, a Rhätische Bahn (Ferrovia Rética). Seus trechos mais bonitos (a ferrovia Albula e a ferrovia Bernina) fazem parte do trajeto de dois trens panorâmicos famosos, o Glacier Express (que faz a rota Zermatt-St. Moritz) e o Bernina Express (que faz St. Moritz-Tirano, com continuação de ônibus a Lugano).

Se eu fosse você, escolheria um dos dois; fazer os dois trajetos na seqüência é um tanto repetitivo. Eu achei o Bernina mais bonito do que o Glacier (talvez por ser mais enxuto, também). Um bom roteiro é vir de Zurique via Chur, ficar de uma a três noites em St. Moritz e então continuar a Milão (ou a Lugano).

Para quem tem um dia para investir neste passeio, a rota do Bernina Express também proporciona a mais linda viagem entre Zurique e Milão (ou vice-versa). É preciso sair cedo e coordenar direito as conexões (em Chur, de/para Zurique, e Tirano, de/para Milão).

Note que, usando os trens comuns (e não os vagões panorâmicos), a rota do Bernina Express pode ser feita com o Swiss Pass, sem pagamento de suplementos.

Onde ficar em St. Moritz

A estação de trem fica no plano, mas o centro da cidade está colina acima. Você vai precisar de táxi para ir da estação ao hotel. No centrinho, considere o Monopol, o Hotel Arte e o econômico Languard

Além de St. Moritz propriamente dita, considere hospedar-se nos arredores. Você pode encontrar melhor relação custo x benefício nos vilarejos de Pontresina, Celerina, Samedan e Silvaplana.

Eu não me hospedei mas fiquei gamado (ops) no Romantik Hotel Muottas Muragl, que fica isolado na montanha, ao final de um funicular com vista incrível para o vale do Engadin. O hotel foi recentente renovado e ganhou um prêmio nacional de sustentabilidade ano passado. Fora de temporada seus preços não são absurdos.

Ricardo Freire viajou à Suíça a convite do Swiss Travel System.

Leia mais:

349 comentários

Riq, você não se cansa de nos surpreender, cada post seu é mais completo que o anterior. À medida que você ia subindo os posts durante a viagem, eu fiquei pensando em como definir um trajeto, e aí, pronto, várias opções!! É demais!!

Post perfeito (quer redundante, né?), principalmente por explicar bem todas as possibilidades. Eu me APAIXONEI por Zermatt e acho que passaria bem ali por uma semana, se não fosse o alto custo de tudo por lá. Infelizmente não conheci St. Moritz nessas escolhas de Sofia que temos que fazer. Um dia ainda volto para conhecer a parte italiana do país e visitar uns amigos. Tem mais detalhes da viagem no meu blog. Abraços.

Zermatt é definitivamente um destino que nao pode ser esquecido.
O unico problema é o custo $$$ de estadia que é bem alto.

Zermatt se localiza no final do Mattertal valley, e nao é acessivel de carro. A opçao mais em conta é alugar um Chalet nas redondezas de Zermatt, o que permite explorar mais nao somente o vale, mas a regiao de Wallis / Valais.

A pedido de amigos, e mais tarde por conta da demanda, comecei a alugar o meu chalet em St. Niklaus, 20km de Zermatt.

Mauro Godinho

http://www.airbnb.com/rooms/275946

Excelente post!
Entre os “vilarejos das montanhas” estive em Zermatt há uns anos, e foi justo no período de entresafra da primavera (Maio, mais especificamente), e foi ótimo, justamente por termos escapado do período da super alta temporada de ski no inverno, mas foi antes do começo do frenesi de verão Europeu.
Foi uma boa época pra explorar a região com trilhas e caminhadas.
Ainda tinha bastante neve nos picos, mas o ski já estava restrito apenas aos locais e mais profissionais por causa das condições do gelo (mas ainda em abundância pra fazer a felicidade de Brasileiros que gostam de “ver neve”), e as trilhas ainda não estavam lotadas de turistas como ficam no verão.
Quando fizemos essa viagem (um fim de semana prolongado desde Londres) víamos para Genebra e de lá subimos de trem e foi uma das viagens mais bonitas que já fiz!

http://drieverywhere.net/categoria/viagens/suica/zermatt/

Abs
Dri Miller

Olá!

Nossa adorei esse lugar deve ser um espetáculo!!

Vou me casar em Agosto e gostaria de minha lua de mel em algum destino frio, com neve. Porém, na Suíça é época de verão, na Patagônia chilena é época de inverno muito rigoroso e não recomendaram que fosse para lá, pois várias atrações estariam indisponíveis, estradas com gelo etc.

A Patagônia Argentina seria uma opção?

Há algum outro lugar em que Agosto seja o mês ideal para visitar :-)?

Obrigada!
Claudia

    Cláudia, não acho que exista tanta distinção assim da Patagônia chilena e argentina exceto pelo volume de precipitação.

    Mas neve no Hemisfério Sul é coisa complicada. E não dá pra garantir neve, exceto em estações de esqui ou nas poucas cidades de montanha com estrututa para tanto. Vai aí de vc achar que um lugar como Puerto Montt ou passeios em geleiras são atividades legais para uma lua de mel.

