Você sabe que está nos Estados Unidos quando…

Num aeroporto americano

… funcionários de certos bares se dizem obrigados pelo empregador, ou por lei, ou por ambos, ou por ambos e Deus, a solicitar documento de identificação de senhores de barbas brancas para verificar que os senhores de barbas brancas têm realmente mais de 21 anos.


Mais: você sabe que está nos Estados Unidos quando, em muitos desses lugares, o documento nacional de identificação do país dos senhores de barbas brancas não é aceito como prova legal e irrefutável de que os senhores de barbas brancas em questão têm mais de 21 anos.

Você sabe que está nos Estados Unidos quando só a apresentação do passaporte (que por acaso está com você, porque você está num aeroporto) é prova suficiente de que a sua barba branca não é postiça nem foi obtida usando a linha Koleston para Papais Noéis.

Enquanto isso, em Columbine…

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire


25 comentários

Quando é bulinada por conta do porta-dólar no retorno ao Brasil. Passei pelo raio-X que vê até a calcinha e o objeto acima com o dindim que sobrou fez com que uma americana acompanhada de outra por testemunha me revistasse numa salinha a parte. Até as laterais do meu sutiã ela olhou. Eu achei um absurdo mas queria muito voltar para casa. Onde? Aeroporto de Fort Lauderdale 14 de Maio de 2011.

Fizeram isso num Olive Garden da Georgia com a minha avó! Como ela não fala inglês, achou que eu estivesse brincando quando a jovem garçonete pediu a identificação dela.

Tive que gastar muita lábia (aí em português) pra convencer minha avozinha a dar o passaporte, rsrsrs.

Esse é o problema aqui, els fazem as leis pra vc nao ter que pensar “sera que esse cara de barba branca tem mais de 21 anos?” E dai vc nao pensa mesmo, e pede ID pra todo mundo. Pudera que o dominio americano esta chegando ao fim….

As multas para quem vende álcool a “minors” (menores de 21) são altíssimas em algumas cidades e estados. Suficientes para colocar em sérias dificuldades financeiras uma pequena loja.

No final da década de 1990, houve vários casos em que lojistas conseguiram reverter as multas na Justiça alegando que o comprador aparentava ser mais velho do que 21. E, espertos, vários adolescentes/jovens universitários passaram a usar roupas de gente mais velha ou até peruca para comprar álcool sem poder. Isso gerou alguns acidentes automobilísticos que chamaram a atenção, incluindo o caso de um time de hóquei que sofreu 5 mortes no Colorado em 1998, e aí as leis começaram a mudar.

Em quase todos os estados, não é mais possível se defender da acusação de venda de álcool alegando aparência do comprador. No Alabama, isso pode dar até prisão para quem vender, se o comprador se acidentar depois. É um raciocínio parecido com o que levou a maioria dos estados americanos a criar leis de presunção absoluta de violência para sexo entre adultos e menores (de 14, 15 ou 16 anos dependendo do estado), independente do menor parecer maior, de haver consentimento (menor não pode consentir) etc.

Como curiosidade, leis restringindo o consumo de álcool a maiores de 21 anos, com as suas exceções limitadas, surgiram na década de 1980 para combater a mortalidade em acidentes de trânsito com jovens bêbados no volante, a maior causa de morte entre a faixa etária e uma epidemia de saúde pública nos EUA.

O argumento, até certo ponto racional, é o de que nos EUA, com poucas exceções, é impossível vc viver sem carro e jovens em idade escolar/universitária sõa particularment sujeitos à pressão de grupo, além de não terem grana para táxi ou para dormirem em hoteis ao inves de dirigirem para casa após as noitadas, motivo pelo qual campanhas como “motorista da vez” eram motivos de chacota entre a turma de faculdade e “high school”.

Então, se vc probíbe o consumo de álcool, vc automatica obriga bares ou a limitarem entrada de menores de 21 ou a terem muito controle. Indiretamente, vc elimina todo um “mercado” de pubs e boates para a turma nova, o que elimina as razões para saírem para beber fora de casa em boa parte e, assim, reduz o número de acidentes por DUI (driving under influence).

Mas o tema é polêmico, como um todo.

Uma vez não pude comprar bebida em um supermercado emSan Diego, nem apresentando meu passaporte, a senhora do caixa exigia que eu tivesse um documento americano ( mas eu sou brasileiro), ou um documento com uma descrição física minha por escrito… tentei argumentarmas não consegui, tive de sair e comprar em outra loja.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.