Um pulinho em Isla Mujeres

Lucia Malla

Ontem a Lucia Malla e eu nos desgarramos um pouquinho do simpaticíssimo grupo de blogueiros brazucas em Cancún para fazer um programinha que eu adoro: dar um pulinho em Isla Mujeres.

Bem-vindo a Isla Mujeres...

Isla é uma ilhota ao norte da cidade (na direção contrária, portanto, de Playa del Carmen e da Riveira Maia) de acesso facílimo. Há três lugares de onde saem ferry-boats, dois deles na Zona Hotelera: na Playa Tortuga (poucas saídas) e no Embarcadero (de meia em meia hora). O outro ponto de embarque fica para lá do centrinho, em Puerto Juárez. A travessia dura 20 minutos; a passagem ida e volta custa 15 dólares por pessoa.

Bar Zazil-Ha

Durante a viagem o funcionário do barco vai oferecer várias coisas para fazer em Isla — mergulhar em recifes próximos, alugar um carrinho de golfe, visitar tartarugas marinhas, até mesmo ver tubarões-baleia. Mas para mim a ilha vale a pena só por oferecer a chance de pegar praia sem prédios em volta.

isla2

A prainha da cidade se chama Punta Norte, e para chegar até ela é preciso vencer alguns bons quarteirões de lojas de souvenir, albergues bem vagabundinhos e uma profusão de bares que, a essa hora da manhã, estarão fechados. Nunca fiquei em Isla à noite, mas pela capacidade instalada dos bares da ruazinha principal, o lugar deve ser bem animado — pelo menos na temporada.

Corona? No, gracias

Chegando à praia, não se contente com as primeiras barracas, lotadas de espreguiçadeiras de plástico que os vendedores vêm oferecer a 70 ou 80 pesos (6 ou 7 dólares). Ande mais um pouco — cinco, oito minutinhos — e no cantinho direito da praia você vai encontrar o bar Zazil-Ha, no hotelito Na Balam.

As espreguiçadeiras duplas custam 150 pesos (12 dólares) — ou seja, o mesmo que duas numa zona mais craudeada da praia.

Creio que a essa altura do post não preciso gastar meu mexicanol para descrever o visu…

Bar Zazil-Ha

À medida que a manhã avança, vão aparecendo muitos barcos nesse canto da praia. Lá pelas tantas pareceu ter mais gente ao longe, na água, do que na areia do nosso barzinho.

Punta Norte, Isla Mujeres

Lá pelas duas da tarde, levantamos acampamento para empreender a segunda parte do programa.

El Cejas, Mercado 28

Em vez de pegar o ferry para a Zona Hotelera, embarcamos na linha para Puerto Juárez, no centro. Nosso destino era o Mercado 28, um mercado de quinquilharias (e de vendedores chatos e insistentíssimos). “Van a comprar?”, perguntou o motorista de táxi do porto. “No, vamos a comer!”, respondi, contanto nada mais do que a verdade.

Camarones al mojo de ajo

Para mim, muito mais do que o artesanato industrializado, o bacana do Mercado 28 são os restaurantes populares. Escolhemos o mais bochinchado, El Cejas, que estava cheio de mexicanos, com pouquíssimos turistas.

Eles tocaram Cielito Lindo!

Uma dupla ao xilofone e um trio de mariachis (sem chapelão!) se revezavam na trilha sonora. A Lucia pediu um camarão “al mojo de ajo”, e eu, um arroz de mariscos. Para acompanhar, frijoles refritos e guacamole.  Tudo ótimo. A conta: 26 dólares.

mercado-frijoles

Isla Mujeres + almoço no Mercado 28 é um passeio que recomendo a todos que queiram ter uma experiência mais pitoresca sem sair de Cancún.

146 comentários

Em 1996 fui a Cancun porque denegaram meu visto para os States. Fui meio contrariada com minhas amigas, que sim queriam ir para lá! E foi alucinante. Muito bom mesmo! Em Isla Mujeres fiz um mergulho, tendo como dive master a um biologo, show de bola!
Fui para a ilha com o submarino, e foi interessante, eu não botava fé, mas desfrutei muito. Depois comemos na praia, tomamos sol, vimos Cancun a distância, e para encerrar o mergulho nota 1000!

Gente que lugar lindo!!! Será que em dezembro (natal e ano novo) é uma boa época para visitar?
bjo

    Sim, Vanessa, Natal/Réveillon é uma boa época para vir para Cancún e Riviera Maia. Este ano os preços devem estar muito bons, por conta da crise americana. Vale a pena pesquisar não só os pacotes, mas também passagens + hotéis separadamente, porque o mercado está bom para o comprador.

    Vanessa, como o Riq já disse, essa é uma boa época sim. Só não espere muito na noite de Réveillon, pois não tem toda aquela agitação na rua que estamos acostumados no Brasil. Estive lá no último Réveillon e as festas são restritas aos restaurantes, bares e hotéis e você tem que pagar mais de US$100 por cabeça para entrar. Se for passar a noite de Reveillón lá, recomendo ir para Playa del Carmen, que me pareceu bem mais legal.

Será que tem problema começar a semana sentindo inveja das pessoas? Porque é isso que eu tô sentindo… rs…
Juro que esse mar dá muita coragem de encarar gripe suína.
Fotos maravilhosas e pelo visto o astral tá melhor ainda.
Curtam por nós, pessoal!

Espero o dia em que inventarão a Internbet a cheiro e a gosto (porque em cores em sons já inventaram).

Seria bacana sentir o cheiro e o gosto dos “Camarones al mojo de ajo” e da “Dos Esquis”.

Deu quase pra ouvir “Cielito Lindo” ali no xilofone mexicano.

A gente precisa mesmo reconhecer o trabalho do Riq, que faz este sacrifício imenso em prol dos trips, expondo-se voluntariamente a todos os riscos… Um exemplo de pessoa! 😉

    Dá até pena dele às vezes. Espero que ele coloque protetor solar na cabeleira ! 😉

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.