    Só para deixar a dica (não estou dizendo que vc não saiba, mas para outros leitores): não dá pra garantir que neva em áreas baixas, ou que a paisagem estará branca, em nenhum lugar exceto resrots de alta montanha.

    Se vc quer apenas frio, muito frio, pode considerar a Nova Zelândia também.

Eu fui,eu fui! Final de setembro de 2010 fomos para Interlaken. Na verdade escolhemos ficar hospedados em Lauterbrunnem por 3 noites, pra sentir o clima da montanha. Achei mais legal que Grindelwald pq tem mais cara de interior. É importante saber que só se chega de carro até Lauterbrunnen ou Grindelwald, no resto só de trem.
Além de subir ao Jungfraujoch, fizemos um “circuito” subindo até Murren, descendo por Stechelberg e voltando pelas Trummelbach Falls (umas quedas d’água de degelo dentro da montanha).
A natureza lá é exuberante. Parece ser uma ótima região pra quem gosta de esportes radicais, vimos vários praticantes de base-jump.
Escrevi um post pro blog de uma amiga falando da viagem http://www.dicasroteirosviagens.com/2011/05/suica-parte-2-interlaken.html#more.

Amei!!!! Maravilhoso o post! Ainda mais q eu embarco na quarta para esses destinos!! Depois conto tudo aqui!

Riq, eu já visitei vários destinos na Suíça, em geral de carro.

Visitar áreas montanhosas de carro propicia uma experiência diferente daquela de ir de trem.

Dos passos de montanha na Suíca, o mais interessante de todos para mim é o Passo Spluga e o quadrilátero ao redor de Andermatt (San Gottardo, Susten, Grimsel, Fürka).

Só dá pra passear legal de carro nas áreas mais altas entre maio e outubro, mas de carro vc vai a lugares ainda mais remotos ou longe do burburinho – e de outros turistas!

Recomendo – mas não para quem enjoa fácil, esse quadrilátero ao redor de Andermatt tem 244 curvas fechadas de raio pequeno.

Ric, morei um ano na Suiça e jamais li nada tão completo sobre o local! A cada linha me surpreendi com a amplitude que você enfocou esse país pequenino e precioso. Faltam sugestões e sobram suspiros =)
Mas se vale o pitaco, eu prefiro ir a Interlaken na primavera, verão ou outono; st. moritz e zermatt no outono ou inverno. É a época dos festivais mais bonitos de cada cidade e Interlaken vira destino de fim de semana no inverso dos berneses (gente demais para pouca neve na minha opinião, especialmente na Skiferien- a semana de ferias no inverno que todo mundo vai esquiar)
As pistas de esqui para iniciantes são ótimas nas três, mas para esquiadores nível avançado eu prefiro st. moritz e zermatt.

    Alice,
    vc sabe qto gastaria em média p/ um dia de esqui nessa região?? Incluindo equipamentos e tickets??
    E sabe se nessas estações eles alugam roupas de esqui? Pois pretendo esquiar só uns 3 dias, e não compensa ocupar tanto espaço na mala, p/ tão pouco tempo de momtanha.

    Obrigado

    Danilo,
    o passe de esqui varia muito. Ele geralmente pode somente algumas pistas de um mesmo complexo(é comum o complexo ser subdividido, e em cada divisão haverem pistas de níveis iniciante, intermediário e avançado). De modo geral, vale checar no próprio site os valores atuais e crianças até 12 anos costumam ter desconto.
    Raras estações de esqui alugam roupas… simplesmente porque todo suiço tem suas próprias roupas! Estranho, eu sei, mas é que o esqui é um esporte nacional, para eles é a mesma coisa que perguntar se alugam bola para você jogar futevôlei na praia aqui no Brasil =)
    Concordo que as roupas são um trambolho! Eu geralmente levo um casaco impermeável e esquio com ele quando vou passar só o final de semana na neve.

    Obrigado Alice. Resolvi ir p/ Innsbruck mesmo, la os $$ são bem mais baixos p/ esquiar, e as montanhas parecem ser bem razoáveis. Além de ter roupas p/ alugar. Se até o final do ano alguma coisa mudar eu volto p/ Suiça.
    Agora sem falar em preços, na sua opnião, quais são as melhores montanhas da Europa??

    Tente Fiss Danilo! Fica na Áustria, perto da fronteira. Os preços costumam ser mais convidativos (alguns amigos suiços costumam ir para lá pela relação custo benefício). E por ser na região do tirol,a neve costuma ser farta.
    Quanto às melhores montanhas, pergunta clássica: esqui ou snowboard? Depende do seu estilo, mas eu gosto da região central dos Alpes.
    As estações na França são mais badaladas (com bares para o “esquenta” antes de esquiar, música nas pistas, mais jovens), enquanto as suiças e austríacas são mais clássicas. Gosto de Contamine (atrás do Mont blanc), Meribel, Courchevelle, Megève, Chamonix na França. Na fronteira Suiça e França, há Morgins-Avoriaz. Zermatt é incomparável quanto à fartura de neve. Pinerolo na fronteira com a Itália também é interessante para iniciantes e intermediários. Fiss atende a todos os gostos e tem uma pista de 15 quilometros do alto da montanha até a vila que é uma delícia!

Excelente post. Pelo visto realmente qualquer tempo que for dedicado a uma viagem assim é pouco !

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.