Terrorismo e viagem

#Linkódromo | Terrorismo e viagem: Rick Steves, Wendy Perrin e Gabe Britto mostram por que não devemos desistir de viajar

Terrorismo e viagem

Os atentados desta semana — na Jordânia, que parecia imune à violência, e na Alemanha, onde até hoje só tinha havido incidentes isolados — somados ao assassinato do embaixador russo na Turquia (que parece trazer mais instabilidade para a região) reforçam a impressão de que não existe mais lugar seguro no mundo.

Como eu já tinha escrito neste post, viajar envolve tantas inseguranças — de perder o vôo a faltar dinheiro a não conseguir fazer o passeio x ou y — que incluir insegurança física no pacote pode ser a gota d’água para cancelar a viagem.

Antes de cancelar a viagem, porém, leia esses três posts que vou linkar aqui.

O primeiro é do ídolo Rick Steves, publicado logo depois do ataque ao mercado de Natal em Berlim. Está escrito em inglês, mas dá pra traduzir facinho pelo Google Translate. Logo depois de apontar a baixíssima probabilidade estatística de um turista se vir envolvido numa tragédia dessas, Steves diz que “em honra às vítimas, não devemos deixar que nos aterrorizem”. Não pude não copiar a imagem do seu post, com o Portão de Brandenburgo e o slogan “Não se deixe aterrorizar”. Assino embaixo.

O segundo post é da Wendy Perrin, a mais bambamboa jornalista de viagem dos Estados Unidos, e foi publicado em janeiro de 2016. Ela lembra, entre outras coisas, que a causa número 1 de mortes de viajantes americanos no exterior são acidentes rodoviários (e quase ninguém deixa de alugar carro por causa desse risco).

E finalmente, o meu, o seu, o nosso blogueiro de viagem favorito, Gabe Britto (rimou), tem um post redondão sobre como sobreviver ao noticiário e à pressão social para não viajar a qualquer lugar (conturbado ou não). O post é de 2014 — quando ele se preparava para viajar à Jordânia e à Geórgia — e está republicado no Sundaycooks, para onde levou todo o seu superconteúdo.

Não se deixe aterrorizar:

13 comentários

Apenas dois países da minha wishlist são os que eu prefiro adiar a viagem: Turquia e Egito. Para os demais países, acho também que não é necessário cancelar ou adiar…

Estava em duvida em agosto de 2016;Italia ou Alemanha. Optei Italia e Eslovenia onde pensei que náo eram paises alvo de atentados ,e estava em Roma durante o atentado em Berlim.O terrorista saiu d Berlim passou pela Italia onde foi caçado. Ninguem está imune a nada , porem espero em 2017 poder continuar viajando e não me render ao terrorismo.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.